terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Retrospectiva 2013

Quando as primeiras retrospectivas do ano começam a pulular em nosso campo visual, acabamos surpreendidos: aconteceu muita coisa em 2013. Mas, por incrível que pareça, vivemos com a sensação de que nada de importante aconteceu. O excesso de informação faz com que os assuntos sejam constantemente substituídos por novos acontecimentos e a história começa do zero diariamente nas redes sociais. Uma espécie de Dia da Marmota eterno.

Mesmo neste mundo em que nós nunca chegamos até o final dos textos e no qual os redatores poderiam colocar receitas de miojo nos últimos parágrafos das notícias (isso aconteceu no Enem de 2012 e veio a tona em 2013), eu seria injusto em dizer que nada de importante aconteceu nos últimos 365 dias. O Ano da Graça de Dois Mil e Treze será eternamente lembrado por um fato marcante: o ano em que conhecemos o Rei do Camarote.

Daqui a um século ainda nos lembraremos de Alexander Almeida, 39 anos, despachante obscuro, autor de metáforas inusitadas e que nesta noite vai pra balada. Um homem que se veste com Burberry, Armani, Prada e Gucci, que tem um carro potente, uma Ferrari que é um mito. Um homem que prefere vodca, mas sabe que a champanhe é uma questão de status. Ele explicou que no camarote você não é apenas mais um, que você precisa ter mulheres bonitas e que os famosos agregam valor ao seu carro, ao seu camarote, a tudo. Alexander Almeida é o homem que nos mostrou que é possível dançar com uma máquina de cartão de crédito e que quantificou o infinito em R$ 70 mil. O homem do ano.

Sabe uma coisa, mas aí eu acho que é pesado. Eu já transei com mulher na balada. No banheiro” - Alexander Almeida.

Em um grau menor, 2013 também será o ano das manifestações populares. O povo foi às ruas e ninguém entendeu o porquê e isso é interessante, mas também é chato. Foi, sem dúvida, o evento que mais provocou discussões inúteis na internet.

Ao que tudo parece, a coisa toda começou com os protestos do Movimento Passe Livre contra o aumento de vinte centavos na tarifa de ônibus em São Paulo. A imprensa clamava pela manutenção da ordem social contra estes vândalos e a polícia baixou o sarrafo em todo mundo. A internet e os celulares amplificaram esses abusos. Os políticos tentaram desqualificar as manifestações e no dia 13 de junho o pau quebrou de vez.

E então, já não era mais por vinte centavos. No dia 17 de junho uma quantidade incrível de pessoas foi à rua protestar contra o que lhe desse na cabeça e cada um se refere a essas manifestações do jeito que quiser. Foi contra a Copa? Contra a corrupção? Não sabemos. Essa manifestação pós-moderna de identidades fragmentadas chegou a várias cidades brasileiras e de repente se transformou numa competição de cartazes perspicazes e logo a discussão foi para a presença de poucos vândalos no meio da manifestação pacífica e ordeira e surgiram os black blocks e surgiu o Mídia Ninja e a discussão entre velha e nova imprensa e os partidos políticos quiseram se apropriar do movimento e foram expulsos da rua e alegaram que eles já estavam na rua antes e, puta merda, foi chato pra caramba. Quando fomos ver, já estávamos em casa aceitando os mesmos abusos de sempre. O Instagram é o mal do mundo.

Quem também movimentou as ruas brasileiras neste ano foi o Justin Bieber. O ex-cantor-adolescente, tocou o puteiro no Rio de Janeiro, saiu de uma casa de diversão noturnas enrolado num lençol, pixou muros e foi filmado dormindo por uma garota de programa. Ao lado de Miley Cirus, Bieber representa uma nova geração de deliquentes juvenis.

Em 2013 todos nós ficamos sabendo que Obama lê nossos e-mails e, maldito, não entra no CH3 mesmo assim. Culpa do Edward Snowden. Em 2013 o Iogurte Grego virou uma febre nos supermercados. Eike Batista teve um ano terrível. Quem teve um ano maravilhoso foi o caubói da Selaria Texana.

Parece que foi há muito tempo, mas foi em 2013 que o Papa Bento 16 renunciou. Dois meses após entrar no Twitter, o pontífice perdeu a fé na humanidade e resolveu deixar essa vida de lado. Após uma comoção nacional com a possibilidade de um papa brasileiro, o Vaticano escolheu um argentino e ele até já veio ao Brasil.

Tivemos as tragédias de sempre como as chuvas da semana passada e o incêndio da boate Kiss. Neste parágrafo não cabe nenhuma piada.

Mortes: 2013 vitimou metade da defesa brasileira na Copa de 58. Personalidades mundiais como Nelson Mandela, Hugo Chavez e Margaret Thatcher também. Assim como Lou Reed e Ray Manzarek e o Chorão, que morreu e de repente virou um grande artista.

No mundo da música, aliás, o grande sucesso do ano foi “O Show das Poderosas”, que conseguiu desbancar o sertanejo do topo das paradas. A música é uma espécie de colagens de frases que adolescentes que usam boné colocam no Facebook. Se bobear, tem até uma da Clarice Lispector no meio. A música é uma merda, mas dá pra dizer que é uma evolução diante dos sertanejos onomatopeicos dos últimos anos. No cinema, o grande filme foi Sharknado. No futebol, todos os times tiveram uma pequena humilhação no ano, então não há ninguém imune às piadas.

Mas no meio deste turbilhão de acontecimentos, não há como negar. O Rei Do Camarote monopolizou as atenções. Acredito que ele eclipsou o Papa, ele encerrou as manifestações nas ruas. O CH3 deseja que em 2014 vocês agreguem.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Perspectivas para 2014

Até o presente momento, não é possível dizer que 2013 tenha sido um ano de glórias absolutas para o CH3. Pela primeira vez em sua história, o blog conviveu com um decréscimo no número de sua visitas, contraposto apenas pelo sucesso extemporâneo de uma ou outra postagem que se viraliza na internet. Pensando em mudar essa realidade, o Conselho Fiscal do blog se reuniu para tomar decisões que podem passar pela linha editorial das publicações.

O ombudsman do blog, Luiz Eduardo Doria, explica que uma análise em outros sites de sucesso, mostram que eles são especializados em um determinado tema. "Podemos ver que existem blogs de celebridades, blogs de futebol, blogs de videogame ou sobre decoração, ou ainda sobre postar comentários totalmente sem graça sobre notícias inúteis. O CH3 não segue essa tendência. Em um dia, nós vemos um post sobre o Enem, no outro é sobre panetone, depois é sobre o David Guetta... O leitor fica perdido".

Alfredo Chagas, presidente interino do departamento de assuntos estratégicos do CH3 decidiu contratar uma consultoria para apontar os possíveis caminhos do blog. Seus membros passarão por workshops, palestras, oficinas e essas outras coisas que no fundo parecem ser a mesma coisa.

O inventor da roda e consultor empresarial Max Gehringer sugere que existem muitos caminhos para serem seguidos e que o CH3 deve buscar um diferencial. "Já temos muitos blogs de moda, de futebol e temos o tumblr que é uma coisa doida que ninguém entende. Para conseguir um lugar de destaque na blogsfera é preciso ter uma postura proativa e chegar aonde nenhuma Adriana jamais esteve", disse Gehringer que também adora trocadilhos fáceis.

Na reunião do Comitê Deliberativo, algumas sugestões foram levantas para a mudança editorial do CH3. Uma das opções é transformar o espaço em um blog sobre o frotteurismo o popular e desconhecido fetiche por encoxadinhas. "Encochar uma pessoa no ônibus vai muito além do ato de simplesmente encochar uma pessoa no ônibus", explica Vinícius Gressana, membro fundador do blog. "Existem questões ligadas a descriminalização do autor e sobre a sua prática em outros estabelecimentos que não sejam necessariamente dentro do transporte público. Porque ninguém fala sobre encochadas na loja de departamentos?".

Pesquisas também indicam que há um mercado crescente de pessoas que digitam com a testa. yhhyhyu. Um recente estudo feito pela hyhy universidade de Harvard mostra que pessoas que digitam com a testa yiuoijoiioj são o futuro da internet e abrir um blog sobre o tema agora hghjnnnvgfhnjmmmmmg pode ser uma grande aposta para o futuro.

Outra opção levantada foi centralizar o foco em posts sobre a astronomia, confundindo-a com astrologia. Levantamentos de mercado demonstram que muitas pessoas confundem astronomia e astrologia e gostam de discutir o assunto, misturando-os. No entanto, essas discussões ocorrem apenas no Orkut e a criação de um blog sobre isso poderia agregar essa comunidade e gerar muitos pageviews.

Todos nós sabemos que a onda retrô costuma a recuperar os assuntos que estiveram na moda há 20 anos atrás. Em pouco tempo, chegará o flashback dos anos 2000 e então será a hora de começar a discutir as bandas de New Metal do começo do século. É preciso alçar o Linkin' Park ao posto de lenda do rock? E a versão de Behind Blue Eyes do Limp Bizkit é melhor que a original do The Who? Como boa parte dos membros do blog viveu essas temas em sua própria adolescência, essa experiência poderá ser importante.

Para finalizar, as unhas são uma tendência mundial da internet inteira. No entanto, essa vertente leva em conta apenas as unhas femininas, excluindo os homens do mercado. É preciso observar que cada vez mais cresce o número de metrossexuais no Brasil, portanto, é preciso um espaço para discutir as unhas masculinas. Como cortá-las? Com serrote, machado, cortador de unha? Hora de tirar esse tema do armário e abraçar a causa.

Seguindo um desses caminhos, acredito que o CH3 terá um glorioso ano de 2014.

Atenciosamente
A Diretoria.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Correspondente de Guerra

O correspondente de guerra está no topo da cadeia alimentar jornalística. Ele está na frente dos correspondentes internacionais, bem a frente dos setoristas do Palácio do Planalto e milhas adiante do novato que faz ronda em delegacias para levar ao grande público os assassinatos da última madrugada.

Isso diz mais sobre a profissão do jornalista do que sobre a guerra. Uma profissão tão desgraçada que o maior prestígio da categoria é prestigiar uma carnificina. Sim, há a desculpa de que você vai testemunhar a história, mas de quebra vai testemunhar mutilações, explosões e vai ter que desviar de balas, morteiros, bombas, granadas e minas terrestres. Talvez, ajude a pegar mulher num futuro distante e a escrever um livro criticado nas faculdades de comunicação.

Infelizmente, não temos mais tantas guerras no mundo atual, exceção feita aqueles conflitos endêmicos no Oriente Médio e na África e um ou outro levante popular em países ditatoriais. Nada de conflitos mundiais, embates de potências numa região inóspita e uso indiscriminado de agente laranja.

Por outro lado, temos um número cada vez maior de guerras urbanas para ser cobertas. Não falo aqui do embate entre facções criminosas no asfalto fervilhante, das intervenções das forças armadas em zonas de conflito permanente. O correspondente de guerra moderno é aquele que vai até os shoppings centers e demais centros comerciais para ver a movimentação de última hora.
Nossa Praça Tahrir

Conseguir um bom depoimento no meio daquele frenesi consumista é tão difícil quanto fazer uma passagem na faixa de gaza com os mísseis estourando ao fundo. O clima é de guerra entre as lojas pelos últimos clientes e dos clientes pelos últimos produtos. Há muito barulho, pessoas correndo e muitas armadilhas. Tal qual no Vietnã, não deve haver envolvimento emocional, mas como resistir àquelas últimas promoções?

A entrada ao vivo é complicada e muitas vezes não dá certo, por conta das pessoas esbarrando. Existe um lado perdedor e o sofrimento. De um lado os que perderam suas casas e familiares, do outro os que não conseguiram comprar um tablet para o filho e o filho queria muito isso.

O problema, é que provavelmente o jornalista não consegue pegar ninguém por que esteve na 25 de março no dia 24 de dezembro.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Uma noite com o Papai Noel

A noite de natal é uma data especial em que todos nós reunimos a família em volta de uma mesa e nos entupimos com peru, pernil, tender, suflês, castanhas, lentilhas, frutas cristalizadas, nozes e tantas outras coisas que não consumimos durante o resto do ano. Nos reunimos em volta de nossa família para compartilhar um sentimento universal que é difícil de explicar. Bem, nem todos.

Enquanto estamos lá brigando por uma coxa de peru e ganhando cuecas, existem dezenas de pessoas que estão trabalhando. Técnicos operacionais essenciais para a manutenção de vários sistemas, seguranças, motoristas de ônibus, policiais, garçons. Pessoas que não podem compartilhar de sentimentos universais porque precisam pagar as contas que chegarão na semana seguinte. Ou, pessoas como o Papai Noel.
"Sem contar esse chapéu. Quem inventou esse chapéu, porra?"

Tempos atrás nós revelamos aqui neste blog como funciona o submundo dos papais noéis, a briga entre as várias dinastias e a necessidade de regulamentar a atividade após uma guerra mundial. Explicamos que existem vários papéis noéis que precisam trabalhar neste final de ano em shoppings e semáforos, porque no resto do ano o desemprego bate forte. Um trabalho insalubre.

Na noite do dia 24, nossa reportagem foi até as ruas acompanhar o trabalho de um Papai Noel, responsável por cobrir a região do Jardim Europa em Cuiabá. Chegamos até sua casa por volta das 20h, enquanto ele (não revelaremos seu nome para não estragar a magia das crianças) vestia sua roupa vermelha. “É muito fácil ser Papai Noel na Europa. O duro é ser Papai Noel em Cuiabá, neste calor e com essa roupa toda”.

Nosso bom velhinho falou sobre o difícil trabalho que foi definir a área de atuação de cada Papai Noel e da importância da equipe técnica que monitora a expansão urbana da cidade. Explicou que ele tem a responsabilidade de ir até os Correios de sua cidade para pegar as correspondências das crianças de sua área de atuação e enviá-las até a Lapônia, onde a Papai Noel Inc. se responsabiliza pela construção e aquisição dos brinquedos. Ele não se aprofundou sobre as denúncias de sonegação fiscal da empresa.

“Uma das maiores dificuldades são as mudanças de última hora. Sabe, a família resolve passar o natal na casa dos avós no Cidade Alta, então eu tenho que monitorar as atividades da família, verificar o facebook, em casos mais extremos grampear os telefones. Então, eu passo os presentes para o Papail Noel da região onde a criança vai estar. Foda é neguinho que decide de última hora. Dá trabalho. Estou pensando em contratar um estagiário pro ano que vem, só não sei com qual dinheiro”.
Papai Noel nos explicou que uma das principais dificuldades da sua profissão é conciliar o horário para entrar nas casas e deixar os presentes. “Eu tenho que ser rápido e ter um itinerário pré-definido. São horas de planejamento”, ele diz. “Se eu deixar o presente muito tempo antes da meia noite a criança, você sabe como elas são atentadas, elas acham rápido e transformam a vida do pai num inferno. Se for muito depois da meia noite, elas vão acabar chorando, pode dar Procon e tudo mais”, prosseguiu.

Sejamos justos. Nem o Arthur Zanetti entra aí
Portanto, para dar conta dos prazos, nada de trenós puxados por renas (“onde que eu iria estacionar um negócio desses”). As entregas são feitas com motos, com um parceiro pilotando.

Outro problema é conseguir entrar nas casas. Quando ele entrou para a Organização Mundial do Papai Noel (OMPN), participou de um treinamento na Dinamarca. “Lá fora, a tradição diz que o ideal é entrar pela chaminé. Mas, isso é ridículo! A chaminé é apertada e suja e, pra piorar, geralmente tem fogo embaixo dela! Quem inventou isso de chaminé não entende nada de entregar presentes! E claro, pra piorar, aqui em Cuiabá ninguém tem chaminé, só em churrasqueira, então isso não se aplica”.

O principal problema por aqui são os cachorros e as cercas elétricas. “Não existe uma fórmula. Cada caso é um caso. Tenho que observar as casas por dias até desenvolver uma estratégia. A gente também vai aprendendo com os anos, sabendo o macete de cada casa. O que me fode são as reformas. Dois anos atrás uma família construiu uma piscina do lado do muro de trás e eu me molhei todo, tive que fugir molhado e gritando Ho Ho Ho!”, conta, com aquele humor que as desgraças antigas ganham com o tempo.

Sobre os presentes, ele diz que não há muito segredo. “Video Game. Não sei nem como a Lapônia consegue enviar esse monte de Playstation e a Receita Federal não faz nada”. Antigamente os presentes eram mais variados, passando entre carrinhos, bicicletas, bolas. “Pior é que muita criança pede quebra-cabeça pro pai e Playstation pro Papai Noel. Ai é mole!” disse gargalhando.

Acompanhamos de longe a sua atuação. A moto sempre ligada enquanto ele pula muros, abre portões e arremessa brinquedos em lugares exatos. Age com uma leveza que não condiz com a sua forma física. Escapa de um rottweiler raivoso uma hora, desvia de um muro com cacos de vidro e parece até flutuar no ar. “É meu passado de ginasta”, brincou mais tarde.

No fim da noite, exausto, sentou em seu sofá e abriu um espumante barato. Perguntamos por que ele seguia nessa vida e qual era o prazer do seu trabalho. Fitou o ar, tomou um gole do espumante e após um breve silêncio falou. “Não sei, não há prazer. A vida é assim, as coisas acontecem e nós não temos controle sobre elas. Elas simplesmente acontecem” e tomou mais um gole.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Debate Filosófico: Quibe é salgadinho?

Para encerra o ano de 2013 em grande estilo, o CH3 promoveu no último sábado a quarta edição da sua série de Debates Filosóficos. Após discutir o voto de silêncio e a formação de padres no Brasil, resolvemos partir para um assunto mais mundano, um tema presente nas ruas do nosso país e que ainda provoca muitas brigas. Afinal, quibe pode ou não pode ser considerado salgadinho?

Como sempre, nosso auditório esteve lotado, com a presença de psicólogos, psiquiatras, piscicultores e representantes da Sociedade Civil Organizada. Na mesa de honra, Jean-Paul Sartre, Pablo Capilé, Romeu Tuma, Alexandre Kalil e Gregório Duvivier. Na plateia, dezenas de ensaístas, médicos legistas e agitadores sociais faziam transparecer o clima de tensão, digno de um jogo disputado em Joinville.

Pai Jorginho de Ogum fez as honras da casa, introduzindo o tema a todos os presentes. Após falar sobre os vários tipos de salgadinhos e sua importância cultural nas confraternizações da família brasileira, Jorginho chegou até o cerne da questão: porque o quibe é tão desprezado? Sim, em qualquer aniversário de criança de quatro anos os quibes ficam empilhados em sua bandeja, enquanto o Pão Italiano já desapareceu.

Eu abri a discussão falando que, sem dúvida, o quibe é o quitute menos apreciado na mesa de salgados. Menos que qualquer empada, croquete, bolinha de queijo, pastel, enroladinho, trouxinha, coxinha, risole ou que sua conterrânea esfiha. Para mim, a grande questão não é nem se o quibe é ou não é salgadinho – creio que não seja – mas sim, porque as pessoas insistem em comprar quibes se eles têm um retorno baixíssimo. Tayane, minha colega de faculdade discordou e se emburrou.

Vinícius Gressana lembrou que, além de tudo, o quibe nem é mais barato e por vezes é até mais caro que outros salgadinhos. Assim sendo, o gestor público que contrate um Buffet e peça o serviço de quibes, deve ser processado por mau uso do dinheiro público.

Então, Jesus pediu a palavra. E no momento em que eu escrevi isso, a Inquisição Espanhola invadiu minha sala. Munidos de tochas e dispostos a me queimar vivo. Demorei um bom tempo explicando que não estava me referindo ao Jesus da história, mas sim a um ex-colega de faculdade e que ele não se chamava Jesus, este era apenas o seu apelido. Disse que não fui o responsável pelo apelido e que desconhecia o responsável.

Sarte não falou nada, porque estava morto
Voltando a reunião, Jesus pediu a palavra. E neste momento, o auditório foi invadido por membros da Inquisição Espanhola dispostos a queimar o local. Precisamos de um bom tempo para explicar que aquele era apenas o apelido do cidadão e como os inquisidores não aceitaram a resposta, ele foi retirado do local gritando que “quibe não é salgadinho, quibe é uma iguaria” e acusou a presença de um lobby antiquibista.

Martin Luther King questionou se não existiria um preconceito contra o quibe e a hipótese foi rechaçada. Tachado de sonhador, King falou que ia às festas apenas para comer o quibe que se acumula na mesa, para espanto dos presentes. Concordou com a hipótese de Jesus e, felizmente, as portas foram trancadas e a Inquisição Espanhola não voltou a nos atacar. Para a ala quibista, o mesmo seria uma iguaria culinária e sua presença entre salgadinhos dalit seria uma afronta.

Zé do Caixão pediu a palavra e começou a contar uma história de terror sobre um quibe recheado com as uvas passas e foi interrompido por Joaquim Barbosa que disse que a história lhe provocou espécie. JB aproveitou e decretou a prisão imediata de quatrocentos deputados da base governista.

Pablo Capilé então pediu a palavra e falou durante quatro horas seguidas, questionando o processo de criação do quibe e a importância de uma economia desmonetarizada e do consumo coletivo dos salgadinhos. Capilé manteve sua lábia magnética sem deixar um único espaço para intervenções. Aos poucos o auditório foi sendo esvaziado por pessoas cansadas e que não esperaram pelo fim do debate para atacar a mesa de salgadinhos (sem quibe) no saguão principal. Lá dentro restávamos apenas eu, Pai Jorginho de Ogum e Albert Einstein cochilando na plateia.

Foi quando começamos a escutar alguns gritos e um corre-corre em volta da piscina. Em um primeiro momento, acreditei que a Inquisição Espanhola tivesse voltado. Engano meu. Na verdade, Hanz, o Pansexual e Sergei, o cantor pansexual que se apresentava em Cuiabá, chegaram até a sede do CH3 fantasiados de pato e começaram a fazer sexo com a mesa de salgadinhos. A polícia foi chamada e os dois foram detidos, não sem antes molestar o cassetete do guarda.
Cão Leproso voltou a correr
Após a confusão o debate foi encerrado, sem uma conclusão, porque Pablo Capilé continuava falando dentro do auditório e a Polícia disse que não poderia interrompê-lo.

Mais tarde, a CBF notificou o STJD de que Capilé foi escalado irregularmente no debate e o CH3 corre o risco de perder quatro pontos, classificando o Fluminense para o Campeonato Mundial.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

A Farsa do Chocotone

Diz a lenda, que o Panetone foi inventado em algum século passado por um tal de Toni, provavelmente um padeiro em Veneza. Ele resolveu inventar seu próprio pão e entulhá-lo com as mais variadas frutas cristalizadas que provavelmente estavam apodrecendo no seu estoque.

Em um mundo justo, Toni seria queimado vivo e a fórmula do Panetone seria lacrada em uma lata de chumbo no subsolo do Vaticano, dando origem a pelo menos quatro livros do Dan Brown. Mas o mundo, você e a torcida da Portuguesa sabem, não é justo. O panetone acabou se popularizando e se transformou em uma daquelas misteriosas tradições do natal, ao lado do amigo oculto, do chester e do Roberto Carlos.

Em termos gerais, é possível dizer que o panetone é uma farsa, uma vez que ele só é vendido no natal. Se fosse realmente bom, seria possível encontrá-lo ao longo do ano inteiro. Você pode alegar que faz parte da tradição, mas eu digo o contrário. Se fosse possível comer panetone o ano inteiro, todo mundo perceberia que ele é ruim e deixaria de comer. O que nos leva até ele é a curiosidade e a intermitência.

No entanto, não podemos negar que o Panetone não esconde suas intenções. Você olha a caixa e vê que se trata de um pão com frutas cristalizadas. O mesmo não pode ser dito sobre o Chocotone.

Acredito que o chocotone surgiu de uma possibilidade de mercado. As modernas panificadoras devem ter notado que as frutas cristalizadas provocam verdadeira ojeriza na maior parte da população e resolveram substituí-las por chocolate. Isso na teoria. Porque o chocotone sim é uma grande farsa. Ele finge ser algo que não é. Ele é uma mentira. Ele é a razão de todo o mal do mundo, das crianças subnutridas na África. Desculpem, é que esse assunto me deixa empolgado.
Expectativa
Você chega a um supermercado e observa aquele chocotone da Bauducco, Visconti, Nestlé ou de quem quer que seja. Olha sua caixa com uma fatia do pão cortada. Naquele corte é possível ver dezenas de gotas de chocolate cremoso que parecem fluir para fora da embalagem. O chocolate brilha, os seus olhos brilham. Você começa a babar e decide por levar aquela caixa para casa.

Ao cortar a sua própria fatia, a sensação é de que ocorreu um erro de fabricação. É difícil encontrar o chocolate propriamente dito. As fartas gotas não existem, na verdade elas são tão raras e você chega a acreditar que se tratam de miragens. O chocolate não tem a aparência reluzente da embalagem, na verdade ele é minúsculo e completamente esturricado, como se tivesse sido inserido com um maçarico. Para piorar, o chocolate é amargo e a massa é azeda. Uma combinação desgraçada.

Sim, é verdade que os produtos nunca são como as embalagens e fotos promocionais mostram. Aquele tomate suculento do sanduíche na verdade é verde e cheira mal. O pão é murcho, o chocolate está mofado. Mas o chocotone se destaca.
Realidade
O chocotone é uma farsa tão grande, que as megaempresas logo se viram obrigadas a criar outros modelos do produto onde o chocolate realmente exista. Alguns prometem um fio de chocolate no meio, que acaba se depositando inteiro no fundo do pacote. Outros vendem o chocolate separado em um sachê, geralmente aquele chocolate tão bom quanto os que são vendidos em forma de guarda chuva para decorar árvores de natal.

Até mesmo ás fabricas de chocolate passaram a fabricar chocotones e nesse caso parece que o chocolate realmente existe, o problema é que ele acaba te deixando todo sujo.

Maldito seja você, Toni.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Um Dia é da Caça, o outro...

Ninguém contesta que Silvio Santos é um mago. Um antigo vendedor de bugigangas na barca Rio Niterói que se transformou em um megaempresário que comanda um Império de Telecomunicações. Duvido que alguém, vendo aquele cidadão de aparência exótica vendendo óculos escuros numa balsa, diria “esse cara ainda vai ser o dono do mundo”. Chupa Steve Jobs.

Silvio se consagrou por se divertir no trabalho, aquela lógica que não se aplica a 98% da classe trabalhadora. Seu Topa Tudo Por Dinheiro era um clássico que juntava pessoas descendo um tobogã equilibrando copos de groselhas e pessoas caindo dentro de uma piscina. Tudo pelo dinheiro¹. Havia um sadismo na desgraça daquelas pessoas em situação deprimente. Silvio ria delas. E nós riamos juntos.

E claro, existiam as pegadinhas, a “Câmera Escondida”. Ninguém jamais irá se esquecer das atuações emblemáticas de Ivo Hollanda como pedreiro, recepcionista, agente incitador do caos. Se o mundo fosse um lugar mais justo, Ivo Hollanda já teria sido premiado com uma meia dúzia de Oscars. Ninguém jamais foi tão polivalente na hora de atuar.

De certa forma, o tempo foi um pouco cruel com o Silvio. A morte dos Mamonas Assassinas e a classificação etária na TV, que extinguiu a Banheira do Gugu, acabaram por sepultar o Programa do Gugu. O Baú passou a sofrer restrições na entrega de prêmios e a Record investiu pesado para ficar com a aparência de Rede Globo Brega. O próprio Topa Tudo foi superado pelo tempo.

Mas, como uma Fênix de topete e microfone no pescoço, Silvio ressurgiu. Aproveitou uma onda retrô e retornou com seu Topa Tudo Por Dinheiro, investindo pesado nas pegadinhas. Deixou de lado as situações cotidianas e passou a explorar o sobrenatural.

Silvio Santos explorou o medo que todo mundo tem de ficar preso no elevador e o elevou a enésima potência ao colocar uma menina fantasiada de fantasma lá dentro, gritando. Depois, a fantasminha foi substituída por um caixão com um defunto que, durante a pane, caía para fora do caixão e depois se levantava com chumaço no algodão e tudo.



Há uma enorme possibilidade de que o quadro seja armado, uma vez que vivemos na era do fake e dizem que aquele é o elevador do próprio SBT. Convenhamos, que qualquer pessoa que estivesse indo no SBT acharia no mínimo estranho ver um caixão na portaria sendo embarcado para o segundo andar.

Mas, vamos supor que seja verdade. Que dentro daquele elevador estejam cidadãos contribuintes entrando em algum prédio comercial que acabam sendo surpreendidos por uma menina fantasma ou por um morto-vivo prestes a começar o apocalipse zumbi. A maior parte das pessoas irá se contrair em medo e esperar a morte chegar. Muitas irão gritar. Poucas irão tentar manter a calma. Mas sempre há a possibilidade de que alguém tenha uma reação inesperada.

Não duvido que alguém, preso diante de um zumbi no elevador, resolvesse partir para a luta física. Que iria desferir três socos no defunto e ia ser uma confusão danada. Ou que acabaria dando uma bicuda na cara da menininha fantasma e ela seria arremessada com toda a força contra a parede. Pense na polêmica que seria uma garota de seis anos internada na UTI com lesão cervical e traumatismo craniano porque participou de uma pegadinha do Silvio Santos. Qual é a jurisprudência para isso?

SS seguiu a escola de pegadinhas do Sérgio Mallandro. Malandrovsky era famoso por simular situações em que alguém acabava só de cuecas, ajoelhado dentro de uma banheira ao lado de uma mulher seminua, com uma arma apontada para a sua cabeça. Tudo só para soltar o bordão “pegadinha do malandro!”.

Pois bem, recentemente o TTPD realizou uma pegadinha em uma rua, na noite profunda de São Paulo, na qual um anão vestido de Chuck, o Boneco Assassino², sai de dentro de um painel luminoso e ataca pessoas que esperavam um ônibus. As pessoas fogem desesperadas pelo meio da rua e todos nós rimos.



Ninguém morreu, mas eu só consigo pensar nas tragédias que poderiam ter acontecido. Pense que lá estavam pessoas cansadas após um dia de trabalho duro e que, como desgraça pouca é bobagem, ainda tem que fugir do boneco assassino em uma rua escura. Elas saem correndo pelo meio da rua e poderiam ter sido atropeladas por carros, ônibus e caminhões.

Ou pior. Esse poderia ser justamente o dia da caça. Um daqueles trabalhadores esperando o ônibus poderia sacar seu revólver e disparar quatro balaços no peito do anão ator. Seria uma tragédia e ninguém poderia negar que o cidadão agiu em legítima defesa. Ele assistiu ao filme e sabia como seria difícil enfrentar o boneco. Ele achava que não iria escapar e se surpreendeu quando se viu cercado por uma equipe de produção e um anão vomitando sangue e gritando de dor.

Um dia, alguém ainda vai morrer em uma dessas pegadinhas. Ou não. Cada vez tenho mais a impressão de que elas são montadas, não seria tão fácil assim remontar aquele cenário de vidro quebrado para tantas cenas.

¹Só não vale dar o cu, diria o Gil.
²Chuck o Boneco Assasino, por sinal, é o típico filme que só poderia passar no SBT.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Amigo Oculto CH3 2013

Todo final de ano este blog realiza um Amigo Oculto. Uma grande confraternização entre os seus integrantes, que já se repete desde 2007. No entanto, a cada ano a sua organização fica mais complicada por conta do afastamento dos membros.

No começo do mês eu mandei um e-mail para o Grupo CH3, para dar início as conversações sobre a organização do evento. Passados dez dias, não obtive resposta. Sei como essas coisas funcionam. A pessoa vê o e-mail e decide responder mais tarde. Então espera outra pessoa responder antes e assim o caso morre. Decidir ligar para um por um.

Telefonei para Pai Jorginho de Ogum e ele me disse beleza, vê aí o que você faz. Liguei para Alfredo Chagas e ele disse que cagava pro assunto. Falei com Marcão e não entendi nada do que ele falou. O problema foi conseguir falar com Vinícius e Tackleberry.

Quando ligava para Vinícius o telefone era atendido pelo seu empresário, que afirmava que ele estava numa viagem de negócios, vendendo os direitos de reprodução do seu Café do Feliz para a China. Tive que insistir várias vezes, até conseguir falar com ele e ele me dizer que iria tentar vir. Com Tackleberry, deixei apenas um recado para sua secretária.

Começamos a trabalhar então nos problemas organizacionais. Pelo sistema de rodízios de sede, Marcão deveria sediar o evento dessa vez, mas, no entanto, ele está brigado com a mulher porque transmitiu leishmaniose pra ela. Não me perguntem como. Alfredo Chagas se negou a sediar o evento, porque segundo ele, o aparelho está ocupado por outros camaradas interessados na contrarrevolução do proletariado burguês. Ninguém queria ir na casa do Hanz, o pansexual, e assim sendo, decidimos por realizar o evento no Carnicentas, aproveitando que o mesmo está fechado para o público devido a uma interdição sanitária reformas de infraestrutura.

Alfredo Chagas voltou a insistir na tese de que deveríamos realizar um Amigo Oculto na modalidade do tipo “ladrão”. Ele sempre tenta isso todo ano e sempre é derrotado. Mas, dessa vez, devido a incerteza da presença de alguns membros, não restou outra alternativa. Ao saber dessa decisão, Alfredo informou que não iria participar. Perguntamos porquê,  se ele sempre quis isso. Ele nos acusou de sermos meros burocratas pragmáticos sem ideias e foi embora.

No sábado, dia 14, finalmente nos encontramos no salão principal do Carnicentas, que exalava um odor de sutura. Pouco antes das 20h, Vinícius mandou uma mensagem por whatsapp informando que não poderia comparecer, porque em poucos segundos iria se besuntar em público participar de uma Twitcan. Às 20h em ponto, chegou um senhor engravatado que disse que iria representar o Tackleberry. Perguntou onde seria montado o dispositivo de honra e se ele precisaria falar. Também estranhou a ausência de público e quando soube do que se tratava, falou que ia ao banheiro e nunca mais voltou. Coitado. Não é qualquer um que sobrevive ao banheiro do Carnicentas.

Pouco antes, ficamos sabendo que Hanz, o pansexual, havia sido detido por tentar roubar um vibrador num Sex Shop na Isaac Povóas. Ele alegou que era para um amigo oculto, mas ninguém acreditou. Bem, mesmo se acreditassem, de nada adiantaria porque a constituição não permite a liberação de presos em caso de furto provocado por participação em amigo oculto. Depois pensamos se ele não entendeu mal o “ladrão” do título. Guilerme Original não está podendo sair de casa e mandou um abraço.

Assim sendo, eu, Marcão, Pai Jorginho de Ogum e Cão Leproso demos início ao menor Amigo Oculto da história. Escrevemos nossos nomes no papel e demos início ao processo. Marcão retirou o primeiro papel e lá estava escrito que Cão Leproso deveria escolher o primeiro presente.

O cachorro sem braços foi até a mesa e pegou um grande presente embrulhado em um papel vermelho. Rasgou a embalagem com os dentes e lá estava uma piroca de chocolate preto, enorme. Cão Leproso olhou para a benga, olhou para nós e voltou a olhar para o cacete. Marcão contou que aquele tamanho é real, feito a partir do seu próprio molde natural.

Cão Leproso retirou o papel e descobriu-se que eu seria o próximo a retirar um presente. Postei me diante daquelas três embalagens e acabei escolhendo um livro. Pensei que era uma escolha mais segura. Abri o embrulho e me dei de cara com a obra “Fortaleza Digital” de Dan Brown. Olhei para Cão Leproso com a pica de chocolate e vi que não era assim de todo mal.

Tirei o próximo papel, marcado com uma digital, indicando que era a vez de Marcão. Ele correu até a mesa e empolgado escolheu uma embalagem azul, escrito Havaianas. “É um videogame”, disse o pedreiro analfabeto. Para a surpresa de todos, realmente era um videogame. Um Mega Drive, com Sonic gravado na memória. Ficamos todos surpresos. Aquilo só poderia ser obra do Cão Leproso, que sempre arruma os melhores presentes.

Marcão pegou o próximo papel, que indicaria que Jorginho de Ogum seria o último agraciado com a escolha de um presente. Escolheu uma pequena sacola e lá estava um par de Sandálias Havaianas cor amarelo gema. Uma confusão mental se instalou na cabeça de todos os participantes.

Terminada a cerimônia, fomos todos embora, em silêncio.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Polêmica Cultural

O Led Zeppelin é uma das maiores bandas da história, mas sejamos justos: só os quatro primeiros discos são bons e só os três primeiros são legais. Ah, e quando as pessoas falam do Led Zeppelin, costumam a descrever o som que só é escutado nos dois primeiros.

Aliás, poucas coisas podem ser mais chatas do que o solo de bateria de Moby Dick.

O The Who é outra banda ótima. Mas os discos de estúdio deles são uma porcaria. Aliás, não é que seja uma porcaria, são apenas monótonos, sem dizer nada demais. Se quiser escutar o The Who de verdade, vá direto no Live at Leeds, porque é ao vivo que eles funcionavam. Em estúdio, o melhor disco, disparado, é o The Who Sell Out, que ninguém costuma a se lembrar.

Aliás, Keith Moon >>> John Bonham.

Não tem jeito. Ou você é homem, ou você gosta de Bon Jovi. Aliás, a mesma premissa vale para Nickelback ou John Mayer.

O Iron Maiden é um ícone do Heavy Metal e tudo mais. Mas, convenhamos. Vocês falam sério quando dizem que gostam de uma banda que coloca monstros no palco, em que o vocalista se veste de Fantasma da Ópera e o guitarrista toca a guitarra por baixo das pernas? Isso aí tá mais pra algum Freak Show da MTV.

Smiths não seria ruim se o Morrissey cantasse direito. Seria menos pior se as pessoas não associassem “gostar de Smiths” como sinônimo de “Teoria da Evolução”.

Ninguém pode estar falando sério quando diz que gosta de Joy Division.

O R.E.M. é a melhor banda dos anos 80. Curiosamente, o melhor disco deles é de 1992. Isso diz muito sobre a década de 80.

Sorte teve o Renato Russo, que já morreu e não precisa ver a encheção de saco que vocês fazem com ele. E também não precisa escutar mais as músicas dele. Cara de sorte. Além de tudo, nem tem que ver as piadas do Danilo Gentile.

Mas, podia ser pior. Imaginem se o Humberto Gessinger tivesse morrido e nós tivéssemos que passar por um revival de Engenheiros do Havaí.

Todo mundo idolatra o Radiohead, mas a verdade é que eles lançaram só dois discos bons e, de verdade, todo mundo só gosta desses dois discos. Veja nos shows se alguém está louco para escutar Pyramid Song.

Ninguém que diz que gosta de James Joyce está falando sério.

Porque obrigam os adolescentes a lerem os livros de José de Alencar, o Ateneu, O Seminarista? Depois querem incentivar a leitura como?

Stanley Kubrick: é bem mais legal falar que gosta dos filmes dele, do que realmente assisti-los.

O problema do AC/DC é que eles tem que criar uma letra entre o riff inicial e o refrão. Se eles se poupassem desse trabalho, seriam melhores.

Achei que meu Player estava travado na função repeat quando ouvi um disco do Ramones pela primeira vez.

Nada pode ser pior do que baladas Hard Rock. O Aerosmith está aí para provar isso. O Scorpions também.

(A Polêmica pode continuar ad eternum. Contribua)

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Negócios Abençoados

Segundo reza a lenda, Jesus é o filho de Deus. Por mais que este tenha oferecido o próprio filho em sacrifício, os dois souberam exercitar o perdão e permanecem juntos até hoje nas mensagens e nos negócios. Ao que parecem, os dois possuem muitas atividades no ramo automotivo, uma espécie de concessionária que não vende carros.

Ande pelas nossas ruas e perceba a enorme quantidade de carros identificados como “Presente de Deus”. Sim, há uma vaidade nessa exigência de que seu presente seja identificado publicamente. Já diriam que a melhor ação beneficente é aquela que é feita sem divulgação. E olha que, a dupla faz muitas doações por aqui.

No entanto, não são todos que são beneficiados com esses presentes. Em alguns casos, os carros são identificados como “propriedade de Jesus”. Entende-se que nesses casos, a empresa divina trabalha com a locação de veículos. Os adesivos devem ser uma forma de controlar o fluxo de sua propriedade, impedir que alguém desapareça com o bem.

Há ainda uma terceira modalidade de negócios, um pouco menos popular, que é o leasing. Recentemente, passei por um carro identificado como “É de Deus, eu só administro”, mostrando que depois do final do contrato, o carro será devolvido ao Senhor.

Jesus também é um ótimo motorista. A empresa familiar oferece um ótimo serviço de transporte, o “Jesus no volante”, como nos informam vários automóveis. Um serviço eficiente, uma vez que vários carros contam com Jesus no volante, mostrando que aquele papo de multiplicação das coisas é realmente sério.

Recentemente, passei por uma rua do bairro Carumbé em Cuiabá, e vi um ônibus da “Gênesis Tour”. Uma vez que Phil Collins nunca passará por Cuiabá (convenhamos que isso nem é tão ruim assim), já sabemos quem é que comanda essa organização turística. De toda forma, acredito que eles devem procurar o Sebrae, porque passear pelo Carumbé não é exatamente um programa turístico.

A Dupla também investe em uma empresa de segurança e seguradora, uma vez que vários automóveis também são “Protegidos por Deus”. Aliás, eles várias casas também recebem essa proteção e muitas ainda mostram que “quem manda aqui é Deus”. Investimento na administração familiar, um mercado realmente crescente, como mostram os quadros de Max Gehringer no Fantástico.

Negócios lícitos, aparentemente. A única coisa que deve ser investigada é o possível envolvimento de Deus na manipulação de resultados de jogos de futebol. Logo depois de ser campeão brasileiro, o goleiro Fábio, capitão do Cruzeiro, agradeceu a Deus pela conquista e disse que sem ele, nada seria possível. Da mesma forma, jogadores do Bahia, Coritiba e Cricíuma agradeceram a Ele por terem escapado do rebaixamento. Jogadores dos times derrotados se sentiram traídos, porque, teoricamente, dizem ter cumprido com suas obrigações diante do Senhor.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Onde está a gostosa?

Domingo passado, Cruzeiro e Bahia se enfrentavam no Mineirão, em jogo válido pela penúltima rodada do campeonato brasileiro. Jogo tenso apenas para um lado. Enquanto o Cruzeiro aproveitava a ressaca do título brasileiro, o Bahia ainda dependia de uma vitória para escapar do rebaixamento. Jogo empatado, até que no final, o Bahia consegue o seu gol salvador.

Festa na torcida, principalmente de uma torcedora que, na empolgação, levantou a camisa, beijou o escudo e deixou a mostra o seu sutiã. Um sutiã aparentemente normal, iguais aos que são vendidos em lojas de departamento, iguais aos que aparecem em cenas de novela, sem nenhum detalhe especial. A torcedora não estava vestida para matar. Estava apenas... vestida.

Em poucos minutos, a minha timeline do Twitter foi invadida por tarados de plantão clamando pela identificação da garota. POR FAVOR DIGAM O NOME DESSA TORCEDORA, dizia um babaca qualquer que parece que nunca viu um sutiã na vida. Outros se declaravam apaixonados, igual a Adão quando ele certa manhã acordou sem uma costela.

Um fenômeno interessante do mundo das redes sociais é a paixão por pessoas aleatórias. Quase todo dia você verá alguém dizer que se apaixonou por uma loirinha no ponto de ônibus, por uma menina com camisa do Velvet Underground na lanchonete, a morena com um laço verde no cabelo.

Falar que se apaixonou por uma pessoa desconhecida em um lugar banal é algo que te torna popular na internet. Não me pergunte o porque. Isso simplesmente acontece. É como tirar fotos de prato de comida, fotos de gato na janela. Na internet isso é pop. Principalmente se você escrever sobre a paixão platônica de um jeito “retardado da net”, cheio de CAPSLOCK e expressões como “Delicinha”. Sim, a internet tem seus mistérios.

Mas, voltando a torcedora do sutiã, por incrível que pareça, ela foi descoberta. Em pouco tempo descobriram seu nome, sobrenome e que ela era irmã de um zagueiro do Bahia. Virou celebridade da internet e chegaram a sair notinhas sobre a musa do sutiã, que ela iria ao último jogo do seu time no campeonato. Em pouco tempo, ela estaria saindo em notinhas do Ego. Logo sairia na Playboy com uma chamada de duplo sentido sobre o fato de que agora ela estaria sem sutiã.

O que me surpreende é: como encontraram essa menina? O tempo todo estamos vendo nos jornais as imagens de suspeitos de algum crime e que a polícia vai tentar identificá-los. Vemos uma briga no estádio e a Polícia diz que vai tentar identificar os vândalos. Demora uma eternidade. Agora, na internet conseguem localizar o facebook de uma gostosa antes de o jogo acabar.

Será que existe um Shazam para mulheres? Igual o aplicativo musical que reconhece sinfonias a partir de três acordes. Você fotografa a mulher, o Shanam roda o banco de dados e encontra o perfil da mulher, endereço e telefone.

De toda forma, a capacidade de mobilização da internet para coisas inúteis não é de hoje. Vamos nos lembrar de uma história.

Em 2006, o U2 realizou dois shows no estádio do Morumbi em São Paulo e um deles foi transmitido em VT ao vivo pela Rede Globo. Durante a execução da clássica With Or Without You, Bono Vox chamou uma mulher ao palco e dançou com ela. Ao final da canção, o irlandês deu um selinho nessa mulher, para suspiros das mulheres.

Em pouco tempo, descobriram que ela se chamava Katilce Miranda, tinha 28 anos e era bancária em Volta Redonda. Casada, teve que desmentir os boatos de que o seu casamento ou o do Bono tivessem terminado por conta do selinho. Acharam o Orkut dela e o lotaram de scraps, criando o Katchat. Era quase uma rotina, entrar na internet, ver o e-mail, passar no Orkut, checar as informações e deixar um scrap nonsense na página da Katilce. Matérias se referiram a ela e a chamavam de “bela morena”, e olha que ela nem era não.

*Grazie @DadoDoria

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Previsão para o Sorteio da Copa

Estava no meu trabalho quando o telefone tocou. Olhei no visor e aparecia um número desconhecido. Resolvi atender e era Pai Jorginho de Ogum.
- Anota aí: Brasil, Rússia...
- Anota o que homem?
- O chaveamento da Copa do Mundo, ele me veio agora em um sonho límpido e transparente como uma pluma.


Peguei uma caneta e comecei a anotar enquanto ele ditava o nome de maneira frenética, quase possuída.
A: Brasil, Rússia, Bósnia Herzegovina e Honduras.
B: Espanha, Croácia, Gana e Estados Unidos.
C: Argentina, Inglaterra, Costa do Marfim e Japão.
D: Colômbia, Grécia, Nigéria e Coreia do Sul.
E: Suíça, França, Chile e México.
F: Alemanha, Portugal, Equador e Austrália.
G: Bélgica, Holanda, Argélia e Costa Rica.
H: Uruguai, Itália, Camarões e Irã.

Antes que eu pudesse respirar ele começou a passar quais seriam os cruzamentos do mata-mata. Brasil x Estados Unidos, Espanha x Bósnia, Argentina x Grécia, Colômbia x Inglaterra, França x Portugal, Alemanha x México, Holanda x Uruguai, Itália x Bélgica; Brasil x Argentina, Espanha x Colômbia, Portugal x Uruguai, Alemanha x Itália; Brasil x Uruguai, Espanha x Alemanha; Brasil 3x1 Alemanha, 3 gols do Rivaldo.
- Três gols do Rivaldo? – eu perguntei.
- Sim. Ele vai voltar com tudo ano que vem. Vai arrebentar no paulistão com a camisa do Mogi-Mirim e o Felipão vai pensar: porque não dar uma nova chance? Porque não ter a oportunidade de viver essa coisa linda novamente?

Desconfie daquela previsão. Lembrei Jorginho de que sua estreia no site foi com uma previsão desastrada sobre as semifinais da Copa de 2006. Se ele não conseguiu acertar o resultado de dois jogos, como é que ele garante que irá acertar a posição de 31 equipes e os eventuais cruzamentos imaginários?
- Confia em mim. Se o Brasil não for o cabeça de chave do grupo A, eu dou meu cu pra quem quiser. Me liga cobrando depois.

E desligou. (Ainda bem que essa história não foi contada pelo Didi Mocó)

Só nos resta aguardar.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

CH3 Store – O natal está chegando

Queima de Estoque

Caso você não tenha percebido, faltam 21 dias para o Natal! Ou seja, 16 dias para a sexta-feira, dia 20, que deve ser o último dia antes que as coisas parem de funcionar. Sendo que os correios vão demorar pelo menos nove dias úteis para entregar o presente na sua casa, e que o banco demorará dois dias para compensar o valor da sua compra pela internet, chegamos a conclusão de que o seu prazo para comprar alguma coisa termina amanhã. Ou seja, o natal já chegou!

Mas, com o CH3 é uma instituição que pensa em você, nós preparamos uma série de ofertas para você presentear aquela pessoa querida, aquela pessoa odiada, aquele amigo oculto que você tirou e nem sabe dizer direito quem é, aquela pessoa que você avaliou no Lulu e não vê a hora de dar uns pegas. Enfim, somos uma corporação que oferece múltiplas oportunidades para os seus usuários. Palmas.

Livros
A Editora CH3 acaba de relançar todas as suas obras em formato luxuoso. Tecnicamente, isso significa que eles ganharam uma capa colorida, uma introdução afrescalhada e um preço muito maior.  Também estamos lançando uma versão em quadrinhos de Moby Dick. Os desenhos são do Cão Leproso.

CDs e DVDs
Estamos relançando um Box com todos os 18 CDs lançados pelas Benga Boys, contendo 623 músicas e três horas e meia de duração. Os CDs vem encartados em papel higiênico usado e dentro de uma caixa de água sanitária, autografada com o sangue dos quatro membros da banda. Também foram lançadas 18 edições especiais, que contém um dente do falecido João Cavalo.

Também estamos lançando DVDs da Ivete Sangalo, que adquirimos em um contrabando vindo direto de Pedro Juan Caballero.

Eletrodomésticos
Tá afim de dar aquela sacaneada na sua mulher? Estamos com fogões com preços exclusivos. Ela com certeza vai odiar o presente e vai pedir o divórcio. Fora isso, nosso emissário vindo direto de Pedro Juan Cabellero teve que abandonar o resto da carga para não ir em cana. No próximo natal, quem sabe.

Roupas
O CH3 aproveitou para lançar a sua linha de camisetas com frases bem humoradas ao acessível preço de R$ 129,90. Demonstre todo o seu bem humor levando mensagens como “Peguei Gonorreia do meu Cachorro”, “Cago e não limpo” para o grande público.

Sex Shop
Você está afim de apimentar seu relacionamento ou encontrar um prazer solitário neste final de ano? O CH3 te ajuda.

Estamos lançando o incrível Vibrador do Cão Leproso. Segure-o pelos pés e utilize suas orelhas para alcançar o máximo de prazer. Esconda-o das criança depois.

Também lançamos a cueca do Cão Leproso e a fantasia do Cão Leproso, ótima para você, mulher, praticar aquele velho e bom bondage com seu parceiro, já que ele não conseguirá utilizar os braços. Para completar, o público Looner desse Brasil afora não ficará excluído. O balão inflável do cão também estará à venda.

Também temos outras fantasias, como a de burocrata, que vem com pasta, crachá e gravata. Enlouqueça sua mulher na cama! Nos mande um e-mail e consulte o nosso estoque.

Vale lembrar que nas compras acima de R$ 70 (todas), você ganha um exclusivo vinho da Adega CH3 e ainda concorre a um camarote no Réveillon do Carnicentas.

Corra!

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Adega CH3

O final de ano está chegando e você já está pensando no que é que vai comer na ceia do natal. Como é que você vai acumular gordura abdominal e entupir suas artérias de uma maneira requintada. E também está pensando em como é que irá acompanhar pratos tão deliciosos. É por isso que o CH3 lança agora a sua adega, com uma seleção fina de vinhos que irão agradar o seu paladar nesse fim de ano.

Chateau du Clochetlien 
Grandiloquente e efusivo, Chateau du Clochetlien é produzido com as melhores uvas francesas colhidas no sereno. Seu aroma é suave e adocicado, remetendo diretamente às manhãs de domingo com vitórias de Ayrton Senna. Seu gosto tem personalidade e deixa rubores campestres no céu da boca. Inebriante. Harmoniza com vitela, cordeiro e agrião levemente temperado com sal.

Chardonnay Chèvrechat
Fruto de uma safra exclusiva de uvas italianas contrabandeadas para a França, Chardonnay Chèvrechat provoca um impacto logo ao primeiro contato. Sua rolha de alta pressão provoca inúmeros acidentes domésticos, evite estourar a garrafa apontando-a para alguém. Na boca ele é carnudo e viscoso, deixando um gosto de brioche nos molares esquerdos. Harmoniza com filé mignon gratinado e molho de cogumelos refogados na manteiga.

Cadeaubosquet 
Um ótimo vinho branco de mesa, que acompanha berinjela a milanesa com molho de tomate e manjericão. Seu gosto é suave, macio, com notas de alcaçuz, aniz, cassis, papaia e alcaparras. Sua garrafa anatômica proporciona enorme prazer sexual aos seus usuários, no entanto, o vidro pode provocar acidentes e uma morte humilhante.

Sangdebouef 
Tradicional vinho de pequena produção em uma fazenda na divisa da França com a Suíça, oficialmente na Suíça para pagar menos impostos. Aroma climatizado, gosto de tutti frutti e ótimo para beber enquanto se pratica atividades físicas. Na boca a sensação é de estar em uma orgia com todas panicats, escutando o último disco do Paul McCartney. Suntuoso.

De Prête
Robusto, dá a sensação de que a qualquer momento irá sair do copo e lhe atingir com jabs de esquerda,
enquanto seu movimento de pernas mistura provocação e técnica, com total domínio da situação. Eventualmente, no dia seguinte você acorda com a sensação de ser atingido por esses jabs. Harmoniza com coxinha frita, rocambole e esperma de cabrito.

Chanson Merlot
Ah, La France de La belle epoque! Les excursions em rives de La Seine! Este vinho remete aos passeios em dias ensolarados ao lado da mulher que você ama, mãos dadas e nenhum dinheiro no bolso. Levemente ensimesmado, com gosto amadeirado, deixa o mamilo direito levemente retesado. Harmoniza com perfumes baratos do boticário e invariavelmente você irá beber um e passar o outro no pescoço.

Péquenaud Vache Horny
Vinho elegante, classudo, conhece álbuns clássicos de jazz e se veste muito bem. Vinho de meditação, harmoniza bem com seu cartão de crédito. Pinot Noir de uvas colhidas em parreiras antigas, plantadas em solos pedrogosos molhados todos os dias com urina de ovelhas virgens.

Dom Jorge
Vinho licoroso português de alto padrão. Aroma que remete a merda adocidada, com sabor de morango, lavanda, baunilha, café e chocolate. Recentemente, a adega negou que tenha acrescentado Nesquick ao seu produto. Harmoniza com bacalhau, vinhos mais baratos e pelos pubianos não aparados.

Guardian de las Costillas
Saboroso, com notas de dó, ré, mi e fá. Levemente salgado, purifica a alma e provoca ânsia de vomito. Fácil de beber e com final agradável, porque finalmente acabou. Ótimo para momentos com os amigos da cracolândia. Tem aspecto jovem e carcomido. Harmoniza com gordura de porco e ovo cru.

Chumbo Grosso
Rótulo surpreendente, impressiona no copo com sua cor marrom escuro. O aroma remete a sangue e na boca provoca estalos e a sensação de dente quebrado. Gosto encorpado, que remete a metais pesados, como chumbo, zinco e mercúrio, finaliza com dormência no céu da boca. Produz sensação de euforia e uma ressaca acachapante. Harmoniza com soro antiofídico e vacina para rubéola. Mata lentamente ao longo de seis dias.