terça-feira, 30 de setembro de 2008

Cuiabá em Setembro

“São as águas de março fechando o verão, é promessa de vida no meu coração”.
“Cidade maravilhosa, cheia de encantos mil”

Poderia citar muitos outros exemplos, se eu me lembrasse deles, ou estivesse com paciência pra procurar no Google. Exemplos de como existem compositores dispostos a falar da beleza de suas cidades, da beleza de uma época.

Mas, eu aposto, que não existe um único compositor que tenha escrito uma música para falar sobre Cuiabá em Setembro. Sim, porque isso é impossível. Não há como alguém gostar de Cuiabá nessa época. Só se o sujeito for um masoquista.

Oras. Certo que Cuiabá é quente realmente. Que o que faz de Cuiabá, Cuiabá, é o calor. Até o Skank já versou sobre esse aspecto em sua obra¹, isso porque eles não devem ter vindo aqui mais de cinco vezes. Mas em Setembro esse calor passa dos níveis tolerados por um ser humano.

Eu sei que vai vir alguém aqui dizer “que absurdo, falar desse calor aconchegante! Esse é o calor humano do povo cuiabano! Se não gostou vaza daqui!”. Eu digo que calor aconchegante é o caralho.

Caso o leitor desse post seja de fora, vamos a alguns fatos sobre o calor cuiabano em setembro. Fatos inegáveis:
- Você não precisa se enxugar quando sai do banho. A água evapora no momento em que você sai do chuveiro.
- A geladeira não consegue esfriar a água, e os refrigerantes. Eles estão sempre quentes.
- É possível fritar ovos no asfalto.
- Uma piscina é capaz de evaporar em poucos minutos.
- Encostar-se a um objeto metálico exposto ao sol pode causar queimadura de terceiro grau.
- Deixar o carro estacionado ao sol é um risco. Quando você voltar ao carro é capaz de que ele tenha pegado fogo.

Fora o calor existe a questão do ar seco. E da poluição por conta da fumaça. Como se já não bastasse os 38º de madrugada. De dia, chega a 45º, brincando.

O fato é que, Cuiabá em Setembro é o Inferno. Ou pior, o inferno é mais fresco. Por isso, você nunca vai ver músicas dizendo.

“Cuiabá em Setembro, aquele calor gostoso, morena requebrando, moreno fogoso”.
“É o calor de setembro, fechando a primavera, é promessa de vida em meu coração”.

¹ ROSA, Samuel “Te ver e não te querer, é improvável é impossível. Te ver (sic) e ter de esquecer, é insustentável é dor incrível. É como não sentir calor em Cuiabá”.

domingo, 28 de setembro de 2008

Chapa 03: Agora vai!!

Chegou a hora de entrar com tudo. E sem cuspe!

Poucos sabem, mas o CH3 nasceu dos ideais de uma chapa que concorria para as eleições do DCE da UFMT em 2006. Logo depois de termos passado pela maior greve que a universidade já viu, decidimos que devíamos trabalhar para fazer as coisas realmente serem boas para todos os estudantes. Então, criamos a Chapa 03. Expusemos nossas propostas. Infelizmente não fomos eleitos. Não acreditaram em nós. Duvidaram de nossos ideias. “Vocês são loucos”, diziam. Mas nós acreditávamos. Nós tínhamos um sonho. Chegou a hora de realizá-lo! Amanhã, a Chapa 03 tem a derradeira chance de fazer essa universidade funcionar de verdade!! E dessa vez sem dó! É pra chegar carcando! A luta começa aqui!! Sem frescura! A gente sabe o que o estudante REALMENTE quer, mas tem medo de que seja censurado por expressar sua vontade.Veja nossas propostas:

Demolir o IE: Sim, em nossa primeira candidatura, propusemos a invasão do Instituto de Educação. Mas isso não é o suficiente. Os estudantes do IL já não agüentam mais ter que responder aos transeuntes onde fica o IE. Eles demandam a demolição imediata do bloco, e a construção de uma pista de kart no lugar.
Construir uma pista de pouso para OVNIS: As notícias espalham-se pelo mundo todo sobre a chegada de alienígenas no dia 14 de outubro. Veja aqui. Então, temos até lá para construir uma pista de pouso adequada para os visitantes.
Acabar com o transporte coletivo: A Chapa 03 já lutou pelo fim do passe livre. Chegou a hora de lutar pelo fim do transporte coletivo! Nada mais de ônibus lotado!
Demolir o RU: Quase todo estudante da UFMT odeia o RU. Odeia a comida, odeia a fila interminável, odeia o calor infernal que faz lá e odeia a tia que pede a carteirinha. Então demoliremos de vez o RU e todos ficarão contentes! Lutaremos também para trazer o restaurante Serra para nosso campus.
Pintar o ginásio de amarelo: Não é urgente, mas fizemos uma pesquisa e descobrimos que vários estudantes adorariam ter o ginásio pintado de amarelo, com detalhes azuis e vermelhos. Em tons pastéis.
Instalar o Bolsa-Programa: Cada aluno que comprovar que recebe uma mixaria no estágio tem o direito de ganhar a bolsa-programa. Trata-se de uma ajuda extra para freqüentar estabelecimentos de diversão noturna, como Crystal e Connection. Só não o Sirenusa porque é muito caro.

Contamos com o apoio de todos vocês que acreditaram na Chapa 03, desde que a formamos há mais de dois anos atrás. Amanhã, votem Chapa 03. Mesmo que você já esteja saindo da universidade... Esse é nosso derradeiro esforço.

Chapa 03. Agora vai!!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Sua vida e a carteira de motorista

Sua vida muda quando você faz 18 anos. Com essa idade, você pode ir ao puteiro, comprar bebidas alcoólicas, entrar em sites pornográficos sem ter que mentir a idade. É obrigado a votar, e também pode ser preso. Além disso, você também pode dirigir.

Só que, todas as outras atividades são fáceis. Ser preso não é tão fácil, mas existem várias maneiras de que isso aconteça. Mas, tirar a carteira de motorista é difícil. Aliás, muito difícil. Uma verdadeira provação. Você terá que enfrentar aulas chatas, provas sinistras, e toda a máfia burocrática do DETRAN.

Sim, tudo pode ser mais fácil se você comprar sua habilitação. Mas, nós aqui no CH3, ainda, não incentivamos as contravenções desse tipo.

Para começar, você terá que ir ao DETRAN. E lá você irá pegar filas gigantes, atendentes dispostos, e irá pagar inúmeras taxas. Levará RG, CPF, certificado de bons antecedentes e oito códigos de barra de produtos Nestlé, para emitir um monte de papéis, pagar tudo aquilo, e então voltar na fila de novo para protocolar sua vida.

Depois disso é que vai começar as suas aulas e testes. Falemos das aulas, primeiro, e dos testes depois. Mesmo sem nenhuma seqüência.

Nas aulas teóricas você encontrará várias pessoas, digamos, diferentes. Você até duvida da existência delas. Sim, como eu vou dizer... Um pessoal tapado. Sim, sem preconceito. Mas vai ter um monte de gente levantando questões excêntricas. E o conteúdo das aulas também é algo sensacional.

Você aprenderá sobre como se proteger do cruel mundo das ruas nas aulas de direção defensiva. Nas aulas de primeiros socorros, você vai ver um monte de coisa que você nunca irá fazer. Furar a garganta de uma pessoa com uma caneta BIC, estancar sangramentos, fazer torniquetes com camisetas. E os professores também tem uma didática fantástica. Sabe aqueles professores que sempre ficam fazendo os alunos completarem as frases? Do tipo: “pra parar você pisa no f...” e todo mundo junto: “freio”. Então, os professores são assim. Você também vai ver vídeos fantásticos com bonecos sendo atropelados.

As aulas práticas também não são legais. Todos os instrutores de auto-escola são tarados. Você estará lá, andando a 20km/h, quase se cagando, não sabendo se olha pra frente, pro retrovisor ou pro cambio, e o seu instrutor ficará falando de todas as mulheres. Até aquelas gordas com roupas de puta. “Olha só, shhh. Com uma dessas em casa heim? Ah muleque. Vem aqui com o papai vem”.

E você irá sofrer por horas, fazendo balizas. E derrubando cones, deixando o carro morrer em situações ridículas. E há muitas chances de o seu instrutor ainda ficar falando “olha, você não vai passar desse jeito”. Como se você não soubesse disso.

Fora as aulas, temos as provas e exames.

O exame médico é bem complexo. Serve pra comprovar que você não tem alguma degeneração grave. Irão jogar luzes na sua cara e perguntar:
- Qual é a mais próxima, a da esquerda ou a da direita?
- A da esquerda.
- Tem certeza???
- Ahn, não, é a da direita.
- Certo.

Já o exame psicotécnico é ainda pior. Você vai responder um questionário perguntando se você tem tendências ao alcoolismo, tendências suicidas, ou homicidas. Depois irá fazer uma prova, onde fará vários riscos numa folha de papel. E ainda responderá um questionário de lógica. Que no começo é bem fácil, mas no final não tem lógica nenhuma. Esse exame basicamente serve pra avaliar se você não é um total retardado. Se você for apenas meio demente, irá passar.

Depois, vem a prova teórica. Essa sim. Essa sim é a coisa mais ridícula que você ira fazer em sua vida. Exemplos de questões.

1 – Seu carro está sem freios, o que você faz?
a) Chama um guincho para que o carro seja levado a oficina, e tenha o problema solucionado.
b) Sai com o carro assim mesmo, e grita com a cabeça fora do carro para avisar que está sem freio na hora de passar no sinal.
c) Vai com o carro para uma rua de colégio, onde você possa atropelar todas as crianças.
d) Utiliza o freio de mão. Como consolo sexual.

2 – Você está na estrada, e percebe que a vitima de um acidente teve uma fratura exposta. O que deve ser feito?
a) Pede para que a pessoa fique em pé, e ande em círculos imitando uma galinha para medir a gravidade da lesão.
b) Aperta o local para ver se a fratura realmente existiu.
c) Imobiliza o local com uma tala, e chama o resgate.
d) estupra a pessoa.

Você irá passar nessa prova. Aliás, é vergonhoso que você erre mais do que três questões. Desde, é claro, que essas questões sejam de sinalização.

Depois dessa só restara a prova prática. Ou, as provas práticas. Sim, porque você irá reprovar. Se você não reprovar pelo menos uma vez, é sinal de que os(as) avaliadores(as) tinham interesses sexuais por você.

Sim, porque você estará todo nervoso, suando frio, tremendo. E terá que fazer tudo sem cometer nenhum erro. Aliás, pode cometer três pontos. Mas, entre as coisas estranhas está o fato de que esquecer, ou errar uma seta, seja a punição mais grave existente. Se você subir no meio fio e atropelar um gato, perde dois pontos. Mas, se não tiver dado a seta para subir no meio fio, perde três. Existe ainda a clara possibilidade de você ser sacaneado. Portanto, não pareça rico quando for fazer a prova. Se não eles vão querer seu dinheiro.

Mas, um dia você vai acabar passando, de alguma maneira. E ai, lhe restará pegar sua carteira. O que também não é fácil. Vai demorar, o DETRAN vai te enrolar, falar que faltou sua foto ou algo parecido. No dia em que finalmente estiver pronto, o DETRAN vai te passar um vídeo com cenas de pessoas deformadas por conta de acidentes de transito. E você tomará a decisão de nunca mais sair no transito.


--
Pedimos agora sua contribuição, CHnauta. O que aconteceu com você durante essa saga?

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Profissões desgraçantes: roteirista de filme pornô

Como nosso amigo Guilherme bem disse aqui nesse humilde blog certa vez, algumas profissões são degradantes. Hoje trataremos de uma das profissões mais insólitas que temos notícia. Roteirista de filme pornô.

Primeiro é preciso deixar uma coisa clara: filme pornô com roteiro é sempre ruim. Se não sempre, se você vir que um filme pornô tem uma história, com personagens e plots, desconfie. Por exemplo, veja aqueles filmes do Cine Privé. Tudo bem que eles não são exatamente "pornôs", porque não mostra nada do entra-e-sai. Na verdade, nem um boquete. O máximo que você vai ver num filme desses são os pêlos pubianos das atrizes. Mas mesmo em filmes pornôs mesmo, o roteiro só atrapalha.

E mesmo assim tem gente que escreve. Pra ser roteirista de filme pornô, você não precisa de um curso de cinema na USP. Você só precisa ter uma noção mais ou menos do que é um roteiro. E isso pode ser facilmente aprendido em qualquer curso barato de comunicação social. Porém normalmente você não procura esse cargo, você acaba ocupando-o porque é um frustrado. Um roteirista que escreveu vários projetos que foram recusados, um radialista que nunca conseguiu emprego, um produtor de teatro que nunca conseguiu financiamento pra sua peça, ou mesmo publicitários e jornalistas desiludidos. Esses que sempre acabam na indústria pornô. E não como atores.

Imagine um roteiro pra filme pornô. Não é uma coisa difícil de se fazer. Você só tem que escrever os atos sexuais dos atores e quanto tempo vai durar. Por exemplo, durante os dois primeiros minutos, o casal se encontra e começa a se beijar, do terceiro minuto ao sétimo, a mulher faz sexo oral, do oitavo ao décimo, o homem faz oral, do décimo até o final você varia as posições do casal até o minuto final, que sempre termina com o ator ejaculando na cara da atriz. Aí você faz algumas variações disso aí. Você pode colocar uma mulher a mais, e fará elas interagirem entre si e com o ator. Um filme lésbico é a mesma coisa, só, obviamente, não termina com a ejaculação facial. Durante o filme você escreve algumas falas, como "ooohhh", "aaahhh", "yeeeessss", "fuck me, yeah, fuck me".

Se você ainda nessa profissão quer ter algum orgulho profissional e fazer a coisa como está escrita na cartilha, faça uma pequena historinha ridícula antes. Por exemplo, uma empregada hiper-gostosa chega pra limpar a casa do patrão solteiro, vê ele saindo do banho nu e começa a se excitar. Um grupo de jovens está estudando mas uma das garotas não consegue se concentrar e incita uma suruba. Normalmente a gente vê esse tipo de filme na produtora Brasileirinhas e na Buttman. Os filmes deles sempre começam com historinhas. Um caso internacional, um filme em que o ator é um gordão fantasiado de Obelix numa aldeia gaulesa, que começa a passar presunto no corpo da atriz também fantasiada a caráter.

Você pode usar sua criatividade até esse ponto. Mais que isso não pode, senão o público não vai querer ver o filme. Por exemplo, Breeders, que é um filme pornô em que a Terra sucumbiu a uma hecatombe e há poucos sobreviventes, que têm a missão de se reproduzir para reconstruir a humanidade, enquanto um cientista pretende fazer clones. E outro filme que não me lembro o nome, que tratava de vampiros (no caso, vampiras), que seduziam suas vítimas e depois que transavam com elas, sugavam seu sangue. Evite isso. Até porque como filmes pornôs têm orçamento baixíssimo, a produção não tem como cobrir os gastos pra alguma coisa decente e sempre fica um resultado muito, muito escroto.

Portanto, não vá pensando que trabalhar na indústria pornô é a melhor coisa do mundo. Tudo bem, você vai ver quase todo dia gente pelada transando, e isso pode ser legal. Mas você não vai ganhar bem. Você não vai desenvolver seu potencial. Você não vai ser reconhecido. A não ser que seja o ator, claro, daí todo mundo que te ver na rua vai apontar pra você e dizer que te viu em alguns filmes.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

As frases do MSN


Sandra – fim de semana perfeitoooooo acabou de entrar.

Você já deve ter se deparado com algo assim no MSN. Se não com a Sandra, e se não com essa frase, algo parecido. Alguém entrou no Messenger com a vontade de dizer que seu fim de semana tinha sido perfeito. “E eu com isso” você deve ter se perguntado. Realmente, você não tem nada a ver com isso. Mas, alguém tem. E esse alguém é o ex-namorado dela. Ela precisava dizer que seu fim de semana havia sido perfeito, para fazer com que o ex se sentisse humilhado, diante a alegria e da total recuperação dela. Mas não podia ter falado isso diretamente para ele. Precisava que ele soubesse, mas sem ter um contato direto.

Esse exemplo foi usado apenas para exemplificar. Oras, isso é claro. É que eu não consegui construir bem a frase. Vamos tentar de novo. Foi para exemplificar que as pessoas usam o MSN como uma janela aberta de suas vidas. Sim, é impressionante. É história de “ah, to mal” – “chefe viajando” – “em Madagascar”.

Ah também as frases vingativas “quem ri por último ri melhor”. Ou os casos mais extremos como “vou esfregar sua cara no asfalto”. No geral essas frases só servem para despertar a curiosidade das pessoas “ooo já se recuperou do fim do namoro” – “po, beleza, viajando heim” ou “que é isso! Violência não leva a nada”. É um puxador de assunto automático.

Bloquear contato: ViTiNHo eNtRe raZÕeS e EmOçõEs

Outra coisa bem comum é colocar letras de músicas. Serve para no geral você ver o bom ou o mau gosto da pessoa. Porque vocês sabem, gosto é igual joelho: tem gente que não tem. Serve também para você saber o que a pessoa anda lendo, ouvindo, assistindo.

Enfim, as frases do MSN se tornaram uma maneira de você se informar sobre a vida das pessoas sem precisar falar com elas. Isso até que é útil, pensando bem.

Mas o pior, sem dúvida, é quando a pessoa começa a entrar e sair do MSN sem parar. Provavelmente a pessoa está pensando “Caramba, eu estou com ‘hahahaha o melhor dia da minha vida’ (poderia ser ‘que merda de dia’) e ninguém vem falar comigo, tem algo errado”.

E quando a pessoa começa a fazer isso, só há uma coisa fazer:

Tem certeza que deseja excluir Andy – Vamo Mengão!

Outra coisa bem comum são a frases relacionadas ao futebol. Isso no geral só serve para que as pessoas mostrem toda a sua ignorância futebolística e humana. “Time de favelado”, ou de viado, ou de aleijado. Enfim, as frases do MSN dizem muito sobre as pessoas. Até demais às vezes. (final de matéria do jornal hoje).

Guilherme está offline.

sábado, 20 de setembro de 2008

Eles estão voltando!!

O CH3 antecipa tendências. Nós já previmos aqui que a lambada vai voltar. Qual não foi minha surpresa quando fui ontem em um boteco e ouvi tocarem "chorando se foi". Na hora pensei "que merda". Mas logo depois pensei "e a gente avisou que isso ia acontecer". Não vai demorar muito, a lambada substituirá os infames funks atuais.

Mas não é da lambada que iremos falar. Como o CH3 prevê tendências, prepare-se. Há uma que em breve atingirá todos nós. Estamos captando os sinais, cada vez mais sinais, apontam para uma única resposta: Os anos 80 estão voltando.
Isso mesmo. Não diga que é um absurdo. Na verdade, chega a ser óbvio. Pense bem: Todo ano temos várias festas temáticas dos anos 80, as chamadas flashbacks. E sempre são um sucesso. Aliás, eu aposto que você foi em alguma.
Segundo: ano passado, lançaram Guitar Hero Encore: Rocks the 80's. É um Guitar Hero só com músicas dos anos 80. Uma franquia de sucesso lançou um game baseado nos anos 80. Poderia ter sido nos anos 70, que tiveram grande influência pro rock. Mas preferiram a década do metal farofa, do new wave, enfim, do rock purpurinado. Beleza.
Mas ainda estão trazendo de volta outra franquia: Os Caça Fantasmas! Sem brincadeira. Já está pra ser lançado no fim do ano o próxmo game, dublado com as vozes dos próprios atores, e com cenas clássicas do filme. Além disso, vamos ter mais um filme dos Caça Fantasmas. Provavelmente uma série de filmes, até. Não estranhe se, um dia no cinema, quando passarem os trailers, você começar a ouvir aquela musiquinha.
Por incrível que pareça, lançaram Mega Man 9. Pra X-box e Ps3. Mas, incrivelmente, fizeram o jogo com gráficos do Nintendinho!! Isso mesmo, fizeram o novíssimo jogo do Mega Man em 8 bits! Com direito a capa mal-desenhada e tudo! Uma enorme inversão tecnológica!
E como se não bastasse tudo isso... O New Kids on the Block voltou!!! Eu juro, eu juro! Juro que eu jamais pensei que iria viver pra ver isso acontecer! Eles voltaram. E estão tocando na rádio! Não Step by Step, claro, uma música chamada "Click, click, click". Mas eles voltaram, caramba.

Enfim, tudo isso são sinais. Além é claro dos óculos gigantes à là Zé Bonitinho, as camisetas cheias de glitter, remakes de desenhos clássicos... Pense bem, estamos no final dos anos 2000, perto do fim de uma década. Nossa aposta é que, ao invés de passarmos pra década de 10, viveremos de novo os anos 80. Então, prepare-se já para não ficar por fora. Vamos dar algumas dicas pra você entrar no clima da nova onda:

-Prepare desde já algumas ombreiras. Elas serão essenciais. Dê um jeito de acoplá-las a suas jaquetas, blusas e camisetas.
-Pegue uma camisa rosa. Mas não salmão, a mais rosa que você conseguir imaginar. Agora, rasgue as mangas dela. Guarde bem até a "nova" tendência chegar.
-Compre várias latas de laquê. Sei lá como se escreve isso. Então compre sprays de cabelo logo. Compre agora, pois quando chegar a hora de usar, eles já estarão vencidos, e o efeito é melhor quando eles estão estragados.
-Vá em alguns brechós e compre calças com estampas de oncinha. Não estou falando para as garotas, estou falando para os homens. Homem usava estampa de oncinha nos anos 80. Chegou a sua vez de usar. Parece gay agora? Daqui a alguns anos você vai implorar pra ter uma.
-Compre alguns shorts jeans e corte-os até um palmo acima dos joelhos. Quase na altura da sua virilha.
-Comece desde já a deixar seu cabelo crescer, pra você fazer mullets mais tarde. Eu já estou deixando o meu.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Os rumos do Orkut

O dia em que o Orkut surgiu é comparável ao nascimento de Jesus Cristo. Na época ninguém pode ter percebido, mas, seu surgimento influenciou em muito a vida de todos.

No começo era uma página bem simples. Existiam americanos, e muito indianos por lá. A página era em inglês. Você fazia o seu profile, enviava scraps e recebia testimonials. Talvez hoje em dia as novas gerações já não saibam mais o que é isso.

Ter mais de 100 amigos era uma façanha. Eis que ai, todo mundo entrou no Orkut. Algumas pessoas passaram a ter mais de 800 amigos (como se isso fosse possível). As comunidades superlotaram, e começaram a ter alguns bugs. Os spams começaram a se alastrar, e junto com eles os vírus.

Os fakes começaram a aparecer em profundidade. Fakes engraçados e fakes de pedófilos, estupradores, organizadores de brigas. E, com o superdimensionamento do Orkut, a privacidade foi para o espaço. As pessoas começaram a cometer orkuticídios. Muitas voltavam, e cometiam o orkuticídio de novo.

Enfim, o fato é que muitos lugares começaram a prever o fim, ou o declínio do Orkut. Apostavam que o facebook iria superá-lo. Isso está longe de acontecer, mas, parece que o Orkut resolveu não brincar com a própria sorte, e começou a fazer mudanças.

A primeira mudança foi o visualizador de perfil. O dia seguinte a essa novidade é provavelmente o dia em que mais orkuticídios aconteceram. Pessoas viram ex-namorados, ex-ficantes, parentes, professores, um monte de gente bisbilhotando a sua vida.

Depois apareceram os feeds, e aumentaram o limite de fotos. Se antes todos podiam ter 12 fotos, agora todos podem ter centenas de fotos, e divididas por álbuns. Podem ter comentários também. Aconteceu uma flickrização do álbum do Orkut. E foi aí então que se criou o mecanismo de bloqueio dos álbuns. As fotos, que antes podiam ser vistas por qualquer um, agora podem ser disponíveis para apenas algumas pessoas. Foi uma grande frustração para os onanistas, que não mais podiam ver as fotos daquela menina, e também para as pessoas que não podiam ver fotos dos próprios amigos, porque esses amigos não o consideravam amigo o suficiente para ver o álbum.

O Orkut então criou a visualização de atualizações. Se algumas pessoas reclamavam da falta de privacidade do Orkut, esse dispositivo elevou essa falta à enésima potencia. Ta, pode ser até legal ver quando alguém adiciona uma foto. Mas daí a mostrar “Fulano atualizou música” e você vai ver: agora além de NXZero, o fulano gosta de Fresno também. Ou outras atualizações como “cor de cabelo” ou “relacionamento”, aliás, a atualização mais constrangedora existente. “Beltrana agora é solteira”.

Talvez isso já pudesse ser frescura demais. Poderia gerar teorias da conspiração sobre o Orkut. Mas então, veio o golpe fatal, que foram os aplicativos. Sim, os aplicativos. São aproximadamente 800 aplicativos. A maioria é inútil. Coisas de futebol, música e enfim. Na verdade, 90% deles não são utilizados por ninguém. Sim, veja a lista de aplicativos do seu Orkut. Você nem sabia de algumas coisas.

Mas, dentre todos os aplicativos, nenhum se proliferou tanto quanto o BuddyPoke!. Funciona assim, caso você não saiba (duvido que você não saiba): você cria um boneco seu. Quem tiver cabelo grenho ta ferrado, porque lá só tem cabelo liso. Então você começa a fazer coisas com as outras pessoas. Cumprimenta uns, dá abraços em outros, chuta uns, toca guitarra com outros.

E isso aparece na atualização. De repente tá lá “Cicrano está dormindo”. Ou “Cicrano abraçou Fulana”. Ou fez fofoca. É o cúmulo de se saber sobre a vida dos outros. Ainda há umas demências como “robôs mechas”. Aliás, se você quiser, adicione o Pai Jorginho de Ogum, ele fez um BuddyPoke!. E, claro, a demência maior desse aplicativo, é que, sei lá, vai que um cara qualquer vai lá e resolve dar uns tapas na sua bunda. Todo mundo vai saber disso.

Mas a grande dúvida é: o que será do Orkut daqui pra frente. Ele já resumiu os sentimentos humanos a “odiar” e “amar”, e agora? Agora ele vai controlar nossas vidas! Se é que isso já não acontece. Os orkuticídios serão cada vez mais freqüentes, e não descarto a possibilidade de que os Outsiders comecem a planejar ataques ao Status Quo Orkuteiro (pode dizer a verdade, é palavra bonita demais pra pouca frase).

Há ainda a possibilidade de que o Orkut implante chips nas pessoas, para monitorar a vida deles e colocar nas atualizações. Vocês verão “José (cansei de fulanos e cicranos) se encontrou com Maria no Motel Kital”. “José foi ao banheiro”. “Pedro Paulo comeu Feijão e não gostou”. Fujam para as montanhas! Mas se forem fazer isso, não se percam. Porque vocês sabem que quando alguém se perde na montanha, o povo da comunidade se junta, bebe, vai à montanha e faz mal a quem se perdeu.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Lançamentos da Editora CH3

Nós estamos sendo processados.
Recentemente a Editora CH3 lançou uma coleção de livros chamada "Coleção Não julgue um livro pela capa", e por causa de alguns desses livros estamos sendo acusados de termos plagiado obras famosas já lançadas.
Bom, é uma grande mentira. Veja a sinopse dos livros da coleção:


"Cada ocasião merece um presente especial. E desde a antiguidade, presentear com jóias é sinônimo de luxo e prestígio imenso. Euzébio sabe muito bem disso. Anos no ramo de fabricações de anéis especais para casamento, formatura e premiações o ensinaram como usar essa arte para conquistar as pessoas. Mas há algo que Euzébio, um mestre joalheiro de meia idade, jamais sonhou em conquistar..."
O Senhor dos Anéis, Editora CH3, 152 pág.

"Caos, desordem e anarquia. Regras que a sociedade esforça-se tanto para manter, a fim de evitar o colapso são facilmente quebradas. Esse homem sabe muito bem como se aproveitar disso, e pretende disseminar o terror em Gotham City. Seu nome é Coringa. O inimigo número um do Batman. E hoje é seu dia."
O Dia do Coringa, Editora CH3, 456 pág.

"Leonardo era o valentão abusado do colégio. Desde criança até a adolescência, era mais conhecido como o Montanha. Na idade adulta, impunha respeito e arrebentava aqueles que cruzassem seu caminho. Porém, essa personalização da virilidade, símbolo da masculinidade e fonte inesgotável de testosterona havia algo a esconder. Algo que, se revelado, destruiria para sempre em sua vida: na adolescência, ele havia dado o cu. E agora ele luta com todas suas forças para que ninguém jamais saiba."
O Segredo, Editora CH3, 150 pág.

"Janaína era uma estudante universitária do curso de História, obcecada pelo conhecimento. Porém acreditava que as corporações eram detentoras do conhecimento e, como forma de domínio e exclusão, comercializava-o em forma de livros. Por isso Janaína entrava escondida em livrarias e roubava o máximo de livros que conseguia. Porém um dia ela acabaria sendo pega pela segurança..."
A Menina que Roubava Livros, Editora CH3, 287 pág.

"Esta é a auto-biografia de Pedro Marques, estudante de Geologia. Pedro nos conta sua história, de forma emocionante e bem-humorada, sob o ponto de vista de seu amigo imaginário gerado por uma alucinação lisérgica. Conheça sua louca história de vida, sobre sua relação quase sexual com a maconha, o reggae e o DCE. Você vai viajar!"
Marley e Eu, Editora CH3, 30 pág.

Como vocês vêm, não plagiamos obra nenhuma, porque o conteúdo dos nossos livros nada tem a ver com o conteúdo das obras famosas. Nós só plagiamos os títulos. Mas nem sei porque essa preocupação, afinal, a Editora CH3 só lança livros que ninguém quer ler mesmo.

domingo, 14 de setembro de 2008

O Guia Veja

Bem, todos nós conhecemos a revista Veja. Você aí, comunista, pode até dizer que não usaria a Veja nem pra limpar a bunda. E daí, você conhece ela, não adianta negar. Conhecendo a revista, vocês sabem como ela é. “Pinochet matou 50 mil pessoas, mas foi muito importante para a economia chilena e fez o país evoluir muito” e “Fidel Castro foi um tirano maldito que matou 50 mil pessoas”.

Mas, gostaríamos de ressaltar o papel da Veja em ser a única revista brasileira que emprega um doente mental. Não, não é o Diogo Mainardi. Trata-se do Reinaldo Azevedo. Um velhinho doente, que freqüentemente ganha umas três páginas da revista para falar um monte de besteira.

Enfim, não vamos falar disso. O assunto desse post é outro. É o Guia Veja. O Guia Veja para quem não sabe é uma infeliz tentativa frustrada de imitar o Guia CH3. Ou então o Guia CH3 é que é uma feliz tentativa frustrada de imitar o Guia Veja. Mas, vocês já viram o Guia Veja? Bem, talvez não. Porque vocês só devem ver a parte de crítica cultural no fim, ou então ir ver o que o Diogo Mainardi escreveu para xingar ele. Os mais fanáticos ainda devem até ler a parte de política.

Então, o Guia Veja fica ali pra parte final da revista. Perto daquelas matérias chatas de saúde. E enfim, o fato é que esse guia é a coisa mais inútil do mundo. Sim, completamente inútil. É um negócio feito pra senadores, empresários milionários e dono de Shopping Center.

Por exemplo. O Guia trata de assuntos super indispensáveis para o Brasil que queremos ser (como diz o slogan). “Como chegar a Harvard”. “Vinhos tintos”. E outras coisas tão populares em nosso país.

Mas, de vez em quando eles trazem alguns assuntos mais... hmm, populares (meio forte a palavra). Colchões, chocolates, barbeadores, canetas. Só que vamos exemplificar como eles tratam esses assuntos.

Canetas: Eles vão falar que a ciência comprova que as canetas são muito importantes para o trabalho, é que pesquisas apontam que uma boa caneta aumenta em 90% o rendimento de um funcionário. E aí eles comparam alguns exemplares e escolhem a melhor:

Caneta de posto de gasolina: Feita de plástico duro, e com tinta que falha. Preço: Abasteceu ganhou.
Caneta BIC: A mais popular, design tradicional. Preço: R$ 0,50.
Caneta Mont Blanc: Feita de titânio. A tinta é feita a partir de um extrato retirado das algas regurgitadas por Salmões Virgens da Macedônia. Esses salmões são criados por monges albinos. A caneta escreve até na ausência total de gravidade, e resiste ao fogo. Preço: R$6.000,00.

E então eles dão um veredicto. “A Caneta Mont Blanc é a melhor”. Oras, é lógico que essa caneta seria melhor! Precisa gastar quatro páginas de uma revista para falar isso? E é assim nas outras coisas. Um colchão feito de tábua de madeira e outro com plumas de ganso da Sibéria. Chocolate hershey’s e chocolate de cacau hondurenho feito a base de leite das vacas peladas da Suíça. Prestobarba e um barbeador que até faz sexo com você pra deixar a pele mais eriçada.
Oras gastar papel com isso seria a mesma coisa que gastar Kb para escolher entre o Guia CH3 e o Guia Veja.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Cartum do dia


Donald e Patolino: o branco e o negro, o nazista e o pantera negra.
Bom, apesar de ser só um desenho meu, pouca gente sabe, mas o Donald já protagonizou um desenho em que era um soldado nazista. Veja:


Pode até ser uma propaganda anti-nazista, mas é bem sinistra.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Hanz, o candidato que vai foder com tudo (literalmente)

Primeiro, antes de começar o post de hoje, queremos ressaltar que o literalmente ai de cima é um protesto contra o mau uso dessa... Expressão, não sei. O que mais vemos hoje em dia são pessoas dizendo “Ele chutou o balde, literalmente”, o narrador falando “o estádio literalmente veio abaixo”. Oras, se alguém realmente deu um bico no balde? E se o estádio literalmente tivesse ido abaixo, seria uma tragédia. Arquibancadas que vão abaixo só lá em Várzea Grande. Portanto, Hanz, o pansexual é o candidato que literalmente vai foder com tudo.

Expliquemos, pois.

Cabe ressaltar que sempre há aquela dúvida: é “foder” ou “fuder”. Para solucionar essa dúvida digitei “foder” no google. Apareceram quase três milhões de resultados. Já para fuder, foram menos de 700mil. Portanto, a partir de hoje, o CH3 adota oficialmente o “foder” em suas questões semânticas.

Agora sim, expliquemos o Hanz.

Para quem não se lembra, o CH3 lançou Pai Jorginho de Ogum como candidato ao governo nas eleições de 2006. Como dessa vez, vocês devem bem saber, o pai-de-santo estava desaparecido. Precisávamos arrumar um novo candidato. Então, com a desculpa, digo, alegação de que precisávamos renovar nossas lideranças políticas, partimos para as prévias.

Bem, as prévias não foram nada disso que vocês pensam. Não tivemos discursos inflamados. Nem ao menos uns salgadinhos. Na verdade, era aquela história. O cão leproso não tem braços para abraçar seu eleitorado. O Guilerme não beija criancinhas. O Marcão ultimamente anda fedendo. E o Alfredo Chagas... Oras em nenhum momento nos passou a idéia de colocar ele como candidato.

Sobrou apenas, o Hanz, o pansexual. Ele abraça, e beija os eleitores. De maneira até constrangedora. Distribuímos então um comunicado a imprensa, dizendo que o PCH3 (Partido Capitalista Heterossexual 3coco) havia escolhido seu candidato. Deixamos de mencionar todas as batalhas de bastidores, e também não explicitamos que os outros candidatos não tinham força política. Preferimos falar apenas que todos haviam se unido em torno da grande liderança política que era exercida por essa grande cabeça, estadista de futuro, o Hanz.

Comunicamos também que o partido mudou seu número, de 99 para 69. A Pedido do nosso candidato.

Ah sim, e outra coisa que nós não falamos, é que quem está por trás dessa candidatura é a chapa 03. Que já tentou dominar CAs e DCEs, e agora vai para a prefeitura.

Tivemos muitos problemas com a nossa campanha. Todos os vídeos, e fotos do Hanz, foram censurados. Pelo simples motivo de que... Bem, vocês imaginam o que o pansexual fez com o microfone.

Suas principais propostas são:

- Fazer com que todos os estudantes de escolas públicas usem roupas de látex.
- Instalar vibradores coletivos nas praças.
- Distribuir bonecas infláveis, camisinhas, e material pornográfico para os estudantes do ensino médio.
- Distribuir Viagra em asilos.
- Consturir o primeiro puteiro municipal.
- Colocar a luta no gel como disciplina obrigatória nas faculdades.
- Instituir à hora do bacanal, nas rádios e TVs de Cuiabá.

E bem, também nos esquecemos de avisar que Marcão, será o candidato a vice. Não falamos porque a mulher do Marcão não gosta do Hanz. Mas, se ela encher muito o saco a gente manda ela pra uma temporada de reflexão em Colíder.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Teste: Você é pós-moderno?

Hoje em dia ser moderno já é coisa do passado. Cada vez mais as pessoas tendem a deixar de lado os comportamentos padrões e migrarem de um grupo a outro. A maioria das pessoas não percebem isso, mas o pessoal que estuda sociologia diz que vivemos numa época de pós-modernindade. O CH3 propõe a você um teste para saber se você está acompanhando a evolução da sociedade e entrando de vez na pós-modernidade. Faça o teste a seguir, assinalando apenas 01 (uma) resposta para cada questão e descubra se você é pós-moderno.

1) Você vai sair de casa pra dar um passeio. Você abre o guarda-roupas e pega o que pra se vestir?
a) Fico em dúvida entre a camiseta apertada e a camiseta muito apertada. Acabo pegando a muito apertada mesmo.
b) Pego a camiseta que mais tiver brilho e coisas penduradas. Dizem que está na moda homens usarem saia também, então, pego a saia.
c) Pego uma camisa listrada, a calça mais surrada que encontrar, os óculos de aro mais grosso possível e o all-star vermelho encardido.
d) Pego uma camiseta preta com uma estampa do Mestre Yoda e uma calça jeans.
e) Não pego nada. Roupas são acessórios opcionais.


2) Onde você costuma ir para se divertir?
a) Barzinhos, boates, exposições agropecuárias, raves, micaretas, shows... Onde tiver agito eu tô lá, wuhuuu!!
b) Costumo ir em barzinhos GLS, lá tem gente super-descolada
c) Vou pra qualquer lugar que não tenha quase ninguém, pra fumar e discutir. Também curto shows alternativos e cemitérios.
d) Eu não saio de casa.
e) Vou a parques municipais para me pendurar em árvores e fazer sexo livre.

3) E o que você costuma fazer em casa?
a) Eu nunca paro em casa.
b) Chamo meus amiguinhos pra gente fazer a brincadeirinha de mexer os dedinhos.
c) Fico ensaiando frases feitas, tirando foto com ar blasé com a câmera digital para colocar no orkut e fingindo que leio Nietzsche.
d) Fico o dia inteiro jogando World of Warcraft.
e) Festas do cabide são as mais freqüentes.

4) Como é sua foto no orkut?
a) Sou eu sem camisa, de gorro, de óculos escuros e de braços cruzados.
b) Uma foto minha com a mão em punho apoiando na bochecha.
c) Uma foto em preto e branco, com um cigarro na mão e com cara de derrotado.
d) Uma foto do Obi-Wan Kenobi.
e) Uma foto de seu órgão sexual maquiado, imitando um rosto.

5) Você marcou um encontro com uma garota bonita. O que você faz?
a) Vou de camionete pra impressionar, pra garantir o sexo.
b) Dispenso ela. No mínimo é uma mocréia.
c) Não vou. Deve ser uma patricinha fútil que nunca abriu um livro de filosofia na vida.
d) Vou de ônibus, mas no mínimo vou estragar tudo e voltar pra casa sem ter conseguido nada.
e) Chega, lambe a orelha dela e pergunta se ela curte sexo tântrico com balões.

Chegou a hora de conferir o resultado. Se a maioria das suas respostas foi:
Letra a: Você não é pós-moderno, é só um playboyzinho de merda
Letra b: Você não é pós-moderno, você é viado mesmo
Letra c: Você não é pós-moderno, você é um ninguém metido a besta
Letra d: Você não é pós-moderno, é um nerd sem vida social
Letra e: Você sim é pós-moderno. Grande merda.
Variou nas respostas e não teve uma maioria: Você é uma pessoa sem personalidade.

sábado, 6 de setembro de 2008

Guerra civil cuiabana

"A WOMAN'S EYE WILL SHED A TEAR TO SEE HIS FACE SO BEATEN IN FEARAN' IT WAS JUST AROUND THE CORNER IN THE ENGLISH CIVIL WAR"

Nosso correligionário Gressana abordou superficialmente a campanha eleitoral de 2004. Pois bem, um fato histórico como este merece um post maior no CH3.

No ano de 2004 nós tivemos Olimpíadas (para não perder a oportunidade de falar nesse assunto tão procurado), George Bush e John Kerry disputavam as eleições presidenciais estadunidenses, o Orkut foi criado e aconteceram atentados terroristas em Madrid. Mas estes são fatos de uma relevância nula, perto do grande acontecimento deste ano: as eleições municipais de Cuiabá.

Os nomes que pleiteavam o cargo de prefeito naquele ano eram Alexandre César do PT, Wilson Santos do PSDB, Sérgio Ricardo do PPS e Totó Parente do PMDB. Também tinha o lendário Manoel Olegário do PTdoB (acho), que tinha uma campanha interessante. Ele ia aos cemitérios, reclamar que os defuntos estavam abandonados.

O Alexandre tinha tido uma boa votação na eleição pra governador, o Wilson Santos tinha o apoio do ex-governador Dante de Oliveira, Sérgio Ricardo era apoiado pelo então prefeito Roberto França. Já o Totó era o criador do passe livre. Ninguém sabia de outra coisa feita por ele.

O primeiro turno foi uma chatice. Todo mundo prometia a mesma coisa. Polícia Comunitária, reformar hospital e acabar com a Bispo. Era impressionante, todos os candidatos faziam programas querendo acabar com a estação da Bispo. Ninguém queria manter ela.

Wilson Santos passou em primeiro com Alexandre César em segundo. Sérgio Ricardo liderou boa parte da campanha, mas acabou ficando para trás.


E foi ai então que a coisa realmente ficou interessante. As primeiras pesquisas indicavam que Alexandre César tinha cerca de 20 pontos percentuais de vantagem sobre Wilson Santos. O debate estava morno, com o petista caminhando para a vitória. Até que o candidato tucano teve uma idéia suja. Contratou o garoto propaganda da City Lar e colocou um velhinho falando que o Alexandre César tinha tomado a casa dele.

Diante da acusação, o petista negou tudo e disse que não voltaria mais a tocar nesse assunto. O Wilson continuou baseando sua campanha em colocar um velhinho na TV dizendo que foi sacaneado. E todo dia o Alexandre César dizia que era mentira e não voltaria a tocar nesse assunto em respeito ao eleitor. Passou cerca de uma semana dizendo que não ia mais falar disso. E que não usaria artifícios tão sujos para ludibriar a população.

As pesquisas começaram a mostrar que a diferença entre os dois estava caindo. E então o Alexandre César resolveu colocar uma imagem do Wilson Santos condecorando o Arcanjo e falando que ele era um orgulho de Mato Grosso (ou algo assim). Travou-se uma guerra de liminares, as propaganda eleitorais ficaram cheias de buracos, com dizeres que o Tribunal Eleitoral havia vetado a propaganda.

E a guerra mesmo foi travada nas ruas. Os bandeiraços terminavam em pancadaria. Os partidários dos candidatos armavam emboscadas. Petistas e tucanos andavam de lados opostos das ruas. Nas ruas, na chuva, na fazenda ou nas casinhas de sapê os eleitores falavam com uma paixão quase clubística. O exército já estava pronto para intervir, porque a guerra civil era iminente.

No dia da eleição, A Gazeta colocou uma pesquisa dizendo que o Wilson Santos ganharia. A única que apontou isso. Todo mundo pensou “claro, a gazeta é a favor dele”. Mas, eles acertaram. Isso deu motivos para que eles fizessem propagandas sobre sua credibilidade durante anos.

A Guerra não aconteceu, o Wilson ganhou, e nos temos a certeza de que nunca mais teremos eleições assim. Bons tempos.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Campanha eleitoral 2008

Estamos a quase exatamente um mês das eleições.
Acompanhemos o andamento das campanhas dos principais candidatos em Cuiabá. Wilson Santos, candidato do PSDB à reeleição, continua na liderança. E explicita isso nas propagandas, apontado que as pesquisas de intenção de voto à sua pessoa superam os 40%. Provavelmente isso lhe renderá mais votos ainda, além da campanha bem produzida que se mostra efetiva em conquista de votos. Mas isso ainda não lhe garante vitória no primeiro turno. Enquanto isso o quebra-pau está entre seus concorrentes Walter Rabello (PP) e Mauro Mendes (PR). Fica a questão sobre quem irá ao segundo turno com Wilson. Mauro Mendes está com uma campanha coerente, apesar das peças gráficas serem bem feias e usar fotos estouradas nos informativos. E ele tem seguidores fiéis. Tanto entre os maggistas quanto entre os engenheiros elétricos. Eles realmente são corporativistas. Walter Rabello, claro, apela pro povão. Até aqui a campanha mais escrota é a dele. Óbvio. Além do plágio explícito da propaganda da Folha de São Paulo (aquela que os pontos formam uma imagem maior), ainda tem a ridícula comparação ao Lula. Sendo que o Lula apóia a coligação do Mauro Mendes. Mas claro, nunca é demais explorar o sentimento popular, principalmente nessa época. Wilson Santos que o diga. Nas eleições de 2004, no épico embate entre ele e Alexandre César (quase comparável ao duelo presidencial entre Bush e Kerry), ele deve muito ao casal de velhinhos que aparecia todo dia na televisão dizendo "Alexandre César tomou a nossa casa".

Enfim, esperemos os resultados de 05 de outubro pra ver quem irá enfrentar Wilson Santos. Talvez não tenhamos um épico daqueles em que os candidatos trocam ofensas intelectuais nos debates, como da última vez, mas poderá ser divertido assistir. E ah, provavelmente Wilson será reeleito.

Fique agora com um cartum sobre a campanha eleitoral:

terça-feira, 2 de setembro de 2008

A Busca por Pai Jorginho de Ogum - Parte V ( Final)

O pastor e sanduíche

Era um bom hotel. Agradável, com uma boa paisagem. O único problema era a propaganda do Zezinho. O Carro que tocava o jingle ficava subindo e descendo a ladeira durante o dia inteiro. Portanto, a cada meia hora aquela música “Jovem, escute o que eu vou falaaaaaaaar” tocava. E não havia escapatória. Não havia um lugar para onde se pudesse fugir. E durante meus dias na cidade, não vi propaganda de nenhum outro candidato. E a cidade tem menos de cinco mil habitantes. Pra que tanta propaganda? Alto Caparaó deveria ser provavelmente a cidade com a maior propaganda política per capita do país.

Peguei um informe sobre a cidade, para imaginar onde o pai Jorginho poderia estar. Talvez no Parque Nacional, talvez na própria cidade, ou talvez numa cachoeira da região. Poderia estar também numa plantação de café, mas aí seria quase impossível encontrá-lo.

Mas antes, era necessário jantar. Em frente ao hotel existia um lugar chamado “Estância Gourmet”. Três copos para cada pessoa, 400 garrafas de bebidas alcoólicas em cima de um balcão espelhado e o chefe de cozinha estava vestido que nem os chefes de filme. Pensei que deveria ser um restaurante caro. Era melhor procurar outro lugar.

O problema é que esse outro lugar não existia. Não existia um único outro restaurante aberto na cidade. A única opção era se preparar para gastar dinheiro naquele restaurante. Qualquer coisa, o Cão Leproso lavaria a louça. Ou então o colocaríamos para fazer malabarismo no semáforo e ganhar algumas moedas. Bem, a cidade não tinha semáforo.

A temperatura era de 18º. Mas, as mulheres estavam usando casacos de pele e cachecóis. Botas e luvas de couro. Perguntei se eu poderia entrar, ou se aquilo era uma cidade cenográfica. Ou se então era um portal. Uma lavagem cerebral. Quem entra no “Estância Gourmet” acha que está nos Alpes Suíços.

Pedi o cardápio. E nem era tão caro. Sim, era caro, mas não caro quanto podia ser. Abri o cardápio e comecei a ler as opções. French rec de carneiro ao molho de damasco. Codornas fritas ao molho de Jabuticaba. Filé de truta recheado com alho e queijo. Passei meus olhos em busca de um bife à milanesa, um filé com fritas, um frango à parmegiana. Em vão. O que consegui foi uma lasanha de presunto e queijo. A pior lasanha que eu já comi na minha vida.

No dia seguinte resolvi passar por umas trilhas dentro do hotel. O local tinha uma grama alienígena que subia pelos caminhos. Era aterrorizante. Fui então até o Parque Nacional. Estava nublado, não vi o Pico da Bandeira, olhei a paisagem e enfim. Percebi que, caso pai Jorginho estivesse lá, eu jamais conseguiria encontrá-lo.

À tarde fui percorrer a cidade. O que não demorou mais do que 15 minutos. Nesse tempo descobri algumas coisas interessantes. Que por exemplo, todos os queijos minas da cidade, vêm do Espírito Santo. Mas, também ouvi relatos sobre um pastor novo na 4ª Igreja Presbiteriana de Alto Jequitibá. Sim, Alto Jequitibá era ali do lado, onde ficava a tal da cachoeira da Andorinha. Estaria lá no dia seguinte.

A noite, era hora de voltar ao fenomenal “Estância Gourmet”. Talvez por ser uma segunda-feira, os turistas tinham ido embora. Mas, estava acontecendo uma reunião do Rotary Club. As pessoas sentadas em uma roda, inclusive o chefe de cozinha. Pensei “vai ser difícil sair alguma comida aqui”. Descobri algo muito importante, que poderia mudar minha vida. O lugar também fazia lanches. Pedi um sanduíche com hambúrguer, presunto, queijo e ovo.

As pessoas da reunião do Rotary Club discutiam. De repente, alguém falava alguma coisa, tocava um sino, e as pessoas aplaudiam. Quando o sino tocava mais forte, as pessoas aplaudiam de pé. Aquele ritual chato fez parecer que o sanduíche demorou mais do que realmente havia demorado.

A garçonete então veio com o sanduíche. Em um prato quadrado grande o sanduíche estava dividido ao meio. Em um canto, um pão com hambúrguer, presunto e queijo. Na outra, outra fatia de pão com um ovo em cima. Nos outros dois cantos, um tomate dividido em quatro partes, e um morango dividido ao meio. Era para se comer com garfo e faca, o que deixou o Cão Leproso desolado. Alfredo Chagas, felizmente, havia se envolvido com a campanha do Zezinho, e estava desaparecido.

Passei o resto da noite pensando na função daquele tomate dividido ao meio.

Acordei para um novo dia, que seria o dia da verdade. Era naquele dia ou nunca, que eu encontraria o Pai Jorginho de Ogum.

Dirigi-me até o Alto Jequitibá, e a igreja Presbiteriana. Por uma incrível coincidência, ela ficava ao lado da entrada para a Cachoeira da Andorinha. Entrei na Igreja e perguntei para um cara que estava lá sobre um novo pastor. “Ele é ótimo. Faz todo mundo chorar com seus sermões”. Ele me mostrou umas fotos do novo pastor. E sim, mesmo com aquela camisa azul social azul clara, dava para perceber que era pai Jorginho de Ogum. “Que escroto” pensei.

Perguntei então aonde é que esse cidadão estava. O cara me disse que ele estava meditando na Cachoeira da Andorinha. E que ele odiava ser interrompido. Isso era típica coisa do Jorginho. Fui então para a área da Cachoeira. Uma placa dizia que era proibido molestar os animais naquela área. O Cão Leproso ficou bem aliviado.

Paguei dois reais para entrar. O Cão Leproso entrou, mesmo sendo proibida a entrada de cães. Dinheiro que turisticamente não é bem investido. A cachoeira parece um cano de água escorrendo. Uma queda de uns três metros. E uma turista gorda jogava um papel de pirulito no meio das pedras. Detalhe, é que ela empurrou o papel com o pé, até uma fresta. Um exemplo de cidadania, escondendo o lixo.

E eis então que no meio de muitas pedras, encontrei o Pai Jorginho de Ogum, com aquela roupa de viado velho meditando. Em volta dele uns maconheiros tocavam Bob Marley no violão. Tentei me comunicar com Pai Jorginho, mas ele estava incomunicável. Lembrei-me então das palavras mágicas que o fazem acordar do transe. Disse “Pai Jorginho, que porra é essa?” Ele acordou. E me olhou com uma cara estranha. Tentou fingir que não me conhecia, mas foi impossível fazer isso com o Cão Leproso.

Ele começou a se justificar, pedir para que o deixassem em paz. Eu perguntei a ele se ele realmente achava que depois de eu ter feito aquela viagem, eu o deixaria lá e iria embora. Depois de alguns minutos de conversa eu ameacei contar a todos que ele era o centroavante do Flamengo naquela derrota de 14x1 para o time de Ornitorrincos autistas das Ilhas Fiji. Ele acabou concordando que realmente deveria voltar.

No carro, voltando para o hotel, perguntei ao pai Jorginho, porque é que ele havia sumido. Ele me disse:

“Eu sai, porque estava atrás do desejo insaciável do homem. Eu estava procurando aquilo que me faz respirar, aquilo que faz meu sangue correr em minhas veias...” O interrompi dizendo “como se fosse possível seu sangue correr nas veias dos outros”, ele então prosseguiu “... O sentimento indescritível. Eu queria o ar mais puro, o céu mais azul, o grito preso na garganta. Eu queria me sentir como ninguém jamais se sentiu. Correr pelos campos, nadar pelos rios, viver cada dia como se fosse o último”.

Eu olhei para o Cão Leproso. O Cão Leproso olhou para mim. E nos dois olhamos para Pai Jorginho. Perguntei se aquilo era uma letra de banda emo. E voltei a perguntar, porque afinal ele tinha ido para lá. Ele então me respondeu:

“Porque eu queria cagar em paz. Eu não agüentava mais, minha privada estava quebrada, eu tinha que cagar na casa do Marcão. E ele não pagava a conta de água. A merda tava ficando toda entulhada, uma em cima da outra. Aquilo era nojento, ninguém merece isso”. Isso realmente fazia sentido. Ele foi pego cagando em Paranatinga.

O Cão Leproso pela primeira vez na viagem disse alguma coisa. Disse que realmente era nojento, e que ainda bem que ele era cachorro, podia cagar na rua. Comentei então que o Marcão havia arrumado emprego na obra da Avenida das Torres, e que já estava pagando a conta de água. Todos ficaram aliviados.

No dia seguinte iríamos começar a voltar para Cuiabá. Queria sair cedo, para não ter que levar Alfredo Chagas. Mas antes, tinha que encarar meu pior desafio. Comer no “Estância Gourmet”. Pedi um queijo quente, a coisa mais simples do cardápio. E qual foi minha surpresa, quando ele veio. Num canto do prato uma fatia de pão com queijo derretido. Outro no outro canto. E nos outros dois cantos, uma fatia de tomate, e um morango cortado ao meio. Sim, eu comi pão com queijo usando garfo e faca.