sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Olavo, o estraga-prazer

Nos últimos dias o CH3 se dedicou a publicação de textos sobre a formatura. No fundo, a formatura é puro prazer. Ou quase isso. Mas hoje nós vamos mudar de assunto. Vamos falar sobre Olavo, o estraga-prazer.

Se há algo que pode ser dito sobre Olavo, é que Olavo era um estraga-prazer. Sempre foi assim, desde pequeno. Quando ele nasceu, o médico disse “esse tem cara de que é estraga-prazer”. As enfermeiras consentiram. Menos o recém-nascido que discordou. No fundo, Olavo já concordava, mas resolveu se pronunciar, apenas pra sacanear.

Na escola, Olavo contou a todos os seus colegas que Papai Noel não existia. Fez o mesmo com o Coelhinho da Páscoa. Detalhe: quando todos tinham cinco anos. Seus colegas cresceram traumatizados.

Quando todos estavam na sexta série, Olavo não sofreu. Quando seus amigos começam a contar as mais mirabolantes aventuras sexuais, ele apenas dizia “é tudo mentira. Eu sei que vocês todos são virgens. E só viram mulher pelada na playboy”.

Seus apelidos mudavam constantemente. Uma época ele era “Olavo o semgraceira” ou ainda “o sem noção”. E por aí vai. Ele, claro, corrigia a todos e dizia “nada disso. Sou apenas um estraga-prazer”.

Ser um estraga-prazer é difícil. É uma linha tênue que separa o simples ato de acabar com a graça dos outros, com a de fazer loucuras. Ou com a de ser apenas um politicamente incorreto. Claro que algumas vezes, Olavo foi sem noção. Assim como foi politicamente incorreto. Até porque, é politicamente incorreto estragar o prazer. E esse estilo de vida carrega certa falta de noção no convívio social.

No Vestibular para direito, Olavo falou para todos na sala “olha. Todo mundo aqui vai reprovar”. Pessoas começaram a chorar e, de fato, todos, exceto Olavo, reprovaram. Ele fez questão de ligar para todos seus concorrentes, dizendo “avisei que você não ia ser aprovado”.

No seu trabalho de advogado ele fazia questão de pegar casos difíceis apenas para falar “olha, você vai ser preso”.

Em suas reflexões, Olavo disse “eu não faço nada demais. Apenas digo a verdade. Infelizmente, a verdade estraga o prazer das pessoas”.

A onda do Orkut chegou, e Olavo fez o seu perfil. Ele não aceitou nenhum amigo. Falavam “oi olado, add eu ae, estudei com você na sexta série”. Olavo respondia “não”. Criava comunidades, e não deixava ninguém participar delas. Tinha um jeito Ivan Drago de levar a vida. E sim, era chato, não negarei. Ele talvez negasse só para acabar com minha graça, ou, estragar meu prazer.

Digo talvez negasse porque Olavo morreu. Aliás, quando percebeu que ia morrer, Olavo se desfez de todos os seus documentos e deitou na rua. Para morrer sozinho e ser enterrado como indigente. Para que ninguém pudesse ir chorar ou sorrir em seu velório.

Quando alguém descobriu que ele morreu, postou seu perfil na comunidade “profiles de pessoas mortas”. E eis, que sabe-se lá como, Olavo postou por lá, apenas para falar que não, ele não havia morrido. E ninguém nunca mais o viu.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Formatura: entradas triunfais

Alô, CHnautas.
Como vocês devem ter percebido, aqui no CH3, estamos tratando do famoso assunto de formaturas de universidade.
Porque? Ora, porque estes humildes blogueiros estão passando exatamente por isso na condição de participantes. E além disso, há pouco tempo teve início o circuito nacional de formaturas.
Você deve ter percebido, já que nas suas atualizações do orkut deve ter visto várias pessoas postando fotos de formaturas, e pessoas postanto fotos de várias formaturas que foram.

Pois sim, há pessoas que, na época do circuito de formatura, vão a 5 ou 6 festas, todo ano. Eu mesmo fui em duas na minha vida inteira.

Mas, para o formando, um dos momentos mais empolgantes e marcantes é a entrada no baile. Quando o locutor chama seu nome, e você entra desfilando por uma passarela até o palco. Esse momento, antes uma formalidade, com o passar dos anos foi ficando mais descontraído até virar uma putaria total.

O formando pode escolher uma música de sua preferência para tocar durante sua entrada enquanto ele pode fazer uma performance, se assim desejar. Infelizmente ninguém, nem mesmo o formando, conseguirá ouvir a própria música, por conta daquele monte de gente escrota que fica buzinando. Tsc, francamente.
Mas ainda sobra a performance. Tem se tornado cada vez mais obrigatória. Cada um planeja e ensaia uma entrada meses antes para que a sua seja inesquecível. Fica treinando piruetas, aprende a andar de perna-de-pau, a desviar de balas igual ao Neo, colocar o pé atrás da cabeça, lamber o cotovelo... E até que será inesquecível, até chegar a próxima formatura e ninguém mais dar a mínima.

As entradas mais comuns são:
-Com camiseta do time do coração, tocando o hino do clube.
-Extremamente "cheguei", tocando "I Will Survive". Normalmente escolhida por aquele colega homossexual que resolve soltar a franga, ou então por aquela garota perua e escandalosa. Toda formatura tem.
-Sambando ao som do maior pagodão. A intenção do(a) formando(a) é colocar todo mundo pra dançar.
-Pretty Woman. Outra constante. Para aquela garota que quer que todos saibam que ela é bonita. Ou achem.
-De All-Star tocando música indie que ninguém nunca ouviu falar. Normalmente escolhida por aquelas garotas-amélies.
-De escafandro, para os mais tímidos.
-De chapéu e fivela, tocando sertanejão. Normalmente escolhida pelos filhos de fazendeiro que vão herdar as terras do pai. Muito comum em formaturas de agronomia.
-Entrar marchando como soldado ao som da Marcha Imperial. Se for possível, com os sons da respiração do Darth Vader. Escolha favorita dos nerds.

Claro, há outros tipos de entrada. Há o caso também que o formando apenas entre ao som de sua música favorita, acene para seus amigos e família, dê um tchau pra todo o pessoal, etc. Com certeza a mais sincera, mas a mais esquecida. Não aconselhamos que o formando entre ao som de metal ou hardcore, pois as pessoas não entendem. E, se for fazer malabarismos, peripécias, traquinagens, etc. é bom que você saiba o que está fazendo!

Enfim, formaturas. Foi em uma, foi em todas. É legal prestigiar seus amigos, claro, e mais legal ainda se você for o formando. Só não espere novidades. Mas buzinas... Espere muuuuitas buzinas para estragar sua noite.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Guia CH3: como perturbar na sua festa de formatura

No post anterior nós falamos sobre a festa de formatura. Esse momento mágico, nefasto, inovador e repetitivo. Claro que no fundo a festa é um motivo de comemoração. Pelo fato de ter conseguido terminar a faculdade, de que vai ficar desempregado ou simplesmente porque lá está você celebrando a vida junto dos seus amigos.

Mas há o caso contrário. Há quem odeie sua turma. Ache que os seus colegas de faculdade são os piores seres que ousam pisar no solo fétido desse planeta infame. Essas pessoas (que costumam a escutar Metal) normalmente preferem nem participar da formatura. Mas, há quem prefira algo mais dramático e resolva acabar com a formatura de todo mundo.

A maneira mais comum de fazer isso é metralhar todos os presentes. O que termina em cadeia. Você pode também apenas dar um tiro na própria cabeça no momento da entrada. Realmente, você acabará com a noite de todo mundo. Só que não poderá curtir o sarcástico gosto de ver a frustração alheia, porque você terminaria a noite na funerária.

Você pode, no entanto, fazer outras coisas mais leves, divertidas e etc. Claro que você pode ser espancado pelos os seus colegas por isso.

Uma das coisas que você pode fazer é ser o orador da turma. E durante o seu discurso, você pode contar todos os podres dos seus colegas. Quem fez merda, quem traiu quem e etc. Além de claro, apenas falar mal de todo mundo. Exemplo: “O Jorge, por exemplo, ficava puxando assunto com os professores, porque ele é burro pra caralho e tentava ver se assim ele passava”. Ou “A Rosicleise, única vantagem dela é ter uma bunda boa. Porque vá ser chata assim lá longe”. Ou ainda “Convenhamos. Vá se vestir mal igual à Luzismariana lá na puta que pariu”.

Durante a colação de grau, você estará vestindo uma beca. Aproxime-se de todas as meninas e fale para elas: “estou sem nada por debaixo da minha beca”. Ou quando for receber seu diploma, fale “vejam só, estou sem nada por baixo da minha beca”.

Outra boa oportunidade é você ler o juramento. Sabe como é. Quem faz isso, normalmente lê uma frase curta e espera os outros repetirem. Neste caso você pode:
- Ler uma frase muito longa como: “Juro pela santíssima trindade e pelo poder que se faz soberano nesse planeta, exercer minha profissão com satisfação e respeitando os preceitos básicos da ética e da boa vontade”. Ninguém vai se lembrar da frase toda.
- Ler a frase curta e começar a ler à nova, antes que os outros tenham terminado. Como: “Juro ser honesto” – “juro ser hon” – “com os meus colegas” – “com os meus co” – “de profissão”.
- Começar a gaguejar.
- Fazer as pessoas jurarem coisas constrangedoras: “juro comer merda”, “juro molestar as minhas estagiárias”.
- Corrija o que os outros falam: “Juro ser honesto” – “Juro ser honesto” – “não não, é honesto” – “juro ser honesto” – “não! Ho-nes-to” – “honesto!” – “assim não dá. Honesto!” – “Honesto!” – “desisto. Juro ser honesto com os meus colegas”.

Além de coisas básicas, como chamar a avó de outras pessoas para dançar, fazer comentários libidinosos sobre os parentes das outras pessoas, e etc. Mas isso já é baixaria. Se você tiver conseguido fazer uma dessas coisas, você já terá destruído a vida de algumas pessoas.

sábado, 24 de janeiro de 2009

A formatura

Todos nós sabemos que os norte-americanos têm apenas um grande objetivo na vida. Eles nascem, crescem e tudo mais pensando em apenas uma única coisa: o baile de formatura. São 20 anos da sua vida se preocupando com esse momento. Não se pode fracassar em um baile de formatura. Pesquisas indicam que aqueles que foram ao baile sozinhos não conseguiram empregos, não conseguiram se casar, são desgraçados pela família e morrem sozinhos em um leito frio.

No Brasil a situação não é tão dramática assim. Muitas pessoas não irão se formar, então tem mais com o que se preocupar. Mas, pela influência da cultura estadunidense, algumas pessoas estudam para passar no vestibular com um único objetivo: participar de um baile de formatura. Porque vocês acham que tantas pessoas tentam passar para medicina? Porque este é o baile com mais prestígio.

Os bailes estão ficando cada vez mais chiques. Elton John, por exemplo, veio ao Brasil apenas para tocar em uma festa de formatura de uma turma de uma universidade particular de medicina em São Paulo. As formaturas de hoje tem iluminação melhor do que estádios de futebol, sistemas de som que fazem inveja ao U2 e aos Rolling Stones.

Pra quem ainda não se formou, há a alternativa de ser convidado para participar de bailes de outras pessoas. Nessa época de começo de ano, existe uma espécie de circuito de formaturas. Você verá na atualização do Orkut de algumas amigas suas, fotos de diversos bailes de formatura. Eu fui em uns três juntando minha vida toda. Não sei aonde essas pessoas tem tantos amigos e parentes, de tal forma que elas participam de oito, nove bailes num período de dois meses.

E o que é ainda mais curioso nas fotos de formatura é o uso que as pessoas fazem de óculos cor de rosa, guirlandas natalinas, antenas fosforescentes e buzinas ensurdecedoras. Sabe-se lá porque. Se eu fosse eleito presidente, criaria uma lei proibindo o uso desses apetrechos nefastos.

De qualquer forma, a formatura será marcante para o aluno formando por um momento especial: o momento da entrada. Será anunciado que você vai entrar, vai tocar uma música e tal. O normal é você entrar, acenar pra alguém que você ache que mereça ser acenado e ir até o lugar onde você tem que ir.

Só que, na sociedade do espetáculo, você não pode apenas entrar normalmente. É preciso que você faça uma performance. Que você dance, sapateie, jogue capoeira, plante bananeira, grite, rebole, tente morder o próprio toba ou faça um strip tease. Ou então, tudo isso ao mesmo tempo. Sua entrada será comentada por toda a eternidade.
- Ah, a entrada da Fernanda foi muito engraçada hahahahaa. Ela entrou com o namorado igual aquela cena do Titanic, só que tocando Vou deixar do Skank¹ no fundo, hahahahah.
Ou então:
“A entrada do Guilherme foi muito sem graça. Ele nem fez nada... ahhh semgraceira”.

É a pressão social sobre os formandos.

¹ Vou deixar do Skank, música que junto com “We Are The Champions”, “Amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito”, “Beber cair e vomitar”, e mais algumas, estão num seleto grupo escolhido por 38% da humanidade para este momento.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

A segunda vinda de Cristo

Dia 20 de Janeiro (também conhecido como anteontem) em Washington, EUA, o homem conhecido como Barack Obama, toma posse do cargo de Presidente dos EUA. Mas Obama não é apenas um homem. É o novo Messias. Cristo anda sobre a Terra mais uma vez. Não duvidem disso. Liguem a tv e vocês terão idéia da dimensão desse ato. Shows de algumas das maiores bandas do mundo, artistas, celebridades, todos o estão saudando com ouro, incenso e mirra (o que diabos é mirra?). Jornalistas estão sinalizando o dia de hoje como um dos mais importantes da história do planeta.

Sim, é possível que o Natal não mais seja em 25 de dezembro. Crianças agora, no dia 20 de janeiro, esperarão ansiosas pela visita de Papai Obama lhes trazendo presentes, enquanto templos serão erguidos em homenagem ao novo messias. Afinal, ele foi enviado pelo próprio Senhor para nos salvar.

E no cargo de presidente, vai ser fácil. Por exemplo, se seu povo passar fome, é só ele multiplicar os pães e pronto. Se faltar luz em alguma cidade, é só ele dizer "faça-se luz" e se fará luz. Nenhuma distância e nenhum obstáculo seguram Obama, afinal, ele é capaz de andar sobre as águas.

Mas é óbvio, haverá muita gente insatisfeita. Eleitores de McCain, principalmente. Aquela expressão "nem Cristo agradou a todos" agora é mais válida do que nunca. Mas Obama não se importa. Apenas olhará para o céu e dirá: "Pai, perdoai-vos. Eles não sabem o que fazem". Tsc, tsc. Pobres fariseus.

Enfim, arrependei-vos. Desejamos um bom mandato para Obama. Infelizmente já sabemos como essa história vai terminar. Um belo dia, Obama vai fazer um jantar para 12 pessoas de seu gabinete, e no dia seguinte, ele vai ser traído. E aqueles que lhe eram próximos negarão que o conheciam e seguiam. Será a Paixão de Obama. Episódio esse que um dia virá a se tornar filme. Mas não se preocupem. No terceiro dia, a Casa Branca vai se partir ao meio e Obama retornará para mais um mandato.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Os bastidores da negociação de Kaká com o Manchester City

O mundo do futebol foi surpreendido, dia desses, com a proposta que o time inglês do Manchester City fez ao Milan, para comprar o jogador brasileiro Kaká. A soma dos valores entre salários, luvas, comissões e etc. é próximo a 1 bilhão de reais. Em um brilhante trabalho jornalístico o CH3 traz aos seus leitores, os diálogos por trás dessa negociação bilionária.

Diálogo 1
Dia 13 de janeiro, 11:13 da manhã. O sheik Kalil al-Abdar, investidor do Manchester City, liga para Kaká, com uma proposta milionária.
- Kaká, quero que você venha para o Manchester City. Te pago um salário de 1 milhão de reais por semana.
- Sinto muito, eu jogo no Milan e só aceito negociar se minha equipe deixar.
- Ok Kaká, e sua esposa, vai bem?
- Sim, vai.

Diálogo 2
10 minutos depois, Kalil liga para Silvio Berlusconi, o presidente do Milan, que também é um primeiro-ministro corrupto.
- Silvio, eu quero levar o Kaká.
- Sinto muito, mas ele é invendável.
- Pago 100 milhões de euros para vocês.
- Eu aceito. Onde que eu assino?

Diálogo 3
Silvio Berlusconi liga para Kaká, depois do almoço.
- Kaká, uns árabes ofereceram um quantidade enorme de dinheiro por você.
- Sim, eles me ligaram.
- E então, você aceitou???
- Disse que só negociava com o aval seu.
- Tudo bem Kaká, pode negociar em paz. Escuta, quer vir comer uma macarronada aqui amanhã?
- Desculpa Silvio, já tinha combinado de ir em outro lugar com minha mãe.

Diálogo 4
O sheik volta a telefonar para Kaká.
- Kaká, o seu time liberou você para negociar.
- Sim, eu sei.
- Então. Um milhão de reais por semana e o que mais você quiser. Ilha em Dubai, casa em qualquer lugar de Manchester.
- Sinto muito, eu não aceito.
- O que? Como assim?
- O Manchester City é um time pequeno, insignificante. Não quero arriscar minha carreira por dinheiro. Já tenho bastante.

Diálogo 5
Silvio Berlusconi estava em sua sala, já olhando fotos de iates, e pensando o que ia fazer com tanto dinheiro. Quando o telefone toca. Era Kaká.
- Oi Silvio, os árabes me ligaram.
- Ah sim Kaká, quando é que você passa aqui pra pegar suas coisas?
- Não Silvio, eu não aceitei.
- O que? Larga de brincadeira Kaká. Quer ajuda na mudança?
- Sério eu não aceitei.
- Como assim? Puta que o pariu Kaká, como é que você não aceitou?
- Disse que o projeto deles não me agradava.
- Ahhh Kaká, pensa direito, aceita esse negócio!

Diálogo 6
Tiffany está em seu quarto assistindo um filme. O filme acaba e o telefone toca. Uma voz do outro lado diz:
- Seven Days.
Tiffany começa a chorar e sai correndo.

Diálogo 7
Kaká liga para o bispo de sua igreja em busca de conselho espiritual. A Igreja de Kaká ganha 10% dos salários do jogador.
- Bispo, eu recebi uma proposta para ir jogar em um time obscuro da Inglaterra, é muito dinheiro, não sei se eu aceito, eu gosto do Milan.
- Quanto é que você vai ganhar Kaká?
- 50 milhões de reais em um ano.
Os olhos do bispo brilham, e pensam nos 5 milhões de reais por ano que ele ganhará. O bispo responde:
- Kaká, deus quer que você vá para o Manchester City.

Diálogo 8
Batman atende o telefone em sua casa:
- O que é o que é, cai em pé e corre deitado?
- Charada seu filha da puta, why do you want to kill me?
- Ai, calma Bat, aqui é o Robin.
- Ah Robin, assim você me assusta.
- Desculpa. Só liguei pra saber como é que você tá... a noite ontem foi ótima.
- To bem Robin.
- Ai, que bom. Eu vou ali fazer as unhas.
- Tá bom.
- Sabe, te amo.
A linha cai.

Diálogo 9
A mulher de Kaká liga para ele
- Oi amor, estou aqui em umas lojas comprando umas roupinhas. Adoro Milão, a moda aqui é tudo de bom.
- Amor, eu tenho uma dúvida.
- Dúvida? Você é gay?
- Não. O Manchester City quer me comprar.
- Manchester? Naquele lugar só chove, se você for pra lá, eu não vou.
- Tudo bem, então eu fico aqui mesmo.

No momento seguinte, Kaká comunica a todos que ficaria no Milan. O presidente do Milan disse que jamais quis vender o jogador. Kaká diz que jamais pensou em sair da equipe. O bispo da Igreja se desesperou, ele precisava do dinheiro para reconstruir o teto da igreja. Batman e Robin assumiram um romance que abalou as estruturas sociais de Gothan City. Tiffany nunca mais atendeu telefones. Ela tinha apenas seis anos.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Grandes nomes da história, 4

Um dos mais peculiares jogadores da história do futebol foi o argentino Pablo Garcia. Ele nunca conquistou nenhum título na carreira. Também não era considerado nenhum craque. Nem sequer foi identificado com algum clube. Mesmo assim ele obteve um recorde impressionante em sua carreira. Disputou mais de 10 copas Libertadores da América consecutivas.

Era só algum time argentino se classificar para o torneio e a primeira contratação era Pablo Garcia. O presidente da equipe justificava a contratação dizendo que sua experiência seria muito importante para disputar o torneio.

Começou a carreira jogando no Boca Jrs, mas foi mandado embora pela sua ruindade. Passou por Argentino Jrs, Neweel’s Old Boys e Velez Sarsfields. Os comentaristas brasileiros sempre o citavam como a arma secreta do time adversário. Jogador rodado e catimbeiro, que entrava no segundo tempo para decidir. Isso, apesar de ele nunca ter marcado nenhum gol na carreira.

Rodou pela América do Sul inteira. Talleres, Peñarol, Colo Colo, Quilmess, Banfield, Independiente de Medelín e Jorge Wilsterman. Não se destacou em nenhuma equipe. Sua participação em uma partida era próxima ao zero, mas o seu bom empresário sempre o encaixava em alguma equipe que disputava a Libertadores. E assim construiu o seu recorde.

Depois de 20 anos de carreira, finalmente todos se deram conta de que ele não jogava nada e, sem clube para jogar, Pablo Garcia resolveu se aposentar. Foi então contratado por uma TV Argentina, para ser comentarista. Afinal, era um jogador experiente e sua falta de identificação com os clubes lhe garantia um ar de neutralidade.

Nos 10 anos em que ele trabalhou na TV, as equipes argentinas não ganharam nenhum título e a Argentina ficou de fora das Copas do Mundo. Chegou a perder para a seleção de São Cristovão e Neves. Os estádios ficaram vazios e então a TV em que Pablo Garcia trabalhava, faliu.

Sem emprego, e com 50 anos de idade, ele resolveu inovar. Virou um bobo de estádio. Ia aos estádios vestindo roupas estranhas e cartazes com dizeres para a TV. Também corria fantasiado em provas de atletismo. Um dia, um jornalista o descobriu e fez uma entrevista com ele. Garcia falava sobre o seu drama, criticava os amigos que o abandonaram.

No dia em que a entrevista sairia no jornal, ocorreu uma grande falta de papel no mundo. O que levou vários jornais a falência. Mesmo assim o jornalista publicou a entrevista em seu blog, e uma comoção nacional foi criada.

Pablo Garcia começou a dar palestrar motivacionais, atividade que ele desempenhava paralelamente a função de bobo de estádio. No entanto suas palestras foram um fracasso. Pesquisas comprovavam que o número de suicídios entre as pessoas que assistiram a palestra, era maior do que no resto da sociedade.

Sem mais dar palestras, Pablo virou temas de reportagens de TV e capa de revistas. Ele era um fenômeno de impopularidade. Mesmo sendo um perdedor em tudo o que fez, ele deu certo em termos. As pessoas discutiam o que o levava a ter tanto azar em tudo o que fazia, mas mesmo assim se mantinha na mídia. Seu azar lhe trazia sorte. Era um vencedor perdedor.

As pessoas discutiram sem parar. Argentinos malucos inventaram igrejas para ele, ele virou um mito. Não teve filhos, nunca se casou. Morreu aos 93 anos e deixou apenas uma dúvidas como o seu único patrimônio.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Seu pior pesadelo

Alô a todos os CHnautas.
Estamos no clima de volta às aulas. Deprimente. Mesmo quem não tem mais que ir às aulas de fato, é assombrado pela realidade de que as férias estão acabando e a tortura anual da rotina vai recomeçar...

Mas o que mais assombra os estudantes de modo geral é um sonho. Não o sonho de passar no vestibular, isso já está batido. Afinal, que eu me lembre, nunca sonhei (no sentido literal da palavra) que eu estava fazendo vestibular, passando e me formando. Mas sei de uma coisa que sonhei, e que a maioria, senão todos os estudantes já sonharam.

Estar nu na escola.

De repente, você se vê na escola. A molecada conversando, gritando e contando mentiras, os primeiranistas se exibindo para as garotas da 7ª série, as crianças torturando um coleguinha, aquele amiguinho maconheiro fumando escondido... Enfim, o ambiente de sempre. Mas você percebe que uma coisa está errada. Você está nu. Em pêlo. No meio de todo mundo, no meio do colégio, você está pelado. Então você tenta desesperadamente se esconder, mas não quer sair de onde está para que ninguém repare. Tampouco você acha algum lugar para se esconder.
Vem então o fiscal de corredor pra brigar com você por não estar usando uniforme. Então todos te veem. Todos olham pra você. Se seu subconsciente for bacana, você vai acordar nesse momento. Se ele for um filho da puta, vai deixar você dormir um pouco mais.

Aí você acorda suado e desesperado, aliviado que era só um sonho. Mas com certeza é o pior de todos. Especialistas dizem que esse sonho reflete sua sensação de isegurança perante o mundo. Mas nós do CH3 sabemos que esse sonho é resultado dos traumas originários da escola, principalmente da 6ª série. A cruel 6ª série, onde todo mundo se acha adulto e qualquer coisa que você faz é avaliada pelos seus colegas, que dependendo do caso, irão te humilhar chamando de "criança".

Esses sonhos passam com o tempo. Para comprovar, quem aí já sonhou que estava nu na faculdade, ou no trabalho? Então. A escola pode ser cruel com o ser humano.
Felizmente isso é só um sonho. Mas cuidado para não acontecer uma situação como essa:

-Cara, porque você veio pra escola pelado?
-Ah, hahaha! Isso é só um sonho, não se preocupe.
-Não, cara, isso não é um sonho.
-Não?
-Não.
-...

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Volta às aulas, parte 2

Bom, talvez seja um pouco cedo para falar de volta às aulas? Não, de jeito nenhum. Pois já começaram a passar os comerciais de material escolar e as tradicionais promoções de lojas de roupas. Aliás, isso era sempre o terror quando estávamos ainda aproveitando nossas férias vendo tv. Ver comerciais de "volta às aulas" sempre nos lembrava que as férias estavam acabando e que a tortura do colégio iria voltar em breve. O Conar devia proibir esses comerciais no horário dos desenhos. Mas, para estar bem equipado para encarar a maldita rotina, veja o post sobre o que você vai precisar.

Mas voltar às aulas é um momento interessante no período letivo. Na faculdade talvez nem tanto, porque dependendo do curso que você faz, você mal sabe diferenciar as férias das aulas. Dependendo do curso que você faz também, ainda se sente como no colégio, quando férias são uma bênção.

Já no colégio, esse momento é uma espécie de ritual. Quando chega o dia, você até fica empolgado, quase nem liga de ter que acordar cedo. No primeiro dia você se arruma melhor, demora mais no banho, passa mais perfume. Até aquele seu colega porco toma banho nesse dia. Chega lá bem cedo, todo empolgado, revê todos seus colegas. E é nessa ocasião, na hora de contar sobre as férias de cada um, que se registra a maior taxa de mentiras por minuto. A mais famosa é "ave, fui na praia e garrei altas".

Sempre tem também algum aluno novo, que chega cedo pra não se perder. Sempre o aluno novo fica ali, isolado, só ouvindo o papo animado dos que já eram amigos antes. Alguns novatos são metidos a besta e já tentam chamar a atenção de todo mundo, mas esses normalmente ganham a antipatia instantânea da turma. Menos é claro, se for rico, daí todos vão pagar o maior pau pra ele. Mas alunos novos geralmente só se enturmam quando o professor passa o primeiro trabalho em grupo.
Se for uma aluna nova e ela for bonita, o assunto do dia será ela. Se for mais bonita do que suas antigas colegas, aí todo mundo vai querer puxar papo com ela e disputar sua atenção. E nesse momento cada colega seu, até mesmo seu amigo mais próximo, se tornará seu rival. Isso até ela começar a ficar com um moleque bem mais velho, que tem barba e anda de moto. E que ainda está no colégio.

A empolgação do primeiro dia de aula acaba rápido. Dura no máximo uma semana. Depois você lembra como foi seu ano anterior e pensa "ugh". Quando o professor marca a primeira prova, você implora pro ano acabar logo. Mas lembra que ainda tem muuuuita tortura pela frente...
E não perca em breve, um post sobre o famoso pesadelo de estar nu na escola.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

A vida atrás das barbas

O relógio marcava por volta das 23h30. Era o fim do dia 24 de dezembro e muitas famílias comemoravam o natal na cidade de Los Angeles, no Oeste Americano. Foi quando Bruce Jeffrey Pardo, 45, chegou à casa de sua ex-mulher. Vestido de Papai Noel, ele começou a atirar e depois incendiou a casa, matando pelo menos oito pessoas. No dia seguinte Bruce cometeu suicídio.

Andrew Mondia, 32, é um ator e comediante canadense. No último dia 27 de novembro ele estava trabalhando como Papai Noel na loja Selfrideges, em Londres, quando pediu para que uma idosa sentasse em seu colo. Mondia foi demitido.

A figura do Papai Noel é cercada de lendas e acusações. Falam que ele é um agente da Coca-Cola®. Exploração de duendes, maltrato a animais e sonegação de impostos são outras das acusações. E não se sabe se ele mora na Letônia, Lapônia, Groelândia, ou Finlândia. Mas a verdade é que não existe um único Papai Noel eterno. Vamos contar um pouco da história.

Noel Hafjnaiken era um finlandês fabricante de vodkas e grande incentivador do teatro. Em 1789 ele resolveu patrocinar uma peça natalina. No final, o personagem principal entregaria presentes às crianças presentes no local. Mas, em troca do patrocínio ele exigiu ser o ator principal. Acabou fazendo sucesso. No ano seguinte ele resolveu propor o papel novamente para o grupo de teatro. No entanto, o diretor não aceitou e resolveu fazer uma peça contemporânea sobre o isolamento natalino. Noel, resolveu fazer a entrega de presentes por conta própria.

E assim foi durante muitos anos, até que o velho Hafjnaiken morreu. Os moradores da cidade decidiram que seria preciso que alguém o substituísse. Para isso, resolveram organizar uma eleição. Vários senhores foram concorrer ao cargo e como não houve um consenso, vários Papais Noéis surgiram.

Com o passar dos anos a concorrência começou a ficar difícil e a Finlândia quase entrou em uma guerra civil de Papais Noéis. Com isso, vários grupos foram se espalhando pelo mundo. Há a dinastia do Pai Natal em Portugal e na Itália, assim como a do Santa Claus nos Estados Unidos. No Brasil, Itália e França prevaleceu a dinastia do Papai Noel.

No entanto, a briga pelo poder era muito grande e após a Primeira Guerra mundial as várias classes se reunirem em Berna, na Suíça, para regulamentar a atividade de Papai Noel. Criaram-se provas, ao estilo do DETRAN. E dessa reunião surgiu a Organização Mundial do Papai Noel (OMPN). No entanto alguns pontos não ficaram definidos, e esse foi um dos motivos da segunda-guerra mundial. E após essa, todos sabem, o mundo se dividiu entre o modelo Soviético e o modelo Americano. Como o Papai Noel soviético não entregava presentes, o modelo Americano se popularizou no mundo. Atualmente o presidente da OMPN e Papai Noel máximo, mora em Bucareste na Romênia.

Portanto, cada Papai Noel que você vê no shopping não é apenas um ator contratado. Ele é UM Papai Noel. Com carteira na OMPN, exames médicos e toda a burocracia necessária. Bruce Jeffrey Pardo e Andrew Mondia eram Papais Noéis.

Mas, a situação deles, expões algumas das fragilidades na vida de um Papai Noel. Com a crise mundial essa situação piorou. Porque? Porque a crise serve pra explicar qualquer coisa hoje em dia. “Porque minha pia entupiu?”, “Porque meu cachorro tá doente?”, “Porque a pia do meu controle remoto acabaou?”. Por conta da crise, é claro.

Mas, pense no trabalho de um Papai Noel. Na quantidade de crianças que tiram fotos com vocês diariamente e que elas puxam sua barba, seu gorro. Além de outra coisa: a falta de emprego durante o ano.

É difícil ser um Papai Noel profissionalmente. Pense você: onde está aquele Papai Noel do semáforo da City Lar agora? Então. Durante o resto do ano eles precisam ganhar a vida e por isso não é possível ter uma preparação adequada para exercer a função. Por isso temos Papais Noéis com barbas e cabelos postiços, magros, psicopatas e tarados. Como é o caso do Hanz.

Por isso, o CH3 lança aqui, uma campanha, de profissionalização dos Papais Noéis. Por um mundo melhor.

sábado, 10 de janeiro de 2009

Ônibus (ou o Inferno sobre Rodas)

Férias de final de ano é aquela alegria. Finalmente você tem tempo pra descansar de tudo e tirar um tempo pra você acordar até o meio dia e ficar coçando até a hora de dormir de novo. Muita gente aproveita esse tempo pra viajar... E qual o melhor lugar pra se viver essa tranqülidade do que o campo, certo?

Errado, é óbvio. Quem tem essa paixão bucólica no mínimo é doente, devo dizer. Mais uma vez eu estava lá, como no ano passado. Porém, esse texto trata de outro assunto.
Suportei alguns dias fora de casa, depois resolvi voltar sozinho. E, para economizar umas duas centenas de reais, resolvi voltar de ônibus. Grande erro.

Peguei meu ônibus em Cascavel para voltar pra Cuiabá. 1.325 km, segundo dados do DNIT. Teoricamente, 22 horas de viagem. É o que disseram quando fui comprar a passagem. Mas é claro, é preciso ser muito inocente para acreditar que vai chegar no tempo previsto. Quando se viaja de ônibus, você sempre pega algum congestionamento na estrada, ou dá algum problema no motor, ou o motorista fica enrolando, ou até mesmo resolvendo problemas de superlotação do carro nas rodoviárias. Aí, por exemplo, se te dizem que sua viagem vai ser de 22 horas, pode saber que vão ser 26 no mínimo.

Ou seja, mais de um dia inteiro dentro de um ônibus sem tomar banho, com o cabelo todo seboso e acesso a banheiros nojentos. Rapaz, sabe como é difícil mijar em um ônibus em movimento? Tem a alternativa de esperar até o ônibus parar na rodoviária, mas não é uma opção muito atraente também. E nem pense em soltar o barro. Espere chegar em casa pra isso. Na boa.

Como se não bastasse o tédio colossal de intermináveis kilômetros de estrada que parecem não acabar nunca, o desconforto também é terrível. Primeiro, ônibus fedem. Mesmo os mais "chiques" fedem. Por quê? Porque sempre tem uma criança a bordo, e ela sempre dá um jeito de gorfar. Porque tem uma cassetada de passageiros ali sem tomar banho. E bem, lembra do que eu falei sobre a dificuldade de mijar? Então.

E outra, tem a questão de quem senta na poltrona do seu lado. Vocês vão ficar disputando espaço e o direito de usar aquele apoio para o braço. Você tem que conquistá-lo a qualquer custo se não quiser levar cotoveladas a viagem toda. Mas o pior mesmo são as pessoas que se sentam à sua frente. Porque elas inclinam a poltrona ao máximo e mal dão espaço pra você sentar. Cruzar as pernas então é uma utopia. Quando isso acontece, você deve ficar cutucando a poltrona com o pé, sem dó, até que o folgado entenda.

A hora de dormir é uma das piores partes, porque dormir numa poltrona de ônibus naquelas condições é horrível. Ficar acordado também não é uma boa opção, porque vai ter um monte de gente roncando pra te tirar a paciência.

Enfim, o que quero dizer é: Não viaje de ônibus. Nunca. Avião é mais caro e pode atrasar, mas vai por mim, compensa cada centavo e cada minuto se comparar com ônibus. Não fede, você chega mais rápido ao seu destino (nem dá tempo de ficar nojento), e ainda tem lanche grátis durante o vôo. Sem falar que aeroportos são muito mais bacanas que rodoviárias.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Carnicentas retorna ao seu lar, doce lar. E as previsões para 2009

O sol brilhava no céu. O que, digamos, é óbvio. Onde mais o sol poderia brilhar, senão no céu? Enfim, nessa última segunda-feira a casa de diversão noturna Carnicentas, voltou a funcionar no seu antigo endereço, no Jardim Leblon. Não vou dizer a rua, porque você chega lá pelo cheiro.

A sede provisória do Carnicentas VIP foi tomada pela Defesa Civil que está construindo uma proteção de chumbo e concreto ao redor do local.

Estacionei o carro próximo ao estabelecimento. As paredes continuavam pintadas até a metade e o cheiro não estava tão forte. Até entrei sem a minha mascara de astronauta.

Dentro do local, o mesmo clima de sempre. Cão Leproso fazia as vezes de anfitrião e cumprimentava todos que lá entravam. Por sorte Hanz estava de férias em Porto de Galinhas e Alfredo Chagas resolveu ir protestar em Juscimeira.

Encontrei Pai Jorginho de Ogum preparando uns drinks de Caninha 21 com Nova Schin. Ele manipulava os recipientes com pinças.

Falei a ele que pouco me interessava o Carnicentas. Se ele voltava a funcionar ou não. Eu só falo do puteiro quando não tenho nada melhor para falar.

Eu estava ali por outro motivo: as previsões. Pai Jorginho surpreendeu a todos. Quando ele fez sua lista de previsões para 2008, eu as achei bem esquisitas. Mas ele acertou todas, incrivelmente.

Neste exato momento a combinação de bebidas que Jorginho manipulava começaram a pegar fogo. Ele me disse que em outras vezes essa mistura gerou ácido acetilsalicílico.

Ele parou para pensar um pouco. Virou uma garrafa de vodca Balalaika e me convidou para uma partida de pôquer. Ele sempre faz previsões jogando pôquer. Eu disse logo de cara que não iria apostar nada e recusaria veementemente a sua filha. Ele aceitou. E entre seqüências, trincas, flushs e full houses, ele fez as seguintes previsões.

Dercy Gonçalves não ira ressuscitar: Não temos o que temer quanto a isso.
Ronaldo irá perder cinco quilos: com uma lipoaspiração.
Quatro participantes do Big Brother Brasil irão sair na capa da Playboy: talvez na sexy.
Um ator da globo vai morrer: e a morte será divulgada na Globo.
Uma tragédia acontecerá em um evento do Brasil: e nada mais disse.
Um time sul-americano será campeão: da Copa Libertadores da América.
Gugu Liberato vai ser mãe: sim, isso mesmo.
Brasil fará boa campanha na Copa das Confederações: na opinião do Dunga
Chuck Norris não vai morrer: nunca, jamais.
Um membro do CH3 será pai: tomara que seja o Cão Leproso.

Paguei Jorginho com uma caneta e um chaveiro e sai estarrecido do local. As previsões eram deveras bombásticas. Principalmente a parte ligada a filhos.

Cheguei em casa, e demorei alguns dias para postar essas previsões, devido ao seu teor. Foi então que recebi um telefonema desesperado de Tackleberry. Ele encontrou Hanz, o pansexual, em Porto de Galinhas.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

O novo português

Como todo mundo já está de saco cheio de saber, a partir desse ano entra em vigor a nova norma escrita da língua portuguesa, pra bagunçar com tudo. O brasileiro mal sabia escrever, agora vai ter que revisar tudo que já não sabia.
Sério mesmo, porque raios eliminaram o trema? Ele era simpático. E necessário, pô. Como vão ensinar pras crianças que se pronuncia diferente "tranquilo" de "aquilo"? Sei lá. E os hífens, que sumiram em algumas palavras e entraram em outras?

A desculpa dos especialistas pra mexer na norma é que a escrita tende a se adequar à realidade, já que a língua vai evoluindo na fala, também tem que mudar no papel. Intrigado, fui consultar o estudioso e ex-dançarino de rumba colombiano, Alfredo Humoyhuesos, que é especialista em qualquer coisa, pra ver o que ele achava do assunto. Humoyhuesos porém é um sujeito bastante ocupado, e tive de conversar com ele enquanto dissecava um coelho para estudos.

Perguntei como seria o português no futuro, que vivia mudando. Ele disse que a escrita ia se adaptar ao novo modo de escrever brasileiro, o internetês.
Segundo Humoyhuesos, as coisas ficarão mais ou menos assim:

-Não haverá mais letras maiúsculas. Nem em começo de frase, nem em nome próprio, nem nada. Todas as letras serão minúsculas.
-A pontuação irá sumir. Só vai sobrar o ponto de interrogação. Mas o ponto final vai desaparecer. A vírgula então, nem se fala.
-As palavras terminadas em "ão", vão ser agora terminadas em "aum". Então, "macarrão" vira "macarraum", "anão" vira "anaum", etc.
-Aliás, todos os acentos serão extintos.
-O infinitivo dos verbos será substituído pela sua conjugação na terceira pessoa do singular no presente. Exemplo: "Vou jogar bola" vira "vo joga bola".
-O "Ç" vai ser substituído por "s", então "pedaço" vira "pedaso", "conheço" vira "conheso", etc.
-Mas ainda se usará o "Ç", mas agora antes de "i" e "e".
-A sílaba "ca" vai ser substituída pela própria letra "k". Assim, "cara" vira "kra", "casa" vira "ksa". Além disso, o "k" vai substituir também o "qu". Como em "quero", que vira "kero", "quando" vira "kuando".
-Inúmeras palavras mudarão. A mais notável é "ansioso" que vai virar "ancioso". "Erudita" vira "erodita", e por aí vai.

Achei absurdo. Perguntei a Humoyhuesos se ele realmente achava que o português ia ficar escroto desse jeito. Ele disse: "Mas as pessoas já escrevem assim. Pra virar oficial, é dois palito". E me serviu guisado de coelho.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Sobre nomes e bistecas

Algum dia da sua vida você vai precisar dar nome a alguma coisa. E desde que essa coisa não seja o seu filho, você precisará ser criativo. Sim, porque os nomes criativos para crianças resultam nos Wonarlevystons da vida. Deixe a criatividade para livros, filmes, discos e músicas.

O nome criativo chamará atenção o seu trabalho. Não adianta você lançar o melhor livro da história da humanidade e chamar ele de “Livro com capa vermelha”, tal qual aquelas pinturas criativamente chamadas de “Mulher com vestido verde” ou “criança brincando com bola”.

E uma das estratégias para que o seu nome pareça criativo é usar o “e”. O “e” que falamos aqui não é a quinta letra do alfabeto latino. Sim, é ele, só que na sua forma de conjunção coordenativa aditiva. Como já diz a definição, o “e” adiciona algo a mais. Ao invés de você escrever eu + você, você escreve eu e você. Ok, ficou confuso.

Existem muitas outras estratégias para se fazer um nome criativo, mas, eu vou me prender a essa. Porque, eu enquanto meu editor, escolho o que postar.
O fato é que o uso do “e” adiciona um certo mistério, uma certa dúvida sobre como os dois elementos unidos pelo “e” se unem ao longo da história. E dão uma certa poesia ao nome. Vamos aos exemplos.

O drogado e escritor Hunter Thompson tem como sua obra mais famosa “Medo e delírio em Las Vegas”. Você lê o nome e pensa “hmm... medo e delírio”. Se fosse apenas “Medo em Las Vegas” ou “Delírio em Las Vegas”, o nome não teria nada de interessante. Seria um óbvio livro sobre o medo, ou sobre o delírio. Agora, o medo e o delírio, onde é que eles se juntam em Las Vegas? Então, você resolve ler o livro.

Agora na música. O Foo Fighters lançou um disco em 2007 chamado “Echoes, Silence, Patience & Grace”. O disco basicamente é bem chato, mas tem um nome interessante.

Mas esse artifício é muito mais usado nos filmes. Um dos filmes do bom, policial durão e recentemente treinador emotivo de boxeadoras, Clint Eastwood se chama “Sobre Meninos e Lobos”. Você vê um filme com esse nome e pensa “deve ser bom”. E nesse caso, a graça do nome se deve aos tradutores, tantas vezes criticados (normalmente criticados com razão). O filme em inglês se chamava Mystic River. Ao invés de traduzirem como “O rio Mystic”, preferiram “Sobre meninos e lobos”. Meninos e Lobos. O que os meninos e lobos tem a ver. O filme é sobre meninos, e os lobos aparecem apenas como uma metáfora sutil que apenas algumas pessoas perceberão.

Foram os tradutores também que fizeram com que um filme chamado “Snatch” se transformasse em “Snatch – porcos e diamantes”. E “Ocean’s Eleven” virou “Onze homens e um segredo”. O que tem a ver os porcos com os diamantes? E que segredo é esse que os onze homens tem em comum? Viu só como a estratégia é eficiente.

E como seria se Dostoievski ao invés de intitular seu livro de “Crime e Castigo” (ou Prestuplênie i nakazánie no original) tivesse preferido “O jovem que matou e agora se sente culpado”. Não adiantaria nada.

Pensem nisso. Como é o caso do nome desse texto. Ele é sobre os nomes, e as bistecas é apenas uma metáfora sutil, que poucas pessoas vão entender.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

O ano novo que todos gostaríamos de ter

A TV começa a mostrar a preparação para a comemoração do ano novo em várias capitais brasileiras. “As 200 toneladas de fogos já estão prontas aqui em Copacabana”. “Em Recife a praia está lotada (close em uma mulher ajeitando o biquíni)”. Praias lotadas e muito sol em Florianópolis também. Enquanto isso, você está aí, em Cuiabá. Com talvez meia dúzia de rojões e uma piscina.

O ano novo é espetacular, lá em Sidney, Auckland, Londres, Nova York, Berlim, Paris, Rio de Janeiro, São Paulo, Florianópolis. Ninguém mostra o ano novo em Rio Branco, Cuiabá, Palmas, Paranatinga e Chopinzinho.

E lá em Copacabana o pessoal tá vendo o mar, pulando as macumbas pra Iemanjá, vendo os fogos, tomando cuidado com os trombadinhas. Nos outros lugares mais normais, as pessoas estão vendo isso só pela TV.

A meia noite se aproxima. 5, 4, 3, 2, 1! Feliz ano novo! Aeeeee, uaaaaah, hihihihi. Garrafas de champanhe estouram. Alguém começa a cantar. Adeus ano velho, feliz ano novo, que tudo se realize no ano que vai nascer. Abraços. Champanhe respingando. Fogos estouram em um lugar distante. Seu cachorro começa a se jogar contra a parede com medo dos estouros. Lentilhas, cerejas, uvas são comidas por aí.

E nesse momento de superstição, de transe, seja com macumbas, ondas e fogos ou com cantos e champanhe, as pessoas começam a fazer promessas. Porque elas não fazem essas promessas no dia 29 de outubro? Porque dia 29 não tem essa bagunça toda. E porque não tem essa bagunça? Oras, pare de contestar as tradições.

Todo mundo promete e sonha um ano perfeito. Sexo com atrizes da Globo, viagens de barco pelo Mediterrâneo, compra de carros conversíveis. Acabou 2008 e em 2009 você vai conseguir mudar sua vida. As promessas mais comuns são as como: emagrecer, arrumar uma namorada, parar de fumar ou beber. Ou a trema, que só queria continuar existindo, enchendo lingüiça e mantendo a tranqüilidade.


Esse ano o CH3 tem uma meta. Chegar a pelo menos 200 acessos diários. E quem sabe, conseguir algum dia chegar as 1.000 visitas diárias. Como nós vamos conseguir isso? Não sei. Você sabe como é que vai fazer para parar de fumar?

-
Post dedicado ao Elemento X, que o idealizou.