terça-feira, 31 de março de 2009

Dicas para seu 1º de abril

Amanhã, como a maioria de vocês sabe, é 1º de abril. Disse a maioria porque eu mesmo não lembrava, nem lembrava que hoje era terça-feira, tanta coisa na cabeça.
Enfim.

Primeiro de abril é o dia mundial da pegadinha do Mallandro. Realmente não tenho a menor ideia de porque existe um dia pra isso. E é tão inútil que tenho até preguiça de pesquisar. Afinal, o motivo não importa, o importante é que nesse dia você pode mentir adoidado e se safar com um "primeiro de abril!" ou "háááá, pegadinha do Mallandro!".
Ano passado classificamos as mentiras por ordem de gravidade.

Normalmente só a molecada celebra essa data. Mas se você, com (coloque sua idade aqui) anos nas costas ainda tem o espírito e quiser contar mentiras por aí, siga estas dicas para saber o que deve ser evitado:

-Não minta sobre o estado de saúde de algum conhecido que a turma não vê há muito tempo. Por exemplo, ninguém mais tem notícias do Carlão. Daí você resolve mentir pra todo mundo: "ave, ficou sabendo? O Carlão sofreu um acidente na serra de São Vicente e tá todo quebrado no hospital". Mal sabe você que há dois anos atrás Carlão sofreu mesmo um acidente e agora respira por aparelhos.

-Não faça brincadeirinhas sobre a mulher do seu chefe. Mesmo que seja uma mentira deslavada, ele pode se irritar e te mandar embora. E vai ser por justa causa, seu toupeira.

-Se for mentir sobre a sexualidade de alguém, que esse alguém não seja você mesmo. Não invente história de falar pra todo mundo "ah, eu decidi sair do armário, vou assumir que sou gay". O efeito pode ser irreversível e todo mundo vai ter certeza que você é veado.

-Veja a seguinte situação. Seu chefe chega gritando com você "Pô, você prometeu que ia me entregar esse trabalho ainda de manhã e até agora nada" e você diz "primeiro de abril!". Isso não funciona.

-Evite falar sobre a mãe dos outros. "Ae, vi sua mãe com um cara esquisito ontem à noite no maior amasso". Cuidado, isso pode gerar traumas irreversíveis.

Bom, é isso aí. No dia 1º de abril, minta com responsabilidade.

domingo, 29 de março de 2009

Brasil x Equador - ao vivo

Pela primeira vez em sua história, o CH3 faz hoje uma cobertura ao vivo. Do jogo válido pelas eliminatórias para a Copa do Mundo. O Jogo é Brasil x Equador. Há muito tempo eu queria fazer isso. Calhou de ser no dia em que eu tenho que postar. E também pelo fato de que os jogos do Brasil costumam a ser sempre bem chatos.

O jogo acontece na cidade de Quito em Equador, no estádio Gigante de Atahualpa. Atahualpa signfica algo como "O grande estádio localizado no alta de uma colina". Por ser em Quito, se o Brasil perder, podemos usar a desculpa da altitude.

O hino nacional foi tocado. Contei que cerca de três jogadores sabiam o hino.

O Brasil entra em campo com: Júlio César, Maicon, Lúcio, Luisão e Marcelo; Gilberto Silva, Felipe Mello, Elano e Ronaldinho Gaúcho; Robinho e Luis Fabiano.
Já o esquadrão equatoriano tem: Cevallos, Reasco, Hurtado, Espinoza e Ayovi; Castillo, Mendez, Guerron e Valencia; Benitez e Caicedo.

Brasil de Azul, Equador de Amarelo.

Começa o jogo. Com 40 segundos de jogo o Brasil cedo o primeiro lateral. Haja coração, amigo!
Para ficar no clichê futebolistico vamos falar de avanço de marcação, marcação por pressão, linhas de quatro e outras coisas assim.
03:40 - Ronaldinho dança, toca pra Robinho, que devolve de calcanhar para Marcelo que chuta para fora. Galvão Bueno já chora.
08:12 - Equador chuta de fora da área. A bola não sai do entorno da área brasileira.
11:22 - Dunga faz um sinal para o time. Aposto que ninguém entendeu.
13:07 - Brasil faz besteira na defesa. Felipe Melo perde uma bola simples e depois derruba um equatoriano. Falta perigosa. Que geralmente não dá em nada.
14:20 - Júlio César faz duas defesas difíceis na cobrança da falta e salva a minha previsão.
16:31 - Elano erra um passe.
20:05 - Maicon recebe um passe de Elano e se machuca sozinho. Ele será substituído. Daniel Alves entra no seu lugar.
21:59 - Equador segue massacrando o Brasil. Acabou de mandar uma bola na trave.
22:37 - Elano erra um passe.
23:05 - Equador quase faz o gol novamente. Poderá acontecer a qualquer momento. Daniel Alves entra no gramado.
24:07 - Elano não consegue alcançar a bola. Vamos começar a falar do Ronaldinho agora.
25:14 - Mais uma chance perdida pela Equador.
27:50 - Elano erra a devolução do passe. Eu juro que tentei.
29:21 - Ronaldinho chuta uma falta na barreira. Melhor momento do Brasil no jogo em 20 minutos.
34:00 - Elano entrega a bola no pé de Guerron, que se atrapalha e perde a jogada.
36:43 - Começa a chover. Aqui em casa. O que ameaça a transmissão ao vivo.
38:20 - Daniel Alves acerta um chute perto do gol.
42:01 - Robinho e Luis Fabiano chegam perto do gol na base da trombada. O jogo é muito mais dramático na globo.
44:00 - Elano toma cartão amarelo, coroando seu primeiro tempo.
46:45 - Em sua melhor participação no primeiro tempo, Ronaldinho cobra uma falta ridicula. Felizmente o primeiro tempo acaba. Infelizmente ainda vamos ter que ver mais 45 minutos.

Intervalo: Robinho diz que está dando tudo no jogo. A gravata do Galvão Bueno me faz lamentar ainda mais que o sinal da ESPN tenha caído.

00:00 - Começa o segundo tempo! Que seja breve! (detalhe para o atraso porque o capitão do Equador se atrasou para voltar a campo)
05:26 - O Equador tem mais uma chance de gol. Pelo jeito o segundo tempo vai ser a mesma coisa do primeiro.
05:56 - O Equador tem mais outra chance. É capaz de que na hora que você esteja lendo, o Equador já tenha tido outra chance.
10:14 - Felipe Melo chuta uma bola que sobe cerca de 50 metros. A bola quica fora do campo e Robinho começa a correr com ela, como se o jogo ainda estivesse valendo.
13:57 - Espinoza chuta e a bola bate na rede pelo lado de fora. Todo o estádio grita gol.
15:44 - Luis Fabiano chuta forte e Cevallos defende. No momento em que Elano deixa o campo para a entrada de Josué. O jogo perde um pouco da piada.
17:30 - Júlio César faz milagre e evita pela trigésima vez o gol equatoriano. Se o Brasil entrasse em campo apenas com ele, o placar seria o mesmo.
20:12 - O Equador pode fazer um gol a qualquer instante. Assim como poderia ter feito a qualquer instante desde que começou o jogo.
24:56 - Luisão fura a bola numa jogada patética.
25:37 - Melhor momento de Ronaldinho Gaúcho no jogo: ele sai para a entrada de Júlio Baptista.
27:05 - Júlio Baptista na sua primeira jogada na partida faz o gol do Brasil. Sim, gol do Brasil. O que é o futebol.
29:35 - Substituição no Equador, Guerron saí e entra Noboa, em situação difícil.
34:19 - Equador e Brasil sentiram o gol. O jogo está lastimável.
39:42 - Se Felipe Mello e Gilberto Silva fossem trocados por bonecos de madeira, não faria diferença. A única função dos dois é tomar bolada nos chutes de longa distância dos equatorianos.
42:27 - Luis Fabiano cria boa jogada. Cevallos defende a primeira e a segunda bola explode na trave. Não explode literalmente, porque se fosse literalmente não seria uma bola e sim uma granada.
43:50 - Equatoriano humilha o inútil Felipe Melo, e cruza na área, Júlio César faz milagre no primeiro chute, no segundo Noboa empata a partida. Equador consegue o empate e os últimos minutos serão de sufoco. Eu acho.
46:00 - Caicedo sai tarde para a entrada de Palácios. E no escanteio Júlio César pega mais uma bola.
47:50 Ayovi chuta mal e o jogo acaba. Empate de 1x1.

O que podemos falar do jogo? O Brasil jogou muito mal e conseguiu achar um gol. No final o Equador empatou a partida. O destaque positivo do Brasil? Júlio César que evitou vários gols. O negativo? Todo o resto, com enfâse em Elano, Ronaldinho Gaúcho, Felipe Mello, Lúcio e Luisão.

É o final da nossa transmissão espero que vocês (???) tenham gostado. Até a próxima.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Quanto vale o CH3?

Boa tarde, amigos CHnautas.
Ontem recebemos um e-mail de um senhor indignado com a nossa conduta e os ensinamentos transmitidos em nosso blog. Vamos transcrever (na verdade, copiar e colar) o e-mail e para preservar a identidade do reclamão, vamos chamá-lo pelo pseudônimo de Sr. Jacinto Pinto:

"Aos membros do blog CH3:
Vocês são uma terrível influência para toda a sociedade. Meu filho de apenas 10 anos costumava frequentar esse blog imundo todos os dias. No começo eu permiti, imaginei que fosse uma página inocente. Mas depois de um tempo ele começou a pegar margarina da geladeira para passar no próprio corpo. Perguntei de onde ele havia tirado essa ideia, ele disse que foi do CH3. Depois que o forcei a abandonar esse hábito repugnante, um dia ele disse na hora do jantar que quer ser um pansexual! E completou que queria ser pai de santo e dono de um prostíbulo barato porque disse que viu no CH3 que dá muito dinheiro. Meu filho tinha tudo para ser um médico de sucesso, como os de sua família. Mas depois que começou a visitar seu maldito blog, ele só quer saber dessas suas ideias nojentas. Vocês destruíram a carreira do meu filho. Vocês não valem nada! Nada!
Atenciosamente, Sr. Jacinto Pinto."

Bom, depois de ler esse e-mail pensei "acho que vou comer Doritos".
E comi Doritos.

Meia hora depois fiquei matutando "quanto será que vale o CH3?". Então vi que a nossa colega Laís tinha postado em suas fotos no orkut um site que avalia o valor dos sites da internet, o www.stimator.com. Coloquei o CH3 lá para avaliar e vi que ele vale U$ 65,00 (sessenta e cinco dólares). Imediatamente respondi o e-mail:

"Caro Sr. Jacinto Pinto, o senhor está enganado. O CH3 vale 65 doletas. Há! Toma!"

Mas depois discutimos o assunto entre os membros do blog em reunião extraordinária. Pô, só 65 mangos? Por isso que ninguém tem comprado ações do CH3 Corp na bolsa. Precisamos valorizar nossa marca. Então bolamos alguns planos. Vamos criar uma linha de produtos CH3:

-Em breve estarão à venda as fantásticas camisetas CH3. Fique ligado.
-A Editora CH3 lançará mais best-sellers no próximo semestre.
-Também comercializaremos bonecos de pelúcia da equipe. Inicialmente teremos o Cão Leproso, Hanz, o pansexual, Jorginho de Ogum e Guilerme. Se bem que pode ser esquisito um boneco de pelúcia de um boneco de isopor.

Enfim, aguarde as novidades. Só torça para que nenhum dos membros do CH3 venda o blog e fuja com os U$ 65,00 para as Bahamas.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Espetinhos e feijoada

Que atire a primeira pedra aquele que nunca comeu um espetinho.
E que atire a segunda quem nunca provou uma feijoada.

Os espetinhos são muito apreciados em ocasiões como as festas juninas de colégio. Normalmente acompanhado de farofa, que gruda na carne úmida. Há quem prefira a carne mal passada. Há espetinhos de frango, de carne vermelha, de coraçãozinho, lingüiça e até aqueles que vem com cebola no meio.

Os espetinhos também são muito vendidos em esquinas de grandes avenidas. Daqueles que sem dúvida o cheiro é ainda melhor que o gosto. Os famosos espetinhos de gato. Porque, pra ser tão barato, a carne tinha que ser conseguida de uma maneira diferente. Há também os espetinhos em churrascos caseiros.

A feijoada é igualmente apreciada. Normalmente é servida com arroz, couve e farofa (que é como um cimento no caldo do feijão). A feijoada acabou virando um programa. Tanto que há feijoada com pagode e a famigerada feijoada dançante. Eu não imagino como é que alguém consegue dançar e comer feijoada.

Basicamente há dois tipos de feijoada. Aquela em que o feijão vem apenas com lingüiça e bacon, e a outra na qual o feijão é acompanhado de língua, orelha, focinho, rabo e até o pé do porco. Muitos lugares adotam a estratégia de servir essas partes separadamente do resto do feijão. Eu, pelo menos, odeio a hipótese de se comer uma orelha de porco. Mas há quem acredite que feijoada sem rabo, não é feijoada.

Pois bem, nesse fim-de-semana, pai Jorginho de Ogum me chamou para almoçar no Carnicentas. Repudiei a idéia. Mas depois conversei com os outros membros do CH3. E eles continuaram repudiando a idéia. Comida no carnicentas nos lembra do monstruoso Risoto com Esmegma do Marcão.

Pai Jorginho de Ogum voltou a me telefonar, avisando que se nós não fossemos lá, ele daria nossos endereços para Hanz, o pansexual. Este charlatão sabe como ser ameaçador. Não nos restou outra hipótese que não fosse passar lá no carnicentas. Mas, não para almoçar.

Ok. Você há de perguntar “e o que isso tem haver com o espetinho, a feijoada e etc?”. Então. Chegamos lá, pai Jorginho quis nos apresentar as novas opções do cardápio da casa. O rodízio de espeto.

A primeira era um espetinho de cinqüenta centavos. O preço era ridiculamente barato. Eis que veio a explicação. Pai Jorginho fez um convenio com a lanchonete bicho atropelado. Basicamente, os espetos são feitos a base de carne de bichos encontrados nos acostamentos de nossas ruas, estradas e avenidas.

Isso já seria o suficiente para nos fazer levantar e ir embora. Como se já não bastasse o fato do Cão Leproso estar cantando Astronauta de Mármore no videokê. Foi ai então que nós vimos o outro espetinho.

Quando eu falei da feijoada, lembrei que ela vinha com rabo, orelha, pé e língua. Apenas uma parte do porco não está lá. Sim, o toba. Você nunca encontrou um toba de porco no meio do feijão. Pois Jorginho de Ogum entrou em contato com os frigoríficos e arrumou vários tobinhas pra fazer espeto.

Foi nesse momento em que o garçom Hanz apareceu com o espeto e disse “vai tobinha de porrco?”. Sim. O espeto passa justamente onde vocês estão pensando. Isso seria o suficiente para fazer com que nós nos levantássemos e fossemos embora correndo. Foi isso que aconteceu.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Música ao vivo

É batata. Você está sentado num barzinho bacana tomando um chopp e comendo salame sossegado, quando ouve:

"Garotos não resistem aos seus mistérios... Garotos nunca dizem não"

A primeira coisa que vem a sua cabeça é "puta merda".
Com razão. Começou a música ao vivo. Vai ser aquela encheção de saco, horas de musiquinhas mais açucaradas que Snow Flakes. E você vai ter que pagar por isso.

Pois é. Como todos sabem, isso se chama couvert artístico.
E o que é pior! Em todo lugar, em quase todas as situações, eles tocam sempre as mesmas músicas!
O tempo todo!
Todo fim de semana você ouve a mesma coisa. Se brincar, na mesma ordem! Você está lá fazendo um happy hour, falando merda com seus colegas... E de repente ouve aquele violãozinho safado:

"Você é assiiiim, um sonho pra miiiim, e quando não te vejo... Eu penso em vocêêê, desde o amanheceeeer até quando eu me deito."

E invariavelmente você, mesmo sem perceber, acaba seguindo:

"Eu gosto de você. E gosto de ficar com você."

No final, vai estar lá na sua conta, além de tudo que você consumiu, couvert artístico. E ai de você se não pagar os três pila que vão cobrar pela música! Lembrando, a cobrança não é ilegal, mas pra poderem arrancar esses trocados do seu bolso, primeiro a música tem que ser ao vivo (telão tocando dvd de Vitor e Léo não vale), o músico tem que ter contrato com o lugar e olha: eles têm que avisar que você tem que pagar antes de você sentar pra comer. Tá no site Consultor Jurídico. No final das contas você paga o couvert, os 10% do garçom e a grana do flanelinha. No mínimo.

Beleza. Mas não adianta frequentar outros barzinhos, pois eles vão tocar a mesma coisa em todos os lugares. Pode reparar.
Músicas que você sempre vai ouvir em bares:

Leoni- Garotos
Tribalistas- Velha Infância
Kid Abelha- Como Eu Quero (cantada inclusive por homens. Cante o começo e veja que estranho fica.)
Engenheiros do Hawaii- Pra Ser Sincero
Renato Russo- Mais Uma Vez
Cássia Eller- Por Enquanto (Na verdade essa música é da Legião Urbana, mas todo mundo pensa que é da Cássia Eller porque o cover que ela fez ficou mais famoso. É aquela música "mudaram as estações, nada mudou...")

Pois é, é dose. Tudo bem, músicos precisam ganhar a grana deles, a vida é dura. Mas pô, pelo menos podiam tocar alguma coisa diferente de vez em quando, já que a gente tem que pagar por essa meleca mesmo que não queira. Enfim, se você não quiser passar por essa situação, você tem que ir a um bar que tem certeza que não há um músico.
Cara, se eu fosse músico de couvert, ia começar com Paralamas do Sucesso e enfiar um Raimundos e Ratos de Porão no meio do repertório só de zoeira!

sábado, 21 de março de 2009

Grandes dúvidas que não têm explicação (3)

Você entra no shopping. Aperta um botão e uma maquininha lhe entrega um bilhete. Na hora de sair de lá, você deposita o mesmo papel numa maquininha parecida. Pense que várias pessoas entram no shopping todos os dias. Aqueles papéis são depositados nas máquinas incessantemente. E, o que acontece com eles depois?

Não, o shopping não joga fora. Como maneira de controle eles são guardados por pelo menos vinte anos. Agora, imagine o trabalho para guardar esses papéis. Nós vamos dizer o que os shoppings fazem.

Vamos supor que 2 mil pessoas diariamente entrem no shopping. São 2 mil bilhetinhos de 4x6 cm. Cada 2 mil papeis dão 10 cm de altura. No fim do dia os funcionários responsáveis retiram os papéis de dentro da caixa. Por ano são 31 caixas de sapato.

As caixas de sapato são guardadas dentro de armários de arquivo. Dentro desses armários cabem 54 caixas de sapato. Portanto a cada 20 anos são 620 caixas que fazem necessárias 12 caixas de arquivo, que ocupam um espaço de um sala média.

Os shoppings e supermercados que fazem uso desse tecnologia, para facilitar o trabalho de todos, criam uma empresa responsável por guardar esses papeis. Essa empresa então aluga um prédio de cinco andares apenas para guardar os armários com as caixas com os papéis.

Depois de 20 anos, os papeis podem ser jogados fora. Como eles não são recicláveis, a empresa contrata uma outra empresa que despeja os papeis em um terreno. Essa empresa pega papeis de todo o Brasil.

Em breve eles pensam em contratar a cidade de Paranatinga apenas para transferir todos os papeis. Eles precisam de segurança máxima, para proteger o tanto de códigos de barra existentes ali.

“No futuro códigos de barra valerão mais do que dinheiro” diz Alfredo Humoyhuessos.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Adesivos de carro

Hoje eu estava dirigindo pela cidade, quando parei num semáforo e vi que no carro da frente, um Polo sedan, estava pregado um adesivo que dizia exatamente isto:

pega eu vai encara

Isso mesmo, grafado desse jeito. Comecei a refletir sobre aquilo. Primeiro, pela forma que estava escrito, sem pontuação, regência verbal nem nada. Pensei "para o cara ter um carro desses deve ter recebido educação. Deve ter estudado na escola, provavelmente particular até". Bom, prefiro nem me aprofundar sobre a questão da burrice ortográfica do brasileiro, porque já cansei de bater nessa tecla aqui no blog.

Mas essa tem sido uma prática comum. Colar adesivos escrotos nos carros. Havia uma época em que os adesivos eram interessantes, espirituosos e continham uma frase inteligente. Esses tempos se foram.

Procure os adesivos mais comuns. Primeiro que a maioria vai estar escrito errado. Depois você vai notar que quase todos apresentam aquelas pérolas da sabedoria popular chavão.

"Nóis capota mais num breka".
"Sua inveja faz a minha fama" (Esse costuma até vir escrito corretamente)
"Antes de me criticar me supera"
"Carlaum 100% Vid4 Lok4"
"Tá nervoso vai pesca"

Como se o trânsito caótico e os motoqueiros não fossem suficientes para tirar sua paciência, ainda tem esse agravante. Você sente uma vergonha alheia imensa. Acho que vou mandar fazer um adesivo escrito: "Antes de mandar fazer um adesivo, aprenda a escrever direito".
Por hoje é só.

terça-feira, 17 de março de 2009

Como traumatizar crianças

Esse post contém spoilers. Consiste em dizer que, por exemplo, o Jack vai morrer.

Pouco tempo atrás o Vinícius fez uma postagem analisando a letra de “Atirei o Pau no Gato” além de outras cantigas infantis. O post deixou bem claro o quão cruéis são essas canções, só que as crianças não percebem.

Um dos exemplos modernos mais claros é a música da Xuxa sobre os cinco patinhos. Ao longo de toda a canção, os patinhos iam brincar além das montanhas. E a cada vez um patinho a menos voltava. Durante toda a canção a impressão é de que os patinhos vão morrendo. Depois se descobre que eles deviam estar apenas fumando um baseado ou participando de uma suruba.

Mas essa música ainda fica na inocência das crianças que não imaginam essas maldades. Vamos falar de coisas que a indústria cultural produz e que realmente traumatizam as crianças, porque elas percebem o mal que está acontecendo.

Filmes
Nada de filmes de terror. São os filmes da Sessão da tarde. O locutor sempre fala da confusão, do barulho e de uma galera da pesada. Mas nem sempre é assim.

“Uma turminha do barulho apronta altas confusões numa viagem. Só que o nível do rio começa a subir e agora muita aventura vai rolar”.

Trata-se do filme “Enchente: quem salvará nossos filhos”. A história do filme basicamente é que durante uma excursão escolar começa a chover muito forte. O rio perto da estrada enche rapidamente o ônibus cai nas correntezas e as crianças se perdem no rio. Os pais ficam desesperados e algumas crianças morrem. Para completar, o filme é baseado em fatos reais. Qualquer criança fica com medo de fazer qualquer viagem do colégio.

Também baseado em fato reais há “O resgate de Jéssica”. Uma menina que caí num cano e fica presa lá por mais de dois dias. Ela pode morrer a qualquer momento pelo frio, e todos torcem para não chover. Há também a possibilidade de ela se quebrar toda. E ela chora o tempo todo. Qualquer criança fica com medo de cair em qualquer lugar e ser engolida por um cano.

Há também “O Campeão” a história de um menino sapeca que adora seu pai, um lutador decadente de boxe que tenta voltar ao auge. O menino sempre chama o pai de campeão. Tudo bem, até que no final do filme o “campeão” morre nos braços do menino que se desespera gritando “o campeão não pode morrer, o campeão não pode morrer”.

Há também as histórias em quadrinhos. Uma clássica é “o cão e a raposa”. A história de um cão que vira amigo de uma raposa, apesar de isso ser contra as leis da natureza. Até que o cachorro cresce e a dona da raposa resolve levar o cachorro embora. Eles nunca mais vão se ver novamente. Vocês entendem o quão traumatizante é para uma criança essa possibilidade? É preciso ser muito cruel.

E há o exemplo mais clássico, do Mauricio de Souza. Primeiro, ele sempre publicava as tiras do Horácio. Que é um dinossauro mais depressivo do que Joy Division. Mas aí, existe na internet, a história da irmãzinha do Chico Bento. O Chico Bento fala da sua expectativa de brincar com a menina, de brigar com os namorados dela, de ensinar ela a pescar. Até que ela morre. E o Chico chora com a certeza de que ela será sempre uma estrela no céu. Se depois de ler, eu com 20 anos, tive meu dia destruído. Imagine uma criança.

Lembre-se. Se você não consegue dormir de noite, tem medo do escuro ou qualquer coisa parecida. Pode ter sido algum filme desses que te passaram na sessão da tarde. E tantos outros. Quando o trauma é grande as vezes acaba se bloqueando.

domingo, 15 de março de 2009

Domingo

Domingo é o dia da semana que você pode dormir até o meio dia sem se sentir culpado.
É dia de fazer churrasco. Se você mora no interior, é dia de ir no clube e depois na sorveteria perto da praça. Mesmo assim, como todos sabem, domingo é um saco. Por dois motivos principais.

Primeiro, porque sua cabeça sabe que é o último dia antes da sua rotina recomeçar. É o dia que acaba a farra e sua vida monótona reinicia. Essa sensação aparece desde que você é criança, quando você volta da sorveteria cabisbaixo, porque no dia seguinte vai ter que ir pra escola, aguentar os professores, ir nas aulas de inglês, fazer educação física e tarefa todo dia.
Quando se é universitário você procura disfarçar essa sensação com festas e bebedeiras, mas isso pode ser pior, porque a ressaca da segunda-feira pode ser mortal. Quando se está trabalhando, é como se você fosse criança. Acabou a farra, e a semana vai recomeçar com chefe, trabalho atrasado, horário de almoço enforcado, contas, etc.
Enfim, aproveitar o domingo é quase como aproveitar a última refeição antes de ir pra cadeira elétrica.

O segundo motivo para os domingos serem uma bosta: A programação da tv.
Começa com o Auto Esporte, vai para o Esporte Espetacular... Até aí tudo bem. Mas não esqueça, você só acorda perto do meio dia. Quando você acorda está passando a Turma do Didi. Um dos programas mais sofríveis da tv brasileira, ficando atrás apenas do Zorra Total. Aliás, não há um consenso sobre os dois estarem no mesmo patamar ou não.

Sem falar nos programas da tarde. Gugu e Faustão são os maiores representantes do espírito de domingo. Isso atualmente, pois sim, houve uma época em que valia a pena ver alguns minutos do Domingo Legal e do Domingão do Faustão. Quem não se lembra com uma certa dor no coração das Olimpíadas do Faustão? Era um deleite ver aqueles fracassados em trajes cômicos gritando seus codinomes escrotos, antes de serem massacrados por bolas gigantes, caírem em uma piscina, bombardeados pelo Renatão ou agarrados por um anão fantasiado. Você torcia para que eles não conseguissem vencer a prova. Assim o domingo não era uma agonia no fim das contas.
O que temos hoje? Dança dos Famosos? Se Vira nos 30? Pra onde foi a Banheira do Gugu? Francamente...

E os fins de noite então? Você já está no final do corredor da morte. Liga a tv, tenta aproveitar um pouco o Fantástico. Mas só de ouvir a música dos créditos finais, sua espinha gela. Eles bem que podiam terminar o programa de forma mais animada. Como o Topa Tudo por Dinheiro. Você terminava o domingo com um sorrisão na cara. Vendo aquelas câmeras escondidas repetidas e rindo em todas as vezes. E o melhor, vendo aquelas senhoras sorridentes pagarem o maior bafão do mundo no palco. Tempos áureos. Infelizmente se foram.

Como não há outra opção, contentemo-nos com os domingos como eles são. Se você gosta de futebol, ao menos pode aproveitar o jogo do seu timão do coração na tv. Não se deixe abater se ele perder, nem por goleada.
Tenha uma feliz segunda-feira.

sexta-feira, 13 de março de 2009

O que eu vou levar da faculdade, Volume 2

Skiny: O Skiny remete a mais tenra infância. Passei mais de 10 anos afastado dessa iguaria do mundo moderno. Até me reencontrar com ela na cantina da faculdade. Além de tudo era mais seguro, porque às vezes a carne do salgado vinha verde, ou junto com uma minhoca. E pra mim qualquer salgadinho é Skiny, assim como todo Bombril é esponja de aço!

Coquinha: Claro. O momento em que acabou a ditadura das latinhas e das garrafas grandes que nem sempre você consegue tomar. Cinqüenta centavos e duzentos mililitros.

Provas (ou a falta delas): Você sempre escutava falar de quem já estava na faculdade das provas terríveis. Pois bem, ao longo da faculdade eu fiz umas 10 provas. Sendo que a maioria era com consulta, ou então você podia levar para casa. Certa vez a Andreza fez todas as provas de Psicologia. E quando o professor não queria que a prova fosse com consulta, era motivo para uma rebelião.

Aula de fotografia: Quinta-feira era o dia do terror. Na sexta era o dia de relaxar. Ficar tirando um monte de fotos pela universidade, e depois ficar revelando. Até o dia em que os produtos acabaram.

R.U.: O Vinícius lembra com lágrimas nos olhos suas várias idas ao restaurante universitário. As filas, a emoção de se encontrar uma azeitona no arroz, do nada, e a felicidade inigualável que era ir saber que tinha lasanha. E a dor terrível que era a lasanha acabar na sua vez.

Rupia!: Mais uma vez o Zequias. No primeiro semestre o professor Elton passou um texto sobre o mito da caverna de Platão. Convidado a falar sobre o tema, Zequias disse “nessa parte do escuro eu até rupiei!”. Mito.

Trabalhos de design: No primeiro semestre as quartas-feiras eram dias de se ficar fazendo trabalhos. E no dia seguinte era impressionante, todos tinham feito o mesmo trabalho de maneira completamente diferente “Mas é lógico que tinha que pintar” – “mas tinha que pintar da mesma cor”.

Intervalos: Os primeiros intervalos para um calouro são terríveis. O medo de que a qualquer momento podem jogar farinha na sua cabeça, o convívio com várias pessoas estranhas e tudo mais. Além de algum veterano chato poder vir querer te ensinar sobre a vida. A estratégia então é o convívio em rebanhos. Todos vão juntos a cantina. Todos sentam no mesmo banco e vão embora à mesma hora.

Sala 51: A vida nos três primeiros semestres é tranqüila. Você tem uma sala fixa e no máximo uma vez por semana tem que ir a outra. É sempre na sala 2, 7 ou 9. No quarto semestre as coisas não são mais assim. As turmas se dividem e a aula passa a ser cada dia em uma sala diferente. Na sua planilha vem escrito que as aulas serão na Sala 51, Auditório B e outros. A questão é que essas salas não existem.

Xerox: Se um estudante universitário resolver tirar todas as fotocópias pedidas pelos seus professores, ao final do curso ele terá um Maracanã de árvores desmatadas em seu armário. Lembro me da primeira Xerox que eu tirei “A Rebelião das massas”. Li até a página três e dormi. E logo percebi que eu não precisa tirar todas as Xerox. Acredito que tirei 25% do total.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Guia CH3: como ser um super-herói

Saudações, CHnautas!
Preparem-se para mais um surpreendente Guia CH3!
O tema de hoje é fantástico, espetacular e outros adjetivos superlativos. Ensinaremos a vocês como se tornar um super-herói. Vemos que essa década foi dominada por super-seres nos nossos cinemas. Então compreendemos que, se algum de vocês quiser imitar e sair por aí combatendo o crime, que faça direito. Siga este guia antes de pendurar uma capa no pescoço e tentar voar do alto do seu prédio. Lembre-se, ninguém pode ver você sair do seu prédio. Jogue-se de um prédio que não seja sua morada.

Primeira lição: conseguindo seus poderes.

Antes de mais nada, para ser um vigilante você precisa ter poderes. Não é necessário que eles sejam super-poderes, como é o caso do Batman, cujo poder é ser um multi-milionário que pode comprar as bugigangas que quiser. Mas claro, ele sabe lutar também. O Homem de Ferro também não tem poderes, mas ele é outro multi-milionário que construiu uma armadura foderosa com seus recursos. Ou seja, se você não puder adquirir super-poderes, ser rico ajuda muito.
Mas digamos que você é um pobretão, como vai fazer pra se virar? Existem várias opções:

-Seja picado/mordido por um inseto ou outra criatura repugnante geneticamente modificada. Você vai receber as mesmas habilidades dela, só que proporcionais ao tamanho do seu corpo. Prefira aranhas, abelhas e escorpiões, são mais legais do que libélulas e vaga-lumes, por exemplo. Mas tenha certeza que o animal é geneticamente modificado ou foi exposto à radiação. Normalmente você encontra em laboratórios científicos que fazem pesquisas sobre isso. Claro, você pode tentar ser picado por animais que encontrar por aí, mas vai correr um risco muito alto.
-Seja exposto à radiação: A radiação, ao contrário do que dizem, não mata. Se você é exposto a ela, você ganha habilidades extraordinárias. Dirija-se imediatamente a Angra dos Reis, ou a qualquer teste nuclear para conseguir seus super-poderes.
-Descubra se você na verdade é um mutante. Essa chance é mínima, pois se você fosse mutante, ia ter percebido por alguma deformidade em seu corpo e a habilidade de fazer coisas bizarras. Mas tente um exame de DNA, quem sabe você não tem um gene latente.

Segunda lição: construindo sua imagem.

Ok, você já ganhou seus poderes. Agora precisa mostrar ao mundo quem você é:

-Primeiro, pense em um codinome. Ele tem que ser impactante e bacana. Alguns são óbvios. Por exemplo, o Homem-Aranha tem poderes de aranha. Veja do que provém os seus poderes e batize a si mesmo com Homem-___________, ou Capitão ___________, ou Super-___________. Cuidado pra não gerar nomes escrotos, como Homem-Cachorro, Super-Boi, etc.
Você ainda pode adotar nomes escabrosos, como O Satânico, O Devorador, etc. Cuidado com nomes tipo Violador, podem te colocar na cadeia.
-Seu uniforme é importantíssimo. Fabrique um sabiamente. Cores gritantes já não mais estão na moda. Hoje em dia o que pega bem é couro preto. Ou spandex discreto. Evite coisas que atochem no seu toba ou prendam seus cocos. E prefira algo que não dê muita coceira.
-Sinceramente, eu não sei como os heróis conseguem seus uniformes sem revelar quem são. Todos devem ser alfaiates incríveis, imagino. Se você não é, se vira e procure um que não vá desconfiar de nada.
-Evite parceiros mirins. Sério mesmo, só vai ser pior pra você. Ande sozinho. Você vai ser taxado de homossexual até a morte. E se seu parceiro for menor de idade, pior, você vai ser visto como pederasta. Procure trabalhar sozinho, na boa.

Terceira lição: arrume alguns super-vilões.

Não adianta nada você ser um super-herói fantástico se não tiver um nêmesis. O que seria do Batman sem o Coringa, do Homem-Aranha sem o Duende Verde, do Super-Homem sem o Lex Luthor? Você não quer ficar enfrentando bandidinhos pela vida inteira, quer?
Pois é. Faça com que algum maníaco culpe você por uma tragédia que ocorreu a ele. Isso pode ser um pouco difícil, pois você tem que manter o status de herói. Vai dar trabalho, mas faça.
E não deixe que ele descubre sua identidade secreta. Oh, sim, pois você precisa que sua identidade seja secreta, porque se descobrirem que você é, seu inimigo mortal vai atacar sua família e todos que você quer proteger. Além disso, se todos soubessem que você é, qual é a graça de usar um uniforme bacaba?

Quarta lição: não ganhe nada por isso.

Essa é a mais dura das lições. Você gastou grana pra fazer seu uniforme, vai perder tempo que podia estar ganhando dinheiro para combater o crime, vai arriscar sua vida centenas de vezes e não vai receber um puto por isso.
E pra que você faz isso então? Porque "com grandes poderes vêm grandes responsabilidades". Você que quis ganhar os super-poderes. Agora se vira. Se você ganhou sem querer, se vira também. Ser super-herói não é mole mesmo.

Encerramos aqui mais um lendário guia CH3. Não esqueça de assistir Watchmen no cinema, que deturpa praticamente tudo que você sabe sobre super-heróis.
E lembrem-se, vencedores não usam drogas!

segunda-feira, 9 de março de 2009

Investimentos, profissões e empreendimentos do futuro

Você se formou. Agora a questão da sua vida é arrumar sua maneira de ganhar dinheiro. É claro que você espera seguir a profissão que aprendeu na faculdade durante alguns anos. Mas, nem sempre isso é possível. O mercado de trabalho pode ser bem complicado. Então, nós apresentamos aqui alguns rumos que você pode pensar em seguir para sua vida profissional.

Aluguel de becas: O preço declarado de uma beca é de 100 reais. O que nós duvidamos muito. Eles dizem que só aquela faixa custa 10 reais. Mas, que seja. Cada aluguel de beca saí por 50 reais. Ou seja, apenas dois alugueis já compensam o investimento feito. Para você conseguir um lucro bom, de 2.000 reais por mês, você precisa alugar pelo menos 40 becas três vezes por mês. Claro, isso no primeiro mês. Fora os gastos com a lavagem.

Flanelinha: Pense em uma área bem movimentada da cidade. Uma calçada com vaga para 15 carros. Que entre as oito da manhã até as oito da noite esses carros fiquem parados em média uma hora lá. Temos uma média de 180 carros estacionando por dia. Que apenas metade dos motoristas te dê dinheiro. E que a média das contribuições seja de R$0,50. Você irá ganhar 45 reais por dia. Em um mês de 30 dias, você ganha R$ 1350,00. Agora pense nas datas comemorativas e tudo mais. É mais do que um jornalista recém-formado irá ganhar.

Vendedor de DVDs piratas: Bem, aí você terá o investimento. Compre um bom computador com gravador de DVD, boa memória e bastante espaço em disco. Tenha uma internet banda-larga boa. Arrume também uma impressora que imprima colorido. Compre DVDs virgens por 2 reais. Venda cada DVD por 5. Vendendo 500 DVDs piratas por mês, ou uns 15 por dia, você consegue ganhar 1500 reais por mês. Em algum tempo você paga o investimento. E sim, varie o seu estoque. Desde clássicos até os filmes da moda.

Vendedor de bebida em eventos: Todo mundo sabe, que os preços das bebidas em shows, jogos de futebol ou em festas são bem caros. Pessoal cobra até 3 reias numa lata de refrigerante. Se você for lá vender por 2,50, vai vender mais e ainda ter um lucro bem razoável.

Ser dono de um puteiro de baixo custo: É o exemplo de Pai Joginho de Ogum. Ele recrutou um grupo de 20 mulheres que são um atentado à constituição nacional. O programa delas custa 20 reais, e ele tem 75% do valor do programa. Como cada garota faz em média um programa por dia ele ganha R$ 9.000 por mês (sim, e cada garota ganha R$ 150,00 mais). Ainda há as bebidas superfaturadas. Uma cerveja que ele compra por dois reais a garrafa, ele vende por dez. O pessoal tem que beber muito pra conseguir encarar as garotas de Ogum. Juntando com os ganhos por previsões e consultas astrológicas, Jorginho tem um lucro de 35 mil reais por mês. Com isso ele paga sua faculdade de direito. Boa parte do seu dinheiro ele gasta com processos judiciais e sustenta um velho que usa roupas de látex, um cachorro sem braços, um pedreiro analfabeto mulher e filha. Mas, mesmo assim, não sei como é que esse infeliz mora naquele barraco.

sábado, 7 de março de 2009

Coisas que aprendemos com o cinema.

Crescemos assistindo a filmes. Nascemos, crescemos, nos reproduzimos e morremos assistindo a filmes. A cultura cinematográfica é uma constante durante nossa vida toda. Vejamos agora algumas das coisas que aprendemos com o cinema:

-A vida nunca é boa o suficiente.

-A formatura do colégio é o evento mais importante da sua vida.
-Nunca aposte com seus colegas que você vai sair com a garota esquisita, pois ela na verdade é linda sem óculos e você vai se apaixonar por ela.
-Nunca conte seu plano maligno ao herói no último minuto. Ele vai reagir e acabar com você.
-Você sempre consegue escapar da explosão no último instante.
-Se você alugar uma casa que possui histórias escabrosas, saia de lá imediatamente.
-Todo monstro, zumbi ou outra aberração possui um ponto fraco patético.
-Se você é o negro da equipe, vai morrer.
-Se você é o gordo da equipe, vai ser o primeiro a morrer.
-Se alguém aparece na sua frente e dança incrivelmente, você tem que dançar de volta.
-Sua equipe sempre começa perdendo, até que chega um jogador surpresa que salva o time inteiro. Normalmente o resultado é decidido nos últimos 10 segundos.
-Na escola há uma espécie de darwinismo estudantil: só os mais populares sobrevivem.
-Todo carro que bate explode.
-Se você entrar no seu carro para fugir de um assassino, olhe no banco de trás, pois ele quase sempre estará lá.
-Mordomos não são confiáveis.
-Quase não existem americanos feios.
-Quase não existem americanos gordos. Os que existem são engraçados e servem para serem zoados.
-O termo correto para se referir a um policial é "tira".
-Existe o "tira bom", simpático e prestativo e o "tira mau", ranzinza e mal-educado. Na verdade o tira bom é o criminoso sociopata e o tira mau é um cara amargurado pela vida que tem as melhores intenções e no fundo é um cara bacana.
-Um beijo é capaz de curar amnésia.
-Mendigos não são tão feios e nem fedem tanto assim.
-Um discurso emocionado pode convencer uma plateia inteira.
-É possível impedir que um avião decole de duas maneiras: pedindo para balconista que ela atrase o vôo, pois o amor de sua vida está indo embora, ou correndo na pista e acenando para o piloto.
-Os reforços sempre chegam atrasados, sempre depois que já morreu metade da equipe.
-O par romântico sempre sobrevive.

Se você, CHnauta, aprendeu mais algumas coisas com o cinema, deixe registrado no seu comentário.

quinta-feira, 5 de março de 2009

We Are The Champions

Em 1977 a banda Queen lançou o disco “News of the World”. Eu nunca ouvi esse disco na minha vida. Mas é lá que está We Will Rock You, além de We Are The Champions. E com certeza você já escutou essas.

Eu não posso afirmar com certeza, mas imagino que essa música tenha feito um puta sucesso. Deve ter tocado nas rádios até gastar os ouvidos. O cidadão ligava seu rádio a tarde e já escutava:


“I’ve paid my dues... time after timer”


E um dia qualquer uma pessoa, podem ter sido várias pessoas também, precisava fazer uma homenagem a alguém. Que tenha se formado, se casado, ganhado um campeonato de futebol, basquete ou bocha. E então essa pessoa pensou por muito tempo em uma música. Ligou a rádio e escutou:


“I’ve done my sentence but committed no crime”


A pessoa então teve um estalo. Deslocou o joelho, talvez, mas ela pensou “é isso! We Are the Champions! Vou tocar essa música!”. Veio então a homenagem a pessoa e lá tocou:


“And bad mistakes... I’ve made a few”


Claro. Todos devem ter adorado e achado que a idéia foi super criativa. Daí em diante, é um time ser campeão, na propaganda do cursinho que aprovou seus alunos no vestibular, ou qualquer coisa parecida e:


“I’ve had my share of sand kicked in my face, But I’ve come through”


Claro que o lugar onde mais se usa We Are The Champions é nas formaturas. É de se pensar se o pessoal desses cerimoniais escuta mais alguma música na vida além da já referida. Na prova de emprego pra se trabalhar no cerimonial, uma das questões deve ser cantá-la. Como a formatura do CH3 teve ontem o seu último capítulo, fizemos um estudo apontando todas as situações em que se pode tocar We Are The Champions na sua colação de grau.


“And we mean to go on and on and on”


Situação 1: Você desce do carro e chega no lugar da colação. Encontra todos os seus amigos usando as becas:


“We are the champions my friend. We keep on fighting till the end”


Situação 2: Você veste a sua beca e vai assinar a ata:

“We are the champions, We are the champions”


Situação 3: Você faz fila para entrar. E lá estão todos os formandos esperando para subir no palco:

“No time for losers ‘cause we are the champions... of the world”


Situação 4: Os formandos começam a entrar e subir no palco:

“I’ve taken my bows and my curtains calls”


Situação 5: O discurso do professor ou do reitor parabenizando os formandos:

“You brought me fame and fortune and everything that goes with it I thank you all”


Situação 6: Termina o juramento, e os alunos falam “Assim eu juro!”.

“But it’s been no bed of roses, no pleasure cruise”


Situação 7: O reitor pega o chapeuzinho e diz “pelo poderes de greiscul!”, digo “pelo poder que me é concebido e de acordo com a constituição desse país, eu vos concedo o grau a que tendes direito”

“I consider it a challenge before the whole human race, and I ain’t gonna lose”

Situação 8: Você coloca o chapeuzinho e falam “graduados, podem se sentar”.

“And we go on and on and on”


Situação 9: Chamam o seu nome e você desce pra pegar o canudo e cumprimentar todo mundo:

“We are the champions my friend, we keep on fighting till the end”


Situação 10: A cerimônia é encerrada.

“We are the champions, We are the champions”.


Situação 11: A foto da turma de beca e canudo:

“No time for losers, ‘cause we are the champions of the world”

Situação 12: Você desce do palco e é cumprimentado por todo mundo:

“we...

Tá bom. Vocês já entenderam. Durante o resto do dia, ainda existiram mais umas 18 oportunidades na qual poderia tocar We Are The Champions nesse dia. Aliás, poderá continuar tocando por alguns dias. Pelo menos até você perceber que está desempregado.

---

Dedicamos esse post a toda a nossa turma. Aos que se formaram ontem, e aos que não se formaram também.

---
Aliás, seremos justos. O Cerimonial da UFMT resolveu deixar de lado we are the champions. Preferiu remixes de músicas clássicas, e versões ao vivo de "Dias melhores" do Jota Quest e "viver e não ter a vergonha de ser feliz" (esqueci o nome da música) do Gonzaguinha.

terça-feira, 3 de março de 2009

Amigos imaginários

É comum uma pessoa ter um amigo imaginário?
De verdade, não sabemos, mas em filmes e desenhos é. Mas sim, existem casos de pessoas que inventam amigos de mentira e conversam com eles, b
rincam com eles, etc.
Naturalmente isso é característico das crianças, mas há casos tristes de adultos com amigos imaginários também.


Um amigo imaginário nem sempre é humano, como o Haroldo, o tigre de pelúcia do Calvin. Tem também o Keith Richards dos Rolling Stones, que tinha sua guitarra como uma amiga imaginária. Ele conversava com ela, dormia com ela e dizem, se relacionava sexualmente com ela. Mas se separaram.

E o que leva uma pessoa a inventar um amigo imaginá
rio? Ora, a falta de amigos de verdade.
Veja por exemplo, o menino Fabinho. Vocês já devem conhecê-lo, sempre citamos seu triste caso aqui no blog. Se não conhece, veja o link, ora.

Fabinho, hoje com 9 anos de idade, sabe muito bem que já está bem grandinho para ter amiguinhos imaginários. Acontece que ele não tem outra opção, já que ele não tem amigos porque ninguém gosta dele. Fabinho até já pensou
em ter um cachorro, mas quando pediu para seu pai, ele respondeu:
-Um cachorro, Fabinho? Já não basta os gastos com você e o trabalho que você me dá?

Então, Fabinho criou para si um amigo imaginário, que ele chamou de "Tódi". Era mais ou menos assim:
No começo foi ótimo, finalmente Fabinho tinha alguém com quem brincar e conversar. Tódi nunca desprezava Fabinho e sempre o apoiava.
Porém um dia Tódi pediu dinheiro emprestado para Fabinho para ir no fliperama. Ele emprestou de boa vontade, afinal, eram amigos. Mas Tódi começou a pedir cada vez mais e nunca pagava. Fabinho começou a cobrar, mas Tódi se zangava e gritava "Quié, cê não confia em mim? Achei que éramos amigos, cara, e confiança é a base da amizade."

As coisas começaram a ficar distantes entre Fabinho e Tódi, que agora preferia ficar sozinho e começou a andar com os colegas da turma de Fabinho.
Um dia Tódi estava jogando Guitar Hero com Fabinho (que sempre perdia) e acabou derramando refrigerante no console, que deu perda total. Fabinho explodiu de raiva e começou a chorar e se trancou no quarto. Por um mês, não viu mais Tódi.

Um dia, Tódi apareceu e pediu desculpas, dizendo que ia pagar os danos. Fabinho aceitou as desculpas pois ainda não tinha amigos. Começou de novo. Dessa vez a gota d'água foi quando na escola Fabinho viu Tódi paquerando uma coleguinha que ele gostava. Ficou furioso, pois Tódi sabia que Fabinho gostava dela. Os dois saíram na porrada. Fabinho levou uma surra.

A diretora chamou a mãe de Fabinho para a escola porque ele tinha perdido um dente e estava todo surrado, aparentemente sem motivo. Quando Fabinho explicou a situação na frente da mãe e da diretora, as duas caíram na gargalhada. A mãe de Fabinho disse:
-Nossa, meu filho, que coisa mais ridícula. Você está muito velho para ter amigos imaginários. Deixe de ser escroto. Vai apanhar do seu pai quando chegar em casa.

E Fabinho apanhou do pai quando chegou em casa. Fabinho nunca mais viu Tódi. Só uma vez, pouco depois do ocorrido, que ele apareceu, apontou para Fabinho e riu. Depois foi embora.

domingo, 1 de março de 2009

CH3 Futebol Clube


A Equipe de Futebol do CH3 começou a treinar nesse fim-de-semana. O Objetivo... bem, não sei qual é o objetivo. Mas, é algo importante, provavelmente.

A equipe tem a seguinte escalação. No gol toda a firmeza e a agilidade do Cão Leproso. Marcão retorna aos seus tempos de jogador e atua pela lateral direita. Já pela esquerda atua o Hanz, o pansexual. A dupla de zaga é formada por Gressana e Tackleberry.

O meio-de-campo começa com Guilerme jogando parado em frente da zaga. Próximo a ele joga Guilherme, para confundir os adversários. Com a camisa 10 e a faixa de capitão, Alfredo Chagas. Porque ele encheu muito o saco de todo mundo por essa posição. Zequias é o nosso convidado para atuar entre o meio-de-campo e o ataque, para dar criatividade à equipe.

A dupla de ataque é formada pelo Senhor M, que já está mascarado. E de centro-avante o lendário Pai Jorginho de Ogum. Ex-centro-avante do Flamengo, que fez 438 partidas pela equipe rubro-negra, tendo marcado dois gols.

Treinando o esquadrão, Alfredo Humoyhuesos, que sabe todas as táticas possíveis do futebol. Mas ele treina a distância. Nossa colega Elemento X treina a equipe na prática.

Em breve a equipe começará a fazer alguns amistosos.