sábado, 29 de novembro de 2008

CH3 + 1

Sempre somos questionados sobre o nome CH3. Já ouvimos diversas lendas urbanas em torno de sua origem, nada que envolva comprimidos de “boa noite Cinderela”, nem seus rins sendo contrabandeados enquanto você agoniza em uma banheira de gelo, mas mesmo assim são lendas urbanas.

Uma dessas lendas supõe que o nome CH3 foi escolhido devido ao metano, o gás do peido, e sempre que algum CHnauta levanta essa suspeita, nós confirmamos que tem tudo a ver, ou não. A fórmula do metano é CH4, mas na sua combustão ele forma do radical metila, vulgo CH3. Esse não é um bom motivo pra escolher o nome de um blog, ser chamado de metila? Muito escroto, se fosse assim colocaríamos Wonarllevyston, ou algo mais sutil, como Bryian McCallysterson. Além do mais, os membros de CH3 são bem tranqüilos, menos o Alfredo Chagas e o Gressana, que são explosivos.

Além de altamente inflamável, quem duvida veja aqui, o metano é um dos maiores causadores do efeito estufa, e sua concentração na terra está aumentando em 1% ao ano. Ou seja, se não nos livrarmos logo das vacas e pessoas que peidam em excesso, o planeta corre sério risco de explodir. As vacas são necessárias para nossa alimentação, mas as pessoas que peidam muito, bem, há controvérsias sobre sua razão de existir.

O pum de fato já foi algo de se admirar. Na Paris de 1892, Joseph Pujol, conhecido como Le Pétomane (O Peidorreiro) fazia sucesso e fortuna. Com os músculos abdominais e retais, Pujol era capaz de reter e expelir até 2 litros d’água e reproduzir músicas populares, como a banda Calypso faz hoje em dia.

O ato de peidar é inerente ao ser humano, mas sempre respeitando as convenções de Genebra sobre quantidade, som e odor. O senhor M por exemplo, grande conhecido do CH3, é famoso por violar essas convenções. O Peido Ninja, silencioso e mortal, é condenado pela ONU, e sua prática em encontros de cúpula pode render graves sanções ao país representado pelo infrator.

O peido também causa grandes constrangimentos em certas situações. O elevador por exemplo, é um atrativo para flatulências. Certos intestinos guardam um dia todo de trabalho justamente para a hora do elevador, é só entrar nele e lá vem a bufa. Um problema quando o elevador está cheio, mas uma catástrofe quando você está sozinho, solta uma verdadeira bomba e logo após entra aquela vizinha espetacular que vinha dando bola pra você. O jeito é disfarçar que não está sentindo nada, e ver que a sua chance foi para o fosso.

Certas pessoas até conseguem escapar de situações como essa do elevador sem maiores danos, são as especialistas e Peido Cínico. Só estão vocês dois no recinto, ela solta um peito que mais parece o odor de um animal morto e nega com tanta convicção que você acaba em dúvida se você peidou e não percebeu.

Para evitar as flatulências é preciso ter cautela com certos alimentos, como batata doce, brócolis, ovo e repolho. Ingira-os com moderação e nem pense em combiná-los, pois o resultados será catastrófico. Se você não tem grandes habilidades de dissimulação, e sabe que vai feder, a melhor alternativa é soltar a bufa em prestações, pro cheiro se diluir no ambiente. Segurar também é uma alternativa, mas não é para qualquer um, é preciso ter o dom. O importante é nunca se inclinar para o lado da cadeira quando estiver em público, pois alguém vai ver, pode ter certeza.

Agora um último conselho, nunca, mas nunca tente disfarçar o Peido Sonoro com outro barulho, caso haja algum erro de sincronia tudo pode dar errado. Foi o que aconteceu com o garoto Fabinho. Fabinho estava na sala de aula quando sentiu o surgimento de uma flatulência incontrolável. Em seu âmago, algo lhe dizia que aquilo não acabaria bem, por isso ele pediu à professora pra ir ao banheiro. Vendo a agonia na face do garoto, a professora respondeu com um carinho que nunca tinha demonstrado até então:

- Não Fábio, e volte para o seu lugar senão te ponho ajoelhado no milho.

Fabinho então teve uma idéia. Disfarçaria o peido com um espirro, e tudo abaria bem. Era o último dia de aula, o dia do amigo oculto, finalmente um dia em que ele se sentiria feliz. Chegou então o grande momento, não era possível controlar, só restava liberar a dor:

- AAAAAtchiiiiiiiimmmmmmm!!!

E logo depois um sonoro pum. Toda a sala parou e olhou para ele. Havia sido descoberto, e descobriu que o peido pesava, ele tinha se borrado. Para terminar o dia mais feliz da vida de Fabinho, seu amigo oculto lhe deu meias de presente. Fabinho usou as meias pra limpar a bunda, pois tinha acabado o papel higiênico.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Nomes ridículos

Minha inspiração para escrever o post de hoje foi essa notícia:


Eu já tinha visto nomes escrotos, mas Wonarllevyston é de longe o pior. E o que mais me surpreende nessa história é que o nome completo do garoto é Wonarllevyston Garlan Marllon Branddon Bruno Paullynelly Mell, e ainda tem mais 4 nomes que, segundo as reportagens, são impublicáveis. Caramba! Quer dizer que nosso caro Wona tem um nome com 11 componentes. Eu fico me imaginando quais seriam os outros quatro. Pelo que dá pra induzir, devem ser "Picca", "Tollete", "Rollinha" e talvez "Osmar".

O caso é que Wonarllevyston não é o único. No Brasil inteiro, todo dia, pais cruéis estragam as vidas de seus filhos colocando neles nomes ridículos. Um antigo passatempo de nós membros do CH3 consistia em ficar lendo as placas de formatura da faculdade caçando nomes escrotos. Achamos belos exemplares, como Oátomo, Gay-Lussac, Asteróide, etc. Podem imaginar como é a vida escolar dessas crianças? Imagine na hora da chamada:

-Pedro?
-Presente.
-Rafaela?
-Presente.
-Rogério?
-Presente.
-Salamalenko?
-...
-Salamalenko? Classe!! Parem de dar risada de seu coleguinha!!
-Buáááááá!!!

Imagine quando essa criança chegar na fatídica 6ª série. Até os apelidos ficam difíceis. Experimente dar apelido de Wona para Wonarllevyston, Chana para Chananeco, Pita para Acheropita. Não soa bem, né? Os únicos apelidos que funcionam são aqueles tipo "Gordo", "Japa", "Baixote", etc.
O caso é que isso não é um problema recente. Sempre tem aquela tia que se chama Bucetilde, mas os sobrinhos sempre a chamam de "Tia Tilde", ou a tia "Terebentina", que se chama "Tia Tina". Já o Tio Pinto é difícil de disfarçar, até porque existe uma infinidade de caras com o nome do órgão sexual masculino e eles parecem não se importar.

Mas uma questão não quer se calar: Por quê? Por que os pais insistem em destruir a vida de seus pobres rebentos? Há quem diga que isso é vingança da mãe, descontando no moleque as dores do parto: "Cê não sabe como doeu te parir, cabeçudo!"
O fato é que algumas pessoas acham que isso é chique! Sim, acham que vai dar status pro guri. É o caso da mãe de Wona, que se chama Dalvina Xuxa. Segundo ela, deu todos esses nomes escrotos ao filho porque seguia sugestões de colegas, e depois resolveu abaianá-los por completo. Segundo ela, "tentei deixar mais sofisticado, mas confesso que exagerei". Não sei de onde tiraram a idéia que duplicar todo L e colocar Y sem motivo é deixar mais bonito. Normalmente é o contrário.
Dar nome de celebridade também é o fim da picada. Existe por aí uma infinidade de Michael Jacksons, além de Eric Claptons, Stallones e Marilyn Monroes. Claro que existem as variações: "Maico Jackson", "Ericlepto", "Stalone" e "Mérilin Monrou".

Enfim, CHnautas, quando chegar a hora de vocês transmitirem seus genes para a posterioridade, tenham misericórdia de seus filhos. Por mais que venham a se tornar capetas no futuro, ninguém merece isso.
Ah, mais uma coisa bizarra. Wonarllevyston, apesar de ter conseguido mudar o nome na justiça, apenas eliminou os nomes mais ofensivos e manteve o primeiro nome. Confesso que isso me surpreendeu. Se eu fosse o guri, mudaria meu nome pra algo mais comum, tipo Gustavo, Rodrigo, sei lá. Caramba.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

O aniversário de Pai Jorginho de Ogum

Pai Jorginho de Ogum é um cara que dá muito trabalho. Vive incorporando espíritos, proferindo frases disléxicas. Faz previsões pouco precisas e sempre oferece sua filha, muito feia, como forma de pagamento. Mas, o seu desaparecimento foi a gota d’água. Por não ter um vaso sanitário em casa, ele resolveu fugir e a saga para encontrá-lo ao longo do Brasil foi estressante. Tive que enfrentar vários dias de viagem, agüentar Alfredo Chagas e ainda ganhei o ódio eterno do povo de todas as cidades pelas quais passei.

Então, não falava com o pai-de-santo desde que voltamos. Por conta do estresse da viagem e também porque eu não agüentava mais ir à casa de diversão noturna Carnicentas. É um local exótico, sem dúvida, mas o cheiro do lugar é horrível. Além disso, suspeita-se que a Caninha 21 servida no local contenha metais radioativos. E pra completar, ir ao Carnicentas significa encontrar Hanz, o pansexual. Aquele velho nojento.

No entanto, no último sábado o velho Jorginho completou 58 anos de idade e marcou uma festa no Carnicentas. Eu disse a ele que iria, mas, sabia que na verdade não ia ir. Além do mais, sair do estabelecimento de entretenimento adulto à noite é certeza de ser assaltado. Mas, resolvi ir ao local à tarde para cumprimentar Jorginho.

E qual foi minha surpresa ao chegar ao Carnicentas e ver uma placa de “Local interditado”. E um cartaz dizendo “por outros motivos, estamos atendendo temporariamente em outro local. Em breve voltaremos”. Foi chocante. Fui então até a casa dele, para saber o que tinha acontecido.

Encontrei Marcão na cozinha, fazendo seu famoso “Risoto Leblonense”. Já disse certa vez no que ele consiste. Caso você não saiba, prefira não saber. Não cumprimentei Marcão, por saber o que ele fazia com esse prato. Não cumprimentei Hanz, esse velho escroto, por que ele pode querer foder com a sua mão. E também não cumprimentei o Cão Leproso por motivos óbvios.

Pai Jorginho de Ogum estava varrendo a sala, enquanto cantarolava uma música do The Police. Com o detalhe, de que ele canta em inglês sem saber a letra. Desejei-lhe feliz aniversário e perguntei o que havia acontecido com o seu estabelecimento comercial. Ele me respondeu que ele estava interditado. Falei que, ora, isso era óbvio, tem uma placa na porta dizendo isso. Ele então me perguntou que, se eu sabia, porque havia perguntado? Mandei-o a merda. Porque afinal o lugar estava interditado?

Bem. A situação de higiene do local estava trágica. O Cão Leproso é que estava pegando lepra lá dentro. Hanz, vejam só, começou a sentir nojo do local. E quando Marcão derrubou uma garrafa de caninha 21, foi recomendado que o local ficasse fechado por dois meses para esperar que os efeitos da radiação passassem.

Perguntei então duas coisas. Se a clientela do local aceitou a mudança, e onde é que a casa estava atendendo. Ele me disse que só Alfredo Chagas aproveitou a ocasião para protestar contra o Movimento da Vanguarda Reacionária. Detalhe que o próprio Alfredo criou esse movimento. E que quanto ao local, ele me disse que eu deveria descobrir sozinho. Como eu realmente não queria saber, aceitei essa resposta mística sem fazer ameaças. Notei um claro sinal de decepção no rosto de Jorginho. Pelo menos fiquei tranqüilo em saber que o Carnicentas não estava fechado por conta da crise.

Voltei para casa. À noite fui sair. Por volta de 1h da manhã, quando estava chegando em casa, percebi a grande movimentação na rua, normal nas últimas semanas. De acordo com o guarda um puteiro estava funcionando mais para baixo. As prostitutas chegam ao local de moto. E elas também são feias. Parecem que vieram de capitais pobres do leste europeu. Ou não, não sei. Só sei que a impressão era de que era um puteiro pobre. Só posso dizer uma coisa, é péssimo ser vizinho de um estabelecimento assim. Principalmente pela música alta até altas horas da madrugada.

No domingo de manhã a rua estava com um cheiro ruim. Os gatos do fim da rua estavam todos no começo. Algo me cheirou estranho, não literalmente. Sai de casa e fui em direção ao já referido puteiro. E qual não é minha surpresa? O local estava funcionando como um “Carnicentas VIP”. Isso explica porque as prostitutas eram apenas feias. Normalmente, além de feias, elas parecem defuntas.

Adentrei o local e encontrei Hanz sodomizando uma goiabeira. Pai Jorginho estava submerso em uma piscina esverdeada. Marcão estava abraçado a três garotas (todas feias), e o Cão Leproso estava mijando em uma delas. Alfredo Chagas fez uma fogueira contra o aquecimento global. Encontrei outras pessoas conhecidas, que não vou informar o nome para preservar a família.

É muito azar. Jamais queiram ter um puteiro em suas ruas. Pode até parecer legal, mas não é. Acorde pai Jorginho, e ele me convidou para uma partida de pôquer. Recusei. Perguntei quando é que ele voltaria para seu antigo endereço. Ele me disse que em apenas duas semanas.

De repente começou uma correria, de que a polícia aparecia no local para prender o responsável pelo barulho e pelo cheiro insuportável. No meio da bagunça falei com Jorginho que, como era aniversário dele, eu o homenagearia no CH3. Ele poderia escolher o título do meu post. Ele parou, pensou e disse: “não consigo pensar em nenhum pensamento em forma de frase”. Pedi algo mais simples, e ele então me disse: “ah, coloca lá ‘o aniversário de Pai Jorginho de Ogum’”. Achei uma idéia pouco criativa, mas enfim, pedidos são pedidos.

Pai Jorginho, Hanz, Marcão e Alfredo Chagas estão presos no momento. Em breve eles deverão ser soltos.

domingo, 23 de novembro de 2008

Ser inconveniente

Algumas situações típicas:

1. Você está no supermercado e encontra uma amiga de quem não tinha notícias há alguns anos, coisa normal, visto que ela não tem Orkut. Após cumprimentá-la você nota um bebê horrível em um carrinho ao lado dela, e na maior simpatia diz:
- Que lindo! Como é o nome dele?
Sua amiga responde:
- Não é ele, é ela, se chama Fernanda.
Você fica sem graça querendo enfiar a cara no pacote de ração canina na prateleira ao lado.

2. Você está naquela roda no aniversário de uma amiga e surge um assunto de grande relevância, como a briga da Luana Piovani com o Dado Dolabella, então você diz:
- Aquele Dado é um viadinho, isso é falta de pinto pra ele!
É o momento em que você se lembra que o Zequinha, que todo mundo sabe que é gay mas não sai do armário, está na mesa.

3. Você encontra um amigo de infância que também não tem Orkut e você não via há muitos anos. Tentando ser engraçado você comenta:
- Cara, e aquela sua irmã mais velha hein, que tesão, até hoje tenho vontade de traçar ela!
O seu amigo muda de fisionomia e responde:
- Pô cara, ela morreu! Você não tem o mínimo de respeito.

Este post surgiu de uma situação extremamente desagradável que presenciei ontem pela manhã. Alfredo Chagas, um inconveniente de carteirinha, pediu pro Cão Leproso lhe dar uma mãozinha na pintura de um cartaz anti-globalização. Protestar contra a globalização já é sem noção, agora pedir uma mãozinha pra um cachorro sem braços já passa de qualquer limite.

Eu por exemplo passo por situações constrangedoras por não lembrar do nome das pessoas. Se algum dia nos vermos na rua, é bem provável que eu diga “E aí, tudo bem? Como está a correria?” e encerre a conversa antes de você perceber que não me lembro do seu nome.

Perguntar como vai a correria aliás contém um certo risco. Se você estiver conversando com um paraplégico, evite a palavra correria. Perguntar como ele anda então já é uma ofensa mortal.

As chamadas gafes podem acontecer com qualquer pessoa de bem. É praticamente impossível passar uma vida inteira ileso a elas. Mas há casos em que a gafe acompanha a pessoa por onde ela vá, e isso pode ser uma falta de sorte, como acontece com um dos membros deste blog, ou pode ser um caso de pessoa inconveniente. Sim, existe uma classe especial de seres destinados a provocar situações constrangedoras, são criaturas maléficas, frias e calculistas ou simplesmente muito burras para perceber as catástrofes que são capazes de causar.

As crianças e os velhos se encaixam nesta definição melhor do que ninguém. Estar perto de uma criança é correr o risco de passar vergonha a qualquer momento. Quer mentir a idade do seu rebento pra não pagar ingresso no cinema? Pode se preparar, ele irá desmenti-lo na frente da bilheteria, não importa o que você faça. Alguns casos chegam ao extremo, como um garoto que eu conheço, vamos chamá-lo de M, que quando mais novo dizia para as pessoas que elas não tomavam banho. Acha isso constrangedor? Pois não é nada. Se ele fosse na sua casa, era melhor servi-lo com o que tivesse de melhor, ou ele dizia:
- Aqui vocês não servem refrigerante pra visita não hein? Não tem nem uma coca? Tsc.

Crianças são entidades cruéis, e enquanto algumas se recuperam e encontram a salvação, outras ficam velhas e se tornam o procurador do demo na Terra. Se você duvida, pense na criança mais terrível que você conhece e acrescente à ela 60 anos de experiência. Qualquer semelhança com aquela sua tia fofoqueira não é mera coincidência.

Os inconvenientes estão por toda parte, são de toda raça, sexo e idade, além de serem especialistas em espantar as pessoas à sua volta com perguntas no fim da aula, histórias épicas sobre si mesmos, comentários fora de hora e beliscões em mamilos alheios.

Se você já passou por alguma situação constrangedora causada por um inconveniente, aproveite conte pra gente, mesmo que o inconveniente tenha sido você mesmo.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Internet people

Hoje falaremos sobre o internauta. E o que é um internauta? Qualquer um que entra na internet é um internauta. Qualquer um. Eis o problema.

Tracemos um perfil do internauta em geral. Primeiro, dos gringos. Eles fugiram do orkut quando começou a lotar de brasileiros e migraram pro MySpace. O internauta gringo, principalmente o norte-americano, é muito chato. Extremamente chato. Reclama de tudo.
Em fóruns internacionais, sempre que alguém abre uma discussão, termina em briga. Sobre qualquer coisa. Pode ser sobre um inocente episódio do desenho do Mickey, vai dar em briga. Sempre que anunciam um filme, a primeira coisa que o gringo faz é reclamar dizendo que o filme vai ser uma incrível merda e não irá ver. No dia da estréia ele estará na fila da bilheteria. Se tem um comercial em vídeo que toca uma música bacana, e alguém perguntar que música é aquela, imediatamente ele será ofendido pelos internautas gringos: "That's the (...) song, you asshole!". Aqui no Brasil as pessoas trocam "bom dia" por "te amo", lá fora eles trocam "cara" por "asshole".

Mas se a coisa é ruim lá fora, em território nacional é bem pior. Porque se os gringos são intolerantes, os brasileiros são incrivelmente BURROS. Burros mesmo, a grande maioria é absurdamente burra. Ninguém mais sabe escrever. Acentos, vírgula e cedilha não existem para o internauta brasileiro. E não é só internetês não! As pessoas realmente NÃO SABEM escrever. Concordância, conjugação de verbos e a boa gramática são praticamente estupradas. Por exemplo, a maioria escreveria "burrise" ou "burrisse" para referir-se à burrice dos outros. Uma coisa é abreviar ou criar códigos pra adaptar a escrita à característica da internet que é a velocidade, mas não, não é esse o caso.

Mas não pára aí, não. Tem tapado de todo tipo na internet. Não é a toa que existe um site só pra isso: tolicesdoorkut.com. Se você passar meia hora lá você vai ficar abismado com a educação precária do nosso país. Passe uma hora no site e você estará chorando e gritando "Não pode ser verdade! Não pode ser verdade!". Mas é.

O caso mais engraçado são as pessoas que usam depoimento no orkut como se fosse e-mail, contado assuntos pessoais. Subentende-se que a pessoa apagará o depoimento depois de ler, mas sempre tem um que aceita. Muita gente já foi descoberta saindo do armário, ou chifrando o(a) namorado(a) por depoimento que as outras pessoas aceitam. Aí você vê umas mensagens nos depoimentos tipo "gato, a noite de ontem foi ótima, mas que ninguém sabia, muito menos meu namorado" (traduzido do internetês).

Gente caindo em spam também, daqueles mais ridículos tipo "estou peladinha na webcam, veja em www.lesbikut.com"... tem gente que vai lá, acessa e infesta o computador de vírus. Tem casos de namoros que acabam porque a namorada imbecil vê um spam de uma garota fake nos recados do namorado, falando sobre as fotos de uma festa que teve. Casamentos são cancelados por causa de spam.

Tem um caso engraçado de um cara que perguntou quando o Bob Marley ia fazer show no Brasil. É zoado até hoje (merecidamente), e até hoje ele ameaça as pessoas no orkut dizendo que vai abrir processo contra o mundo. Os casos de foto de banheiro são incríveis! Existem milhares de pessoas que tiram foto no banheiro e aparece um tolete no vaso, ou a mãe cagando no fundo. Também é possível ver dildos em fotos que algumas garotas tiram no quarto, ou alguém que tava sem calcinha. Haehaheahehahe!!
E como a pessoa que postou não vê? É que ela não abre a foto depois que passa pro compudador, só identifica qual é pelo thumbnail. Nem vê depois que coloca no orkut também. Aí fica a mãe peladona lá no fundo. Parabéns!

Cara, é incrível. Sobra até pro CH3. Tem texto nosso que a molecada copia e coloca em trabalho de escola, achando que é sério, e professor vai lá e aprova o aluno. Vários textos nossos saíram no yahoo respostas, postado por gente que acha que falamos sério! Por isso tivemos que colocar esses selos aí do lado. Mas parece que ainda tem gente que não vê, ou pior, não entende.

Enfim, sabemos que ao menos vocês, CHnautas são representantes positivos da juventude (?) internauta brasileira. Sintam-se privilegiados.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Dicas póstumas para um vestibular tranqüilo

Nesse último domingo aconteceu o vestibular da UFMT. Aliás, não só o vestibular da UFMT. Vestibulares foram realizados no Brasil inteiro. E o CH3 posta aqui, dicas revolucionárias para que você tenha um vestibular tranqüilo. Revolucionárias, porque aposto que ninguém pensou nisso antes. E também, porque elas estão sendo postadas depois que o vestibular acabou. Não me lembro de dicas póstumas para o vestibular. Serve para que você veja tudo o que fez de errado e tente evitar esses erros futuramente.

É bom lembrar que essas dicas são para que o vestibular seja tranqüilo. Isso não significa que você vá ser aprovado. Mas, aprovado ou reprovado, terá feito isso na maior tranqüilidade. Então, não crie expectativas de que você vá ler “memorize as fórmulas”, “faça associações”, “estude 9 horas por dia” ou coisas parecidas. Aliás, não pense que você vá ler isso de novo aqui. Você acabou de ler, mas é bom lembrar que não a titulo de dica. O foco desse texto é justamente o dia, e o momento da prova.

Antes, um adendo sobre a tranqüilidade. Tranqüilidade vem do latim tranquilus que significa “calmo”. Calmo, por sua vez, vem do latim calmus que significa “tranqüilo”. É o estado de nervos em que se encontra eternamente o técnico Oswaldo de Oliveira. Se opõe ao estado de nervosismo. Por exemplo: diante de um Leão, o nervoso diz “Caralho, puta que o pariu! Um leão!” e é morto pelo Leão. Já o tranqüilo diz “vejam só, um Leão, quem diria”. E é morto pelo Leão. Pelo menos, é uma morte tranqüila.

Pois bem, a primeira coisa a se fazer no dia do seu vestibular, é acordar. Se você não acordar, você corre um sério risco de perder a prova. Se isso acontecer, você corre um sério risco de apanhar do seu pai. A não ser que você não tenha acordado pelo fato de ter morrido enquanto dormia. O que é uma morte tranqüila, e elimina a possibilidade de você apanhar do seu pai. Se ele for um bom pai.

Você pode ficar nervoso antes, e durante a prova. Mas isso, meu filho, é coisa sua. Não vou aqui falar para você fazer yoga, tomar remédios, fazer a respiração do cachorrinho, e etc.

A questão é o que você vai levar para a prova. Leve vários lápis e canetas, e borrachas. Vários, eu digo, uns três de cada. Se você levar mais, vai perder alguns, e vai ficar nervoso com isso. Pensando bem, é melhor levar uma borracha só. Evite levar canetas com purpurina, ou canetas com cores exóticas. Não leve corretivo, não vai adiantar nada. O corretivo só vai te deixar mais nervoso. Também não leve durex.

Alguns objetos são proibidos dentro do local de realização da prova, tais como:

Aparelhos eletrônicos: portanto, não leve celulares, mp4s, aparelhos de GPS, rastreadores de mísseis, vídeo games, laptops, palmtops, computadores, máquinas digitais, ou filmadoras. Há uma controvérsia se relógios podem ou não entrar. De qualquer forma, relógios cucos, mesmo não sendo eletrônicos, são expressamente proibidos. Qualquer aparelho eletrônico recolhido será colocado dentro de uma sacola plástica e arremessada contra a parede. E ah, se você deixar seu celular nessa sacola, desligue-o. Ninguém vai achar legal o seu ringtone do NX Zero.

Armas: não leve facas, estiletes, revolveres, espingardas, metralhadoras, bazucas e muito menos tanques de guerra. Há uma controvérsia se relógios são ou não armas. Qualquer arma apreendida será doada para os alunos do colégio onde a prova é realizada. Se você for McGyver, não poderá levar nada, porque qualquer objeto em suas mãos é uma arma. Se for Chuck Norris, não poderá fazer a prova. Porque qualquer parte do seu corpo é considerada uma arma. No entanto, não sei quem poderá te impedir de fazê-la.

Drogas: Nada de entrar com maconha, cocaína, ecstasy, heroína, LSD. Nem cigarros ou bebidas alcoólicas. Muito se discute se relógios são ou não dopantes. Toda e qualquer droga recolhida será usada pelos fiscais, para evitar o uso pelos vestibulandos.

Objetos pornográficos: Não leve para o local de realização da prova objetos como bonecas infláveis, vibradores, pênis de borracha ou patos em forma de vagina. Qualquer um desses objetos será levado até uma sala, e só será liberado depois que os fiscais de prova examinarem a procedência de cada um. Vale lembrar que não é um consenso se os relógios são ou não, um objeto pornográfico.

Animais de estimação: deixe em casa o seu cachorro, gato, hamster, canário, peixe, iguana, jabuti, elefante, mamute ou hipopótamo. Quem insistir em levar o seu animal de estimação para o local da prova só vai poder encontrá-lo ao final, no churrasco de confraternização dos fiscais. Em alguns lugares, o relógio pode ser considerado um animal de estimação.

Se você levar qualquer um desses objetos, a sua apreensão poderá resultar em muito nervosismo. E depois você vai chegar em casa reclamando que não teve um vestibular tranqüilo.

Outra questão importante relativa à prova é a alimentação. Sim, é permitido levar comida para a prova. Só que, ao entrar na sala, você deve apontar para a comida e dizer “vou comer”. Não fale isso apontando para a fiscal. Só que é preciso tomar cuidado com a comida. De preferência a barras de cereal, ou chocolate em barra. Barra eu digo, aquelas de dois tabletes, não as de um quilo. Não leve marmitas, nem uma carne para assar na brasa. Se for levar frutas, de preferência a maçãs, ou peras. Descarte qualquer possibilidade de levar uma melancia ou uma jaca. Também não leve um saco de pipoca. As salas não têm microondas.

Outras coisas. Não faça a prova nu. Não se masturbe durante a prova, e também não cole a prova do seu rival. É deveras chato, porque não há como descolar depois. E nem como repor a prova que foi colada.

Outra questão importante é relacionada a idas ao banheiro. Se você tiver que ir ao banheiro, um fiscal irá te acompanhar. Pelas últimas determinações da Convenção de Genebra, o fiscal irá ficar em pé ao seu lado, enquanto você estiver sentado no vaso. Ele irá inclusive examinar todas as folhas de papel higiênico usado. A NASA treinou todos os fiscais, e garante que não há coprófagos exercendo a função. Mas, vá saber. Portanto, defeque em casa, se isso for possível. Deixará-te muito mais tranqüilo.

Esperamos então, que esse texto tenha sido de muita utilidade, para que quando você vá fazer o vestibular, faça o de maneira tranqüila. Porque afinal, como diria o filósofo francês Renè Von Borbughuì, "o resultado é um mero detalhe". Vestibular que deriva do latim vestus, do inglês bull e do português ar. Ou seja Touro vestido respirando. Não faz muito sentido, mas a visão de um touro vestido respirando não é tranqüilizante.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Uma pequena homenagem

Este post é uma homenagem aos anões, também conhecidos por portadores de nanismo ou pessoas verticalmente prejudicadas. A vida não é fácil quando se sabe que não vai crescer na vida, e dizem que seu único futuro é trabalhar em circo ou como assistente de Papai Noel de shopping, atividades que graças ao Pânico na TV se transformaram em festivais de pedaladas.

Recentemente os anões receberam por lei o direito de emprego como os deficientes físicos, uma ótima decisão do governo para combater o preconceito, apesar de nunca vermos anões em profissões realmente degradantes, como o jornalismo ou a publicidade. Geralmente eles ficam dançando nos feirões da City Lar, trabalhando dentro das máquinas de refrigerante ou atuando em produções cinematográficas destinadas ao público adulto. O fetiche por anões é algo mais comum do que se imagina. Aqui no CH3 muita gente já entrou procurando por sexo com anões, e nós sabemos disso porque o Google Analytics contou. A privacidade na Internet é algo que não existe mais mesmo com o cadeado do orkut, o Google sabe de tudo. Voltando ao anões, graças ao fetiche dos irmãos Grimm por sexo com anões, temos o conto de Branca de Neve, e foi também movido pelo fetiche que J. R. R. Tolkien escreveu Senhor dos Anéis. No caso de Tolkien é mais um fetiche por pessoas pequenas, porque como se não bastassem os anões, a história ainda é cheia de Hobbits. Só pode ser um fetiche, é o único motivo para alguém deixar o destino do planeta nas mãos de alguém com menos de 1,5m de altura.

Anões são cultura, por isso inspiram tantos capítulos nos livros de piadas. O CH3 mesmo já escreveu um post sobre como apartar uma briga de anões e muita gente achou que era piada, mas anões brigam pra valer, e agora ganham dinheiro por isso. A foto ao lado divulga a disputa do primeiro título mundial de boxe na categoria anões, entre Nazih “Cabeça de Martelo” e Jamie, “O Gigante”, realizada na Austrália dentro de um cercadinho. CH3 cobriu a grande luta repleta de golpes baixos, vencida por Nazih com facilidade. O resultado já era de se esperar, já que o Cabeça de Martelo é muito maior que o Gigante, são 1,28m contra 1,07m.

Aliás, “Gigantes do Norte” é o nome de um time de futebol de Santa Isabel, no Pará, o primeiro e único time de futebol de anões do mundo. Se você duvida, dê uma olhada:


Na próxima semana o Gigantes do Norte enfrenta o Corinthians no Pacaembu. Em entrevista ao CH3 o técnico Mano Menezes declarou já preparar o Timão, preocupado com as bolas aéreas, ponto forte da equipe paraense. Já o comandande do Gigantes, Carlos Lucena (que não é anão) disse que jogando fora de casa a obrigação é partir pra cima, mesmo com o desfalque do seu principal jogador, o meia Madson, transferido para o Vasco.

sábado, 15 de novembro de 2008

Para descontrair

(Antes, gostaria de agradecer a todos aos CHnautas que comentaram no post anterior. Nunca na história do CH3 tivemos um post que sensibilizasse tantos internautas a darem seu depoimento. O assunto é de fato comovente para todo nós.)

Ultimamente tenho recebido algumas reclamações por e-mail de que meus textos andam muito sérios ultimamente. E também várias pessoas já vieram falar sobre isso comigo e fizeram a já batida piadinha: "why so serious?" parafraseando o Coringa no último filme do Batman. Bem... A verdade é que quando se está fazendo monografia, seu humor cai consideravelmente.
E visto que muitos estão na mesma situação, resolvi fazer um post hoje mais descontraído.

Vou começar com algumas piadas de loiras:
Qual a diferença entre uma loira morta e uma boneca inflável?
R: O prazo de validade.
Que tipo de homem a loira prefere: japonês, branco ou negro?
R: O que tiver mais dinheiro.

Piada de gaúcho agora.
Como gaúcho tira a camisinha?
R: Peidando.
Dois gaúchos estavam se comendo, então o de trás dá uma fungada no cangote do da frente. O da frente diz: "Peraê, viadagem não!"

Também hoje vou seguir algumas tendências dos sites de humor, pegar algum acontecimento recente no meio das celebridades e fazer piadas a respeito. Clique no link para ver a notícia completa:

Dado Dolabella é indiciado por agressão a Luana Piovani.
Esse Dado Dolabella é mesmo metido a valentão... Deve ter ido pra boate levando a sua fiel machadinha na mala. Daí chegou na Luana e falou "você traiu o movimento clubber, véio!". E pow! Bem na cabeça.

Ivete Sangalo faz show com Preta Gil no Rio de Janeiro.
Preta Gil sempre anda por aí com gostosas como Ivete Sangalo e Juliana Paes. Mas infelizmente, Preta, gostosura não se passa por osmose.

Agora vou postar vídeos engraçados do youtube.
Veja esse vídeo muito engraçado de um gordo fazendo gordice:


Agora olha esse moleque, que retardado, hahahaha:


Bom, é isso aí. espero que tenham se divertido.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

A vida de um monógrafo

As mudanças são aparentes. O cansaço e a insônia são mostrados pelas olheiras. O peso se altera para mais ou para menos, mostrando que a rotina de alimentação da pessoa mudou. Seus cuidados com a aparência também. Seja a barba mal feita, o cabelo bagunçado ou as unhas não pintadas. Esses sintomas atingem tanto homens quanto mulheres. E são sintomas comuns, anualmente várias pessoas os têm.

Se você conhece alguém que esteja assim, não se preocupe muito. Não se trata de uma epidemia ou de uma doença fatal. Após algum tempo, os sintomas desaparecerão e a pessoa poderá tentar voltar a ter a sua vida normal. Afinal, a pessoa estava apenas fazendo a sua monografia.

Como a monografia é uma coisa considerada normal, as pessoas podem até achar que este é um processo que os seres humanos enfrentam com naturalidade. Mas, não é. A monografia estressa os monógrafos e causa reações parecidas com as fases pela qual a pessoa passa antes de morrer.

Primeiro, vem a negação. Nesse período, o monógrafo trata a monografia como se ela não existisse. Olha o calendário e pensa que ainda tem muito tempo disponível e resolve viver a sua vida adoidada. Ou, pelo menos normalmente.

Depois vem a raiva. Quando o monógrafo percebe que tem que começar a fazer alguma coisa. E a sensação é de raiva. Porque eu preciso fazer isso? Que merda, maldito seja o mundo!

Chegamos então a fase da barganha. Que é quando o monógrafo começa a tentar fazer sua monografia e percebe o tanto de coisa que tem que fazer. O normal então é pedir ajuda para deus. “Ajude-me a fazer a monografia e eu começo a ir à igreja”. No entanto, esse pedido também pode ser feito aqueles scraps do Orkut que se oferecem pra fazer o trabalho.

O passo seguinte é a depressão. É a sensação de que sua vida acabou, que você jamais vai conseguir fazer isso, que nunca vai se formar e se tornará eternamente alguém frustrado. É a fase mais duradoura.

Finalmente chegamos a aceitação. Quando você aceita a situação, seja qual for. Ou você faz o trabalho ou se consola em fazer apenas no semestre seguinte, ou resolve que o diploma não é assim tão importante e que os conhecimentos adquiridos ao longo desses quatro anos serão muito úteis.

Existem várias maneiras de reagir a essa fase da vida.

Tranqüilidade: Os tranqüilos são aqueles que nas conversas com os amigos se mostram sempre tranqüilos com a sua situação. Que estão escrevendo, sabem o que fazer e que tem confiança de que tudo vai dar certo. Pura pose. Na verdade, os tranqüilos têm surtos de desespero no quarto e antes de dormir tentam se sufocar no travesseiro para abreviar a dor. E os tranqüilos são os piores, porque eles fazem isso apenas para ver a cara de desespero dos seus colegas diante do seu sucesso.

Desespero: Esse é o mais normal. Encaixa-se em todos os sintomas mencionados no começo do texto. O desesperado pode ser tanto melancólico, quanto abatido, quanto desiludido.

Desespero em excesso: É a versão extrema da categoria acima. Combina o abatimento melancólico com um estado de nervos elétrico. Inquietação. É como se a pessoa tivesse tomado doses cavalares de cafeína.

E a monografia traz seqüelas. Você nunca mais será o mesmo, nunca mais uma dissertação, um artigo, ou qualquer coisa acadêmica passara imune a você. Não tem aquela história de “ah se precisar faço, se não, não faço”. Você pode tanto tomar um horror eterno, ter pesadelos e calafrios quando escutar essa palavra ou, pelo contrário, pode tomar gosto pela situação e fazer especializações, mestrados, doutorados, publicar artigos científicos mensalmente e etc.

Enfim. A vida de um monógrafo é uma desgraça pura. Só não é pior do que a vida do jornalista. A não ser que você seja um jornalista fazendo monografia. É tanta desgraça para uma vida, que, dizem, prisioneiros de guerra no Sudão são obrigados a serem jornalistas e a apresentarem monografias mensalmente.

Os monógrafos sonham com citações. Acordam pensando em referências bibliográficas. Em cada ato do seu dia eles pensam na metodologia a ser usada. Tem pesadelos com a ABNT.

Você vive com a eterna sensação de que seu dia está encurtando. Você se esquece das estrelas do céu, do sol que brilha e... (o parágrafo foi censurado, por ser extremamente parecido a um livro de auto-ajuda).

E não há nada para se fazer com isso. Apenas terminar a monografia. Triste.
*****
Abrimos os nossos comentários para que você, CHnauta, compartilhe a sua experiência. Tal qual uma seção de Monógrafos Anônimos.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

O Festival Planeta Terra 2008

(Antes de começar esse post, gostaríamos de homenagear nosso amigo Zequias, um dos caras que mais influenciam esse blog com seu modo de vida. O Zequias é o único ser humano no mundo que teve a data de nascimento alterada pelo orkut. Um cara que escala rampas, lê livros no celular e tem tudo no seu pen drive. O aniversário do Zequias é para o CH3 como se fosse o natal).

Dia 08 de novembro aconteceu o Festival Planeta Terra em São Paulo, e este que vos fala esteve presente.Viajei um dia antes. No aeroporto, Guilerme e o Cão Leproso estavam lá para se despedir e dar votos de felicidade. Quando eu estava prestes a embarcar, fui surpreendido pelo insuportável Alfredo Chagas, que chegou pra mim, e disse: "Escreva uma resenha do festival pro blog". Falei: "Não vou escrever porra nenhuma." Ele me ameaçou dizendo que se não fizesse, iria bombardear o blog de comentários anônimos. Pensei "Puta Merda." Mesmo sendo uma ameaça idiota, resolvi escrever um texto sobre o festival, no fim das contas. Aqui vai. Tome fôlego, pois o texto é bem longo.

Bem, eu fui lá com o único propósito de ver o Offspring. Era o único show que eu queria de fato ver, então se não quiserem, não confiem nem um pouco no que eu vou escrever. Afinal, esse texto não é profissional e nem tem o intuito de ser. É um texto bem de fanboy mesmo.
O evento ocorria num lugar chamado Vila dos Galpões. Cheguei lá umas 15:30, uma fila imensa, não entendi porque, quando entrei estava bem vazio. Mas só no começo. Depois aquele lugar abrigou cerca de 15.000 pessoas em 12 horas de festival. Uma das coisas boas era que lá você se sentia menos horrível, pois o número de gente esquisita era imensurável. Mas nesse tipo de festival, isso é natural.
O esquema lá era o seguinte: tinha o "main stage", onde iam tocar as bandas conhecidas, o "indie stage", onde iam tocar as bandas que ninguém conhecia e a tenda eletrônica, que como você já deve ter imaginado, tocava música eletrônica.
Fiquei um pouco na praça de alimentação, até começar o primeiro show do festival (no indie stage), que foi Brothers of Brazil, a banda do Supla com o irmão dele. E o show deles foi incrivelmente bacana! Eles tocam um rock bossa nova bem legal, com o Supla na bateria e o irmão na guitarra, fizeram também uns covers de mpb e dos Ramones. Nunca gostei do Supla, acho ele escroto na verdade. Mas a apresentação dele foi muito legal.

Daí teve o show do Vanguart no main stage. Pra quem já viu um show deles, foi o de sempre. Prefiro nem comentar. Procurem aqui no Zona Punk sobre a apresentação deles.
Meia hora depois no mesmo stage tocou Mallu Magalhães. Foi extremamente chato. Pra começar, ela estar ali já era uma grande contradição. A guria tem 16 anos e o festival barrava qualquer um que tivesse menos de 18! Depois de um tempo com ela tocando, o pessoal começou a sair dali. Fiz o mesmo e dei um pulo no indie stage pra ver o que estava acontecendo. Estava tocando uma tal banda que se chama Animal Collective. Obviamente nunca tinha ouvido falar. E preferia nunca ter ouvido. Foi uma experiência horrível. Uma das piores coisas que eu já ouvi na minha vida. Um conjunto aleatório de barulhos eletrônicos e distorções com um vocal lento e pacato. Pode até ser que essa era uma daquelas bandas contemporâneas que fazem um som tão alternativo que meros mortais jamais conseguiriam compreender, mas era uma tortura imensa ficar ali. Tive que sair e voltei pra praça.

Mais tarde ia tocar The Jesus and Mary Chain. Não sou fã, conheço muito pouco, mas fui ver porque a banda ia tocar logo antes do Offspring. A essa altura o lugar já estava pior que um formigueiro. Fui nadando nas pessoas até chegar o mais perto possível do palco. E o show deles foi bacana. Meio dark, o guitarrista quase nunca se virava para o público, mas deu pra aproveitar um bocado, apesar do Guilherme dizer que nos shows eles tocam as músicas dos cds mais chatos.
Então veio o show do Offspring. Logo no começo já dava pra ver que seria a banda com mais público. De 10 pessoas com camiseta de banda, pelo menos 7 eram do Offspring. E realmente, estava entupido de gente na pista. Eu tentei ficar na frente e mal conseguia respirar. Quando começou, foi uma insanidade sem tamanho. Era impossível ficar em um lugar só. Rodas punk eram imperativas. Pirâmides humanas e crowd surf também ocorreram. Não sei como sobrevivi, fui pisoteado, estraguei meus tênis, minha calça e minha jaqueta e teve uma hora que uma mochila voou na minha cara. Era justamente isso que eu queria ver. Como fã, digo que foi um show digno, excelente, com várias clássicas e as melhores novas.

Depois desse show eu estava completamente moído. Descansei durante a apresentação do Bloc Party, que só vi de longe. A polêmica pairava no ar, depois de terem feito playback no VMB. Mas o vocalista de nome engraçado se desculpou e prosseguiu com o show. Não conheço nenhuma música deles, então depois de descansar fui balançar o esqueleto na tenda eletrônica, onde pude pôr em prática a dança do robô.

Por volta da 1:30 da manhã o Kaiser Chiefs começou a tocar. Também não conheço quase nada deles. Só uma música chamada Ruby, porque tem ela no Guitar Hero 3. Enfim, a essa altura o pessoal já tinha debandado bastante, ficaram mais os fãs ali. O vocalista estava completamente bêbado e ficava tentando falar umas frases em português que ele tinha anotado num papel. Toda hora ele tentava falar que o tecladista era um herói dizendo "ili i um heroi", por causa da operação do apêndice dele. E também falava bastante "somos Kaiser Chiefs". Depois de um tempo ali eu já não agüentava mais, queria deitar no chão e dormir. Estava quase morto, afinal já estou ficando velho e não tenho mais aquela resistência típica dos mais jovens.

Enfim, o festival valeu a pena. Só consegui recuperar minha voz hoje. Tiveram outros shows também, mas pra falar a verdade, ninguém liga pra eles. Um dos momentos mais quentes do evento foi o Noodles, guitarrista do Offspring que antes de tocar Self Esteem, a última música, fez uma homenagem a nosso querido Ronaldo:

domingo, 9 de novembro de 2008

A maior volta de todos os tempos

Domingo, 2 de novembro de 2008, há exatamente uma semana em Interlagos o piloto inglês Lewis Hamilton ganhou seu primeiro título na Fórmula 1. Foi uma boa corrida, vencida pelo brasileiro Felipe Massa, que infelizmente perdeu o título do campeonato por 1 ponto. Se você se liga um pouco em automobilismo ou acompanhou os noticiários já deve estar sabendo disso.

A temporada 2008 de Fórmula 1 foi bem disputada, mas o final foi bem sem graça para Hamilton, que ganhou o título sem nem subir no pódio, ficando em quinto lugar. Além do mais, a equipe campeã foi a Ferrari de Massa, com 172 pontos contra 151 da McLaren.

O grande ápice da corrida aconteceu na última volta, quando Massa era o campeão e Hamilton recuperou o título na última curva, por isso muitos já a consideram a melhor última volta de todos os tempos, mas CH3 discorda. Existe na história do automobilismo uma volta muito mais dramática e emocionante, veja:


A emblemática vitória de Cirilo sobre Jorge Delsalto em Carrosel marcou uma geração, e ainda hoje embala reuniões do DCE, como a libertação da oprimida classe proletária contra o imperialismo norte americano. mas lembramos que nessa época Cirilo era rico, e corria com patrocínio da Porsche, disputando contra outro mexicano.

Em breve CH3 contará por onde anda os personagens de Carrosel e explicará várias questões pendentes, inclusive o motivo da ausência de Cirilo nos episódios finais da novela.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Análises de um ano análises


Não, esse texto não será sobre idas ao psicanalista.

Era novembro do ano passado. Eu estava em uma aula de telejornalismo. A aula estava monótona. Ao meu lado, uma garota lia uma revista SINA. Lá estava uma matéria feita por uma colega nossa e pelo nosso antigo professor Elton Rivas. Não me lembro do que era a matéria. Eu não a li. Se eu não me engano, era algo relacionado aos 15 minutos de fama.

Na assinatura da matéria estava escrito que Elton era cover do Sidney Magal, e que também escrevia em um blog. Resolvi acessar o blog, afinal. Porque? Ué, qualquer um pode fazer isso. Lá vi que ele chorou assistindo o filme “O Campeão”. Mas, o post do dia 29 de outubro é que trouxe uma grande revelação.

Ele falava sobre o Google Analytics. Um contador de acessos que informava desde o local do acesso até as preferências sexuais do visitante do blog. Achei interessante ter um contador de acessos mais eficiente, principalmente depois da falência do nosso antigo contador. Ele zerava, aumentava e diminuía o número de acessos. E, nós estávamos começando a levar o blog mais a sério.

Demorei uns dois dias para me lembrar de ver o que era esse tal Google Analytics. E então, o coloquei no blog na noite do dia 4 de novembro de 2007. Assim sendo, o dia cinco de novembro, foi o primeiro dia em que pudemos ver o perfil de nossos visitantes.

Aliás, essa ferramenta do Google, sem dúvida, tem pacto com o demônio. Foi essa a primeira sensação ao ver que ele informava a quantidade de acessos, as exibições de página, o tempo médio dos visitantes no site. Além do sistema operacional, do navegador, da versão do flash, do tipo de conexão. E todas essas informações ainda na cidade das pessoas. Fora a maneira como as pessoas faziam pra chegar ao blog.

E aí estava o mais impressionante. Ele fornecia o que a pessoa procurou no Google pra cair no blog. Desde então duas coisas aconteceram na minha vida:
1) Nunca mais fiz uma busca em paz no Google.
2) Ri diversas vezes com as palavras buscadas.

Pois bem, no dia 5 de novembro do ano passado nós tivemos 24 acessos no blog. O que nos parecia sensacional. No dia 5 de novembro desse ano foram 93 visitas. Quadruplicamos as visitas, praticamente. Assim sendo, em 7 anos nós passaremos do 1 milhão de acessos diários. O nosso recorde de visitas foi no dia 20 de agosto desse ano quando 531 pessoas entraram no blog. Tudo isso por conta das buscas pela história do Brasil nas Olimpíadas.

Nesse período, 28685 pessoas entraram no blog. Uma média de 78 por dia. Foram 38534 exibições de página. E de cada cinco pessoas que entram no blog, quatro dizem “puta merda, não era isso que eu queria” e saem do blog.

Foram 992 visitas de fora do Brasil. Portugal, Estados Unidos, Japão, Alemanha e França são os países com mais visitas. Foram 60 países no total. Lisboa, Porto, Luanda, Sacavern e Castro Valley (?) são as cidades do exterior que mais entraram por aqui. E as cidades brasileiras com mais visitas são Cuiabá, São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Salvador. João Pessoa é a cidade que mais tempo fica no blog.

Nossos visitantes preferem Internet Explorer 7.0,Windows XP, resolução 1024x768. Nós preferimos Visa e Mastercard. Não gostamos de Credicard.

A maior parte das pessoas que entram no blog, o fazem através do Google. Foram 22337 visitas assim. A palavra chave mais procurada? Brasil nas Olimpiadas, 4206 vezes. Fora todas as variações possíveis. Destacamos também as buscas por “doenças perigosas”, “empalação”, “teste da viadagem”, “como se tornar popular”. Além de festa do cabide, frases para MSN, looners.

Fora as buscas esquisitas. Só ontem tivemos buscas por “flexões penis toalha” “garotas de programa em barra do garças” “pornô de anão” e “tudo sobre a partisipação do brasil nas olimpiadas”. Sim partisipação.

O site que mais nos deu visitas foi o Orkut. 1587 pessoas entraram por aqui clicando em um link do Orkut. A maioria clicando no perfil. Algumas poucas pela comunidades, ouras por scrap. E uma pessoa de João Pessoa entrou no blog através de um depoimento. Foram várias visitas pelo e-mail também, e o blog que mais nos rendeu visitas foi o blog da Laíse.

A página mais visitada nesse tempo foi o Brasil nas Olimpíadas. Foram 14902 visitas. Mais do que a nossa página inicial. Depois dessa postagem, várias outras sobre as Olimpíadas. Com destaque para o vôlei e os esportes disputados na água. E, fora as Olimpíadas, as cinco postagem mais populares são: Teste psicotécnico, Como conquistar um homem, o incompreendido fetiche por balões, mensagens subliminares e como se tornar popular.

Enfim. O que acontece é que o Google sabe tudo o que você faz. E agora, esperamos para saber quantas visitas teremos em nosso segundo ano de análises.

E ah, antes que vocês perguntem: Nós podemos saber a resolução de tela, o sistema operacional, se você já entrou no blog. Mas não podemos saber o seu nome. Fiquem tranqüilos.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Guia CH3: Como ser um publicitário de sucesso.

Por muitos anos, a profissão do publicitário foi glamourizada, graças a Washington Olivetto, Duda Mendonça, Roberto Justus, entre outros. Quando aplicada à prática, todos vêem que as coisas são diferentes, que a maioria dos clientes não sabe o que quer, acha que entende tudo do que você faz, pede tudo na última hora e no fim das contas você acaba fazendo tudo nas coxas. Isso sem falar nos corel-men das gráficas, moleques espinhentos que disputam nosso mercado e são responsáveis pela maioria dos abortos artísticos que vemos por aí.

Bom, para driblar tudo isso, publicamos aqui um guia para se tornar um publicitário de sucesso. Seguindo esse guia, você estará pronto para o mercado. Pode até colocar esse guia no curriculum.

1) Na hora que for inventar um nome pra um produto, olhe a seu redor. Pegue as primeiras letras ou sílabas de cada coisa que você ver e forme uma palavra com elas. Se precisar, modifique alguma coisa no resultado final.
2) Logomarcas simples estão fazendo mais sucesso nos dias de hoje. Pegue uma fonte fina, digite o nome da marca, coloque um símbolo simples (um círculo, um quadrado), jogue um efeito e pronto! Você tem uma logo convincente e vai receber uma boa grana por ela!
3) Nos seus vt's, coloque o máximo de referências a filmes que você conseguir.
4) Para roteiros de spots (rádio), pense num anúncio das Organizações Tabajara. Aplique o mesmo princípio ao produto de seu cliente.
5) No final das contas, uma gostosa sempre resolve qualquer problema. Procure sempre colocar gostosas nos roteiros para vt. O público masculino vai ficar atraído e o público feminino vai querer ser como ela. Funciona com qualquer tipo de produto.
6) Tenha um banco de imagens gigantesco. Quando você precisar criar algum anúncio, consulte-o. Invente alguma conexão entre uma das imagens e o produto anunciado. Ou seja, você vai fazer o processo inverso. Primeiro a imagem, depois a idéia. Tem funcionado com algumas agências por aí...
7) Está sem idéias? Dê uma olhadinha no que já foi feito. Não se trata de copiar, mas sim de buscar referências! Por isso que publicitário tem mania de ficar catando flyer por aí.
8) Compre os juízes das premiações em publicidade que sua agência participar. Depois, faça milhares de outdoors dizendo que sua agência ganhou X prêmios.
9) Pra ter mais lucro, corte alguns gastos na agência, tais como cafezinho, ar condicionado, salário dos estagiários, etc.
10) Invente tendências bizarras. Washington Olivetto colocou os suspensórios na moda de novo. Quando você já for reconhecido, seja excêntrico. Use mullet, vista-se de mendigo, cueca por cima das calças, orelhas de Mickey, qualquer coisa vale.

Enfim, apesar do publicitário não ser aquele popstar que certa vez se tinha idéia, seguindo esse guia, ao menos você vai ter sucesso.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

O Tigre e o Corinthians


Na última terça-feira fui até o estádio do Verdão assistir um jogo de futebol entre Mixto e Corinthians. Apesar de ser apenas um amistoso, um bom público foi ao estádio. Porque, é claro, dificilmente equipes de futebol costumam a freqüentar os gramados cuiabanos.

O congestionamento foi o de sempre nos jogos do Verdão. A chuva caia levemente na cidade. E um monte de pessoas usando camisas roxas estava indo para o estádio. Foi a primeira vez que fui às cadeiras do Verdão. Como estava chovendo, achei bem interessante ficar em um lugar coberto. Meu medo era encontrar algum conhecido, que pudesse pensar que eu era corintiano. Ser confundido com corintiano é humilhante.

Mas, os conhecidos eram apenas os jornalistas que estavam no gramado. Que antes da partida começar estavam falando ao celular, e acenando para seus amigos na arquibancada. Reconheci uns três. Um fotógrafo que estava com uma câmera do tamanho de um tanque de guerra estava com um laptop para descarregar as fotos. Mas, eu juro que em um momento o vi acessando o Orkut.

A primeira coisa que me chamou a atenção foi uma faixa do outro lado do estádio escrito “Fiel Paranatinga”. Corintianos de Paranatinga. Isso era um sinal de que o estádio poderia desabar. Todos sabem que uma simples faixa, qualquer referência à Paranatinga pode ser um sinal de azar tremendo.

O jogo começou. Com certo atraso, porque a TV tava entrevistando o goleiro Felipe dentro do campo. A torcida às vezes cantava, e às vezes ficava de saco cheio. A torcida do Mixto também cantava às vezes, por incrível que pareça. O jogo era bem chato. A garoa parou, e a única expectativa era saber quanto tempo o Mixto agüentaria até tomar o gol. Foram 15 minutos. Logo depois que a torcida começou a chamar uma menina que passeava pelo gramado de “gostosa”.

Então, o grande atrativo do jogo foi o mascote do Mixto. Que é um tigre. Porque um tigre? Não sei. Existem tigres em Mato Grosso ou no Brasil? Não. Não seria muito mais interessante que fosse uma onça do pantanal? Sim. Mas enfim, o mascote era um tigre. Eu primeiro pensei “coitado do cara, nesse calor de Cuiabá usando uma fantasia dessa”. Certa hora ele deu uma cambalhota e eu pensei “que merda”.

Mas ele não era apenas um tigre. Era um tigre que todos gostariam de ser. Vestido com aquela fantasia que parecia um Haroldo do Calvin gigante, ele era irreconhecível. Então, ele aproveitou essa situação para sacanear a torcida. Passou o jogo inteiro acenando sarcasticamente para os torcedores corintianos. O pessoal xingava o tigre, e o tigre chamava a torcida para a briga. Certa hora ele abraçou uma menina para tirar uma fotografia e ficou mostrando pra torcida “Olha eu aqui com uma gostosa”.

Certa hora o tigre desapareceu. O grande problema do jogo então foi um gordo de cavanhaque que se sentou na minha frente. Ele passou o jogo inteiro gritando e xingando as pessoas. Ele nem saberia o nome de nenhum jogador lá. E ainda estava se achando o cara mais foda do mundo por estar aparecendo. Gordos de cavanhaque sempre são esdrúxulos.

O intervalo chegou com o Placar de 1x0. E então, começou a tocar Axé. Ivete Sangalo. “vamos para um bar, beber cair e levantar” e “sou praieiro, sou guerreiro, to solteiro” e os “Pula, pula, sai do chão”. Sabia que a faixa de Paranatinga era um sinal do apocalipse. No entanto, a luz acabou. O que poderia parecer azar para algumas pessoas, era apenas a prova da piedade divina. Deus nos poupou do axé. Saí do jogo direto para uma igreja evangélica.
Ainda veio um aviso de que a Cemat havia previsto a queda de energia. Resultado da contratação de Pai Jorginho de Ogum pela empresa.

O segundo tempo começou e o Corinthians logo fez 2x0. A impressão é que o jogo terminaria em goleada. Mas, isso não aconteceu. Os dois times perderam uns 30 gols, numa prova de que a ruindade é contagiante.

E o tigre reapareceu. Sacaneou os torcedores mais um pouco, fez brincadeiras e provocou todo mundo. Todo mundo gostaria de ser esse tigre por pelo menos um dia. Poder sacanear um multidão, separado por um fosso e protegido por uma fantasia. Quem é que não gostaria de ir em frente da torcida do Flamengo (escolha seu time preferido), e ficar fazendo gestos obscenos sem correr nenhum risco?

A partida terminou 2x0 para o Corinthians. Mas o Tigre foi o craque do jogo. E apenas por ele o placar do jogo deveria ter sido um empate em 2x2.

*A foto é de autoria do Leonardo Miranda. Jornaleiro cuiabano.

sábado, 1 de novembro de 2008

Fetiche: pochetes

Bom, é o seguinte. O post de hoje começa com um caso que precisa ser relatado. Sobre o maníaco da pochete. O caso chegou a conhecimento público com a denúncia de uma vítima na comunidade da Cabofolia no orkut: segundo ela, é um cara que aparece nessa tradicional micareta do Rio de Janeiro. Ele é conhecido por ser de estatura média, cabelo raspado e por usar uma pochete na cintura. Ele seduz suas vítimas, promete dar a elas a noite dos sonhos... e quando leva elas para seu quarto, ele fica nu, só com a pochete na cintura e pede para elas lamberem a pochete. E também pede para lamberem o "pênis esquisito" dele, que segundo ela, é tudo torto. Se a garota não fizer as duas coisas, ele a tranca em sua pick-up.

Pois bem. Agora eu fiquei encarregado de escrever sobre o fetiche por pochetes. Mas não, cara, eu não vou fazer isso, na boa. Puta que pariu, fetiche por pochetes?? Onde já se viu uma coisa dessas?
Fala sério, pochete é a coisa mais ridícula que existe. Dá uma olhada:
Viu? Veja de novo, olhe bem:Agora eu pergunto: quem anda por aí usando pochete? Não, pior ainda: como diabos uma mulher é seduzida por um cara que usa pochete? Quem que cai na conversa de um cara de pochete? Só imaginem e me digam, vocês mulheres, se vocês iriam pra cama com um cara que aparecesse pra vocês com uma pochete na cintura.

E é por isso que eu não vou falar sobre fetiche por pochetes coisa nenhuma. Tudo bem que eu sou o responsável por textos sobre fetiches do blog. Alguns eu defendo firmemente como o fetiche por pés e por se besuntar. Outros eu acho bizarros, como o fetiche por encoxadinhas e o fetiche por balões. Eu acho esquisito, mas beleza, falo sobre eles numa boa e até defendo os praticantes, afinal, cada um é cada um. Agora, tudo tem um limite, fala sério. Imagina a cena da menina lambendo a pochete do cara. Argh! Você quer que eu fale sobre isso? Sobre pessoas que curtem lamber pochetes?? Sinto muito, mas não dá, é doente demais. A gente vê bizarrices por aí, mas essa passa dos limites.

Enfim... eu desisto. Nem o Hanz é tão doente. Nem preciso falar pras garotas tomarem cuidado com homens de pochete, né? Nenhuma seria tão facilmente seduzida. Pelo menos não as CHnautas.