Ser inconveniente

Algumas situações típicas:

1. Você está no supermercado e encontra uma amiga de quem não tinha notícias há alguns anos, coisa normal, visto que ela não tem Orkut. Após cumprimentá-la você nota um bebê horrível em um carrinho ao lado dela, e na maior simpatia diz:
- Que lindo! Como é o nome dele?
Sua amiga responde:
- Não é ele, é ela, se chama Fernanda.
Você fica sem graça querendo enfiar a cara no pacote de ração canina na prateleira ao lado.

2. Você está naquela roda no aniversário de uma amiga e surge um assunto de grande relevância, como a briga da Luana Piovani com o Dado Dolabella, então você diz:
- Aquele Dado é um viadinho, isso é falta de pinto pra ele!
É o momento em que você se lembra que o Zequinha, que todo mundo sabe que é gay mas não sai do armário, está na mesa.

3. Você encontra um amigo de infância que também não tem Orkut e você não via há muitos anos. Tentando ser engraçado você comenta:
- Cara, e aquela sua irmã mais velha hein, que tesão, até hoje tenho vontade de traçar ela!
O seu amigo muda de fisionomia e responde:
- Pô cara, ela morreu! Você não tem o mínimo de respeito.

Este post surgiu de uma situação extremamente desagradável que presenciei ontem pela manhã. Alfredo Chagas, um inconveniente de carteirinha, pediu pro Cão Leproso lhe dar uma mãozinha na pintura de um cartaz anti-globalização. Protestar contra a globalização já é sem noção, agora pedir uma mãozinha pra um cachorro sem braços já passa de qualquer limite.

Eu por exemplo passo por situações constrangedoras por não lembrar do nome das pessoas. Se algum dia nos vermos na rua, é bem provável que eu diga “E aí, tudo bem? Como está a correria?” e encerre a conversa antes de você perceber que não me lembro do seu nome.

Perguntar como vai a correria aliás contém um certo risco. Se você estiver conversando com um paraplégico, evite a palavra correria. Perguntar como ele anda então já é uma ofensa mortal.

As chamadas gafes podem acontecer com qualquer pessoa de bem. É praticamente impossível passar uma vida inteira ileso a elas. Mas há casos em que a gafe acompanha a pessoa por onde ela vá, e isso pode ser uma falta de sorte, como acontece com um dos membros deste blog, ou pode ser um caso de pessoa inconveniente. Sim, existe uma classe especial de seres destinados a provocar situações constrangedoras, são criaturas maléficas, frias e calculistas ou simplesmente muito burras para perceber as catástrofes que são capazes de causar.

As crianças e os velhos se encaixam nesta definição melhor do que ninguém. Estar perto de uma criança é correr o risco de passar vergonha a qualquer momento. Quer mentir a idade do seu rebento pra não pagar ingresso no cinema? Pode se preparar, ele irá desmenti-lo na frente da bilheteria, não importa o que você faça. Alguns casos chegam ao extremo, como um garoto que eu conheço, vamos chamá-lo de M, que quando mais novo dizia para as pessoas que elas não tomavam banho. Acha isso constrangedor? Pois não é nada. Se ele fosse na sua casa, era melhor servi-lo com o que tivesse de melhor, ou ele dizia:
- Aqui vocês não servem refrigerante pra visita não hein? Não tem nem uma coca? Tsc.

Crianças são entidades cruéis, e enquanto algumas se recuperam e encontram a salvação, outras ficam velhas e se tornam o procurador do demo na Terra. Se você duvida, pense na criança mais terrível que você conhece e acrescente à ela 60 anos de experiência. Qualquer semelhança com aquela sua tia fofoqueira não é mera coincidência.

Os inconvenientes estão por toda parte, são de toda raça, sexo e idade, além de serem especialistas em espantar as pessoas à sua volta com perguntas no fim da aula, histórias épicas sobre si mesmos, comentários fora de hora e beliscões em mamilos alheios.

Se você já passou por alguma situação constrangedora causada por um inconveniente, aproveite conte pra gente, mesmo que o inconveniente tenha sido você mesmo.

Comentários

Gressana disse…
Bem, eu sou o membro do blog citado no texto.
Mas eu não faço por mal, todos sabem disso!!
Mas hahahahaha, excelente texto, ahehaehaheahe!!!
Alguém precisava alertar sobre esses inconvenientes, ainda mais os que beliscam mamilos.
Os próprios e os alheios.
Anônimo disse…
ola, eu preferi nao me identificar pois sou um inconveniente. E gostaria de me preservar, pq o ultimo inconveniente que eu vi se expondo, sofreu serios problemas na sociedade sendo, inclusive, violentado.
Mas essa não é a razão do meu post, a questão é que ser inconveniente é uma disfunção genetica, pois não escolhemos nascer assim. Somos como mutantes, e temos, inclusive, uma associação. Secreta.

Dominaremos o mundo. E estamos mais proximos do que você imagina.

its-yan UCHERBENG!
Guilherme disse…
Que medo do post do anônimo aí.

Mas, há dois tipos de inconvenientes. Aqueles que causam constrangimento para sí mesmo, e os que causam constrangimento para os outros.

Há também os bons, aqueles que conseguem se constranger, e constranger os outros ao mesmo tempo.
Matheus disse…
quem sera este M doente ¬¬
'Aproveitando o post:
- Ninguem vai me servir uma coca ou algo assim? tsc
Mariana. disse…
como foi sabiamente dito, todos nós passaremos, pelo menos um dia, por uma situação constrangedora.
Meu pai é mestre nisso.

Uma vez ele encontrou um casal de amigos q ele n via fazia um tempão. Dai conversa vai, conversa vem..
- Mas parabens, vi que sua mulher vai ter um bebê! a barriguinha ja ta aparecendo... menino ou menina?!
- É... minha mulher não tá gravida.
OPS.

Teve um dia tbm que ele encontrou um velho amigo que tava com um garotinho de uns 8 anos e meu pai fez o favor de perguntar se era neto dele ("então vc já é vovô?").
Claro que o garoto era filho do cara.
Sem comentários.
Thiago Borges disse…
Meu Deus!! Os inconvenientes estão mesmo querendo dominar o mundo.

Sinto lhe informar Mariana, mas seu pai reúne todos os sintomas da terrível Inconveniência Aguda.
Mariana. disse…
Então só me resta torcer pra que isso não seja hereditário...
Livinha disse…
E quando você encontra aquele conhecido e pergunta que curso ele tá fazendo...

- Que legal, tá fazendo Biologia onde? Na UFMT?

- Não, na UNIC...

- Ah, que legal (querendo morrer)!!