sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Guia CH3: Como Sobreviver em Cuiabá

Sobreviver não é exatamente a tarefa mais fácil do mundo. Sim, eu diria que é o maior desafio do homem. Se você não sobrevivesse, você não seria capaz de escalar o Everest num pé só, atravessar o Oceano Índico nadando cachorrinho ou pular de paraquedas da lua. Diria que sobreviver é o primeiro passo das grandes conquistas. Sobreviver em Cuiabá então é uma tarefa ainda mais complicada, diria que hercúlea.

A vida em Cuiabá oferece uma série de perigos que poderiam te matar instantaneamente. Neste post, nós listamos alguns dos principais riscos e consultamos uma série de especialistas em sobrevivência como Jimmy Wales, Zacarias, Les Strud, Les Paul, Tim Maia, Bear Grylls, Casagrande e Alfredo Humoyhuessos para mostras as possíveis escapatórias.

Risco 1: Morrer queimado
Acontece
Em Cuiabá, são registrados 78 óbitos por ano de pessoas que foram queimadas vivas pelo sol. Pessoas que estavam esperando o ônibus e que antes que pudessem perceber foram carbonizadas imediatamente. Outras tantas morreram em queimadas urbanas, quando o local em que elas estavam começou a pegar fogo misteriosamente. Ainda temos óbitos registrados para pessoas que evaporaram graças ao calor e ao ar seco.

Esta é uma situação complicada. Você não pode simplesmente passar o dia inteiro dentro de um tonel de água, porque é grande o risco de ser cozinhado vivo. Também não dá para se proteger debaixo das árvores, porque elas podem pegar fogo automaticamente.

A única solução para este caso é ficar dentro de casa com o ar-condicionado ligado. Faça um canal em volta da sua casa e encha-o de água, isso evitará que o fogo chegue até a sua residência.

Risco 2: Ser atingido por uma manga
A partir de agosto, as mangueiras – principal árvore nativa da região – começam a produzir os seus frutos. São as chamadas mangas, frutas de cor amarelada, que pesam aproximadamente 300g. Como as mangueiras são árvores altas, uma manga pode atingir alta velocidade durante uma queda e o seu impacto contra o solo pode ser de aproximadamente 50 kg. Contra o solo e contra a sua cabeça.
Ver a mangueira caindo
Quem mora em Cuiabá conhece alguma história triste de alguém que perdeu um familiar vitimado por uma mangada. Um problema difícil de solucionar. Mas, nós sugerimos que você utilize um capacete. Dê preferência aos fabricados com kevlar.

Risco 3: Choques
Durante a época da seca, uma das causas mortis mais comuns em Cuiabá é o choque provocado pela porta do carro. Um mistério que ainda intriga os cientistas do mundo inteiro. Apesar das portas de carro serem os principais agentes eletrocutadores da cidade, os choques também podem ocorrer através do contato com árvores ou mesmo com outras pessoas. O que talvez ajude a explicar porque os seres de lama dos Power Rangers soltavam faísca: eles lutavam em Cuiabá.

Para evitar ser eletrocutado em Cuiabá, você deve utilizar alguma roupa que seja um isolante total. Utilize roupas de borracha ou então se enrole em fita isolante. Faça como o Hanz, o pansexual. E use camisinha. Ao redor do corpo inteiro. Também tome cuidado com os choques térmicos e os choques de gestão.

Risco 4: Trânsito
Aproximadamente 77,45% das mortes violentas em Cuiabá estão ligadas ao trânsito. Sejam nos acidentes, nos atropelamentos, nas mortes por fuzilamento após discussões ríspidas, ou ainda, no cidadão que chega em casa, estaciona o carro e mata a mulher e os vizinhos por conta do stress que ele sofreu no trânsito. Cansaço mental provocado por diversos fatores, como o calor, a fumaça, o barulho e congestionamentos quilométricos provocados pela falta de habilidade de alguns motoristas diante de um sinal aberto.

Para sobreviver ao trânsito cuiabano, nunca se esqueça de blindar o seu carro. Tenha sempre a mão um kit de sobrevivência para passar a noite, caso o trânsito esteja impossível, ou ainda realizar pequenas cirurgias.

Risco 5: Itapajé-Santa Amália
Um dos principais roteiros turísticos de Cuiabá, a linha de ônibus que atravessa a cidade tem um itinerário tão longo que nem assíduos leitores de James Joyce conseguiram chegar até o fim. Basicamente não há solução para a questão de como sobreviver a viagem entre o Itapajé e o Santa Amália. Ninguém jamais completou o percurso e os especialistas acreditam que ninguém viveria tempo o bastante para completar o trajeto.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Melhores Momentos de November Rain

O Clipe de November dos Guns and Roses é um dos piores momentos da história da humanidade. Por um motivo simples. Ele junta duas das piores coisas já criadas pela sociedade contemporânea: clipes dos Guns and Roses e baladas Hard Rock. O CH3 se dispõe ao árduo trabalho de separar os melhores momentos desta pérola de nove minutos e oito segundos de duração.



00:00 O Clipe começa com Axl Rose tomando remédios controlados para conseguir dormir. Não é uma tarefa fácil quando se tem uma escultura de um Jesus aleijado na sua cabeceira. Axl sonha com ele tocando seu piano em lugares aleatórios e com o André Rieu de maestro em um show da banda.

00:42 A igreja tem um Chroma Key na janela. Quem disse que a Igreja não se rende a modernidade?


01:30 Após Cristo chorar sangue, Valderrama tocar flauta e Axl se revirar na cama, finalmente a música começa pra valer, com suas marcantes viradas de bateria com eco. Ao que tudo indica, vamos para um casamento.

02:25 O padre pergunta se o cantor está certo que ele quer aquilo e um filme começa a passar na sua cabeça, como se ele estivesse morrendo. Seria uma comparação entre o casamento e a morte? Protógenes pediu que esta cena fosse banida dos cinemas brasileiros por fazer apologia às drogas.

02:58 Reparem que o casamento parece ser em um lugar enorme. Eu chutaria que é na Abadia de Westminster.

03:06 Slash teme ter perdido as alianças no seu cabelo, mas descobre que tudo foi uma pegadinha do Mallandro.

03:58 Slash fica puto com a situação e saí da Igreja sem ver os noivos se beijando. Mistério: a Igreja gigante por dentro, se transforma em uma capela de fazenda pelo lado de fora. Nenhum carro estacionado. Os convidados teriam chegado por teletransporte?

04:13 Slash desabafa, tira toda a mágoa da sua alma tocando uma guitarra desplugada no meio do deserto do Arizona. O diretor aproveita e faz uma série de tomadas homoeróticas do guitarrista tocando.

05:01 Acabou. O solo apenas.

05:04 Curiosamente, Axl Rose e sua mulher saem de uma igreja diferente da igreja pela qual Slash saiu. Eles são aguardados por papparazis. Parece que aconteceu um desencontro de informações.

05:23 Repare no olhar desolado da noiva ao sentar no carro.

05: 28 Slash continua solando sozinho na porta da outra igreja.
Dizem que ele continua lá até hoje

05:59 Começa a festa de casamento, com direito a um bolo de cinco andares. Desta vez, parece que Slash está no local correto.

06:15 Reparem na união da banda. Aposto que a noiva era uma groupie que passou na mão de todo mundo.

06:41 Todos dançavam felizes, até que começa a chover e as pessoas passam a procurar abrigo, desesperadas. Ao que tudo indica, Axl foi pão duro e alugou apenas o lado externo do Buffet.

06:59 O desespero por conta da chuva chega ao seu momento extremo no momento em que um retardado mental se joga sobre o bolo. Seria ele um Gremlin? De qualquer forma crianças, certifiquem-se de nunca convidar para o seu casamento pessoas que tem tendências a se jogar sobre o bolo.
Que é isso?

07:09 A mulher aparece morta, misteriosamente. Não há uma explicação lógica. Seria ela um Gremlim que morreu por conta da chuva? Slash parece não ligar muito e sobe sobre o piano para solar.

08:23 Começa a chover novamente, desta vez durante o enterro. Axl Rose mostra que aprendeu a lição e convidou apenas pessoas normais para a ocasião. Ninguém se joga sobre a lápide ou tenta  se esconder dentro do túmulo.

08:41 Axl Rose acorda assustado com o buque de flores que muda de cor.

09:08 Fim

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Campanha Eleitoral Sincera

Sonho com o dia em que teremos uma campanha eleitoral sincera. Uma campanha eleitoral em que os candidatos deixem de lado o personagem construído pelo marketing e se assumam como eles são. Assumam os seus defeitos e os suas qualidades. Suas verdadeiras origens.

Estamos cansados do perfil médio dos candidatos. Todos tiveram origem humilde. Não importa se o candidato é um multimilionário, filho de um bilionário, um bem-nascido como diriam os colunistas sociais. Ele teve uma vida humilde. Na infância, diz, ele ganhava a vida catando merda de cavalo. Mas imaginamos que a maior dificuldade que ele teve na vida foi não poder tomar Coca-Cola em alguns domingos.

Porque não temos um candidato que assume que sempre foi rico? Que sempre nadou em dinheiro, estudou nas melhores escolas, nunca pisou em um pronto-socorro e que chegou de carro para seu primeiro dia na faculdade. Mas que isso não impede que ele tenha um senso humanitário e social que o faça querer trabalhar pelos que não tiveram as suas oportunidades.

Estamos bem servidos
Todos os candidatos são bons pais, bons maridos. Penso o quão abençoada é a política que só atraí pessoas de caráter. Mesmo aqueles que já foram noticiados batendo na mulher são dignos de estrelar um comercial de margarina. Fora as questões morais. Nesse hora, para ganhar apoio da Igreja, o candidato passa a ser favorável ao sexo apenas após o casamento.

Onde estão seus defeitos? O candidato poderia assumir que abusa um pouco do álcool, quem nunca abusou? Que não se dedicou a criação dos seus filhos, que não lava a mão depois de ir no banheiro. E, nada de citar “perfeccionista” e “se dedicar muito ao trabalho” como defeitos. A não ser que você queira ser sincero demais quanto as suas pretensões no poder.

E os depoimentos? Nada é mais enfadonho do que aquela série de depoimentos feitos pelo pai, pela mãe, irmão, irmã, tia, vizinha, primeira namorada, professora do maternal, primeiro chefe, goleiro do time da pelada. Todos são unânimes em apontar o candidato como um cidadão especial. A parteira via nele um senso de justiça muito grande. A primeira namorada não esquece o brilho no olhar ao falar das desigualdades no mundo.

Novamente, santa política. Esta classe formada por mártires, altruístas, querubins. Quando é que teremos alguém falando que ele era um aluno normal, tirava algumas boas notas outras ruins, mas que era esforçado e entrou na faculdade mesmo matando eventuais aulas de botânica. Nem precisam revelar que ele batia nos coleguinhas e criou um cartel no mercado de figurinhas do campeonato.

E quando temos o debate? No dia seguinte todos os candidatos dizem que eles foram os claros vencedores. Que enquanto os outros adversários partiram para os ataques pessoais de baixo nível, apenas Ele manteve a coerência e mostrou suas propostas, obviamente as melhores propostas. Mesmo que fosse a mesma proposta que todos tem, a dele era a melhor. Você vai construir oito escolas? Eu também. Mas vou propor de maneira melhor!

A consagração das campanhas políticas sinceras seria o Day After do debate eleitoral. O dia em que o locutor eleitoral anunciaria:

“Claramente Alfredo Chagas teve um desempenho medíocre no primeiro debate entre os candidatos! Ele se confundiu nas suas falas, não apresentou nenhuma proposta e usou seu tempo para a auto promoção! Felizmente, os outros candidatos eram igualmente medíocres e não fizeram muita coisa de melhor. Por isso, vote em Alfredo Chagas, um medíocre melhor”.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O iPhone 23

Todo ano, Steve Jobs reunia uma multidão de fiéis no auditório de sua empresa, a Apple, para mostrar as novidades que ele havia criado, o que sua mente brilhante havia planejado para o futuro. Numa destas lendárias apresentações, Steve Jobs e sua gola role apresentaram o iPhone. Um marco único na vida do ser humano moderno, na história da humanidade. Só comparável a criação da roda.

Hoje, Steve Jobs já não faz mais os seus shows de Stand Up, porque ele morreu. Mas, mesmo morto, sua empresa Maçã continua na ativa, lançando novidades todo ano, para a alegria dos nerds e posers do mundo. Ou seja, talvez Steve Jobs não fosse assim tão importante, não era ele quem apertava os parafusos e qualquer cidadão calvo de camisa preta com gola role poderia estar no seu lugar.

Ontem, os aficionados tecnológicos do mundo inteiro fizeram fila na frente da loja da Apple em Nova York para comprar o iPhone 5. Uma evolução em relação ao seu anterior, o iPhone 4. O novo modelo tem diversas melhorias imperceptíveis para qualquer cidadão que tenha um mínimo de vida social, mas que são noticiadas como se fossem um novo paradigma superado pela tecnologia.

O que leva uma pessoa a ficar horas na fila para comprar um celular novo? Um celular! Essas pessoas não tinham nada de melhor para fazer não? Não tinham um sanduíche para comer, uma namorada para ver, um time de futebol para assistir. Porque estes inúteis foram para a porta de uma loja para comprar um celular? Não poderiam comprar na próxima semana? É tão importante assim ser o primeiro a ver que a nova câmera tem uma qualidade incrível?

Antes fosse para comprar o iPhone 23. Sim, o CH3 mandou um correspondente para o futuro, para setembro de 2030, para acompanhar o lançamento deste revolucionário aparelho.
O revolucionário iPhone 23

Como era de se esperar, um enorme grupo de babacas fez acampamento em frente a loja da Apple com uma semana de antecedência para comprar o iPhone 23. Eram tantas pessoas, que na mesma semana a cantora Madonna teve que cancelar 5 shows no Madison Square Garden, por falta de público. Nem mesmo a polêmica se o show era feito por Madonna ou por um holograma atraiu o público.

Quando a loja finalmente foi aberta, as pessoas se acotovelaram para garantir seus aparelhos. Sem eufemismos, foram cotoveladas mesmo. Uma senhora de 77 anos foi pisoteada. A violência foi institucionalizada nos Estados Unidos, desde que o ditador Mitt Romney reclamou que uma parcela da população acha que o Estado tem que garantir a segurança das pessoas.

O iPhone 23 é muito parecido com o iPhone 5. A cada ano, a empresa de Steve Jobs realiza uma série de mudanças aleatórias referente ao formato das bordas e a expessura, apenas para parecer que o aparelho é diferente. No entanto, os especialistas garantem que ele demonstra muitas características novas e evoluções em relação ao aparelho 22.

A máquina de café embutida agora é realmente eficiente. A maior reclamação da iGeneration é que o modelo anterior deixava o café muito fraco. O sensor capaz de congelar latas de cerveja automaticamente também funciona melhor. O modelo antigo registrou 82 pessoas que perderam dedos congelados.

O botão de congelar também foi afastado do botão de gás paralisante, o que causava muitos acidentes. Sim, no mundo militarizado, o iPhone 23 tem um verdadeiro arsenal de guerra que incluí armas não letais, escopetas e a Apple promete disparadores nucleares para o próximo modelo. Graças a isso, os iPhones superaram os fuzis AK-47 como principais armas das guerras civis africanas.

Logo que a loja da Apple foi esvaziada, uma pessoa já montou acampamento na porta. Segundo ele, era a fila para comprar o iPhone 24. Perguntei se ele realmente iria ficar 1 ano na fila. E ele disse que sim, porque com um iPhone, ele não precisa de mais nada.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Sintomas do Fim do Mundo (5)

Chuck Norris pede ajuda

Em seus áureos tempos, Chuck Norris era o típico homem que agia sozinho. One man against the world. Ofereçam-lhe um problema, uma crise nuclear, um grupo paramilitar laosiano, que ele resolve. Ele abrirá caminho com chutes e pontapés e sozinho será capaz de promover a paz mundial, brotar as flores da primavera árabe, pacificar os morros cariocas. Ao invés de UPP, teríamos UCN. Um Chuck Norris.

Família Unida com Deus pela Liberdade
Os tempos não são mais os mesmos, é claro. Hoje Chuck Norris é um senhor de 72 anos e sua pavorosa tintura de cabelo e barba denuncia a idade avançada. Podemos imaginar que hoje o Mr. Carlos Ray é um aposentado que vai comprar pão toda manha e passa a tarde molhando o jardim. Claro que ele nunca pegou fila na padaria, que o troco veio sempre exato e que as plantas nunca resistiram em florir.

Parte deste mito foi desconstruído a partir do momento em que Norris publicou um vídeo no youtube, uns 15 dias atrás. No vídeo, Chuck faz campanha pelo candidato republicano a presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, o que seria normal. Mas, mais do que isso, ele pede a ajuda de uma parcela da população para mudar os rumos dos Estados Unidos. Ele pediu ajuda

No vídeo, Chuck Norris aparece ao lado de sua mulher Gena. Ele se diz preocupado com os rumos que os Estados Unidos estão tomando e que toda a história do país poderá ser perdida se algo não for feito. Sua mulher lembra que em 2008, 30 milhões de evangélicos ficaram em casa no dia das eleições e que Barak Obama foi eleito por uma diferença de 10 milhões de votos.

Norris pede ajuda a estes evangélicos, para que eles façam o que for possível para que Deus continue abençoando a América, apelando pelo amor à família e à liberdade. “Não podemos deixar que os Estados Unidos sigam pelo caminho do socialismo ou algo muito pior”, ele diz. Gena ainda faz uma lembrança a Ronald Reagam e pergunta sobre o que nossos filhos vão pensar de nós.

O vídeo, claramente é lamentável. Poderíamos ficar horas divagando sobre o que significaria “seguir pelos caminhos do socialismo, ou algo muito pior”. O que seria este muito pior? Pela evocação a família, Chuck Norris deveria estar pensando em uma sociedade em que homens fazem sexo com outros homens de maneira institucionalizada.

O fato é que Norris está com medo do socialismo. Ele, que vencia Satanás em partidas de pôquer. Ele teme o socialismo. Ele teme Barak Obama. E ao invés de solucionar a questão com seus próprios punhos calejados ele pede ajuda. E não é a ajuda de uma pessoa. Ele pede a ajuda de 30 milhões de pessoas. Um reforço superlativo para um ex-justiceiro solitário

Chuck Norris tem medo. Chuck Norris não pode resolver seus problemas sozinho. O mundo não é mais o mesmo. O mundo vai acabar. E o CH3 se chamará CH2.
Chuck Norris se transformou na Regina Duarte norte-americana

Outros sintomas:
1) A crise de Sílvio Santos
2) A explosão de Bueiros
3) O sucesso de Michel Teló
4) O retorno ao pó

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O Nome da Bola


A bola se chamara putinha
Dos céus veio o chamado. Ou melhor, foi apenas da Rede Globo, mas dá na mesma. O nome da bola da Copa do Mundo do Brasil seria escolhido por você, é, você mesmo, telespectador do canal. Seria um batismo feito pelo povo. Mas, o voto não seria aberto. Você não poderia escrever qualquer nome. Existiriam algumas opções pré-definidas por alguém, não sei quem, mas alguém. Você poderia escolher entre Bossa-nova, Brazuca e Carnavalesca.

Certo que nomear alguma coisa nunca foi fácil. Seja o seu filho, o seu cachorro, alguma coisa que você inventou. Imagine se Graham Bell tivesse resolvido que seu invento se chamaria Aoculareponioliomitereco ao invés de telefone? E se Graham Bell se chamasse Wonarlevyston Marllon Branddon? Seria uma complicação danada em nossas vidas.

Além de tudo, a escolha do nome da bola da copa carregaria uma responsabilidade extra. Isso porquê Jabulani, a bola de 2010, era o melhor nome de bola da história, um nome que tem vida própria. E com toda essa responsabilidade, como alguém sugere que uma bola possa se chamar Carnavalesca? Quem pensou nisso? Os pais do Nissim Ourfali? Quando alguém falasse que o atacante bate bem na carnavalesca, achariam que o jogador estava agredindo a Rosa Magalhães.

Bossa-nova também era uma opção medíocre. Seria melhor se fosse Samba. A opção vencedora acabou por ser Brazuca, a menor pior. Mas, assim que os três nomes foram apresentados, a sensação era aquela de “sério que vai ser isso? Não vai dar pra mudar depois?”.

Pois, fomos submetidos novamente a essa sensação assim que o mascote da Copa 2014 foi apresentado. Nada contra o mascote em si, um tatu-bola simpático, uma escolha certeira. O problema estava novamente nas opções de batismo do tatuzinho.

A primeira opção, acreitem, é Amijubi, uma junção entre Amizade e Júbilo. Júbilo? Como alguém pensou nessa palavra? Só pode ter sido um gringo que utilizou o tradutor do Google. A segunda opção é Fuleco, um termo fuleiro que junta Futebol com Ecologia. Ainda teríamos Zuzeco, que junta azul e ecologia, como se fosse um bêbado falando. Será que na matriz de responsabilidade da Copa existe algum dispositivo que permite que o nome do mascote só pode ser criado através da junção de palavras? Não podia ser um nome normal?

Se eu criaria um nome melhor? Não sei. Não sou pago por isso. Não estou recebendo dinheiro da maior confederação do planeta para escolher um nome que será utilizado durante a maior competição do mundo.

Já pensaram na carga de humilhação que o Brasil terá que aguentar por ter um mascote chamado Amijubi? Isso irá impedir qualquer ambição do Brasil no cenário internacional. Se um ministro de Estado se manifestar sobre algum caso mundial, os outros líderes dirão “cala a boca, teu país resolveu chamar um mascote de Amijubi?”.
Simpático, mas se chamando Amijubi fica pior que o Dollynho.

Certo que eu não deveria me surpreender com isso. O mundo esportivo já está dominado por idiotas que criam o João Sorrisão, a Câmera do Beijo. Peço por favor, uma intervenção da ONU para impedir que isso  não aconteça.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Regras para um bom debate eleitoral

Prólogo: Nos tempos atuais o debate eleitoral tem se tornado extenuante, enfadonho, broxante. É preciso mudar essas regras para que o debate realmente atrais a atenção da população. A partir de agora, o CH3 faz um exercício de imaginação para um debate dos sonhos. Que começaria com o mediador explicando as regras.

Boa tarde a todos os telespectadores da TV CH3. Está começando agora o primeiro debate eleitoral dos candidatos a prefeito de Murutinga. Estão aqui no estúdio os candidatos Pedrinho Malta do Partido Liberal, Otaviano Alexei do Partido Popular e Gonçalo Gomes do Partido Que Está no Poder. Ao todo, ainda existem outros três candidatos a prefeito, mas eles pertencem a partidos insignificantes, são feios e não têm representação política. Mas, nós usamos o argumento de que eles não tinham deputados eleitos para poder excluí-los deste debate. Eles acreditaram. O nosso debate tem regras bem simples.

No primeiro bloco, os candidatos farão perguntas entre eles, definidas por ordem de sorteio. Os candidatos poderão escolher entre os temas pré-selecionados. Os temas são: Literatura, piscicultura, sexo anal no primeiro encontro, diplomacia internacional, achocolatados, coprofagia, Nissim Ourfali, celulares touch screen e o filme O Som do Coração.

No segundo bloco, jornalistas renomados irão fazer perguntas para os candidatos. As perguntas são de tema livre e os candidatos tem o direito de ficar arremessando bolinhas de papel entre eles durante as perguntas e as respostas.

Soletre: peculato

No terceiro bloco, os candidatos irão participar de um concurso de soletração e logo após isso, eles irão desfilar em traje de banho e traje de gala, enquanto um telão exibe depoimentos emocionados dos seus familiares.

No quarto bloco, os candidatos irão se enfrentar em uma luta de MMA. Repetindo as estratégias que eles utilizam nas campanhas, os golpes baixos serão permitidos. O primeiro candidato terá 30 segundos para começar a luta, enquanto o adversário tem 2 minutos para dar a resposta. Serão mais um minuto para a réplica e a tréplica.

No quinto bloco, os candidatos irão participar de uma competição na banheira do Gugu. Gugu Liberato estará em pessoa nos nossos estúdios com um time de subcelebridades. A competição funciona assim: os candidatos, utilizando apenas sungas, entrarão em uma banheira ao som de Umba Umba Ê, ao lado de outras mulheres em biquínis minúsculos. O candidato terá que recolher os sabonetes e as mulheres tentarão evitar o recolhimento. Ao fundo, Gugu Liberato fará comentários indecorosos sobre a ereção dos candidatos. O pretendente que recolher mais sabonetes será declarado o vencedor do debate.
O candidato sobe nas pesquisas

Após isso, nós voltaremos para as considerações finais dos candidatos. Mergulhados em um tonel de leite condensado, eles terão que declamar o trecho de algum livro que não tenha estado na lista dos dez mais vendidos nos últimos anos.

Entendido? Qualquer objeção será respondida com uma cusparada na cara. Comecemos o debate. Pelo sorteio, o candidato Otaviano Alexei fará a primeira pergunta para o candidato Pedrinho Malta. E o tema é: sexo anal no primeiro encontro.

E assim, o sucesso estaria garantido.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Grandes Letras… ou, Cuiabá em Verso e Prosa

Sempre que penso em Cuiabá sendo cantada pelos grandes músicos mundiais, minha primeira lembrança não vem da famigerada canção do Skank. Eu me lembro é de um rasqueado subversivo que escutei uma vez na rádio, no longínquo ano de 1997. Sua letra dizia: “Cuiabá, Cuiaba, Cuiabá… é melhor, é melhor que Bagdá”. Vivíamos algum imbróglio com Saddam Hussein e eu nunca mais escutei esta canção. Talvez tenha sido apenas uma alucinação infantil, mas, eu juro que eu me lembro.

No entanto, não está na boca apenas dos artistas regionais. Nossa esfuziante cidade já foi cantada por diversos artistas de renome mundial. Separamos algumas delas por aqui para uma breve análise neste post, que não é mais um da série Grandes Letras Clássicas da Música Brasileira, porque aqui nós miramos o mundo.

AC/DC – Highway To Cuiabá
“Sem placas de PARE, sem limite de velocidade. Ninguém vai me frear. Como uma roda eu vou girar. Ninguém vai me sacanear. Ei Satã! Pague minhas contas, tocando em uma banda de rock. Ei mãe! Olha pra mim, eu estou no caminho para a terra prometida. Eu estou na Estrada para Cuiabá! Estrada para Cuiabá”

Quantos caminhos nos levam a Cuiabá? Basicamente duas rodovias. Se Roberto Carlos estava na estrada de Santos, os irmãos Young dirigiam pela BR-163. Na letra eles descrevem os abusos contra as leis de trânsito que tanto provocam acidentes. Mas, eles pareciam felizes, buscando a diversão em festas baratas na cidade, considerada a terra prometida.

AC/DC – Cuiabás Bells
“Eu tenho o meu sino, vou te levar para Cuiabá, eu vou te pegar, Satã vai te pegar, Sinos de Cuiabá, estou tocando os Sinos de Cuiabá, minha temperatura está alto, Sinos de Cuiabá”

A letra desta canção remonta ao lendário verão de 1979, quando a banda australiana finalmente chegou a Cuiabá. Após uma viagem psicotrópica pela esfumaçada madrugada cuiabana, os músicos chegaram até a Igreja Matriz e armaram uma confusão, tocando os sinos e acordando a vizinhança. A balburdia só terminou quando a polícia chegou e levou todos para o Cisc Planalto.


The Who – Heaven and Cuiabá
“No topo do céu está um lugar onde você vai se não fez nada de errado. E abaixo do chão está o lugar que você vai se você for um mal garoto. Porque nós não podemos ter a vida eterna e nunca morrer?”

A velha questão metafísica sobre a existência do bem e do mal, discussão já levantada por Freud, Jung, Marx, Bolinha e Habermas. Ou você vai para o céu escutar harpas tocadas por anjinhos insossos ou acaba em Cuiabá, sendo carbonizado em praça pública. Diante da perspectiva de esperar um ônibus na Prainha e conhecendo seu passado pecador, John Entwistle clama pela vida eterna.


Garoto de Cuiabá
The Clash – Straight to Cuiabá
“Você realmente pode tossir alto e forte. Os imigrantes querem cantar a noite toda. Poderia ser em qualquer lugar, muitos gostariam de estar em uma fronteira, algum hemisfério. Terra de ninguém, não tem nenhum asilo aqui. O rei Salomão nunca viveu por aqui. Vá direto para Cuiabá, garoto”.

Em 1980, Mick Jones e Joe Strummer vieram para Cuiabá, mas não convidaram o baixista Paul Simonon, deixando-o muito magoado. Strummer ficou chocado com os desmandos locais e com a falta de lugares para se abrigar. Sofreu com os problemas respiratórios e concluiu que Cuiabá era terra de ninguém. Para os que pensem em vir até aqui ele deixa um conselho: venha direto, evite as estafantes escalas em Brasília ou Campo Grande.


Oasis – (As long as they’ve got) Cigarettes in Cuiabá
“Eu não me importo em não ser imortal, porque isso não é tudo que eu posso dizer. Eu não me importo em não ir para o céu, uma vez que eles têm cigarros em Cuiabá”.

Noel Gallagher diz que não se importa com seus pecados cometidos, porque existem cigarros em Cuiabá. De fato, por mais que as leis antitabagismo estejam se popularizando no Brasil, proibindo o fumo em lugares públicos fechados, os cigarros ainda existem em Cuiabá.

Ainda existem outras tantas canções como:
Pink Floyd – Run Like Cuiabá (sobre a corrida de reis)
Wilco – Cuiabá is Chrome (campanha de apoio ao uso do navegador Google)
Pantera – Cowboys from Cuiabá (sobre a casa noturna Gerônimo)
Alice in Chains – Private Cuiabá (sobre os puteiros cuiabanos)
Judas Priest – Cuiabá Patrol (sobre a patrulha ideológica em Cuiabá)

“Não, obrigado” – George Clooney em um Drink em Cuiabá.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

As Diversas Formas de Humilhar Felipe Massa

Existem momentos que são definitivos para a vida de um homem, ou de uma mulher, ou de um transexual. Momentos que definem o resto da sua vida. Felipe Massa passou por um destes momentos em 25 de julho de 2010. Lembremos.

Vivíamos um mundo pós-Dunga e Felipe Massa liderava o Grande Prêmio da Alemanha. Ele buscava a sua primeira vitória desde o fatídico acidente que quase o matou na Hungria, um ano antes. Havia largado na terceira posição e assumido a liderança na primeira volta, mantendo uma certa distância para seu companheiro Fernando Alonso.

Neste momento, seu engenheiro Rob Smedley lhe trouxe uma mensagem pelo rádio. “Fernando is faster than you. Entendeu?”. Felipe poderia ter fingido uma surdez temporária e ganhado a corrida, mas ele preferiu entender. Deixou Alonso lhe ultrapassar, passar a mão na sua banda e ainda cagar de porta aberta na sua casa durante o almoço de domingo.
Obrigou o Felipe a cuspir.
A partir de então, Massa deixou de ser um bom piloto que quase foi campeão para se transformar em um fracassado, submisso, covarde. Sua cara de bunda no pódio alemão ficou impregnada e ele nunca fez mais nada de digno na categoria, mesmo que Galvão Bueno tente nos convencer que seus quintos lugares são sensacionais.

Tudo bem, ordens de equipe existem em várias categorias. O que torna a situação de Massa humilhante é a ordem cifrada. A Ferrari poderia ter simplesmente espanado uma rosca no pit-stop ou ter combinado previamente que Massa jamais poderia terminar na frente de Alonso. Ou mesmo ter falado “deixa passar”. A humilhação está na frase cifrada, como se fosse um comentário banal. “O Fernando está mais rápido que você”.

Ontem, durante o Grande Prêmio da Itália, Felipe estava na segunda colocação, com Alonso logo atrás. A coisa mais óbvia era uma troca de posições, devido a condição do campeonato, que tem o espanhol 789 pontos na frente de Massa. Foi ai que uma voz veio no rádio dizendo. “Felipe, cuidado com seus pneus. O Fernando está atrás de você”.

Vejam, a ordem surge como um comentário banal. “Felipe, belo dia de sol, não. Aliás, o Alonso está atrás de você”. Que humilhação.

Imagino que a Ferrari tenha um departamento especializado em humilhar Felipe Massa. Logo que a humilhação da Alemanha foi consumada, eles devem ter se reunido para discutir como seria a próxima frase de efeito.
- Essa de hoje foi ótima. Como vai ser a próxima?
- Que tal: Felipe, você é a doença e o Alonso é a cura.
- Não sei, precisamos pensar.
Como se passaram dois anos até que ocorresse de Felipe estar na frente de Fernando novamente, eles tiveram bastante tempo para pensar.

Felipe, sua mulher é bonita. O Alonso
está atrás de você. Entendeu?
No dia-a-dia da Ferrari, imagino que o departamento de humilhações não deve perder uma única chance de sacanear o Massa.
- Felipe Bom dia, são 9h da manhã. O Alonso acordou antes de você.
- Felipe, veja o vídeo do Nissim, é muito engraçado. Aliás, o Alonso está atrás de você.
- Felipe, cuidado que o seu macarrão está quente. Aliás, o Alonso está atrás de você. – então o espanhol come o macarrão de Massa, que tem que se contentar com um Club Social.

E para piorar, a frase cifrada tem que ser combinada antes. “Felipe, se eu falar que eu derrubei café na sua telemetria é pra você deixar o Alonso passar, Ok?” Deve ser muito divertido.

PS: Esse post não compartilha das teses nacionalistas de que isso acontece com Felipe Massa porque ele é brasileiro. Independentemente de sua nacionalidade, acreditamos que isso acontece porque ele é Felipe Massa.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Efeitos do Instagram

Nos últimos tempos, o Instagram se transformou na rede social mais popular da internet. Seria o Instagram uma rede social? O que não é uma rede social nos tempos atuais? Em todo caso, poderemos chamá-lo de uma plataforma, porque eis um termo que se adapta a tudo o que existe na internet atual e também a locais propícios para a extração de petróleo e alguns sapatos.

Pois bem, o Instagram é uma plataforma que se destina ao compartilhamento de fotos. Mas, não são fotos suas com a galera na balada. Ou, até podem ser. Mas não são apenas isso. O aplicativo se utiliza de filtros que simulam os efeitos das fotos de máquinas antigas. Ou melhor, os defeitos das máquinas antigas. Ou seja, tudo aquilo que nossos antepassados abominavam em sua máquinas "as fotos ficam amarelas!", fazem a alegria da nova geração.

Isso, é claro, é culpa do momento da atual sociedade em que vivemos. Uma época em que qualquer coisa sob a tag "retrô", logo recebe a tag "cult". E como qualquer coisa cult, o Instagram virou um rede social que divulga fotos de cafés coloridos, livros de Bukowski, gatos depressivos olhando pela janela e pessoas fazendo piqueniques.

O CH3, como sempre, é a favor de que os Instagram fique mais true. Nada de simular efeitos bobinhos que deixam sua foto com um ar daltônico. Queremos que sejam aplicados os defeitos que realmente irritavam nossos ancestrais. Aqueles que só eram descobertos na hora em que o filme era revelado. Efeitos que mostram que não, ninguém gostava de ter uma Lomo. Efeitos como esses.

Efeito 1: Dedo na frente da lente. 
Sempre era uma emoção ver que sua foto da Torre Eiffel foi enfeitada pelo seu polegar.

Efeito 2: Rainha de Copas.
Galera foi mal, cortei a cabeça de vocês.

Efeito 3: Whatafuck?
Balancei a câmera na hora. Acho que era pra ser a foto dos noivos entrando.

Efeito 4: Filme queimado.
O filme embolou, tive que abrir pra arrumar. Esses éramos nós no Rio Danúbio.

Instagram, deixando suas fotos de comida bonitas desde 2010.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O Inferno Previsto

A previsão do tempo não é uma ciência exatamente exata. Os meteorologistas mais experientes podem se utilizar dos mais avançados computadores, estando na condição ideal, que, enfim, pouco importa. No final, a previsão do tempo é apenas um palpite. Sim, o meteorologista olha aqueles dados, aquela porra toda e diz “diante dessas circunstâncias, acho que vai chover”. Mas isso significa que vai chover? Absolutamente não. Ninguém pode garantir isso.

50%. Ou chove, ou não chove
Justamente por isso, os profissionais nunca cravam que alguma coisa vai acontecer. As nuvens pretas podem estar sobre o céu e a sensação é de que o mesmo cairá sobre nossas cabeças. Mesmo assim, a meteorologia dirá que há 90% de chances de chover. Se começar a chover, eles sequer arriscarão um palpite sobre o fim da chuva. Quem garante que não choverá durante toda a eternidade?  Esta hipótese é praticamente impossível, mas a chance existe e ela não pode ser descartada.

Assim sendo, fiquei espantando dia desses quando consultei o Cptec do Inpe, um velho conhecido e eterna fonte jornalística. Já acompanho suas previsões a algum tempo e ele sempre dá margem para acontecimentos que saiam da realidade. Se não vai chover, ele informa que a chance é de 5%. Para tirar o peso da consciência, para poder falar “não digam que eu não avisei”. Porque nenhuma chance pode ser descartada.

Neste aprazível município de Cuiabá, onde fica localizada a suntuosa e imponente sede do Blog CH3, o calor é bastante conhecido e amplamente divulgado em rede nacional. Todos conhecem as façanhas dos termômetros cuiabanos, que fazem com que Cuiabá seja considerada a matriz do inferno. E é, justamente nesta época do ano, no começo do mês de setembro que as temperaturas se apresentam de maneira mais extrema.

Da mesma forma que faz calor, não chove nada. A umidade relativa do ar caí para níveis que a Nasa consideraria improváveis para a existência de qualquer forma de vida. Olho para as pessoas caminhando na rua e chego a duvidar que elas realmente estão fazendo isso. Deve ser uma miragem. Uma miragem esfumaçada porque nossas queimadas também são motivo de orgulho nacional.

Pois bem. A verdade é que não chove em setembro. Provável que nunca tenha chovido neste mês. Aqueles que dizem se lembrar que no oitavo dia do nono mês do ano de mil novecentos e quarenta e dois choveu por dezesseis minutos, devem estar sofrendo alucinações e estão aptos a serem inclusos num programa de lobotomia voluntária.

Mesmo assim, o seu Cptec sempre coloca que a probabilidade de chuva está em 5%. Porque, vai que, né. Porém, dia desses ao consultar o site do Sr. do Inpe, ele disse que a chance de chuva em Cuiabá era de 0%. Isso mesmo, 0%. A nível de meteorologia, esta é uma previsão extrema que só pode ser manifestada diante da certeza absoluta de que não irá chover. Nenhuma chance deve ser descartada? Neste caso, não há chance mesmo.

Em outras palavras, o que o Cptec diz é um tapa no rosto do povo cuiabano. Ele aponta o dedo em nossas caras e diz “nunca mais irá chover nesta terra maldita”. Podemos olhar para o céu com nossas esperanças, mas ficaremos cegos pelo sol e pela fumaça. O 0% de chance é o tiro de misericórdia nas pretensões de Cuiabá se transformar em um lugar próprio para a vida humana.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Pesquisas Masculinas

Chupa que faz bem.
Alguns dias atrás, a renomada Universidade de Nova York divulgou uma pesquisa revolucionária. Os pesquisadores chegaram a conclusão de que o sexo oral faz bem para as mulheres. Tudo porque, o sêmen masculino contém substâncias que melhoram o humor das mulheres e também as ajudam a ter um sono melhor. Resumindo, a pesquisa deu um embasamento científico para a velha crendice popular que associa o mau humor feminino a falta de pica.

A partir de agora, todos os homens utilizarão esta pesquisa para convencer suas respectivas na prática oral. “Vai lá amor, vai ser melhor para você do que para mim”. Outros homens se convencerão de que eles têm a cura para o mal do mundo entre suas pernas. É claro que uma pesquisa de tamanha importância deve ter surgido por meio de um objetivo importante.
- Cara, minha namorada não quer chupar meu pau.
- Já sei! Vamos fazer uma pesquisa que comprove os benefícios do boquete para a mulher.
- Grande ideia!
- Vamos colocar que uma chupeta ajuda a diminuir o stress e funciona como antidepressivo, antipsicótico, anticonvulsivo e que faz bem para pele.
- Beleza. Vamos colocar o anúncio de que precisamos de voluntários.
Foi a maior fila de voluntariado da história.

A pesquisa desencadeou dois efeitos imediatos na vida dos pesquisadores. A primeira, é que eles agora andam pelas ruas e são cumprimentados por todos os homens. “Meu herói” é o que eles mais escutam. Eles também adquiriram o hábito de fazer piadinhas infames com as mulheres.
- O que é o que é: te fez sorrir e dormir bem?
- O que?
- Meu pau!

Incansáveis, os pesquisadores da Universidade de Nova York prometem que não vão parar por aí. Eles continuarão realizando pesquisas importantes para o sexo masculino. Em uma rápida conversa com o CH3, o biólogo Dick Chenney revelou alguns dos próximos estudos que eles irão estar fazendo.

- A Universidade de Nova York está próxima de comprovar que levar cerveja para o marido enquanto ele assiste futebol no domingo faz bem para a autoestima da mulher e ajuda no mercado de trabalho.
- Lavar a roupa e fazer a comida todos os dias ajuda a mulher a desenvolver melhor suas capacidades cognitivas, abrindo caminho para um melhor desenvolvimento profissional e emocional.
- Mulheres que gastam muito dinheiro com sapatos e que assistem comédias românticas tem tendência a virarem obesas.
- Mulheres feministas são feias.

Por meio de nota, a Federação Feminista do Brasil se manifestou contra os pesquisadores, contra a Universidade de Nova York e contra este blog. Elas alegam que tudo isso não passa de um instrumento da sociedade patriarcal para subjugar o papel feminino na sociedade contemporânea.