quarta-feira, 24 de maio de 2017

O Mistério de Márcio Garcia

O canal Viva foi lançado pela Globosat com o objetivo de resgatar uma série de programas já produzidos pela Vênus Platinada e que estavam há anos encostados em arquivos empoeirados da emissora. A primeira coisa que constatamos no canal, é que muita coisa ruim já foi produzida desde que a Rede Globo de Televisão surgiu em 1965. Acabamos nos esquecendo deles, porque nossa memória preserva apenas os grandes sucessos e os programas duradouros, que ficaram por vários anos no ar.

Mesmo mostrando muita coisa ruim, o canal Viva é um acerto de estratégia e faz um enorme sucesso porque ele mexe justamente com a nossa nostalgia. Aquele sentimento de que as coisas boas já ficaram no passado, que nos faz pensar que éramos felizes na época do colégio e que o feijão atual não tem o gosto do de outrora. Só isso explica uma quase veneração atual pelo Sai de Baixo, por exemplo.

Uma das mais constantes figuras do Viva é Márcio Garcia. Carioca, ator, apresentador, diretor de 47 anos, ele é uma espécie de símbolo oculto dos programas ruins da Globo, canal em que ele atua desde 1994, com uma breve interrupção de quatro anos, período em que serviu aos quadros da Record e foi dado como morto por boa parte da população. Eu lembro quando ele estrelou Caminhos da Índia em 2009 - péssimo como sempre, diga-se de passagem - e todos pensaram “nossa, ele estava sumido”, sem se darem conta de que ele havia passado os últimos quatro anos apresentando um programa semanal de quatro horas de duração na Record.

A carreira de ator de Márcio Garcia é logicamente apagada, com destaque para um filme em que ele interpretou o índio Peri de O Guarani, uma passagem por Malhação - obrigatória para todos os jovens contratados da Globo - e diversas novelas das 6, em que ele sempre interpretava um garotão de bem com a vida, mas que tem lá os seus dramas juvenis. Desde que ele envelheceu, passou a interpretar o homem maduro, sempre misterioso, papel único devido a sua clara incapacidade de interpretação.

Sua presença constante em novelas da Globo é explicável porque não temos assim tantos atores no mundo e ainda mais atores que podem fazer papeis merdas com alguma constância. O que realmente chama a atenção é a quantidade de programas que ele já apresentou, todos horríveis, o que nos levar a crer que ele tem um pacto, sexual ou não, com alguma entidade oculta.

Se você ligar o canal Viva em um dia de fim de semana, muito possivelmente poderá assistir um episódio de Ponto a Ponto. Esta gincana que provavelmente tentava surfar na onda do sucesso de Passa e Repassa e outras atrações inigualáveis do SBT, contava ainda com a apresentação de Danielle Winits e Ana Furtado, outro fenômeno. Jovens de escolas de todo o país participavam de uma gincana bem bundona, mas travestida de espírito de aventura. A escola vencedora ganhava um prêmio ridículo e o direito de voltar e defender o título na semana possível, o que mais do que um prêmio, soava como uma maldição.

Márcio Garcia parece dizer "eeee, foto" enquanto murmura, "acaba logo essa porra". Danielle, por outro lado, parece ser a integrante mais genuinamente feliz do programa.
Garcia por vezes apresentava o programa com trajes militares e restos de fuligem espalhados em seu corpo malhado. Sua apresentação é marcada por um mau humor atávico, um marra inconteste e a impressão de que a qualquer momento ele diria para os telespectadores que aquilo ali era uma merda e que eles deveriam desligar a televisão. Era possível perceber o desprezo contido dele por aquele bando de jovens em busca de exposição na TV e possível perda da virgindade motivada pela empolgação provocada pelo programa.

Ponto a Ponto foi um dos maiores fracassos de audiência da história, conseguindo perder até para a Fórmula Indy, o que levou a sua descontinuação após apenas 19 episódios. Assim sendo, Garcia passou os anos seguintes substituindo Miguel Falabella no comando do Vídeo Show. Quando Falabella finalmente resolveu se livrar dessa bomba, a direção da Globo decidiu que era melhor colocar o André Marques em definitivo no seu lugar, o que deve ser provavelmente a pior experiência profissional pela qual alguém pode passar: ser preterido por André Marques.
"Realmente, era tudo o que eu queria estar fazendo na minha vida"
Em 2000 Márcio Gárcia estreava um novo programa, Gente Inocente. Certamente uma das atrações mais irritantes da história, Gente Inocente reunia uma série de crianças inconvenientes, e que nos fariam ter um ataque de nervos casos estivéssemos com elas dentro de um supermercado ou de um avião, fazendo perguntas para celebridades. Também havia alguns shows de talentos que certamente provocaram depressão pós-infantil. O programa ficou alguns anos no ar e logo após o seu fim, Garcia foi para o exílio na Record.
Memórias do cárcere
Voltou a Globo para interpretar o Bahuan, teve uma série de participações aleatórias em programas como o Criança Esperança (Seria ele o substituto de Didi Mocó?) e desde o ano passado comanda o Tamanho Família.

Vinte anos depois do Ponto a Ponto, Garcia mantém sua marca registrada de comando do programa. Aquela má vontade, tentativas de ser simpático que parecem que resultarão em agressão física e intimidação. Ele também demonstra um ar misterioso ao anunciar os quadros, tentando manter um suspense, mas quase que dizendo “vocês não imaginam a merda que vai vir agora”. Tamanho Família é uma atração dominical que reúne famílias de celebridades em uma gincana com trilha sonora produzida pela Família Lima, o que caralho, parece ser o pior roteiro da história, não é mesmo?

Talvez o sucesso de Garcia nesses anos todos comandando programas ruins é justamente essa sua postura intimidadora, a maneira como ele olha fixamente para a câmara e caminha em uma linha tênue que separa a indiferença da intimidação, esse fato de ele parecer que vai mandar todo mundo a merda, essa aparente insatisfação com sua vida, de que ele quer parecer engraçado, mas que não vai tolerar palhaçadinha. Garcia no fundo é mais um trabalhador comum infeliz no seu trabalho e talvez por isso permaneça tanto tempo no ar.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Chegou a hora da revolução nudista


Caros assinantes deste blogue da internet, aqui quem vos fala é Alfredo Chagas. Tomei posse deste que é o único meio de comunicação ao qual eu tenho acesso, por meio do furto temporário do equipamento eletrônico dos seus redatores. Venho aqui para fazer um comunicado, ou melhor, um comunicado à nação.

Todos que me conhecem sabem da minha ideologia, forjada na constante dialética do proletariado burguês. Vocês sabem como ao longo dos últimos anos, eu fui contra todas as mudanças que vieram para prejudicar e beneficiar o povo brasileiro, ou não brasileiro. A oposição sistemática ao establishment midiático é o meu oxigênio programático.

Nos últimos tempos, temos assistido um desenlace do jogo político completamente nocivo a manutenção da sanidade mental do trabalhador ativo ou inativo do Estado brasileiro. As decisões tomadas nas mais graúdas esferas do poder, por vez me fizeram duvidar da minha própria capacidade de auto coerência e estima monetária. E para toda situação de pressão, há um momento limite, um momento de ação.

Este momento é agora.

Após assistir estarrecido ao pronunciamento público da figura presidencial de Michel Temer, meus olhos se encheram de sangue e meu corpo ferveu no suor da luta sorumbática. Não podemos assistir em paz ao que esta figura insana tem feito para/com a cidadania.

A hora, colegas, é de luta armada.

Infelizmente, nos últimos anos as precisas restrições à aquisição de armamentos pesados como metralhadoras, fuzis e tanques de guerra, além do combate incandescente ao contrabando de munições, tem dificultado o acesso do operariado urbano à artilharia pesada. Assim sendo, e conhecedor da dificuldade de enfrentar as forças legalistas fortemente armadas e dispostas a estraçalhar aqueles que a tentarem obstruir, proclamo a todos pela escolha da revolução nudista.

Este blog tem sido nos últimos anos um dos mais constantes divulgadores deste movimento revolucionário de assalto ao centro nervoso da tomada de decisões públicas.

Esta é a hora de tirarmos nossas roupas e partimos para dentro do Palácio do Planalto. Ninguém será capaz de resistir à nossa força. Ninguém combate um homem nu, com medo de encostar na jeba alheia. O toque na jeba de outrem é o maior tabu que perturbar o âmago masculino.

Sem roupas, marcharemos para dentro do planalto e tiraremos esta figura oculta que domina o poder nacional, sem nenhum merecimento técnico ou estético para tal fato.

Camaradas, despir-nos-ermos rumo ao poder. Se juntem conosco nesta caminhada nua para a consagração e redenção nacional.

Alfredo Chagas, comandante em chefe do pelotão de nudismo.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

A Farsa do Plano de Fidelidade

O ouro, especificamente as barras de ouro, vocês sabem, valem mais do que dinheiro. Ao longo da história, o metal dourado já foi responsável por fazer com que grupos de pessoas resolvessem entrar em barcos e cruzar o oceano indomável com mais chances de morrer do que de sobreviver, por promover migrações em massa rumo a terras inóspitas e sem lei, provocando o genocídio de povos que antes ocupavam este local. A tentativa de sonegar os impostos por sua extração foi responsável por uma reação um tanto quanto exagerada da Coroa Portuguesa e a criação futura de um feriado nacional.

Existe um motivo lógico para essa obsessão pelo ouro, além do fato de ele ficar um charme na forma de correntinhas ou em dentes postiços. O metal servia como lastro para as economias nacionais e o seu acúmulo garantia de alguma forma a soberania nacional, caso queira saber mais sobre o assunto procure na internet. Bem, as coisas mudaram com o tempo e na impossibilidade de acumular ouro, hoje em dia nos acumulamos milhagens ou pontos em programas de fidelidade.

Os programas de fidelidade, por incrível que pareça, tem o objetivo de premiar a fidelidade dos clientes. Acredito que eles começaram com as companhias de aviação e logo se espalharam, hoje temos postos de gasolinas, operadoras de telefonia, lanchonetes, lavanderias, puteiros e todo e qualquer estabelecimento utilizando o método de recompensar os clientes pelo seguido uso de seus serviços em detrimento da concorrência. Poderia ser ótimo, se não fosse o fato de que as recompensas são no geral imprestáveis.
Natal - Florianópolis, com escala em Abu Dhabi, Pequim, Dallas, Lima, Macapá e Mossoró
Começamos pelas companhias aéreas. Você utiliza uma determinada empresa e ganha pontos pela viagem realizada. Depois de fazer umas 10 viagens, e ter gasto mais de três mil reais neste interim, você tem direito a adquiri um trecho gratuitamente. A utilização de um cartão de crédito também gera milhas. Legal, não? O problema é conseguir selecionar algum trecho interessante.

Primeiro, você tem que esquecer os destinos mais badalados e requisitados, como o nordeste. É preciso fazer mais umas 14 viagens para conseguir comprar uma passagem pra lá. Também esqueça os feriados e viagens mais próximas, que necessitam muitas milhas a mais. Os voos diretos e em horários melhores também não são fáceis de conseguir e no final suas 10 mil milhas serão suficientes para fazer um trecho de Cuiabá para Brasília, com conexão de 14 horas em Campinas e escala em Goiânia. Talvez dê para comprar uma passagem de Cuiabá para São Paulo com conexão de 22 horas em Foz do Iguaçu. Com sorte, uma ponte área Rio-São Paulo, passando por Belo Horizonte e Cidade do Panamá.

Os postos de gasolinas também dizem oferecer muitas vantagens para seus cientes fieis. Abasteça em um posto da Petrobrás e a cada um real gasto, você ganha um ponto no programa de Pontos Premmia. E então, com quatro mil pontos você pode adquirir dois ingressos do cinema! Que maravilha, não, depois de gastar quatro mil reais, o que dá uns 30 tanques de combustível, o que talvez te demore um ano para fazer, você vai poder ir no cinema de graça. Que tal um desconto na Carta Capital heim? Ingressos pra Stock Car? Eu sei que você quer.

A Vivo eu sei que também tem um esquema maravilhoso desses, em que você junta pontos a vida toda e ganha um ingresso de Cinema, um ingresso para um show de Stand Up, uma sobremesa de graça em um restaurante que você vai gastar 400 reais, desconto no Uber. Enfim, não deve ser a toa que 90% desses pontos se perdem, apesar de eventuais propagandas de pessoas que deram a volta ao mundo graças ao programa de fidelidade.

*Para os interessados na menção da palavra puteiro em um trecho do texto acima, informamos que a Casa de Diversão Noturna Carnicentas oferece um programa de fidelidade. Para cada programa sexual realizado dentro do estabelecimento, o participante ganha dez pontos. Com 100 pontos, é possível trocar por um copo de água. Duzentos pontos são necessários para ganhar um abraço do Cão Leproso. Com 500 pontos, Pai Jorginho de Ogum traz o seu amor de volta e garante a felicidade e riqueza. Se você juntar mil pontos, ganha uma passagem para Miami com acompanhante da casa, escala em Poxoréu e tudo pago. Infelizmente, até hoje, nenhum ser humano sobreviveu a mais de quatro programas na Casa de Diversão Noturna Carnicentas.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Crianças Prodígio

Neste mundo cada vez mais competitivo em que nós vivemos, é claro que a competição chegaria às crianças. Muitas vezes elas nem competem entre si, voluntariamente, mas enquanto elas pulam em camas elásticas como se não houvesse amanhã e mergulham em piscinas de bolinhas como discípulas de Jacques Cousteau, seus pais travam uma batalha nos bastidores pelo protagonismo infantil.

- E aí cara, beleza, como é que você vai?
- Tudo certo e com você? Como estão as crianças?
- Ah, o Arthur está crescendo, aprendendo as coisas rapidamente. Acredita que ele já sabe contar até 10? Aprendeu só vendo vídeos no youtube. O pediatra falou que ele tem o desenvolvimento intelectual de uma criança um ano mais velha.
- Que legal.
- E o Davi, como é que está?
- Uma graça também, aprendendo muito as coisas. Ele aprendeu a fazer um pintado à belle meuniére que é sensacional.
- Seu filho de três anos está fazendo comida?
- Acredita? Ele pega aquele pintado, que é, juro por deus, quase do tamanho dele, arrasta o peixe pela cozinha e me chama “papai, papai, alto” e eu entendo que ele quer ajuda pra colocar o peixe na bancada. Eu ajudo né, mas já disse pra ele “ei rapazinho, logo você vai ter que aprender a se virar sozinho”, então ele pega a faca e limpa o peixe que eu vou te dizer, nem titia Odete limpava um peixe tão bem assim. Depois ele tira um filé do pintado, que é uma coisa de louco. Não tem Cacalo, Okada, que sirva um filé igual o que o Davi tira. Depois ele refoga os ingredientes, nem sei como é a receita, e você não vai acreditar, deixa a louça limpinha.
- ...
- E o sabor, é impressionante. Domingo lá em casa e eu a Valéria não vamos mais para a cozinha. A Lasanha dele ainda não é tão boa, mas ele está evoluindo. Ele abre uma massa que é uma coisa impressionante. A pizza dele, massa fininha, parece de cantina italiana.
- Meu deus, como ele aprendeu tudo isso?
- Galinha pintadinha, acredita? Esses desenhos que a gente não entende nada estão ensinando as crianças a fazerem isso. Se comunicam com eles. Esses dias eu coloquei Peixonauta pra ele ver e no dia seguinte ele me saiu com uma torta holandesa. Mas ele ainda tem que praticar. Só não coloquei pra ver Peppa Pig, porque nesse parecem que mexem com bebida alcóolica e acho que ainda não é a idade.
- Impressionante.
- Não é mesmo?

As crianças vão crescendo e cada vez mais demonstram habilidades que deixam os pais orgulhosos.

- Amiga como é que você tá?
- Estou ótima! E a Manuella? Tenha visto as fotos no Facebook, uma graça, está grande né?
- Nossa, um amor. Ela aprendeu a ler e escrever com 5 anos, acredita? Já decorou as letras do alfabeto, os animais de cada letra, um amor.
- Que graça. A Valentina também só que aprende.
- Eu vejo no Instagram, está uma moça né?
- Sim, também está lendo e escrevendo. Hoje mesmo estava traduzindo Dostoiévski, do original em russo.
- Ela fala russo?
- Fala. Matriculei ela em um colégio trilíngue. Nesse mundo de hoje as crianças tem que estar preparadas, com a ascensão russa, o risco de uma guerra, nunca vamos saber o que o futuro nos espera e nossos filhos tem que estar prontos, não? Pensei até em colocar ela para aprender mandarim, mas tem pouco material didático nessa área, vou esperar um pouco mais. O francês ela já domina também, assinei o Le Monde, só pra ela praticar, mas ainda tem uma dificuldade na interpretação dos filósofos clássicos.

A competição irá é claro, até a adolescência.

- Essas aulas de robótica e computação que os nossos filhos fazem são impressionantes, não?
- Sim, eles aprendem coisas que nós nunca estivemos perto de saber. Mas é o futuro não? A tecnologia cada vez é mais importante e tem um espaço maior na sociedade.
- Sim, ontem mesmo o Pedro fez um robô que varre a casa, utilizando duas vassouras, uma caixa de ovo e um monte de fios, que eu não tenho a menor ideia de como funcionam.
- Acredita que ontem tive que ajudar a Julia numa tarefa doméstica que eu nem sei como é que tinha que fazer. Sei que ela entrou via Skype com pessoas de outros países, ficou um tempão aparecendo um monte de códigos binários na tela e no final eles tinham desativado um sistema nuclear da Coreia do Norte. Sabe, saiu no jornal hoje que o presidente de lá ficou puto, ameaçou os EUA? Foi minha filha com uns amigos aí.
- Não acredito.
- Nem eu acredito. Esses dias ela conseguiu visualizar o Bóson de Higgs num acelerador de partículas que ela fez com uma máquina de lavar louça velha, que a gente ia jogar fora. Uns franceses apareceram lá em casa querendo levar ela pra um estágio por lá, mas eu sei como funcionam essas coisas, são todos aproveitadores. Ela só tem 15 anos, tem que curtir a vida, essas coisas que adolescentes fazem.

Depois vem a faculdade e com os filhos formados a competição passa a ser apenas sobre aquele que passou em um concurso público mais vantajoso.

Dedicado ao Eduardo Butakka.