sexta-feira, 30 de novembro de 2012

As 5 piores tatuagens que alguém pode fazer

Tatuagem vem do tupi tatu-agê, que significa “desenhos ou marcas que uma pessoa resolve fazer em sua pele, aplicando uma tinta especial que jamais irá sair da sua pele. Por isso, as pessoas devem ter cuidado antes de fazer uma tatuagem, porque as marcas serão eternas”. Sim, os tupis tinha um poder de síntese enorme. Se eles fossem alemães, precisariam de uma parede inteira para falar isso.

Como bem diz a sabedoria tupi, é preciso tomar cuidado quando você for fazer uma tatuagem, justamente porque aquele desenho ficará marcado em sua pele pelo todo sempre, marcada como ferro e fogo em sua carne. Até existem procedimentos cirúrgicos para retirar tatuagens, mas eles são caros e dolorosos, não valem a pena. O CH3 lista aqui as piores tatuagens que alguém pode fazer, evite-as.


Que filme? Essa é a minha filha.
1 O Rosto de Alguém
Não importa de quem é o rosto. Se é o seu próprio rosto, o rosto da sua mãe, do seu pai, da sua irmã ou da sua namorada. Se é o seu filho, seu vizinho, seu chefe ou sua empregada. Se é a Scarlett Johansson. Tatuar o rosto de alguém nunca vai dar certo, por um simples motivo: é difícil desenhar um rosto em seus mínimos detalhes. Até mesmo Leonardo da Vinci, Michelangelo e Picasso teriam dificuldades em reproduzir o rosto de alguém em traços, porque o tatuador da esquina não teria? A chance do rosto da sua mulher ficar igual ao da menina do exorcista é enorme.

2 Frases de efeito
Tatuar uma frase, seja ela de Jesus, Clarice Lispector, Machado de Assis ou José Mayer não é uma boa ideia. Uma frase de três letras pode até passar, desde que não seja no cóccix. O problema é quando alguém resolve tatuar uma letra inteira do Iron Maiden, um poema de Camões ou um capítulo da Bíblia nas costas. Além de ser constrangedor que alguém fique lendo suas costas, há uma enorme chance de que o tatuador cometa algum erro de português, fazendo com que você fique com as marcas da ignorância para sempre em seu corpo.

3 Uma tatuagem feita por Cecília Gimenez
Porque exposta na parede de uma igreja desconhecida de uma cidade insólita do interior da Espanha, o rosto do Jesus LOL pode ser uma obra excêntrica e apreciada por fãs de arte moderna e gozadores em geral. No seu antebraço não vai ser assim. Será só motivo de piada e humilhação.

4 Caralhos com asa
Certo que os caralhos com asa estão entre as formas mais desenhadas pelos seres humanos. Mas, esta arte marginal tem seu lugar nas portas de banheiro e nos cadernos do seu colega de escola, principalmente na contracapa, ou em todas as folhas de sua agenda. Não no seu antebraço. Muito menos ao lado da sua boca. Não queira passar o resto da sua vida pagando um boquete voador imaginário.

5 Tatuagem com os dizeres, Madson – O Foda
Não importa se você se chama Madson e nem se você é realmente foda. Nunca faça um tatuagem assim. Principalmente se você se chamar Madson e for um jogador medíocre com menos de um metro e meio de altura que parece um ser abissal de filmes de terror. Se você não se chamar Madson, pior ainda.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Guia CH3 de Etiqueta


Muitas pessoas podem pensar que a etiqueta é apenas aquele papelzinho que fica preso nas camisetas e dá um trabalho danado para tirar, se você não tiver uma tesoura. Nada disso. A etiqueta é um conjunto de regras sobre o comportamento, modos e atitudes, que podem fazer a diferença na sua vida. Uma boa etiqueta é o que pode te separar de viver no circuito Roma, Paris, Bruxelas, Nova York e Milão, ou de morrer amargurado em uma estrada rumo a Taubaté enquanto tudo gira e a Berenice não segura em nada.

Pensando nisso, o CH3 resolveu bolar este guia definitivo de etiqueta, tirando aquelas dúvidas simples, por vezes ridículas, que muitas pessoas não entendem.

Fui convidado para uma festa de gala. Como eu devo me comportar?
Quando você receber um convite para uma festa que será realizada em algum castelo com nome de bebida em uma região turística da França, não se sinta surpreso. Não ligue para os seus amigos, não coloque no status do seu Facebook. Atue com naturalidade, finja que isso acontece com você todos os dias, pense que você terá que arrumar um espaço na sua agenda para comparecer. No dia da festa, opte por roupas sóbrias. Evite ternos laranja, cocares indígenas, folhas de samambaia penduradas em volta da cintura. Vá a uma loja de aluguel de roupas, diga o que você tem e a mulher irá te ajudar. Na festa, lembre-se de jamais apagar as luzes e gritar “Ninguém é de ninguém”. Sempre segure em suas mãos uma taça cheia de champanhe, apenas por aparência.

Como eu devo segurar os talheres em uma festa de gala?
Com as mãos, de preferência. Segurar talheres com os pés ou coloca-los atrás das orelhas é sempre um problema. Olhe para uma pessoa que pareça segura e veja em que momento ela segura cada um dos talheres, principalmente aqueles esquisitos, para peixes. Evite limpar os dedos engordurados de canapés na toalha, na aba do paletó ou na saia da anfitriã. Não lamba os pratos depois de terminada a refeição e não palite os dentes na mesa.
Agora, se a festa for japonesa, ferrou.

Tenho que ir a um velório de um conhecido, mas que não é íntimo. Como devo me vestir?
Com roupas, é um bom começo. Nunca pega bem ir pelado em um velório. Mesmo vestido, evite roupas com mensagens engraçadinhas como “Don’t Worry, be Happy”. Pode ofender a família. Vá com alguma camisa de tom bem sóbrio. Evite ir com um vestido preto e com um chapéu com véu negro cobrindo o rosto. Principalmente se você for homem ou, se não for a viúva.

Vou a um churrasco da minha empresa, na casa do meu patrão. E eu já peguei a esposa do patrão, o que faço?
Talvez, seja um bom dia para você pegar uma virose indecifrável que lhe impeça de sair da cama. Caso seja muito necessário ir, lembre-se, o passado está no passado. Não tente manter relações sexuais – consentidas ou não – com os familiares do seu chefe, ou com ele próprio. Ria das piadas do patrão, elogie o seu churrasco e não tente fingir que a linguiça é a extensão do seu pênis. Não urine em lugares públicos.

Fui convidado para uma festa e 15 anos, o que eu devo fazer? Presentes, roupa.
É sempre complicado para um homem saber o que dar para uma menina que está fazendo 15 anos. Se a festa for grande, é provável que exista uma lista de presentes em algum lugar. Caso o contrário, pergunte a alguma amiga o que você poderia dar, uma vez que está amiga já teve 15 anos um dia. Evite presentear a garota com um garoto de programa. Também evite vibradores ou material de bondage, mesmo que ela seja fã de 50 tons de cinza. Pode pegar mal para a família. A dica sobre a roupa é: vá com uma camisa social e deixe um terno e uma gravata no carro. Chegue ao local, sinta o clima e faça a sua escolha. Agora, se a festa de 15 anos for na casa da aniversariante mesmo, evite frescuras.

Vou participar de minha primeira suruba. Quais critérios devo utilizar para estabelecer limites?
Em uma suruba, o limite do outro é o seu limite. Não enfie nada no orifício de alguém, se este alguém não parecer disposto a isso. Da mesma forma, não deixe ninguém enfiar nada em algum orifício seu, se você não estiver disposto. Tente utilizar camisinha, caso a festa não exija exame de AIDS para os participantes.

Esperamos ter esclarecido algumas dúvidas. Se você tiver mais alguma, nos mande, que nós responderemos na medida do possível.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

O Futuro da Seleção Brasileira

Como todos vocês já devem saber, Mano Menezes não é mais o técnico da seleção brasileira de futebol. O treinador foi demitido após ganhar o “Superclássico” das Américas e de uma série invicta em amistosos. Prova de que os dirigentes da CBF deviam estar mais felizes quando a seleção perdeu as Olimpíadas  ou quando tomou um ferro de Alemanha, da Argentina, França. Vá entender os dirigentes.

Perdeu, Mano
O fato é que a demissão gerou muitas divisões na sociedade brasileira. Um setor organizou festas nababescas, um verdadeiro desbunde regado a muito champanhe e discursos reacionários para comemorar a queda do treinador. Outro setor da sociedade se une ao técnico e começa uma revolução silenciosa, colocando “Mano Menezes” em seus nomes no Facebook. Um terceiro setor da sociedade não deu a mínima.

A pergunta que fica é: como fica a seleção brasileira? A Copa do Mundo começa daqui a 19 meses e como é que fica o Brasil? Será que perderemos a Copa em casa para a Argentina? Para a Alemanha? Para a Espanha? Para a Tchecoslováquia? O futuro da seleção, pois bem, depende de quem será o técnico escolhido para substituir Mano no comando do escrete nacional.

Consultamos Pai Jorginho de Ogum para saber quem é este nome. Ele me disse que o novo técnico será o Felipão. Perguntei se aquilo era uma previsão, uma opinião, ou uma vontade. Ele me respondeu que todas essas palavras são sinônimos de futuro em seu dicionário. Não é de hoje que o dicionário de Pai Jorginho tem alguns problemas.

Pois bem, passamos então a trabalhar com a hipótese de que Luís Felipe Scolari, o Felipão será o comandante da seleção brasileira, 10 anos após a conquista do penta.

O treinador será apresentado em janeiro e fará sua primeira convocação para um amistoso contra a Inglaterra. Sua lista tem surpresas, como a volta de Anderson Polga e a convocação do atacante Luan do Palmeiras. O resultado é um 0x0 medonho, saudado por Galvão Bueno como uma mudança de postura na seleção. “Não se ganha uma Copa sem vontade, amigo, e vontade é o que a gente viu hoje em campo”.

Segue-se uma série de amistosos contra seleções do terceiro escalão mundial, com vitórias apertadas, 2x0 na Malásia, 1x0 no Uzbequistão e 2x1 na Moldávia. O espírito guerreiro da equipe é saudado.

Chega a disputa da Copa das Confederações e o Brasil acaba eliminado na primeira fase, após uma derrota constrangedora para a Nova Zelândia. A pressão aumenta e a torcida passa a exigir a convocação de Ronaldinho Gaúcho, arrebentando no Atlético-MG. Ao invés disso, Felipão prefere convocar o senil Marcos Assunção e alguns jogadores do Coritiba.

Sua campanha segue com vitórias sobre seleções medíocres e empates contra seleções pavorosas. Em janeiro de 2014, o presidente da CBF José Maria Marin, diz publicamente que Ronaldinho merece uma vaga na seleção, mas Felipão faz que não escuta. A opinião pública pede Fred de centroavante, mas Felipão aposta em Nilmar, recuperado de sua 12ª cirurgia no joelho e que disputa o campeonato chinês.

Famiglia Scolari II
Às vésperas da Copa, Felipão anuncia uma mudança no esquema do Brasil, que passará a jogar com três zagueiros: Thiago Silva, David Luiz e Gilberto Silva. Uma vitória por 2x0 sobre a Bolívia e outra por 5x0 sobre a Rep. Dominicana acalmam os ânimos da torcida. Na lista final para a Copa, Felipão deixa de fora Ronaldinho Gaúcho, eleito novamente o melhor jogador do mundo, atuando no Brasil.

O Brasil estreia na Copa contra a Bósnia Herzegovina, jogo considerado duro. A escalação do Brasil é: Deola; Thiago Silva, Gilberto Silva e David Luiz; Daniel Alves, Diguinho, Marcos Assunção, Oscar e Carlinhos; Luan e Nilmar. Neymar fica no banco, como opção de velocidade para o segundo tempo. O Brasil consegue uma vitória de virada, mas a crítica reclama da atuação pífia da seleção, principalmente de Luan, atualmente reserva da Ponte Preta.

Felipão mantém o mesmo time, que supera Uzbequistão e Honduras na primeira fase. Marcos Assunção marca de falta o gol da vitória contra o Uruguai nas oitavas. Nas quartas, vitória contra a Espanha em jogo duro, no qual brilhou a estrela de Nilmar. Na semifinal, vitória contra a surpreendente seleção da Bélgica. E na final contra a Argentina, Luan marca o gol do hexacampeonato no único chute a gol do Brasil, aos 40 minutos do segundo tempo.

Felipão é aclamado como um gênio e o capitão Diguinho levanta a taça no Maracanã lotado. Scolari anuncia sua aposentadoria do futebol para abrir uma churrascaria em Santana do Livramento.

Fim.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Sim, Roberto é o Rei

Tempos atrás escrevi um post neste blog, defendendo a tese de um amigo, que questionava o reinado de Roberto Carlos. Porque ele era considerado o rei se a maior parte das pessoas não conhecia sequer 10 músicas dele? Fora isso, um cara que escrevia um rap chamado “Seres Humanos”, um dos piores números musicais da história, jamais poderia ser considerado rei de nada.

Digo que muito refleti sobre o assunto desde então, passei por várias situações e, aproveito aqui o sucesso que Roberto está fazendo com sua nova canção “Esse Cara Sou Eu”, para voltar atrás nas minhas convicções e admitir que sim, Roberto Carlos é o rei mesmo.

Pessoas que se emocionam com isso
Não, não é pela qualidade da música que faço essa afirmação. “Esse Cara Sou Eu” tem mais uma interpretação pavorosa do Rei Roberto e uma letra pífia, para variar. Sim, vamos dizer que há um sério problema com as mulheres do mundo quando elas se derretem imaginando um homem que no meio da noite te chama pra dizer que te ama. A letra é um monumento a breguice.

Mas aí é que está. O povo é brega. É isso que nós precisamos admitir. A maior parte do povo brasileiro é brega. São pessoas que gostam de Odair José e Wando, pessoas que choram escutando Chitãozinho e Xororó cantando “quem esqueceu não chora, quem chora ainda lembra”, pessoas que falam em beijar na boca e fazer amor gostoso escutando Zezé di Camargo e Luciano. Pessoas que um dia usaram ombreiras, pessoas que hoje utilizam roupas floridas e botas ortopédicas disfarçadas com um nome mais bonito em inglês.

Aí precisamos reconhecer o mérito de Roberto Carlos. No meio desse mundo brega de pessoas que se emocionam pensando no fio de cabelo que já esteve preso em nosso suor, ou na flor da noite da boate azul, enfim, dessas pessoas que escutam as letras que relatam as maiores dores de corno, as declarações mais piegas do mundo, nesse mundo, Roberto é Rei.

As letras de Roberto Carlos para alguém acostumado a escutar Leonardo, Daniel, Bruno e Marrone, são poesia pura. São letras complexas, que por vezes tem que ser escutadas com atenção, pensadas, refletidas. Quem está acostumado a ouvir “eu dormi na praça, pensando nela”, é levado a refletir quando escuta “você procura o meu retrato, mas da moldura não sou eu quem lhe sorri, mas você vê o meu sorriso mesmo assim”. Complexo, não?

Roberto Carlos é pura poesia, é reflexão. Um Shakespeare contemporâneo, deve ter sido ele que escreveu aquelas séries de sonetos em que um deles fala que o amor deve ser eterno enquanto dure.

Lembrem-se, estamos aqui falando daquelas pessoas que escutam Kenny G e André Rieu, achando que estão escutando música clássica, música sofisticada e de bom gosto. Estamos falando de casais que vão a um bar de qualidade duvidosa, a mulher com vestido curto, o homem tem uma crise de ciúme, os dois discutem e depois disso eles se entregam a paixão e contam a história todas aos amigos, falando que fizeram amor gostoso.
Pessoas que escolhem uma foto dessa para ser capa do seu disco

Para esse mundo cão em que nós vivemos, Roberto Carlos é o rei sim. O Rei do Brega, talvez do brega de bom gosto, do brega que está dentro de um limite aceitável. Ainda acredito que ele seja uma farsa, mas tenho que aceitar que a coroa lhe deve ser concedida. Ele tem seus súditos.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Interpretador Pornográfico

Olá, meu nome é Roberval. Evitem trocadilhos com meu nome, eu agradeço.

Eu tenho problemas sérios, dos quais venho tentando me tratar com os mais diversos médicos, tomando uma enorme variedade de remédios controlados, tarja preta. Coisa pesada mesmo. E até difícil explicar o que eu tenho, as pessoas sentem asco quando eu relato meu problema. Mas, eu interpreto todas as situações de maneira pornográfica. Toda e qualquer coisa que eu vejo, eu interpreto que irá terminar em sexo.

Meu problema começou na minha adolescência, quando eu fui viciado em filmes pornôs. Assistia vários em sequência, aproveitando minhas tardes vazias. E olha que naquela época a internet ainda era incipiente, tudo o que eu conseguia era nas bancas de jornal e locadoras de vídeo, graças a uma carteirinha falsificada. Tempos inocentes. Na época, minha maior preocupação era com pomadas para minhas mãos assadas e não com remédios tarja preta.

Juro que há algum tempo, alguns anos, bem, alguns meses vá lá, eu não assisto mais filmes pornôs. Percebi que aquilo estava me atrapalhando. Mas as imagens de tantos títulos do gêneros continuam na minha cabeça. Bem, talvez vocês ainda não tenham entendido qual é o meu problema.

Vocês sabem como funciona o roteiro básico de um filme pornô. O homem e a mulher se encontram em alguma situação. Na sala da casa, no parque, no shopping, na piscina, na praia. Eles podem nem se conhecer, mas na cena seguinte eles estarão fazendo sexo. Não precisa muito de diálogo. E qualquer conversa, sugere o sexo. Se o carteiro vai entregar uma correspondência, ele é atendido por uma mulher utilizando trajes que você até dúvida que realmente sejam vendidos.
- Vim trazer uma carta.
- Ai, você não quer colocar em cima da mesa para mim.
- Sim senhora.
- Que carteiro gostoso.
Pronto, agora é o sexo.

Entendem? O meu vício fez com que cada vez que eu veja um homem e uma mulher eu imagine que eles vão fazer sexo. Durante o jornal da TV, quando a mulher sorri para o homem, logo imagino que ele vai traçar a apresentadora ali em cima do balcão mesmo. Em qualquer comercial eu imagino que vai terminar com sexo. Cena de novela, cena de filme. Vou ao cinema assistir uma comédia e passo o filme inteiro achando que vai rolar sexo.
vai começar a sacanagem

O principal problema é na vida real mesmo. No meu emprego. Quando minha chefe diz que quer ter uma conversa em particular comigo eu já começo a imaginar que o Roberval vai terminar nu sobre a mesa da chefe. Quando pego um elevador junto com outra mulher. Quando sou atendido por uma mulher no shopping, quando passo as compras com a caixa do supermercado, sempre imagino que vou fazer sexo. Imagino isso quando vejo outros casais, mesmo que casais involuntários. O sexo está em tudo o que eu vejo, em tudo o que eu faço. O sexo imaginário, entendam.

Até mesmo agora, enquanto escrevo este texto convidado pelo CH3, imagino que uma leitora do blog irá bater a minha porta e que faremos sexo selvagem. Eu preciso de ajuda. Meu nome é Roberval, tenho 28 anos.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

O que acontece com os personagens da Disney?

As histórias da Disney se passam em um cenário orwelliano, nos quais os animais estão no poder. Eles utilizam roupas, tomam banho e enrolam toalhas na cintura, dirigem carros, aviões, participam de grandes negociações financeiras. Claro, um cenário um pouco estranho com os cachorros, porque enquanto alguns dirigem carros, outros ficam apenas latindo e sonhando com ossos dentro das suas casas de madeira.

Se um dia o ser humano retornasse ao poder, como é que ficariam alguns dos principais personagens da Disney? O CH3 faz esse exercício futurológico.

Mickey Mouse: Mickey e sua namorada Minnie não seriam bem vistos pela sociedade, uma vez que ratos são animais considerados repugnantes por boa parte da população. Assim sendo, eles não resistiriam à primeira aplicação de raticida no apartamento em que eles vivem.

Pato Donald: Todo o núcleo penoso da Disney teria que voltar correndo para os lagos de Patópolis, que voltaria a ser conhecida como Nova York. Seriam vítima de caçadores e de pessoas famintas em uma nova ordem social que estaria sendo reestabelecida. Suas penas poderiam fazer travesseiros, sua gordura ajudaria com a energia e sua carne seria frita. Já o Tio Patinhas, seria engordado com a ajuda de sondas para que seu fígado apodrecesse e servisse o apreciado foie gras. A fortuna do Tio Patinhas iria ajudar a financiar alguma guerra contra algum país árabe, inclusive a primeira moedinha.

Pateta: Pateta seria domesticado por alguma família abastada, uma vez que ele era um cachorro muito engraçado e que também fala. Provavelmente seria criado junto com o Pluto, que aproveitaria o momento para descontar todas as diferenças sociais que eles viveram nos últimos anos.

Clarabela: Seria abatida e transformada em filé mignon, maminha, fraldinha, costela, alcatra, coxão mole e tantos outros cortes.

Coronel Cintra: Provavelmente seria abatido a tiros pela população assustada que não reconheceria este animal assustador vestido de policial.

Professor Pardal: Provavelmente bolaria algum plano para tentar escapar do domínio humano, mas é claro que esse plano não daria certo. Ele acabaria comendo alpiste em praças públicas.

Urtigão: O único humano da história, seria considerado esquizofrênico por conversar com animais. Terminaria em um hospício, ou morreria em algum confronto de sem terras.

Zé Carioca: Terminaria a vida dizendo ‘dá o pé loro’ em alguma gaiola do Brasil. Seus colegas acabariam sendo vítimas da violência durante o processo de reocupação da Vila Xurupita.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Razões para não postar

No início não havia uma única razão plausível para que não se postasse. Sempre era possível. Você poderia postar no seu leito de morte, numa brecha da reunião com seu chefe, enquanto você fazia o Enem, aproveitando os últimos minutos de carga do seu notebook antes que o seu cruzeiro de férias afundasse. Postar era um comprometimento e uma vez que você o tinha, não havia problema algum.

Com o tempo, essa ideia vai mudando. Tanto mudou, que idéia perdeu o acento e até hoje eu me sinto um retardado quando tenha que escrever essa palavra de acordo com a nova ortografia. Postar passa a ser uma vontade. Uma vez que você tem vontade, você vai lá e faz. Posta e saí pra comemorar com a galera.

Assim sendo, você pode curtir aquele dia na praia e aproveitar os últimos segundos de bateria do seu computador para salvar seus trabalhos. Mas, ainda não existe uma razão para não se postar. Porque sempre, sempre se encontrará algum motivo para que algum post surja das profundezas abissais para assustar a pobre população pacata e inocente.

Um dia isso muda. Aparece uma razão para não postar. E aí o que se faz? Simplesmente não se posta. Aconteceu comigo, este é um testemunho real que trago aqui. Esta semana, eu simplesmente não postei.
Anticorpos entrincheirados

A minha razão é simples. Inúmeras, indeterminadas e indefinidas infecções virais me derrubaram, impedindo que eu permanecesse sentado por tempo suficiente para escrever alguma coisa. Impediam-me que eu ficasse acordado pelo tempo necessário para conseguir ter uma ideia (argh), desenvolvê-la e transcrevê-la. E aí, o que eu fiz? Não postei, simplesmente não tinha como. Não postei na segunda e não postei na quarta e, mesmo estando levemente recuperado hoje, pensei até agora a pouco se eu deveria postar.

Sei que este pode ser o começo de um ciclo e que daqui para a frente eu arrume diversas razões para não postar. É feriado e eu vou tomar banho de rio, simplesmente não posto. Está chovendo, isso acabou com meu humor e eu não posto. Meu time perdeu, peço que respeitem a minha dor e eu não posto. A crise econômica mundial me sensibilizou e eu não posto. O Coldplay lançou um disco novo e é impossível fazer graça depois de uma tragédia dessa, eu não posto.

Quem sabe, são apenas teorias.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O 1000º Post

O dia começou com um telefonema de Barack Obama. Chorando, ele agradeceu ao apoio que o CH3 deu para a sua campanha. Logo depois, Mitt Romney também nos ligou, amistosamente, cumprimentando por nossa postura na campanha eleitoral. Assim foi o dia todo. Sylvester Stallone, Madre Teresa, seu Juca da Paçoca, Lula, Getúlio Vargas, Geysi Arruda, Renato Russo, Wagner Moura, todos nos telefonaram, oferecendo efusivas abraços e ingressos para o show da Lady Gaga.

O motivo, vocês já devem ter entendido logo no começo. Esta postagem aqui, publicada neste 313º dia do sagrado ano da graça de 2012, é o milésimo post do CH3.

Publicar mil post em um blog, não é uma tarefa fácil, principalmente quando você não é adepto das montagens de desenhos estranhos. O CH3 já deve ter, a esta altura, mais conteúdo do que uma dessas enciclopédias baratas vendidas em encartes de jornais vagabundos.

Veja, quando nosso primeiro post foi publicado, Túlio Maravilha já estava em sua insana busca pelo milésimo gol. Nós nunca buscamos o milésimo post, mas alcançamos a marca antes de Túlio. Este blog de fato, nunca buscou cumprir objetivos, mas cumpriu-os assim mesmo. Chupa, Túlio.

Não irei me alongar muito. Creio que este post de número deva ficar aqui apenas como um registro histórico. De que história, eu não sei. Mas, para que as pessoas apenas olhem seu título e saibam o que ele é, o que ele significou, saibam do que se trata.

P.S. Para melhorar, nosso milésimo post acontece no dia do aniversário de Zequias. A lenda viva, o mito, o brasileiro do século, deste e dos próximos. O destino não poderia ter nos presenteado de maneira melhor.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

O superdimensionamento midiático do pôquer

Não me julguem mal, eu já joguei pôquer. Joguei pôquer em uma época na qual o jogo de cartas não passava na televisão e não funcionava como uma indústria milionária. Não quero aqui parecer saudosista, me lembrando dos nostálgicos tempos do pôquer moleque, nascido na rua. Até porque, eu nunca fui nenhum entusiasta do “esporte”. Ele era uma diversão apenas. Hoje, o pôquer é um saco.

Foi se o tempo em que o pôquer era apenas um jogo de cartas, como o buraco, truco ou canastra. Um jogo rápido, com as rodadas resolvidas rapidamente sem que ninguém precisasse ficar gritando. Tempo em que ele era um passatempo, como uma partida de sinuca ou de ping pong. Entendam, o pôquer não era nada demais.

Hoje, ele ganhou status de esporte. Tem várias competições ao longo do ano, com vários atletas profissionais que ganham milhares de dólares em um circuito mundial. Jamais imaginamos que alguém iria ganhar a vida jogando truco espanhol, mas com o pôquer isso é possível.

Perceba que os principais torneios de pôquer são transmitidos na televisão. Eu me recuso a acreditar que alguém realmente pare para assistir isso, madrugada adentro. Se já é chato ver seus tios bêbados jogando baralho num churrasco, imagina assistir o carteado pela televisão sem que ninguém esteja alcoolizado?

O pôquer é uma indústria. Existem centenas de sites em que você pode jogar de maneira gratuita, com pessoas de qualquer lugar do mundo. Os comerciais desses sites passam em todos os canais esportivos do mundo e mostram as principais celebridades de outros esportes jogando pôquer, como o Rafael Nadal. Você acha que ele ganharia tantos títulos se ficasse metade da semana jogando pôquer?

É possível jogar uma partida até mesmo pelo celular, pelo celular, entenderam? Sério que alguém realmente faz isso?

Sim, é sério. Temos um número cada vez maior de pessoas que querem se profissionalizar no esporte. Cidadãos normais que tiram um dia da semana para jogar pôquer. Dedicam algumas horas do seu dia pra ficar treinando na internet. O pôquer virou o sonho do dinheiro fácil, do primeiro milhão. O pôquer é praticado por aquelas pessoas que liam “Como Ganhar Dinheiro na Bolsa de Valores”.

Ou seja, hoje o pôquer é praticado por algumas das piores pessoas do mundo. Por uma corja de inúteis que sonham em passar a vida sem fazer nada, sem esforço nenhum. Pessoas que usam camisa polo com brasão e que atacam de DJ na hora vaga.

Eu não sei, deve ter algum esquema estranho por trás disso tudo.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O Partido dos Homens

No Brasil atual, existem 30 partidos políticos. Agremiações que defendem conceitos diversos como populismo, humanismo e trabalhismo, entre outros, escondidos atrás de siglas estranhas que fazem referências ao republicanismo, socialdemocracia e progressismo. Nós já temos muitos partidos políticos e boa parte deles não tem a menor função, que não seja a de lutar por qualquer forma de poder.

Ainda assim, não satisfeitos, outros grupos se organizam para terem a sua representação partidária, escondidos atrás de conceitos de reorganização, ecologia ou democracia. Se fossemos para ficar apenas na sopa de palavras, proporíamos logo a criação do Partido da Vanguarda Reacionária (PVR). Um partido que defenderia a preparação do futuro, sem menosprezar o passado. Uma quebra de paradigmas, mas sem radicalismo.

Mas nós não queremos isso. Queremos um partido que defenda aquilo que se propõe. Que seja claro em suas ideias e em seus objetivos. Por isso, nós propomos o partido dos homens. Um partido para defender os homens, seus direitos e suas vontades.

A principal bandeira do nosso partido é o fim do déficit de assentos em lojas de departamento e nos demais espaços dedicados às compras. Queremos o fim daquela incomoda sensação de ter que ficar em pé, ou, humilhantemente buscando um degrau de escada para poder descansar as pernas enquanto uma mulher está alucinada fazendo compras. Não queremos mais a sensação de estar atrapalhando as pessoas que estão provando sapatos.
Eles só querem um lugar para sentar.
Somos também pelo fim dos bancos em shoppings. Eles ocupam muito espaço e acabam sendo ocupados por apenas uma pessoa. Pela maior disponibilidade de lugares individuais para se sentar, já! Queremos apoio das costas! Pela livre disponibilização de poltronas nos shoppings! Nosso dinheiro do estacionamento tem que servir para alguma coisa.

Também lutaremos pela criação de leis que impeçam que as pessoas sejam forçadas a dar palpites no visual de outras pessoas. Todos terão o direito a permanecem em silêncio quando forem consultados e não poderão ser repreendidos por esta opção.

Lutaremos por leis que beneficiarão toda a sociedade. Queremos que os consultórios médicos disponibilizem uma maior variedade de revistas para o usufruto dos pacientes. Queremos o fim da dinastia das revistas de fofocas! E aquelas revistas que surgem do nada e só existem nos consultórios? Mais variedade já, mais cultura para a nossa população!

Incluiremos o estudo da história do futebol na grade curricular dos nossos colégios, acabando com a evasão escolar. Contaremos com enorme apoio popular e iremos construir uma nova história para o nosso país. Contribua conosco e nos ajude a traçar o nosso plano de governo. Até a vitória.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Comando de Voz

A primeira vez que eu vi um celular com comando de voz foi em 2004 acho, minha mãe comprou um que tinha essa função. Era uma dificuldade tão grande fazer o negócio funcionar, que mais valia a pena digitar os números. Lembro que naquele mesmo ano, um amigo meu também comprou o mesmo modelo e deu uma demonstração prática de como o sistema funcionava.
- Marcos
- Você quis dizer: Márcio?
- Não.
- Repita o nome.
- Marcos.
- Você quis dizer: Marcos?
- Sim.
- Repita o nome.
- Marcos.
- Você quis dizer: Marcos?
- Sim.
- Você confirma que quis dizer Marcos?
- Sim.
Finalmente o telefone começava a tocar.

O fato é que em pleno 2012, os sistemas de comando de voz continuam sendo uma porcaria. Se você depender dele para registrar alguma ideia, alguma frase, está perdido.

Claro, se você for um fodão da internet, poderá alegar aqui que eu sou um retardado e que o problema é a dicção de quem fala. É preciso ter uma dicção perfeita para que os sistema funcione. Oras, não é preciso ter uma dicção perfeita nem sequer para governar o país! Se o sistema fosse realmente bom, ele poderia ser usado por outras pessoas, que não apenas o William Bonner ou sua professora de fonoaudiologia.
A sensação é a mesma
Se grandes personalidades da história tivessem resolvido gravar suas frases através desse sistema de reconhecimento de palavras, o resultado seria terrível. O histórico dia do fico ficaria registrado como:
“I have para o bem de todos e felicidade geral da nação estão prontos tigrão ao povo que eu fico”.

E a histórica estrofe final do hino nacional?
“Serra dourada emtu 3008 brasil apótema da dos filhos deste solo és mãe gentil pátria amada brasil”.

Ou mesmo o primeiro parágrafo deste texto?
“A primeira vez que vi um celular com comando de voz foi em 2004 ac clima em confronto tinha sena dificuldade tão grande fazer negócio funciona imagenes benedita dos nomes lembra naquele mesmo ano nome do meu ta me comprometi modelos de homônimo seção prático de como sistema funciona”.

Ou seja, em pleno 2012 os jornalistas ainda se fodem incrivelmente quando tem que decupar uma entrevista longa.