segunda-feira, 29 de junho de 2009

Atingido por um meteoro

Nesse mês de junho um fato insólito aconteceu na Alemanha. Um jovem de 14 anos foi atingido por um meteoro. Gerrit Blank estava caminhando calmamente indo para o colégio quando de repente sentiu uma dor na mão. Depois veio um clarão. Tratava-se de um meteoro do tamanho de uma ervilha, a quase 50 mil km/h.

Não sei quantas pessoas foram atingidas por meteoros. Mas quase todas morreram. Gerrit foi apenas o segundo ser humano da história a sobreviver ao impacto de um meteoro.

Morrer atingido por um meteoro é constrangedor. É preciso ser um baita pé frio para que isso aconteça. Imagina a família no velório
- Morreu do que?
- Foi atingido por um meteoro.
- Sério.
- É, aconteceu.
- Nossa, mas isso é raro né.
- Bem, nem tanto. Por ano 150 meteoros caem na terra.
- Nossa!
- Mas... a maioria cai no mar, ou não atinge ninguém.
- Então foi muito azar.
- Foi, sem dúvida. Só duas pessoas sobreviveram após serem atingidos por um meteoro.
- Realmente, foi muito azar.

Agora, imagine por outro lado o jovem Gerrit conversando com seu melhor amigo.
- Cara, fui atingido por um meteoro.
- hahahahahhaa, tá bom, t-rex.
- Sério pô, um meteoro pegou na minha mão, do tamanho de uma ervilha.
- Hahahaha, você tinha fumado quanto veio?
- Porra, to falando sério, um meteoro caiu na minha mão.
- Hahahahahahaha
- Porra, olha o meteoro aqui porra, certificado pela NASA!
- Ih rapaz. Parece que é sério mesmo.
- To falando.
- Você é pé frio heim. Qual é a chance de alguém ser atingido por um meteoro?
- Baixas, sem dúvida.
- Pé frio pra caralho mesmo, saí daqui porra, daqui a pouco uma bigorna cai na sua cabeça.
- É? Sabe qual é a chance de sobreviver ao ser atingido por um meteoro?
- Qual?
- Uma em um milhão. Sou apenas o segundo na história a sobreviver.
- Hmm... mas por um acaso mais de um milhão de pessoas já foram atingidas por isso?
- Bem, não sei.

De fato o mais assustador é a outra sobrevivente a esse acidente. Ela foi atingida por um meteoro do tamanho de uma laranja.

E mais assustador que isso, só a morte de David Carradine, o Bill. Que se enforcou enquanto se masturbava. E o pior, mais de 1000 pessoas morrem assim anualmente. É assustador pensar que um ser humano com a mesma composição que você, seja capaz de morrer assim. E mais de 1000 por ano?

Por mais que enfim... nada é mais assustador do que morrer atingido por um meteoro. A qualquer momento um pode cair do céu e cair exatamente em cima da sua cabeç

sábado, 27 de junho de 2009

Teorias Conspiratórias

Você acredita em teorias conspiratórias? Não? Acha que me engana dizendo isso?

As teorias conspiratórias estão por aí em qualquer lugar. Nesse exato momento podem estar conspirando contra você. Ou contra mim. Ou contra nós. Não acredite naqueles que dizem que isso não pode estar acontecendo.

Algumas teorias conspiratórias são famosas.

O atentado de 11 de setembro foi planejado pelo governo dos EUA. Sim, é isso mesmo. George W. Bush contratou alguns árabes malucos, pagou um dinheiro para eles seqüestrarem um avião e jogá-los contra o World Trade Center e matar uma porrada de americanos. Ainda fez um acordo com Osama Bin Laden, para que ele assumisse a autoria. Tudo, só para ter uma desculpa para bombardear o Iraque e conseguir petróleo. Faz todo o sentido.

Elvis não morreu. Sim. Eu não consigo imaginar porque as pessoas inventariam essa morte. Para mitificar ele? Ele não conseguia mais lançar discos? E o que ele fez nos últimos 30 anos? O que um senhor de 75 anos faz? Canta Love me Tender no chuveiro? Virou chefe da máfia? Muitas pessoas dizem que viram Elvis Presley depois da morte dele. O que, assim, do jeito que tem covers/sósias dele, não é difícil.

Paul McCartney morreu em um acidente de moto, um sósia foi colocado no seu lugar: Afinal, depois do acidente seu estilo de composição mudou, os Beatles pararam de tocar ao vivo e várias pistas foram colocadas nas capas dos discos da banda.

O homem nunca pisou na lua. Montaram um super estúdio. O fundo é chroma crey. O chão é de areia da praia. A nave é um cadilac tunado. E o Francis Ford Copolla dirigiu a cena toda.

O Brasil entregou o jogo na final da Copa de 98. Sim, Ronaldo recebeu uma grana para passar mal e desestabilizar a equipe. A equipe também recebeu dinheiro pra ficar desestabilizada. E também a garantia de que ganharia a copa de 2002 em cima da Alemanha. E Alemanha em troca ganharia a copa de 2006. Eles perderam, mas faz parte da teoria, pra não chamar a atenção.

Junte-se a essas, as teorias sobre Extraterrestres na Área 51, a morte de John Kennedy, o assassinato da Princesa Diana. E ainda as seitas, religiões e tudo mais.

E você quer saber o que há de verdade nessas teorias? Você pode não saber nada sobre eles, mas eles sabem tudo sobre sua vida.

De fato, as teorias da conspiração têm um muito de complexo anal persecutório. De certa maneira é fácil criar uma teoria da conspiração.

A morte de Michael Jackson é uma campanha de marketing. Sim, ele morreu. Mas morreu apenas para fazer um remake mais verdadeiro do clipe de Thriller.

Um dos membros do CH3 está morto. Ele mal posta no blog. Especialistas afirmam que seus posts recentes parecem ter sido escritos pelos outros dois membros.

O problema é conseguir fazer com que essas teorias se tornem famosas e conhecidas. Há um grupo responsável pelas famosas teorias de conspiração e eles é que decidem qual irá se tornar famosa, ou não.

Existem teorias que muitas pessoas não conhecem. Ou, que eles querem que você não conheça.

Roberto Marinho era irmão de Hitler. As evidências são muitas. Construíram impérios transnacionais. Tinham facilidade com a comunicação e esconderam muitas informações ao longo da história. Infelizmente essa teoria da conspiração não é passada pelo fato de que boa parte dos controladores de informações de teorias de conspiração trabalham dentro da rede globo.

Papai Noel e Coelhinho da Páscoa são um casal gay. Nunca que as crianças poderiam saber disso. O verdadeiro nome do Coelhinho era “Ursão da Páscoa” mas o nome foi considerado inapropriado. Papai Noel faz brinquedinhos, e o coelhinho fica na cozinha fazendo ovos (fálicos) de chocolate.

Agora que você acabou de ler esse post, se eu fosse você fechava logo essa janela. Eles não querem saber que você sabe disso. Eles podem estar te observando, agora.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

A semana no mundo

A intenção desse post era repercutir o que aconteceu no mundo durante a semana CH3. Ver como essa semana seria eternizada nos jornais. No dia em que o CH3 for o blog mais importante do mundo, os jornalistas irão se lembrar das antigas semanas CH3. “Na semana CH3 de 2011 nasceu o terceiro filho de Madonna com Jesus.

Pois bem. Em Cuiabá a tarefa é fácil. Quem pesquisar essa semana pelos jornais, ira descobrir que Cuiabá vivia num estado de barbárie. Pessoas morrendo de dengue e de gripe suína. Assaltos e subornos. Ameaças de morte. Maníacos. Cuiabá era o verdadeiro inferno.

No Brasil, a semana foi marcada por escândalos do senado. Crise internacional e buscas por destroços do acidente de avião. Ou seja, nada de novo. A Semana CH3 foi a única coisa de diferente que aconteceu.

Mas, tudo ficou em segundo plano pelo dia de hoje, o Day after da semaba CH3. O dia em que morreu Michael Jackson.

Sim. Michael Jackson morreu. Parece incrível. Num primeiro momento isso não parecia possível. Como um grande astro e ainda com 50 anos, não parecia que ele estava para morrer. Morrendo ainda numa idade em que as pessoas não costumam a morrer, e sem nenhum anúncio. É diferente. Não se imaginava que ele morreria, assim como John Lennon, Elvis Presley, James Dean. Não se imagina que a Madonna possa morrer amanhã. Ou o Mick Jagger.

Ainda mais por ser um cara que faz sucesso desde que era criança. Quem gostava de Jackson 5 deve estar se sentido um velho acabado, nesse momento.

Depois, ele mudou de cor, de rosto, de sexo e entrou num processo de destruição da sua imagem pública que só encontra paralelos no que faz Suzana Vieira nos dias de hoje.

Para todos verem, como o mundo nunca é o mesmo após uma semana CH3.


E enfim, a morte do Michael Jackson é algo tão insólito, que não poderia ficar fora do blog.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

O futuro do CH3

Chegamos ao final da Semana CH3, na qual comemoramos 3 anos de existência.
Mas e agora? Chegaremos a comemorar mais 3 anos, ou ainda muito mais? O que vai ser de nós? O que o futuro nos reserva? Não podemos saber. Afinal, qualquer coisa pode acontecer de um dia para o outro.

Felizmente, sempre que o assunto é o futuro, temos um especialista no assunto a quem nós sempre podemos recorrer. Nem sempre, pois não é muito agradável ir à casa de Jorginho de Ogum e evitamos fazer isso ao máximo.

Ontem no horário de almoço me dirigi ao Jardim Leblon para conversar com nosso amigo pai de santo. Bati palmas e fui recebido pela mulher de Jorginho, que é muito feia. Ela disse: "Jorginho tá lá nos quintal do fundo, aquele cachorro disgramado".

Lá chegando, Jorginho estava chorando. Pensei "aiaiai...". Ele me contou que sua esposa havia tentado cortar seu órgão sexual depois dele ter pulado a cerca com algumas das garotas de seu estabelecimento de diversão noturna, o Carnicentas.

Eu disse que isso não me importava. Precisava saber das previsões para o blog.
"Pois bom", disse ele, "preciso ler as mãos do Cão Leproso".
Isso era impossível. O Cão Leproso não estava por perto. Então Jorginho tirou um punhado de búzios do bolso e jogou no chão de terra batida. Ele se ajoelhou pra ler, entoou um mantra e disse: "Todos vocês vão morrer. Um por um de vocês, todos os participantes do blog irão passar dessa morte para uma melhor."
Eu disse que isso era óbvio. Todo mundo morre. Perguntei se ele sabia o que o futuro reservava especificamente a cada membro do CH3.

Quando mencionei a palavra "membro", Jorginho começou a chorar de novo. Estava claro que minha visita tinha sido inútil.
Então resta falar sobre os planos para o blog. Para o futuro mais próximo, depois de amanhã (dia 26/06) voltaremos a postar normalmente. Postaremos dia sim, dia não até exaurirmos nossas capacidades mentais e motoras. Ou seja, como a vida anda dura, não sabemos até onde vamos. Mas temos planos de continuarmos firmes por um bom tempo.

Estamos planejando um podcast. Como a coisa tá corrida, não temos previsão exata, mas acreditamos que o primeiro já estará disponível mês que vem.
Quanto à camiseta do CH3, ainda precisamos ter uma reunião com a equipe para ver como fica. Mas seria muito bacana fazê-la de fato.
Se o maior medo dos chnautas é que nos tornemos um blog de piadas prontas sobre celebridades, fiquem tranquilos. Manteremos o nível.

Obrigado a todos por acompanharem a Semana CH3 2009.
Fiquem agora com um Especial do CH3 TV: Um vídeo-documentário sobre a nossa dura trajetória. Pode demorar pra carregar, mas acreditem: Vale a pena!

terça-feira, 23 de junho de 2009

Os personagens do CH3

Quem freqüenta o CH3 sabe que nós temos vários personagens. Não personagens que vivem num mundo paralelo. Eles convivem conosco, como se fizessem parte de nossas vidas. De vez em quando chegamos a pensar que eles realmente existem, até trocamos scraps com eles. Saiba como eles foram criados.

Pai Jorginho de Ogum: Pode ser dito o personagem principal. Ele surgiu pela primeira vez num jornal que eu fazia nos tempos de colégio, sobre a alcunha de Inconfidentes S.A. Isso em uma edição depois que todos havíamos saído do colégio, no fim do ano de 2005. Fui contar o que aconteceria com as pessoas no ano de 2006.

Os Inconfidentes S/A, essa sociedade não criminosa e com fins lucrativos, sempre de olho no futuro, no passado e no presente, resolveu inovar. Ao invés de contar a vida das pessoas no ano de 2005, fomos visitar o pai-de-santo Jorginho de Ogum, que por um preço bem sincero, fez a previsão do futuro de algumas pessoas. Infelizmente, nem todos poderão ver seu futuro, pelos seguintes motivos.

1 – Esquecimento
2 – Falta de pagamento
3 – Todas as alternativas anteriores
4 – Nenhuma das alternativas anteriores

Depois de um breve contato por telefone, Jorginho de Ogum, marcou o encontro, em sua cabana de previsões no Jardim Leblon, ele compareceu ao lugar ao lado de 3 garotas de programa e uma garrafa de Caninha 21. Apresentando sua técnica que consiste na sorte através das cartas, jogamos uma partida de pôquer e depois de beber a garrafa de caninha 21, ele retirou as cartas e previu o futuro. O resultado você vê a seguir.


Depois ainda publiquei uma entrevista com ele.

Ele apareceu pela primeira vez no CH3 para fazer previsões sobre a reta final da Copa do Mundo de 2006. Errou todas, mas mesmo assim iniciou sua trajetória de sucesso. Previu o fim da novela, criou um prostíbulo barato, foi candidato a governador e sumiu no mundo.

Marcão: Surgiu para fazer uma conexão com o pai Jorginho de Ogum. Seu vizinho. E com uma foto muito engraçada. Apareceu para analisar a cabeçada de Zidane na final da copa do mundo. Faz parte do núcleo miserável do blog.

Hanz, o pansexual: O personagem mais tardio. Surgiu completando o grupo, quando Tackleberry viu um site enviado pela Tayane. Um velho alemão ridículo. Veio transformar isso aqui numa baderna ainda maior. É o personagem mais bizarro e não aparece tanto, porque temos nojo dele.

Cão Leproso: Cão Leproso não surgiu para o CH3. Lembro-me que durante uma aula de economia, Vinícius estava surtado desenhado como um louco. Fez desenhos da vaca corintiana assaltante, do pato aleijado. Sugeri a ele que criasse um pato leproso. Mas ele fez ainda melhor e desenhou o Cão Leproso. Eu morri de rir. Era um desenho sensacional, pela cara do Cão. Ele ainda fez o ornitorrinco autista, e outros personagens que desapareceram. O Cão Leproso não. Nos dias seguintes ele fez vários desenhos com o cão, cada um melhor ainda que o anterior. E um personagem tão sensacional não poderia ficar de fora do blog. Pela sua sensacional cara que representa tudo e nada ao mesmo tempo. Fez ensaios artísticos e foi meu companheiro na busca por Jorginho.

Guilerme, o Original: Também não surgiu pelo blog. Eu o ganhei de aniversário. Num projeto da Tayane com o Vinícius. Trata-se de uma réplica idêntica a mim, do meu tamanho inclusive. Feito em isopor. Algo tão insólito não podia ficar de fora do blog também.

Alfredo Chagas: Surgiu como um colunista para o CH3 News. Alguém incoerente, mas que defenda seus pontos de vista de maneira visceral. Um comunista reacionário, um vanguardista conservador. E muito chato. Sempre aparece do nada.

Alfredo Humoyhuessos: Criei-o para citá-lo como uma fonte sobre qualquer assunto difícil. Uma espécie de sumidade, intelectual, que pode falar sobre qualquer assunto. Surgiu o colombiano Humoyhuessos (cinzas e ossos). Apareceu pela primeira vez para falar sobre objetos encontrados na comida.

Garoto Fabinho: Conversávamos eu e o Vinicius sobre humilhação nos tempos de colégio. Citei um caso bizarro sobre um suposto garoto Fabinho. E estava feito o post. Um personagem que mostra todo o nosso lado malvado. Aquele que temos até medo.

Em breve criaremos um personagem oriental e outro, ministro do supremo, para darmos voz às minorias.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Projetos paralelos do CH3

Assim como toda organização que pretende dominar o mundo, o CH3 também tem seus projetos paralelos. Sim, de pouco adiantaria apenas um blog. É sobre esses projetos que iremos falar.

Chapa 03: A chapa 03 surgiu durante uma eleição para o DCE. Havia a chapa 1 e a chapa 2. Como nós não gostávamos de nenhuma, e não éramos ligados ao movimento estudantil, criamos a chapa 03. Propúnhamos a substituição do RU por uma filial do Serra, construção de rodas gigantes, instalação de mesas de sinuca e frigobares. Tudo isso com o nosso slogan inovador “pega na minha e balança”. Algumas pessoas ficaram felizes com as propostas e até queriam votar em nós. Infelizmente não ganhamos (até porque não concorríamos de verdade) e perdemos o original do panfleto.

Voltamos depois com um manifesto sobre o aumento da tarifa dos ônibus e a última aparição foi com relação a eleições do CA. Depois realmente existiu uma Chapa 3, e lamentamos não ter concorrido a Reitoria da UFMT, o que seria nosso ápice.

Propostas Comunistas para a vida: Um dia eu lancei uma folha intitulada “poprostas comunistas para a vida”. Que no geral era uma sacanagem com o que os comunistas faziam. O texto arrancou risadas de algumas pessoas. Mas quase provocou minha morte.

A UNE armou um protesto (sei lá que protesto, eles sempre protestam contra tudo) e nessa história, um cara com bandeira da foice e o martelo enrolada nas costas leu o manifesto. O Bruno Mangabeira ria e apontava pras pessoas “foi aquele cara que fez”. Enfim, por sorte o comunista não escutou. Mas, arrancou o papel do mural e levou até a uma roda com outros camaradas. Lá todos leram e riram com desprezo do papel. Amassaram-no e jogaram no chão numa típica atitude “olha o que eu faço com isso aqui, babaca”. Depois reclamaram da repressão contra liberdade de expressão.

CH3 News: Foi a publicação impressa do CH3. Surgiu do dia em que eu descobri a existência do Publisher no Office. As primeiras edições foram toscas, mas depois sua aparência melhorou. A combinação de manchetes de duplo sentido ou nonsenses e os textos exagerados e sem seqüência lógica. Era impressa aqui em casa, primeira em papel branco e a partir da quinta edição em papel reciclado. Teve 18 edições (1 ano e meio) e era lida individualmente por algumas pessoas. Provocou risadas em algumas e caras de “não entendi em outras”.

Outros jornais foram lançados, como “O Proibidão”, jornal feito pra comunidade periculosa, “O Inútil” jornal sobre celebridades, e “O óbvio” cujo nome já diz tudo. Houve ainda um underground “las nuevas Del sagon” jornal publicado em portunhol.

Vídeos: Não há muito o que dizer. O primeiro vídeo do CH3 foi uma entrevista com Guilerme, o original. Que surgiu antes do blog até. Tínhamos que entregar uma entrevista para a aula de português. A primeira idéia megalômana foi, além da entrevista principal, mostrar o nosso lado humorístico e fazer uma série de entrevistas com bonecos. Entrevistaríamos um boneco de posto, o Ronald Mcdonald e o boneco da Kibon. Entrevistei o Guilerme, mas infelizmente haviam roubado o Ronald do Mcdonald mais próximo, e a idéia acabou abortada. Entrevistamos apenas uma emo pelo MSN.

Depois vieram tantos outros vídeos do Guilerme, os vídeos sobre os mitos, e mais recentemente We Are The Champions. Primeiro vídeo, digamos, diferente.

E especialmente para esse dia, acompanhem a primeira edição online do CH3 News.

domingo, 21 de junho de 2009

3 anos de CH3

"Parabéns para você nessa data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida" - Stallone.

No dia em que o Tackleberry criou o CH3, eu não tinha a menor idéia do que fazer com isso. Aliás, ninguém sabia direito o que devia ser feito com um blog. Acho que pretendíamos postar as piadas e besteiras que pensávamos no cotidiano. Os pictogramas personalizados para o tira-teima da globo, a sátira sobre as análises táticas, os Chimbinhas Facts, o Zequias World Cup.

E era isso que fazíamos no começo. Posts curtinhos, com várias imagens, montagens e etc. Mas então, logo você posta tudo o que tinha para postar. E o que fazer?

No caso, veio o ostracismo. Depois dos três meses, o blog não está mais popular do que o capitão do time de futebol americano, os amigos que comentavam no começo já não comentam mais. E você não tem o que postar.

Foi um longo período assim. Tempo no qual o blog foi se moldando. Ao invés das montagens, vieram os textos mais trabalhados. Falar sério de assuntos ridículos, ou fazer piadas sobre assuntos sérios. Era uma época em que parecia que ninguém visitava o blog, mas foi uma época de posts épicos. Posts nostálgicos que hoje em dia temos a sensação de que nunca mais faremos nada igual. Entre outras coisas, porque a gente ficava um tempão pensando no assunto, até postar. As montagens sobre futebol deram lugar a Jorginho de Ogum. As frases curtas deram lugar a textos enciclopédicos.

Assim, nós chegamos até nosso primeiro aniversário. Depois disso o blog quase morreu de vez. O momento da mudança aconteceu em setembro de 2007. Durante as férias todos nós tivemos idéias. Vinícius retornou com seu primeiro post em seis meses. Criamos um e-mail. Fizemos a conta no Google Analytics. E as visitas foram aumentando. De 20 por dia pra 40, 50. Até chegar à média atual de 95.

E desde essa época o blog tem o mesmo estilo. Conhecemos um pequeno sucesso internético com textos sobre o jornalismo e sobre o Brasil nas Olimpíadas.

E vive os momentos de alta e de baixa. Época de posts sensacionais em seqüência e épocas de forçação. Aliás, até quando estamos sem inspiração apelamos pra mesma coisa. Vinícius escreve sobre infância, eu uso o nonsense pra falar sobre um assunto qualquer e o Tackle, mais genuíno, não posta. Épocas de bons comentários, e épocas sem. Até existem épocas em que aparecem mais anônimos para dizer que o que estamos falando não tem lógica. Nem adiantou colocar os selos aqui do lado.

E hoje chegamos aos três anos. Em três anos dá pra dizer que já fizemos alguma coisa engraçada. Já são quase 400 posts, dos quais, pelo menos uns 30 devem tem alguma graça.

E enfim. São três anos. Parabéns para nós. E obrigado a todos que nos acompanharam durante esse tempo. Vocês serão recompensados um dia.

sábado, 20 de junho de 2009

Quarta Feira, 21 de junho de 2006

Poderíamos dizer que o CH3 é fonte de inspiração divina, que o criei durante uma caminhada rumo a Calcutá em março de 2003, quando tive uma discussão teológica com uma vaca assaltante, mas a realidade não é tão fantástica. Como dito no post sobre nossa origem, o CH3 surgiu graças ao curso de Comunicação Social, que nos dava tempo livre para pensar em como ocupar o tempo e ganhar dinheiro, além de um contato com infindáveis fontes de papos e casos engraçados.

Era uma quarta feira, mais precisamente dia 21 de junho de 2009. Se não fosse pela Copa do Mundo de 2006 o dia da criação pareceria com qualquer um outro, o Flamengo em crise, a Coréia do Norte fazendo testes nucleares e Ronaldo lutando contra a balança. Eu me readequava ao cotidiano de levantar cedo para não ter aula, após os tempos de greve em que acordar tarde não causava remorso, e creio que essa mudança de hábito me fez perceber que faltava algo em minha vida. Meus 20 anos de idade se aproximavam, e sentia que era hora de fazer algo mais pela humanidade, construir algo que mudasse a vida das pessoas para melhor e deixar um legado que superasse minha própria existência nesse mundo. Era a hora de fazer um blog.

A inspiração para a identidade deste blog não podia ser outra além da trindade CH, verdadeiros mitos cujas obras ficarão eternizadas guiando gerações. Me refiro a Chuck Norris, Chimbinha e Charles Bronson. O primeiro só terá seu nome mencionado uma vez nesta postagem, pois é blasfêmia dizer seu nome em vão. Sua nobreza é tão grande que Ele uma vez aceitou apanhar de Bruce Lee, era só um filme. Chimbinha está para a música como Pelé está para o futebol, e quanto a Charles Bronson, só é preciso dizer que ele tem O bigode, nada mais.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Os desenhos do CH3

Saudações, CHnautas do Brasil e do mundo!
Bom... acho que empolguei. Mas não é sem motivo. Temos a nossa segunda semana CH3, em que estamos próximos de completar 3 anos. Bom, parece estranho, mas é que quando completamos 1 (um) ano não fizemos uma semana CH3. Hoje... hoje nos arrependemos.

Enfim. Como Guilherme disse no post anterior, nos primórdios do CH3, as aulas eram o melhor momento do dia para produzir. Eu por exemplo, produzia um monte de desenhos. E esses desenhos têm servido de apoio para o blog, mesmo antes dele surgir. Hoje colocaremos alguns aqui à disposição.

Começaremos com este (clique para ampliar):









No segundo semestre, Diolly (não é assim que se escreve s
eu nome) publicou na saudosa comunidade da turma a polêmica charge do profeta muçulmano Maomé. Temendo que ele fosse perseguido por terroristas, fizemos esse passatempo no estilo "onde está Wally". Até hoje é um dos desenhos favoritos de todos.
Em segundo lugar tem essa vaca assaltante. Que não sei porque motivo eu fiz ela. Mas foi desenhada no braço de uma carteira.












E tem o clássico do Cão Leproso! Infelizmente eu não tenho o primeiro desenho que fiz dele, mas este está entre os primeiros também.











Como nós, membros postantes deste blog somos feios demais para revelar nossas verdadeiras faces, normalmente nos apresentamos como desenhos. Se bem que, a maioria das pessoas que nos visitam já nos conhece. Aí estão Guilherme, Tackle e eu. Note que o traço do desenho vai mudando bastante com o tempo.










E aqui está o primeiro desenho da equipe inteira.








E do nosso time de futebol.











Por fim, o cartaz que está fixado no mural do IL da UFMT.











Ainda temos muitos desenhos espalhados pelo blog, sobre o blog. Mas esses foram alguns dos mais marcantes. Se você aprecia, visite sempre que volta e meia tem um desenho aí.
Por hoje é só, CHnautas, continuem acompanhando a Semana CH3.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

As origens do CH3

SEMANA CH3 2009Graças ao sucesso da edição do ano passado, vamos repetir a semana CH3. Uma semana especial de aniversário do Blog. Como este ano o blog está completando 3 anos, um número cabalístico para o CH3 (afinal, temos 3 no nome, temos 3 letras, e somos 3 pessoas) resolvemos postar sobre o CH3. Suas origens, seus trabalhos, seus projetos, sua história e o seu futuro. Conto com a participação de todos.
----------------------------------------


Como quase tudo nesse planeta, a origem do CH3 veio de uma explosão chamada Big Bang, que deu origem ao relógio do Big Ben, aos filmes de Bang Bang e a tudo mais. As partículas se juntaram e daí os seres foram evoluindo até chegar ao homem de hoje em dia. Se você preferir a teoria criacionista, podemos então dizer que a origem do CH3 vem de Adão e Eva, da maçã da cobra, expulsão do paraíso, e histórias cabulosas sobre irmãos que se matam, travessias pelo deserto e pelo mar, auto-circuncisões, chuva de grilos, enxofre, traições e tantas outras coisas.

Mas tudo isso resultou em três homens. Thiago, Vinícius e Guilherme, que por uma coincidência da vida, começaram a fazer o curso de comunicação social na UFMT em 2005. Vinícius e Thiago já eram universitários. Graças à seita masoquista a que eles pertenciam, eles cursaram Engenharia Civil durante um período. Vinícius fez esse curso por dois anos, pasmem. Já Guilherme ainda era um menor de idade, que não podia dirigir, comprar bebida alcoólica e tinha que mentir a idade nos sites pornôs.

O CH3 só surgiu graças a coincidência, incrível coincidência, que faz com que pessoas escolham o seu lugar para sentar na sala de aula. Há pessoas que sentam do lado perto da porta, e existem aqueles que sentam do lado oposto da porta. Tem os que sentam no meio também. Mas, realmente não se sabe porque, o lado em que as pessoas sentam na sala diz muito sobre suas personalidades. Alguém que sente do lado oposto ao da porta, jamais será amigo de alguém que senta do lado perto da porta.

E todos no CH3 sentaram do lado oposto a porta. Vinícius e Thiago, que já se conheciam rapidamente dos tempos de engenharia sentaram juntos, na tentativa de sobreviver ao começo da faculdade. Guilherme estava ali, pela coincidência. Aliás, Guilherme e Thiago não faziam a menor idéia, mas eles estudaram na mesma escola de jardim de infância.

Veio uma longa greve, e o recomeço das aulas somente a partir de 2006. A essa altura Thiago já havia virado Tackleberry, e logo seria apenas Tackle. O responsável pelo apelido foi Jesus. No dia em que o chamarmos de Tá, é melhor que o blog acabe.

O segundo semestre foi um período de criações. O lendário desenho “Onde está Dyoly” os lendários panfletos da Chapa 03. Vinícius desenhava adoidado nessa época. E meu caderno tinha qualquer coisa, menos matéria escrita. E foi um dia na aula de filosofia que filosofávamos sobre algum assunto besta. Falei sobre os tantos nomes de músicos que começavam com J.

E Tackleberry então levantou a questão sobre os mitos do cinema de ação. Charles Bronson e Chuck Norris começavam seu nome com CH. Dois dos seres humanos mais fodas do planeta. Juntava-se a eles Chimbinha. E estava feito o CH3. A folha que presenciou essa discussão é essa exibida logo abaixo.

Passaram-se mais alguns meses, e veio o terceiro semestre. Professores que faltavam, professores que não davam aula, Zequias subindo a rampa do bloco pelo vão, Copa do Mundo, os Chuck Norris Facts, a volta do Skinny. Foi nesse contexto que Tackleberry criou no dia 21 de junho de 2006, o blog CH3.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Breaking News! A morte do jornalista

Hoje é dia de dar parabéns a todos vocês, nossos caros amigos colegas, que estudaram jornalismo. Vocês perderam quatro anos de suas vidas. Ao invés de terem ficado quatro anos se matando na leitura de livros, fazendo trabalhos, se estressando com aquele professor chato, ao invés disso, vocês podiam ter ficado quatro anos pescando. Ou quatro anos jogando bola. Quatro anos soltando pipa.

Se vocês tivessem optado por isso, hoje teriam a mesma condição de conseguir um emprego em qualquer jornal. Sim aquele seu diploma, que você suou tanto pra conseguir. Use-o como apoio pra copo, como mouse pad. Veja se com ele é possível fazer um bom aviãozinho. Veja se há espaço para rascunho.

Exigir um diploma de jornalismo é um crime contra a liberdade de expressão, decidiram os ministros do supremo. Exigir diploma de jornalismo é a mesma coisa que torturar um oposicionista.

Como se não bastasse o salário ruim. As más condições de trabalho. Se não bastasse o que os donos de jornais decidem que vira notícia ou não. É a confirmação de que o jornalismo é a profissão mais banal do universo. Sim, afinal, todo site tem uma seção “você repórter”, mas nenhuma “você advogado”, “você cirurgião”. Acabou. Você jornalista empregado, cuidado. Qualquer momento poderá aparecer alguém disposto a trabalhar por 500 reais no seu lugar.

E eu... Eu queria construir prédios. Sou bom em cálculos, acho que lendo uns livros consigo construir um prédio perfeitamente. O fato de não poder assinar a planta de um prédio, ou de fazer uma cirurgia, ou de não me vestir com uma beca preta e sentar numa cadeira para deliberar sobre o que é constitucional ou não, não poder fazer tudo isso fere mortalmente a minha liberdade de expressão. Vou ali dormir, e pensar o que eu poderia ter feito de útil nos últimos quatro anos.

Loser!

I’m a loser... I’m a loser... and I’m not what I appear to be.*

*Esse é o trecho de uma música dos Beatles, I’m a loser, que está no quarto disco deles “Beatles for Sale” de 1964. Dizem que ela foi escrita depois que eles se encontraram com Bob Dylan, que disse algo como “Olha, as letras que vocês fazem são uma merda. E isso é maconha”. Drogados e depois de ouvirem umas verdades eles se concentraram mais nas letras. O resultado é essa música, letra um pouco mais trabalhada.

O tema desse post são os losers. Quem eles são? Losers são os perdedores, os fracassados, aqueles que fazem tudo errado e que tudo dá errado com eles. Inseguros, desastrados e tudo mais. Para explicar sobre o assunto, falaremos de alguns losers famosos, tanto da vida real, quanto da ficção.

Rubens Barrichello: Rubinho é da categoria dos losers mor. Tudo o que ele faz dá errado. Qualquer parte do seu carro pode quebrar a qualquer momento. Além disso ele é ruim, sempre perde para os seus concorrentes, mas não aceita isso. Declara que vai em busca do título sempre. E acha que o mundo conspira contra ele. Pra piorar, numa das suas poucas vitórias ele deixou o troféu cair no chão.

Coyote: Outro loser mor. Ele tem apenas um objetivo na sua vida, que é pegar o papa léguas. E ele já tentou fazer isso centenas de vezes, mas nunca conseguiu. Pra piorar ele ainda se estrepa todo. Cai de precipícios, é atropelado, explode, pega fogo.

Charlie Brown: É tão loser que dá pena. Pensa o tempo todo na menininha ruiva, derruba sua tarefa no chão, recebe pedras ao invés de doces. E acaba virando personagem secundário do seu cachorro.

Cebolinha: Ele vive tentando ser o dono da rua. E a dona da rua é uma menina pela qual, no fundo ele é apaixonado. Então ele faz de tudo para chamar a atenção dela, só que de uma maneira equivocada. E seus planos sempre dão errado. Pra piorar ele tem a língua presa e fala que seu maior sonho é ser o dono da “lua”. O que faz com que ele, além de loser, pareça um lunático.

Botafogo: O time todo, a torcida. Eles nunca acreditam que o time vai ganhar. Se o time vai à final, eles nem vão ao estádio, pra não ver a derrota. Seus jogadores se desesperam sempre. Certa vez, o time inteiro deu uma entrevista coletiva chorando. E o pior, o time sempre perde mesmo.

Garoto Fabinho: Não sei bem se ele é um loser. Talvez seja algo ainda pior. É constantemente humilhado por seus pais, colegas e professores. Só os amigos não o humilham. Mas, ele não tem amigos.

Pato Donald: Apesar de ser muito engraçado. Vejam só, ele é sobrinho de um pato zilionário. Todos os seus primos, apesar de chatos, são bem mais sucedidos. Sempre que sai com sua namorada, ele faz alguma besteira. E pra piorar, ele surgiu como personagem secundário de um rato!

Cão Leproso: Ele não tem braços. Basta olhar sua cara para constatar a decepção com sua incapacidade de resolver problemas do cotidiano.

O Virgem de 40 anos: Além desse fato, ele ainda colecionava bonecos, tinha todos os acessórios possíveis para um videogame.

Cuca: O treinador de futebol que pode até conquistar títulos, mas jamais deixará de ser um loser. Basta olhar sua cara. Essa é a cara dele enquanto o time está ganhando, perdendo ou fazendo um treino na praia.

Pete Best: Ele era o baterista dos Beatles quando eles tocavam numa caverna em Liverpool. Ele foi demitido e a banda começou a fazer sucesso. Precisa explicar?

Islândia: Um dia a Islândia foi um país rico. E ninguém sabia disso. Com a crise mundial, eles foram o país mais afetado, e o povo ficou pobre. E todo mundo continuou sem saber. Nem se a Islândia explodisse o resto do mundo se importaria.

Orkut: Falamos do Orkut Büyükkökten. O turco criador. Porquê? Bem, ele precisou criar uma rede na internet para chamar os seus amigos. E mostrar que tinha amigos. E o que aconteceu? No fundo todos os amigos dele nunca entraram no site, e ele foi dominado por outras pessoas, que só se lembram do criador para fazer piadas sobre ele.

MiniTeste: Você é um Loser?

Responda essas questões, e descubra se você é um loser.

- Algum pássaro já defecou na sua cabeça? Mais de uma vez?
- Você é um nerd?
- Já fez vários planos e eles sempre deram errado?
- Quando sai com alguém do sexo oposto sempre acontece algo errado? Como, derrubar café na calça (da outra pessoa), tropeçar, babar.
- Única competição que já ganhou foi jogo de videogame? Contra o seu pai?
- Depois de abandonar um projeto, ele foi pra frente?
- Já descobriu?

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Guia CH3: Como fazer um blog de humor de sucesso

Como vocês sabem, o CH3 é um blog já com quase 3 anos de estrada (não perca em breve a Semana CH3) e até agora conseguimos manter o blog como uma instituição de caridade. Não diria que somos um blog sem fins lucrativos, pois lucro até queremos, mas até agora não vimos um centavo.

E como um blog com experiência em não ganhar dinheiro, deixaremos aqui um guia de como fazer um blog de sucesso, aumentando as suas possibilidades de lucrar em cima de uma atividade aparentemente ociosa.

A primeira coisa antes de se criar um blog é escolher um tema. O tema irá definir o perfil dos visitantes do seu blog, e como tem gosto pra tudo nesse mundo, até pra frango teriyaki, audiência não vai faltar. Você pode fazer sucesso com um blog sobre futebol, sobre política, sobre música, sobre gibis, sobre fetiche por balões, sobre papibaquígrafos, sobre criação de porquinhos da índia e até mesmo sobre feijões mexicanos saltadores. Mas provavelmente os mais comuns e que mais são lembrados são os blogs de humor e é por isso que dedicamos esse guia a eles.

1) Esqueça o que dizem sobre você precisar dominar o assunto antes de falar sobre ele. Se duvida, leia aqui o Guia CH3 de como ser um crítico de cinema. Logo, se você quiser fazer um blog de humor de sucesso, você não precisa ser engraçado. Existem muitos casos por aí, como o de um certo reptiliano desdentado.

2) Jogue fora toda sua originalidade e criatividade. Pegue assuntos da Caras e transforme em notícia acrescentando alguma piada pronta. Celebridades (políticas, inclusive) movimentam os blogs de humor. Fique sempre de olho nos escândalos, e lembre-se de usar todas as piadinhas e trocadilhos ruins que você fazia quando era um pré-adolescente metido a engraçado.

3) Faça muitas montagens com fotos sobre os eventos recentes. Coloque uns balõezinhos de fala, uma legenda espirituosa, sei lá. Isso vai te dar bastante material para postar várias vezes ao dia. Porque uma periodicidade diária, com vários posts ao dia, é importante para um blog de humor. A internet está numa fase de "piscou, perdeu". Pode ver nas comunidades de orkut por aí, e até nos blogs em geral, que toda vez que alguém posta algo meia hora depois do fato ocorrido, o primeiro comentário será "old".

4) Toda sexta-feira, faça um post intitulado "links da semana", com links para notícias que todo mundo já leu, vídeos que todo mundo já viu, piadas que todo mundo já conhece, testes que todo mundo já fez, etc.

5) Faça parcerias com outros blogs de humor, que publicarão exatamente a mesma coisa que o seu, só que com piadinhas um pouco diferentes sobre as mesmas situações.

Siga esses passos e seu blog de humor fará um estrondoso sucesso. É só ver os tantos exemplos por aí.

domingo, 14 de junho de 2009

Um post aleatório

Matar uma barata é uma atividade um tanto quanto perigosa. O habitat natural delas é o banheiro, de onde elas saem correndo para espalhar o terror. Você a encontra e ela se coloca em um lugar difícil, onde atingi-las com um chinelo se torna impossível. Talvez você pudesse deixar a barata ali, onde nenhum dos dois entraria em conflito, mas não, seu desejo é ver a barata esmagada e você será capaz de qualquer coisa para satisfazer seu desejo animalesco. Então você pega o inseticida. E começa a jogar na barata, que foge, sobe a parede, desce a parede, vai pra trás do vaso sanitário, volta, passa entre suas pernas. E você continua soltando o veneno e a barata fugindo. Até a hora em que você começa a ficar tonto pelo uso do veneno e a barata continua viva. No final você vai matar a barata, nem que seja a tiro, a facadas, com uma moto serra.

Era comum nas salas de aula o coro de “bicha, bicha, bicha...” quando algum aluno tinha uma atitude, digamos... suspeita. De bicha. Em alguns casos, no entanto, tudo saia do controle. O coro começava a ser entoado para mulheres, para qualquer pessoa que fizesse barulho, para os professores, para o diretor, para os pais. Às vezes em uma sala de aula, algumas situações de possessão não conseguem ser explicadas.

O cidadão estava navegando no seu velho navegador de internet sem bloqueador de pop-ups. Então, um pop-up abriu. Ele fechou. E mais cinco pop-ups abriram. E pra cada pop-up que ele fechava, mais cinco iam abrindo. Assim os cinco viraram 25, que viraram 125 depois 725 e depois... não houve depois. O computador travou é claro. Não existia ctrl-alt-del capaz de solucionar o problema. Travado. E o trabalho não salvo? O download incompleto. Tudo perdido. Um pop-up pode acabar com sua vida.

Não sei se foi um filósofo, um psicólogo, um político ou um taxista que um dia disse “todos nascem iguais. A criação é que faz cada cidadão, se ele é violento foi a criação dele”. É mentira. Todos nascem iguais. Igualmente perversos e maldosos. Crianças são todas malvadas, sem noção. Com o tempo algumas melhoram, outras não. Eu tenho medo de crianças. Se estiver andando na rua e observar um grupo vindo em minha direção, eu mudo de calçada. No ônibus, a expectativa é sempre de que as crianças vão te provocar. Um dia eu estava no ônibus quando várias crianças entraram. No meio delas havia uma tal de Bia, e ela já havia reprovado na segunda série. Foi chamada de burra durante boa parte do trajeto. Ao que ela respondeu olhando para uma menina “melhor ser burra do que gorda e vesga. Você come salsicha que cai no chão!”. A gorda da salsicha disse “mas além de burra você não tem pai!”. Traumático. Sei de crianças que se recusaram a sentar do lado de um manetas “mãe ele não tem uma mão!” ou que apontam para anões na rua. Cuidado.

Gimenez era um filho de uruguaio nascido no Brasil. E era malvado, muito malvado. Matava pássaros com a própria mão na infância. Cresceu e virou zagueiro de futebol. Um zagueiro cruel, tão violento que era expulso até em amistoso beneficente. Jogou em todos os times possíveis do Rio Grande do Sul. Foi expulso 48 vezes, quebrou 12 pernas de adversários, além de 3 braços e 6 costelas. Certo dia fez uma falta tão violenta, que rompeu o baço do adversário. Hoje ele é comentarista num programa esportivo do interior do Paraná. Ninguém sabe sua função, dizem que ele é o comentarista que usa bigode. Falam que o programa é uma merda, mas mesmo assim é melhor que o do Milton Neves.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Os Especialistas


Depois de uma semana de buscas, as equipes começaram a achar os corpos das vítimas do acidente da Air France. Tão logo foram achados, os especialistas afirmaram que mais corpos deverão ser achados. A minha pergunta é: que tipo de especialista é esse? Especialista em achar corpos no mar?

Não cabe aqui a dúvida sobre o conhecimento do cara. Mas, é sempre curioso como em situações anormais surgem especialistas sobre os mais variados casos. Quando a menina Isabella foi jogada pela janela, apareceram especialistas para analisar o caso. Lindenberg seqüestra Eloá e lá estão os especialistas.

Provavelmente são psicólogos, pedagogos, ex-funcionários da aeronáutica, delegados e tudo mais. Mas, eles não causam comoção. A manchete de que um ex-fuzileiro naval comenta o acidente do avião, não cria expectativa nenhuma. Um psicólogo analisando o caso Isabella... o que faz um psicólogo?

Agora, se for um especialista, muda tudo. O especialista cria fascínio. “Especialista analisa caso Isabella”. Logo você imagina que é um cara que já trabalhou em várias investigações parecidas. Conhece vários casos de país que jogam suas filhas pela janela. Ou então um cara que já tenha sobrevoado o mar em busca de cadáveres, várias e várias vezes.

Não sei se isso acontecia antes. Se na queda do muro de Berlin, especialistas comentavam o caso. Se especialistas comentaram a bomba de Hiroshima. Se eles estavam lá analisando Moisés abrindo o mar vermelho. Opinando sobre Caim matando Abel. A expulsão do Paraíso. O Big Bang. Ou se os especialistas são uma invenção da pós-modernidade.

Mas o CH3 também não escapa dos especialistas. Aliás, do especialista. Claro, o colombiano Alfredo Humoyhuesos. Ele é especialista em qualquer assunto. Sim, qualquer um. Cultivo de batata em florestas temperadas? Ele entende. Temperatura média da Finlândia na década de 50? Ele sabe. Qualquer coisa. Sorte do CH3 que ele é uma exclusividade nossa. Só nós sabemos o seu telefone, onde ele mora e etc.
*****
O CH3 pensou em fazer um especial sobre o dia dos namorados. Mas depois de ver o que o site do terra preparou chegamos a conclusão de que nada seria mais engraçado. Entre a sugestão de presentes está "uma palestra sobre gestão do tempo", "curso de pompoarismo" e tantas outras coisas.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Boa notícia, má notícia

A situação é tão clássica que virou até categoria de piada. A história da boa notícia e má notícia é uma questão interessante. Tem a ver com o fato de que nada é tão bom que não possa ser estragado por um pequeno detalhe ou que por pior que pareça uma situação, há algo que a compensa ironicamente.
Não há uma ordem definida na hora de dar uma boa e uma má notícia ao mesmo tempo. Depende do caso. Veja abaixo situações de boa notícia-má notícia:

A mulher pega emprestado o carro do marido. Quando ela devolve as chaves, ela diz:
-A boa notícia é que seu carro não tem nenhum arranhão.
-Humm... e a má notícia?- diz o marido já apreensivo.
-Bem, ele tá no fundo da piscina.

Clássica situação de piadas, médico e paciente. O médico diz:
-Olha, a boa notícia é que seu tumor é operável.
-Nossa, que bom, doutor... quer dizer que eu vou viver?
-Bem... não. A má notícia é que você também tem AIDS.

Outra situação médico/paciente:
-Olha, a má notícia é que não lhe restam mais do que três meses de vida.
-Nossa, doutor... Que merda...
-A boa notícia é que eu vou me casar!
-...
-Bom, eu não disse que a notícia seria boa pra você.

A psicóloga do garoto chama a mãe para ter uma conversa sobre a saúde do filho:
-Dona Márcia, a má notícia é que seu filho é coprófago.
-!!!!!
-A boa notícia é que vocês podem economizar a água da descarga em casa, e com isso estarão ajudando o meio-ambiente!

A namorada piranha confessa ao namorado.
-Querido, olha, eu vou ser sincera. Eu estava te traindo com o Paulete, seu melhor amigo.
-O QUÊÊÊ???
-Mas ó, a boa notícia é que você nem precisa se vingar do cara, porque eu já passei herpes pra ele.

Na escola, o aluno implora uma segunda chance ao professor para passá-lo de ano. O professor pensa sobre o assunto e pede para o aluno ficar um pouco depois da aula:
-Marquinhos, eu pensei sobre o que você disse sobre te dar uma chance. A boa notícia é que eu decidi passar você.
-Oooooba, aeeee, valeu fessor!!
-A má notícia é que como condição, eu vou te molestar.

Tem também o clássico caso da agência de publicidade. O chefe chama o empregado para seu escritório e diz:
-Olha, Nestor, a boa notícia é que sua ideia pra campanha deu super certo e as vendas do cliente triplicaram e ainda ganhamos outra conta que estávamos procurando.
-Caramba, chefe, fico muito feliz por ter feito um bom trabalho.
-A má notícia é que agora vai ficar caro ter você aqui, então vamos substituir você por um estagiário que é bem mais barato. Está despedido.

domingo, 7 de junho de 2009

Saindo do armário

Dia desses foi divulgada a notícia de que um brasileiro vai participar do BBB, O Big Brother Britânico. Geralmente uma informação dessa não tem a menor relevância para o CH3. E realmente não tem. A não ser por uma informação complementar. O tal do cara, que se chama Rodrigo Lopes, acha que pode ser gay.

Como assim? O cara tem 23 anos e acha que pode ser gay? Nunca vi ninguém nessa idade achar que pode ser flamenguista, achar que pode ser católico ou achar que pode gostar de lasanha.

A história ainda tem mais detalhes. Ele afirma que acha isso porque na Inglaterra costuma a ficar com homens e mulheres na mesma proporção. E quando morava no Brasil, isso não acontecia. Convenhamos, a história é esquisita.

Muito provavelmente o cara já era gay no Brasil, mas nunca contou pra família. Foi pra Inglaterra, e longe da pressão familiar liberou geral. Foi parar no Big Brother. E lá na Inglaterra não tem como esconder a fama. E resolveu aparecer com esse papo de achar que pode ser gay. Pra não chocar a família e parecer algo como “a Inglaterra me fez ser viado”.

É um típico caso de cara que está com dificuldade de sair do armário. É como o caso do cara que participa da noite do beijo gay, não por ser gay, mas apenas por achar que todos têm direitos, e não poder ficar longe desses momentos históricos. Acha que vai enganar alguém.


E, sair do armário nem sempre é fácil.

Que o diga o Cão Leproso. Que certa vez foi farejar uma barata dentro do armário, o vento fechou a porta e ele ficou trancado lá dentro por horas. Aliás, por dias. Apenas quatro dias depois ele foi resgatado por uma faxineira que perguntou “porque você não bateu na porta?”.

Há casos em que sair do armário resulta em tragédias. Como na vez em que Hanz, o pansexual, entrou no armário do senhor M na escola, para fazer uma surpresa. Na hora em que ele saiu do armário provocou um infarto na professora de redação, além de um profundo constrangimento no senhor M. Que mudou de colégio, de cidade, de país. Só não mudou de planeta porque é caro. Hoje afoga suas mágoas na bebida.

O Armário

O armário é um objeto misterioso da humanidade. Não se sabe, pelo menos eu não sei, quem foi que um dia resolveu criar um lugar para se guardar as coisas. É um lugar perigoso, visto que várias pessoas podem sair de lá a qualquer momento. Outro perigo é o Mário. Ser esquizofrênico e sem escrúpulos que habita o lado de trás desse móvel sagaz.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

O frio

Certa vez postei aqui sobre Cuiabá em Setembro. O calor dessa época, em que as coisas não conseguem ficar geladas dentro da geladeira. Gressana também fez um post sobre o frio em Cuiabá. Um post que acabava com a imagem da nossa querida cidade, e que provavelmente foi feita por uma pessoa sem escrúpulos, e que não tem amor nem gratidão para/com o lugar em que habita. Pois bem, agora é a vez de falar apenas do frio.

Por incrível que pareça, as vezes faz frio em Cuiabá, mesmo. Coisa de menos de 20 graus, com um vento cortante, capaz de despedaçar o pedaço mais escondido de sua alma. E o frio traz algumas dificuldades para o cotidiano de uma cidade que não é acostumada com ele.

Uma das coisas mais difíceis é acordar. Sim, principalmente cedo. Você no calor agradável da sua cama, e do seu cobertor precisa sair de lá, e sentir o frio.

Tomar banho. O pior momento do dia, sem dúvida. Tirar a roupa e sentir que vai morrer. Ligar o chuveiro, e ter a sensação de que a água nunca está quente o suficiente. Depois você se acostuma, e o dificil passa a ser sair do chuveiro e encarar o frio novamente.

Outro momento complicado é sentar na privada. É como sentar no gelo. Nessa situação, as mulheres tem mais azar. Mas, os homens sofrem se precisam fazer a barba.

Lavar a louça. Se você tiver que lavar a louça num dia de frio, pode perder os dedos congelados. A água gelada saindo do cano, você perde a sensibilidade dos dedos.

Deitar nu na grama no frio é considerado tentativa de suicídio. Desagradável de pensar. Outros atos que as pessoas fazem nuas como nadar, correr e jogar boliche, são bem complicados no frio.

Entrar em bacias de gelo já é ruim no calor. No frio é de uma loucura imponderável.

Mas, no entanto, existem algumas coisas que o frio torna mais agradáveis. Sim, elas existem.

Dormir. Dormir já é algo muito bom. Dormir no frio é melhor ainda.

Comer. Nem digo nada de sopa, mas acho que no frio é ainda melhor comer.

Besuntar-se. A besuntação é ainda mais prazerosa e excitante no inverno.

Se você tem um guarda-roupa mais conhecido do que o da Mônica, o inverno é a chance de você mudar o visual. Usar aquelas roupas velhas, guardadas, empoeiradas e mofadas que você não usava faz tempo.

Ler o CH3. Ao invés de ficar congelando na rua tomando chocolates quentes ruins e inventando moda de comer fondue, feche suas janelas, vista seu casaco e leia o CH3.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Acabando com a vida das pessoas

Aqui você verá alguns casos em que um simples momento pode destruir a vida de outas pessoas.
Não recomendamos que vocês CHnautas façam, mas aí é risco de vocês, e sempre tem um toupeira.

Situação 1:
Fazer cagada no orkut. É incrível. Parece que existem pessoas que são pagas para ficar sondando o orkut todo em busca de cagadas. Em cada comunidade, em cada perfil, em cada tópico, sempre haverá alguém que vai escrever alguma merda colossal, postar foto no banheiro com alguém cagando no fundo, aceitar depoimento que não devia e até apostar o toba em algum jogo de futebol.
E imediatamente depois que a besteira é feita, é identificada e tira-se um print no ato. E vai parar em sites de ampla divulgação. Todo mundo vai rir da pessoa. E ela nunca mais vai ser a mesma depois disso.

Situação 2:
Os pais de um aluno são chamados a comparecer à diretoria da escola. Chegam lá, encontram o filho sentado numa cadeira com a cabeça baixa. O diretor convida os pais a sentarem e revelam: "lamento muito informar, mas seu filho é coprófago". Os pais ficam atônitos. O diretor prossegue "encontramos ele hoje no banheiro praticando coprofagia e os chamamos imediatamente. Ele precisa de tratamento psicológico urgente".
Nem com tratamento, nem com macumba o trauma dos pais irá desaparecer depois dessa.

Situação 3:
Ligar pro programa da Maísa no SBT. Ela vai destruir sua vida com certeza. Mas a situação pode reverter ao seu favor se você souber lidar com ela como o Silvio Santos. Caso contrário, quem liga para a Maísa tem sequelas irrecuperáveis.

Situação 4:
Almoço em família. A mãe termina de pôr a mesa. Depois de um tempo, um dos filhos fala: "Eu estava me besuntando com esse feijão. E pus de volta na panela." A mãe derruba o talher. O pai arregala os olhos. O irmão mais novo pergunta "o que é besuntando?". O filho continua: "E eu passei o feijão entre as nádegas". A mãe põe a mão na boca enquanto o pai levanta já pegando a cinta.
O garoto fica de castigo pelo resto da vida. Mas já é tarde para a pobre família.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Acordando morto

São freqüentes os relatos que algumas pessoas fazem, sobre outra pessoa que teria “acordado morta”. Relatos como “ah, ele dormiu e aí... ele acordou morto”. Entre as várias maneiras de se acordar como:
- acordar com o pé esquerdo.
- acordar com sono.
- acordar com ressaca.
- acordar gripado.
Nenhum deles se compara a acordar morto. Provavelmente é a pior maneira de se acordar. Espero eu, que eu nunca acorde morto.

Fui então buscar alguns relatos sobre pessoas que acordaram mortas. Depoimentos, sabe, para dar um sentido profundo a esse texto. Infelizmente, não encontrei ninguém que já tenha tido essa experiência de ter acordado morto. Aliás, não encontrei ninguém vivo pra dizer como é acordar morto.

Só me restou uma única opção: ir conversar com pai Jorginho de Ogum. Vocês sabem, o babalorixá, que agora quer ser conhecido como o homem mais próximo de Jeová (nome do seu novo gato), costuma a fazer incorporações. Essa foi a melhor maneira que eu encontrei para trazer tais relatos.

Lá estava Jorginho de Ogum com Jeová em seu colo. Pedi que ele incorporasse alguns espíritos de pessoas que acordaram mortas. Ele disse que só o faria depois de cagar. Ele foi ao banheiro e voltou cerca de meia hora depois. Nessa meia hora joguei uma partida de pega vareta com o cão leproso.

Jorginho voltou, sentou se em sua cabana de previsões, abriu uma lista de telefônica e começou a ler rapidamente os nomes, números e endereços de empresas que recarregam cartuchos de impressoras. Em poucos minutos ele estava em transe. Falava Zeca Abreu, goiano, que acordou morto aos 41 anos. Eis o que ele disse.

“Foi um dia complicado o dia em que eu acordei morto. Dia anterior tinha ido dormir as 2 da manhã, vendo o Corujão... tava passando a mão que balança o berço...” – “muito bom” interrompeu o Cão Leproso – “... peguei um copo de água e fui dormir. E aí, enfim, acordei no dia seguinte. Acordei morto. Levantei fui tomar uma café, tomar um banho. Voltei pra minha cama e então me encontrei lá, mortão. Foi sinistro”.

Zeca foi embora, e pai Jorginho recobrou a consciência. Pegou a lista telefônica e tentou ligar para uma empresa de recarga de cartucho de impressora. Seu crédito havia acabado e ele então pediu meu celular emprestado. Recusei é claro e ele foi ligar na casa do Marcão.

Acompanhei-o para fazer o pagamento no valor de três reais e uma caneta BIC e encontrei Marcão. Marcão quis saber se eu também ia usar alguma coisa na casa dele. Falei que não, só estava pagando Jorginho. E ele me perguntou porque eu estava o pagando. E expliquei a situação. Foi ao que ele me disse.
- ah dotô, ma eu já acrodei morto uma vez, e nem preciso encorpoa exprito pra dize como foi
- E como foi?
- ah dotô, eu tava dormindo e tal e tava com peso no estrombo acho que porque do frango assado com vitrecha de pacu que eu tiha cumido na noite. Ai eu tive uns sonho cabuloso com umas parada de cara querendo me mata e nessa ai eu cai dum prispicio no sonho.
- e daí?
- ah doto, ai eu acrodei morto.