O Rabo da Lagartixa

Muitos animais provocam verdadeira repulsa e pavor no ser humano. Geralmente são pequenos animais, que se fossem friamente analisados, não deveriam representar nenhuma preocupação. Muita gente tem medo de barata e quase ninguém tem medo de hipopótamos. Pare para pensar: racionalmente, o medo deveria ser invertido.

As baratas podem ser facilmente mortas com um chinelo, enquanto que um hipopótamo não. Você poderá se cansar de dar chineladas nele, que isso não irá nem provocar um hematoma. É provável que esse monstro resista a tiros de escopeta e não se engane: apesar de sua aparência amigável, o hipopótamo seria capaz de te matar sem o menor esforço. Mas ninguém tem medo nele.

O máximo que uma barata conseguiria fazer é voar de maneira frenética na sua frente. Suas ações parecem completamente inconsequentes, ela se move de maneira confusa e desordenada e seu plano de voo não obedece a menor lógica. O ser humano tem pavor de coisas que quebrem a lógica mundana.

Cobras também provocam pânico, o que pode ser explicado pelo fato de muitas delas serem venenosas, mortíferas e se moverem de maneira repugnante. Ratos: pequenos e assustadores. E os sapos? Provocam pavor intenso e calafrios. Um sapo não pode fazer nada com você, além de ficar parado no seu caminho e te encarando. Sapos são afeitos a jogos psicológicos e são capazes de te destruir mentalmente, olhando nos seus olhos. Mas fora isso, ele não pode fazer mais nada com você.

Entre estes pequenos animais assustadores, um dos casos mais curiosos é o da lagartixa. Um pequeno réptil que habita o lar de muitas famílias brasileiras. Completamente inofensiva, ela ainda come vários tipos de inseto, o que deveria transformá-la em uma aliada doméstica. Mas isso não acontece. Lagartixas são assustadoras para boa parcela da sociedade.

Digo que eu entendo este pavor. Por trás da aparência inofensiva, as lagartixas são verdadeiramente demoníacas. Além de andar por paredes, as lagartixas conseguem andar no teto e de cabeça para baixo. A lei da gravidade é aplicada em todos os animais, exceto ás lagartixas. Até mesmos aqueles que já estranhamente sobrem paredes, como formigas e as próprias baratas, despencariam do teto se tentassem andar de cabeça para baixo. Só um animal possuído pelo demônio conseguiria andar pelo teto. Só a menina do exorcista. E as lagartixas.

Fora esse detalhe, há outro aspecto macabro nesses répteis. Eles são capazes de perder o rabo e sobreviver. Tente amputar um membro de qualquer animal e ele irá urrar de dor, sangrar até a morte de maneira agonizante. A lagartixa não. Ela perde o rabo e segue sua vida normalmente, como se nada tivesse acontecido, como se fosse apenas mais um dia normal nesse nosso mundão de deus.

E o seu rabo também.
Infelizmente, não encontrei nenhuma foto do rabo da lagartixa. Informações dão conta de que nenhuma pessoa que já tenha presenciado o momento tenha encontrado forças para fotografar este momento assombroso

O que é verdadeiramente apavorante é o fato de que, mesmo longe do seu corpo de origem, o rabo é capaz de reagir a estímulos. Cutuque um rabo de lagartixa abandonado e ele irá se mexer como uma minhoca com calafrios. As formigas tentarão pegar este rabo abandonado e ele irá se retorcer, provocando uma cena dantesca e horripilante. Isso não é uma coisa de um animal de bem.

O rabo abandonado é uma estratégia de defesa pessoal (ou lagartixal). Justamente por ser pequena e inofensiva, a lagartixa abandona uma parte de seu corpo e essa parte – sabe-se lá como – continua a se mexer, provocando horror no agressor que resolve não mexer com esse animal para evitar piores consequências metafísicas.

Isso explicaria porque elas comem baratas. Só o capeta faria isso mesmo.

Comentários

Gressana disse…
Eu sempre achei lagartixa um bicho simpático.
Apesar de agora me lembrar aquele bebê demoníaco engatinhando no teto em Trainspotting.