segunda-feira, 6 de março de 2017

Entendendo: Reformas do Governo Temer

A palavra reforma está de certa forma atrelada ao atual presidente do Brasil, Michel Temer, e ao seu governo. Em um comunicado enviado a imprensa no fim de 2016, o mandatário nacional afirmou que seu governo não vai parar e que será reformista. Em um encontro recente com empresários paulistas, Temer voltou a bater no peito e dizer que é reformista. Com tantas reformas anunciadas, às vezes fica fácil se perder no meio de tanta informação e é por isso que o CH3 explica do que se tratam algumas dessas mudanças que Temer e sua base aliada julgam tão necessárias para o país.

Reforma Trabalhista
O objetivo é flexibilizar a utilização deste cidadão, fazendo com que ele tenha menos carimbos do que um passaporte
Polêmica reforma defendida, curiosamente, mais pelos empregadores do que pelos empregados, que acreditam que algumas relações precisam ser flexibilizadas para gerar mais renda - para os empregadores. A jornada de trabalho poderá ser maior, horário de almoço menor, férias menores, enfim, claro, desde que o trabalhador concorde com isso em acordos firmados junto aos seus sindicatos. “A convenção coletiva vai definir, desde que seja vantajosa para o trabalhador”, disse o ministro do Trabalho deixando claro que apesar de parecer péssima para o trabalhador, a flexibilização das leis trabalhistas, muito pelo contrário, vão ser ótimas.

Reforma Tributária
A legislação tributária brasileira, informam todos os especialistas no assunto, é extremamente complicada. O Governo Federal pretende, então, encampar uma reforma tributária para que todos continuem pagando a mesmas quantidade de imposto - talvez mais - só que de maneira mais simples. O objetivo é, adivinhem, gerar competitividade estimular o empreendedorismo e a congregação universal dos povos.
O vistoso portal Brasil 247 utilizou esta virtuosa montagem para ilustrar uma matéria sobre o assunto

Reforma do Ensino Médio

Há quase um consenso entre educadores e estudiosos da área de que é preciso mudar alguma coisa nas escolas brasileiras, para melhorar os índices de educação, diminuir a evasão escolar e realmente ensinar alguma coisa para estes jovens multiconectados dos tempos atuais. Há também um consenso de que esta mudança precisa ser amplamente discutida entre todos os profissionais da área, respeitando as necessidades específicas locais, dando amplitude para as mais diferentes opiniões. Infelizmente, o Governo Federal não entendeu desta forma e decidiu que era melhor editar uma Medida Provisória sobre o assunto.

O governo afirma que o objetivo é, adivinhem, flexibilizar seja lá o que for, o que nos possibilita chamar Temer de Michel, o Flexibilizador. Em uma propaganda na televisão, o Governo garante que o objetivo é melhorar a vida da população, apesar das impressões contrárias.

A reforma falha, sobretudo, em não adicionar a grade temas importantes como: utilização do Whatsapp (que deveria ocupar pelo menos metade da grade curricular atual, explicando entre outras situações que: quando você quer falar com uma pessoa, você pode mandar uma mensagem direto para ela, não precisa avisar em um grupo que quer fazer isso e que é infrutífero mandar bom dia para pessoa, esperar ela responder para perguntar tudo bem e só depois dessa resposta entrar no assunto desejado, desperdiçando metade da manhã), utilização das redes sociais em geral (certamente, as crianças tem que aprender desde cedo que mandar imagens de bom dia é um crime hediondo), verificação de veracidade dos fatos e economia doméstica.

Reforma da Previdência
Fila de espera do INSS

Há uma tendência mundial de envelhecimento da população, isso é verdade. Dois motivos basicamente impulsionam a idade média da população: a moderna medicina e os seus tratamentos cada vez mais inovadores que prolongam a vida de homens e mulheres; as pessoas têm cada vez menos filhos e em um médio prazo isso significa menos pessoas em idade ativa. Por isso, entende-se que realmente seja preciso fazer uma reforma, para evitar que pessoas se aposentem aos 55 anos e depois vivam mais 30 anos aposentadas - como é o caso do presidente Michel Temer.

A reforma se consiste basicamente em fazer com que as pessoas que hoje tem menos de 45 anos tenham que trabalhar até morrer para receber o benefício integral da aposentadoria. Ou, se aposentar recebendo menos dinheiro, o que é uma ótima solução, sem dúvida, para diminuir os gastos previdenciários. Em uma série de propagandas na TV, o governo alega que a reforma será ótima para a população, mesmo sem dar nenhuma informação sobre o seu funcionamento.

Reforma Política
Sem dúvida, uma das reformas mais discutidas em todos os tempos e que nunca irá acontecer, porque, entre outras coisas, pode diminuir o número de partidos políticos, encerrando vários postos de trabalho em um momento de crise econômica. Michel Temer disse que apoia a reforma política, sem chegar a dizer que reforma seria essa.

Reforma do Palácio Alvorada
Polêmica reforma que custou R$ 24 mil para instalação de uma tela que visava proteger a vida de Michelzinho Temer - definido como menino muito danado pelo seu pai. Após uma semana na nova casa, a família resolveu voltar para o Palácio do Jaburu, muito mais aconchegante, segundo fontes da família. Temer também classificou o Alvorada como muito distante, mesmo que o lugar fique curiosamente a menos de 20 minutos de caminhada do Jaburu.

Nenhum comentário :