sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Guia CH3: Como organizar um seminário

O mundo corporativo atual é extremamente concorrido e exige qualificação dos seus profissionais. Por isso, podemos observar a realização de tantos seminários técnicos, organizados pelas mais variadas empresas. Um seminário é supostamente bom para os dois lados: para quem assiste, que irá matar um dia de trabalho adquirir novos conhecimentos para sua área de atuação; para a empresa organizadora que irá ganhar profissionais atualizados e, principalmente, demonstrar publicamente que se importa com seu corpo profissional e com toda a propaganda que poderá fazer por conta disso. Este Guia CH3 irá falar sobre a organização básica de um seminário, que dure apenas uma manhã.

O primeiro passo é escolher o nome do evento. É claro que é possível apenas escolher alguma coisa do tipo “I Seminário sobre jornalismo científico”, mas soa pobre e não atraí o público. Para escolher um nome marcante basta utilizar uma fórmula simples: escolher duas palavras que dialogam entre si, seguidas por dois pontos e uma frase vazia que mostre sentido de desafio, futuro e explicações simples.
Exemplos? “Marketing e informação: os desafios da comunicação institucional na era das redes sociais”. “Sustentabilidade e agronegócio: o desafio de alimentar a população em uma época de crise”. “Cultura e tradições: enfrentando os preconceitos linguísticos no século XXI”. Perceberam as duas palavras? A magia dos dois pontos? O uso de palavras-chaves como “desafio”, “enfrentamento”? Escolhido o nome é hora de organizar a estrutura do seminário, o que também só precisa seguir passos simples.

Para começar, o presidente da organização responsável pelo seminário, ou algum diretor, um CEO, enfim, alguém com grande importância dentro da corporação, ou pelo menos cujo cargo denote e transmita uma sóbria sensação de segurança que o que ele diz traduz o espírito da empresa, enfim, esta pessoa irá dar as boas vindas. Em uma fala de cerca de dez minutos – aberta invariavelmente com um “bom dia a todos, eu não pretendo me alongar muito”, ele irá pontuar os ideais da empresa organizadora, elencar os motivos que faz com que todos estejam ali presentes, e tentar dar algum sentido moral para a existência daquela palestra. Ele irá agradecer o público presente, as pessoas fundamentais para que tudo isso estivesse acontecendo e então irá chamar o palestrante principal ao palco.

O palestrante principal será um desses nomes conhecidos pelo nicho específico de pessoas que participam do seminário. Não será um desses popstars do Youtube como Mário Sérgio Cortella, Leandro Karnal, ou participante do Manhattan Connection. Esses reservam suas agendas para palestras específicas, aberturas de grandes eventos ou feiras. O nome escolhido será uma pessoa aparentemente desconhecida, rosto até desconhecido, mas cujo nome exercerá algum fascínio nos profissionais.

Terá um currículo influente, com trabalhos importantes em empresas importantes. Será o responsável por um caso que é um paradigma para a profissão que ele exerce. O cara que reverteu aquela situação tensa que é ensinada nas faculdades, virou um livro e tema de reportagem de um desses programas especiais do Globo News. Quando alguém perguntar quem é ele, outro alguém responderá “é o cara do caso Fazenda Serra Malte” e todos se olharão com espanto e irão aguardar ansiosos o encontro com o messias da carreira.
Pois, essa pessoa não irá fazer uma palestra ou algo do tipo. O que ele fará será uma breve provocação. Uma breve provocação geralmente não conterá nenhum tipo de ofensa e muito menos será breve. Ao longo de meia hora ou mais, a figura influente irá mostrar uma série de slides no Power Point mostrando que a situação está ruim, mas está muito ruim mesmo. Meu deus, está ruim e só nós não fizermos nada, nós apenas iremos piorar. Ele irá contar algumas breves experiências suas, conversas que teve com pessoas influentes de outras áreas, ou até mesmo de outros países, as percepções dessas pessoas sobre essa situação que, vocês não vão acreditar, está muito ruim mesmo e mostrar mais e mais dados. Irá mostrar como a situação está desesperadoramente ruim, uma tragédia debaixo dos nossos olhos e nós nem conseguimos perceber.

Irá contar algumas piadas que manterão a atenção da plateia entre um e outro riso frouxo. E ao final disso tudo, quando as pessoas já estiverem prestes a dormir ele encerrará com uma pergunta que basicamente significa “o que vocês vão fazer para melhorar essa situação”. Após 35 minutos de ladainha numérica e dezenas de gráficos, o experiente profissional não irá oferecer nenhuma resposta, apenas um “se virem moçada”, que é o que consiste a breve provocação. Os mais incautos pensarão que este exponente profissional é na verdade uma farsa, que deve ter passado a vida inteira apenas fazendo questionamentos e recebendo os louros pelas soluções alcançadas por outras pessoas desconhecidas, provavelmente profissionais mal remunerados que eventualmente aparecem na fila do desemprego.

O microfone será aberto ao público e após um breve silêncio, quando todos se sentem tímidos diante da possibilidade de entrar em contato com esta glória profissional no palco, finalmente as perguntaras começarão, fazendo elogios e perguntas que serão sempre respondidas com retóricas vazias e, enfim, ninguém vai sair dali sabendo exatamente o que fazer, mas com muitas dúvidas e a alma leve pelo encontro marcante com a excelência palestrante.


Será então a hora do Coffee Break, quando um buffet qualquer irá oferecer suas esfihas com massa mole e carne moída carregada no tempero, frituras que provocarão azia, eventualmente pequenos sanduiches e até canapés com um paté estranho. Refrigerante em jarras, água saborizada e um suco excêntrico, tipo, suco de melão.

Na segunda parte do seminário, é a hora de alguém contar um case de sucesso. O responsável por esta fala será alguém de dentro da organização responsável pelo evento, um profissional relativamente desconhecido, mas com alguma relevância, que seja bom de fala e responda por um setor vital dentro da indústria.

Ele terá algo em torno de 20 minutos para mostrar uma situação em que a empresa esteve a beira da tragédia diante de um caso que trouxe péssima repercussão para sua imagem. O profissional da casa irá mostrar como tudo começou, as estratégias tomadas e os resultados decorrentes deste trabalho. A palavra chave será transparência em todos os passos. Sim, haverá quem ache que as coisas mudaram um pouco no acaso, afinal, de vez em quando as coisas simplesmente acontecem.

Mas, o objetivo do case de sucesso relatado pelo profissional não muito famoso é dar a todos algumas respostas que faltaram na breve provocação, mas também mostrar para o público presente que qualquer um pode encontrar as respostas nos momentos mais difíceis, mesmo sem ter um MBA em Oxford. A plateia sairá do seminário motivada e convencida de que irá começar a desempenhar um trabalho melhor.
Para finalizar, haverá a famosa mesa-redonda, montada em um lugar que não conta com nenhuma mesa, muito menos redonda, apenas cadeiras alinhadas em um formato de semicírculo. Haverá um mediador – geralmente algum profissional da casa um degrau abaixo do responsável pela abertura – e dois ou três convidados. Um profissional respeitado que trabalhe em uma empresa concorrente da organizadora (para mostrar a imparcialidade e pluralidade de opiniões), alguém que escreve artigos no jornal e já é reconhecido por dar opiniões e a terceira pessoa pode ser alguém que more em outra cidade do Estado – o objetivo é mostrar realmente que ali é um debate sério aberto para diferentes visões do mundo.

Durante 50 minutos, o mediador introduzirá temas simples, mas utilizando uma linguagem que fará com que eles pareçam muito complexos, e os debatedores irão expor suas opiniões, discordando como quem concorda, concordando como quem discorda, enfatizando convergências e aliviando divergências, sempre querendo mostrar que o que todos buscam é um bem comum.

Hora dos agradecimentos a todos, o reforço na mensagem que a manhã tenha sido bastante proveitosa e a expectativa de que outros encontros assim possam se repetir. Ao final dessa manhã gloriosa, todos poderão ir para suas casas com aquela sensação de que preencheram suas almas de conhecimento e que suas vidas serão gloriosas daqui para a frente.

Nenhum comentário :