sexta-feira, 19 de junho de 2015

9 povos contra o CH3

Nem tudo são flores nessa vida. Em nove anos de posts é claro que o CH3 iria arrumar algumas inimizades mortais. Nesse post vamos relembrar algumas delas e comemorar o fato de nunca termos sido processados.

1 Paranatinga
Tudo começou quando Vinícius Gressana resolveu passar o carnaval de 2006 no município do médio-norte mato-grossense. Voltou de lá com retinas espantadas e contado histórias terríveis sobre sapos malucos, poeira interminável e a maldita alcunha de “Paranabala”. Foi o suficiente para que a cidade passasse a ser alvo de piadas frequentes no blog. Como não existem tantas referências assim para Paranatinga no Google, os moradores começaram a cair no CH3 e é claro que eles não ficaram felizes com o tratamento que nós dispensamos a cidade. Diz a lenda que no dia em um e nós nos dirigirmos até a cidade, seremos recebidos por populares furiosos com rastelos e tochas na mão.

2 Alto Caparaó
Corria o ano de 2008, quando eu saí de férias e aproveitei para escrever a primeira minissérie da história do blog. A trama girava em torno do desaparecimento de Pai Jorginho de Ogum e minha busca por ele, ambientada nas cidades pelas quais eu passei – vários personagens e situações são reais, excetos aquelas que eu inventei. O clímax da saga ocorre na cidade de Alto Caparaó, na divisa entre Minas Gerais e Espírito Santo, próximo ao Pico da Bandeira. A população não ficou muito satisfeita com os relatos sobre o carro de som que percorria a única rua da cidade e sobre o sinistro único restaurante que funcionava no local, o Estância Gourmet. Sério, eles ficaram realmente chateados.

3 Críticos de Cinema
O clássico texto publicado neste blog sobre os Críticos de Cinema acabou por divertir muita gente, exceção feita aos críticos de cinema. Fomos acusados de nos basearmos em clichês preguiçosos, de sentirmos muita inveja dos inteligentes críticos de cinema e nos mandaram tomar no cu. A ABRACI (Associação Brasileira dos Críticos de Internet) emitiu uma nota de repúdio e sempre temos que ver ao lado de quem nós nos sentamos quando vamos aos cinema.

4 Estudantes de Ensino Médio
Tudo começou quando a série de textos que o CH3 publicou sobre as Olimpíadas lá em 2008 virou um hit. Estudantes de todo o Brasil misteriosamente caíam nessa página e desde então esse inferno nunca mais parou. Pior ainda foi quando publicamos a série de “Redações Enem Nota 10” (na verdade eu fiz essa série mais por falta de tempo de fazer algo melhor), que também estourou no Google e atraiu dezenas de estudantes loucos pela fórmula mágica do saber. Muitos ficaram furiosos, mostrando que utilização correta do Google e interpretação de texto devem ser mais aprofundados nos colégios.

5 Antônio Roberto da Ditadura Gay
Nas palavras do próprio Antônio Roberto. “Eu nunca li algo tão ridículo e tão absurdo como esse. Como alguém pode ser tão doentio a ponto de imaginar todas essas babozeiras. O mundo não é nem jamais será isso que o autor deste texto disse, não existe comportamento heterofóbico, o mundo sempre foi e continua sendo machista e preconceituoso, agora querer se passar por vítima escrevendo algo como isso é o cúmulo da insensatez, se sentir ameçado pelos homossexuais o medo de um domínio doentio dos homossexuais achando que os homossexuais seria capaz de uma represália diante de comportamentos desumanos de uma maioria de héteros mal resolvidos, que sentem sua masculinidade ameaçada é muita viadice pro meu gosto. Que perda de tempo em ter lido isso”. Esse cara é muito furioso. Pena que ele não entendeu nada.

6 Fãs dos Caçadores de Relíquias
Fazia tempo que eu achava graça no programa “Caçadores de Relíquia”, que mostra dois rapazes promovendo caçadas arqueológicas em estradas viscinais dos Estados Unidos. Fiz um texto repleto de piadas bobas sobre a mania deles de pedirem descontos em todas as peças e sobre como as coisas nos Estados Unidos são baratas. Não imaginei que o programa tivesse tantos fãs irados, que me xingariam das coisas mais pesadas, dizendo que eu era viado e que nunca serei um formador de opinião.

7 Adventistas
Certa vez eu fui ao Parque Mãe Bonifácia em um sábado e fui abordado por representantes da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Achei o nome muito engraçado e a cartilha que eles entregavam com frases místicas sobre a religiosidade eram uma verdadeira peça de humor involuntário. Claro que eu transformei o assunto em um post que irritou os fiéis e pavimentou o meu caminho para o mármore do inferno.

8 Um professor
Certa vez eu fiz um post sobre os viadinhos da turma, aqueles caras que eram os puxa-sacos dos professores. Repetindo a vida real, um professor, veio defender os viadinhos nos comentários. Acredito que os professores, no geral, não tem gostado de receber trabalhos pesquisados no CH3.

9 O curioso caso do Cantor Geubert Nunes
Termino com um caso que não é de ódio contra nós, mas que é no mínimo curioso. Atentem-se a cronologia dos fatos: Em 22 de maio de 2009 nós publicamos um texto sobre como se tornar um comentarista de futebol. Comentários foram surgindo, até que no dia 21 de fevereiro de 2011 o Cantor Geubert Nunes surgiu por lá, polêmico, dizendo que homem que não gosta de futebol é viado. O Tiago Oliveira não gostou desta afirmação e cinco meses depois, no dia 7 de julho, afirmou que não gostava de futebol, mas que passava o rodo na mulherada, principalmente naquelas carentes por que o macho está assistindo futebol. Então, no dia 17 de dezembro de 2012, mais de um ano depois, Geubert Nunes voltou das trevas para uma tréplica sinistra, afirmando que o Tiago era cabaço. Cantor Geubert Nunes é um cara atento para a sua reputação na web, parabéns.

Nenhum comentário :