segunda-feira, 27 de outubro de 2014

A Nova Guerra Fria

A Guerra Fria foi um dos períodos mais sombrios da história da humanidade. Por mais de quarenta anos o mundo se dividiu em dois grandes blocos que representavam modelos de vida opostos. Esses lados se enxergavam como inimigos mortais, construíram muros para se separar e, por cima da divisória, enxergavam a pátria de tridentes do outro lado.
Por mais que você tente, não irá enxergar PT e PSDB em lados opostos deste muro

Os opostos se armaram com bombas atômicas e durante anos a população ficou paranoica com a possibilidade de um colapso nuclear. O curioso, é que essa guerra nunca aconteceu de verdade, ficou apenas nas ameaças, nos confrontos bélicos em países terceiro-mundistas e nos golpes de Estados financiados estrategicamente para manter a sua influência mundial.

Já se passaram 25 anos desde que o Muro de Berlin caiu e que Cindy Lauper cantou Another Brick in The Wall, como prova de que aquela discussão capitalismo/comunismo não era a pior coisa que poderia acontecer no mundo. E agora, em pleno 2014, podemos dizer que existe uma nova guerra fria em andamento.

Sim, o confronto PT x PSDB pelo controle da pátria é a nossa guerra fria. Fria, porque eles jamais irão as vias de fato e, se não tem bombas nucleares, seus seguidores conseguem provocar pequenas hecatombes nucleares com suas postagens em redes sociais. Sim, notícias falsas compartilhadas no Whatsapp matam tanto quanto os testes nucleares na polinésia francesa.

Os adeptos de PT e PSDB se enxergam como representantes legítimos da verdade e que quem não concorda com eles merece a forca. Não importa se você não gosta de nenhum dos dois. Se você não estava com Aécio era um petralha, se não estava com Dilma era um coxinha. Se você anulou o voto, era uma espécie de petralha/coxinha, um verdadeiro objeto de estudo.

O principal problema da nova guerra fria é que, digamos, ela é fria até demais. Seus eventos acontecem a cada quatro anos, com breves eventos a cada dois anos, nas eleições municipais. Todo o ódio travestido de civismo fica adormecido até as próximas campanhas eleitorais, período em que o civismo vai embora e fica apenas o ódio direcionado as mais diversas camadas da população.

Povo brasileiro, largue de ser idiota. Se você quer realmente colaborar para um país melhor, não adianta nada ir na urna e escolher 45 ou 13 a cada quatro anos e se comportar como um militante xiita nas redes sociais. PT, PSDB ou as tantas outras legendas, não representam as forças do bem ou do mal, eles não são como He-man e Esqueleto. Cobre os erros, aplauda os acertos e tenha tolerância para o debate de ideias. A democracia se constrói nos mais de 1.400 dias que passam entre duas eleições.

Nenhum comentário :