sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Balde de gelo eleitoral

Eduardo Jorge, sempre ele, aceitou o desafio do balde de gelo, proposto por um dos seus seguidores nas redes sociais. No entanto, ele inovou na maneira como realizou o desafio, entornando um balde de gelo sobre ele próprio durante um debate televisivo, molhando o estúdio todo, estragando o microfone e chamando uma atenção danada. Ainda mais pelos os seus desafiados: seus concorrentes no processo eleitoral.

Dilma Rousseff foi a primeira a aceitar. Munida de um balde, ela lembrou que o desafio só é possível graças ao seu governo e ao Governo Lula. “No se que se refere ao balde de água, antes da chegada do bolsa família, que é o maior programa de complementação de renda do mundo, os brasileiros não tinham balde, nem água com gelo, para jogar sobre eles próprios. Também não havia internet para divulgar os vídeos e foi somente graças ao nosso programa de expansão da banda larga que a nova classe C pode enfim, postar esses vídeos na internet”. Seu tempo estourou antes que ela pudesse derrubar o balde.

Aécio Neves não quis ficar para trás e garantiu que a água e o gelo que o Governo do PT entrega para o povo jogar na cabeça não presta. Lembrou que em Minas Gerais ele implementou um dos maiores programas de fabricação de baldes de todo o Brasil e que se for presidente, irá levar esse programa para a frente. “Eu tenho a experiência necessária para derrubar os baldes que o Brasil precisa”, garantiu.

Levy Fidélix afirmou que a água fria é o que o Brasil precisa para se endireitar. Bradou que tudo era um absurdo e que o Aerotrem era a solução para a Esclerose.

Pastor Everaldo garantiu que na sua gestão, todos os baldes de gelo serão privatizados, garantindo um balde mínimo. Prometeu defender todos os portadores de ELA, desde que eles não queimem a rosca. Clamou pela família brasileira e derrubou o balde.

Luciana Genro declinou do desafio, por acreditar que a campanha esta a serviço do capital financeiro, com o dinheiro sendo depositado nas contas dos grandes bancos, que são quem na verdade governa o país.

Marina Silva afirmou que o desafio não era pertinente, porque derrubar ou não o balde de gelo, não significa defender ou ir contra uma causa, uma vez que há muitas outras coisas em jogo. Por fim, disse que caso haja uma pressão popular sobre o assunto, ela irá convocar um plebiscito para definir se ela tem que jogar o balde em sua cabeça, ou não, mas que será uma nova maneira de chamar a atenção para uma causa filantrópica.

Candidatos que não participavam do debate não deixaram de se manifestar sobre o assunto.

Eymael, o Democrata Cristão, afirmou que se eleito, irá derrubar sim um balde, mas um balde de constituição sobre o país.

Zé Maria afirmou que o desafio do balde é um instrumento da burguesia, que não atende os chamados da rua. O balde, seria portanto, um instrumento do peleguismo de seus adversários.

Rui Costa Pimenta atribuiu o balde de gelo as políticas nada revolucionárias dos adversários e disse que Pelego é o PSTU. Manifestantes dos dois partidos de extrema-esquerda se enfrentaram em uma batalha campal.

Por fim, ninguém se lembrou do Mauro Iasi, que acreditem, também é candidato a presidência. Mas ele informou que irá propor um desafio com os outros candidatos de esquerda, a ser realizado na sede de um Centro Acadêmico de Ciências Sociais.

Nenhum comentário :