O Mundo segundo Fausto e José

Fausto Corrêa da Silva, o Faustão, nascido na aprazível Porto Ferreira em 2 de Maio de 1950 já foi citado em 18 posts do CH3. Seu programa é freqüentemente citado como um exemplo de mau gosto e como o mais fundo poço a que alguém possa chegar. Apenas um post foi dedicado a grande figura de Fausto, se dedicando a analisar uma grande dúvida. Quem afinal escolhia as bizarras camisas trajadas por ele, ô loco meu.

Afinal, não existe ninguém mais chato do que Faustão. Imaginem as pessoas que trabalham com ele, tendo pesadelos com suas piadas infames. Com ele dizendo o quanto o nariz, a orelha ou a barriga de alguém é grande. Imaginem o Caçulinha! Quantas horas de terapia semanal ele precisa fazer? Para conseguir sobreviver ao Domingão sem auxilio médico, a pessoa precisa ser muito ruim. Descendente direto de Shaka de Virgem.

Há quem aponte um concorrente para Faustão no quesito chatice extrema. Trata-se do carioca José Eugênio Soares, o famoso Jô. Responsável por muitas entrevistas egocêntricas. Seu programa é comumente citado como um exemplo de gosto exótico para escolher seus entrevistados. Figuras desinteressantes que ganham 20 minutos na TV aberta, para servirem de escada para Jô.

Existe uma enorme controvérsia, mas muitas pessoas dizem que os dois já foram engraçados. No caso de Faustão, tal premissa parece impossível. Você não consegue olhar para aquela figura em roupas cintilantes dizendo “olha o tamanho da criança” e imaginar que em algum dia da história, ele já tenha dito alguma piada que tenha feito alguém rir. Mas há quem garanta que seu programa Perdidos na Noite era divertido.

Agora, estou pronto para se apedrejado, mas eu acho que Jô Soares é engraçado. Tem boas piadas, boas sacadas, já teve programas interessantes. O problema é seu egocentrismo. Até se Jesus reencarnasse, ele seria coadjuvante em uma entrevista para o gordo.

Mas, algumas coisas ligam os dois. Não apenas o fato de serem figuras rechonchudas, apresentadores da Globo. Os dois têm um gosto peculiar para escolherem as suas atrações. Apenas em seus programas é que podemos ver garis cantores, padres maratonistas, biólogos artesãos, tenores pagodeiros.

Faustão tem um gosto pós-moderno, por assim dizer. Domingo ele chamou um tenor ao seu palco. Entre tantos números, o cidadão cantou a malemolente Deixa a Vida Me Levar de Zeca Pagodinho com voz de tenor. Não existem palavras no dicionário para descrever a bizarrice que foi assistir isso. Ninguém teria a idéia de “trazer um cantor de ópera para cantar pagode”. Apenas Faustão.

Ele também adora chamar humoristas imitadores. Esses típicos baratos, que você conheceu alguém do tipo no colégio. Faz aquelas imitações triviais de Silvio Santos, Maria Bethania, Roberto Carlos e Galvão Bueno. Mas Faustão não se dá por vencido. Pede para que o imitador faça Ronaldo Fenômeno com Caetano Veloso. Nelson Ned com Pelé. O resultado é uma mistura louca e que não se parece com nada e que a única graça possível é a humilhação do artista.

Já Jô tem um gosto por pessoas desinteressantes. Imagino-o recebendo a sugestão de possíveis entrevistados: “Um carteiro que toca cavaquinho, um garoto de seis anos que é fera no xadrez, Rogério Skylab – já faz mais de dois meses que eu não entrevisto ele? Então tá”. Ainda teremos um cara que se veste de Batman e anda numa bicicleta que faz barulho. O que esse cidadão tem a dizer? Não sei. Serão 20 minutos de embromação e histórias chatas. Fora quando uma figura totalmente desnecessária da televisão brasileira ganha dois blocos de entrevistas. Não Jô, alguém precisa te dizer que o ganhador do BBB deveria participar no máximo dos Se Vira no 30, ele não tem dois blocos de coisas para falar.

É possível que haja uma rivalidade entre os dois. Já que Jô nunca foi jurado da Dança dos Famosos, nem nunca participou da pizza do Faustão. E Faustão nunca foi entrevistado pelo programa do Jô. Num mundo desses em que o cara que coleciona tampinhas de refrigerante é entrevistado, isso é um mistério. Talvez, mais do que rivalidade, seja uma medida de segurança para que a ONU não invada o país.

- e aí Faustão, me conta como anda o seu programa.
- Ô loco meu, estamos gravando toda semana no estúdio III
- Grande estúdio III. Já fiz muito programas lá. Vamos ver um quadro meu gravado lá.
- Orra meu, olha o tamanho da criança!
(Bira Rindo. Faustão faz uma piada com o Bira. Jô se irrita e diz “faça piadas com o Caçulinha! O Bira é meu”! Começa a terceira guerra mundial).

Comentários

Eduardo disse…
Anteontem vi no youtube a primeira abertura do programa do Faustao, bem como chamadas para o primeiro programa. O Faustao surgiu na Globo pra ser escrachado mesmo, tanto que na abertura ele da a entender que esta falando muita porcaria e palavrão. Creio que seria o oposto a figura de terno e gravata do S Santos. Com o passar do tempo, o programa do Fautao foi ficando mais "sóbrio", mais lapidado pelo Globo e sua veia escrachada se perdeu. Ainda acho que o Faustao seria genial se fosse 1 vez por mes.

O Jo eu nao vejo, estou sempre dormindo no horario.
em teste disse…
ahahahah Queria muito assistir a uma entrevista do Jô com o Faustão. E verdade, eu nunca tinha pensado nisso. O Jô nunca entrevistou ele. Taí CH3 Jornalismo investigativo.Eu também acho o Jô engraçado às vezes. E eu ria um pouco com o Faustão narrando as vídeo cassetadas.
Eduardo disse…
A Gabi ja entrevistou o Faustao.