Programas Nojentos

Não. Este não é um post sobre utilizar os serviços da casa de diversão noturna Carnicentas.

A hora do almoço acaba por ser uma hora de convivência. As pessoas aproveitam este momento de folga para conversar, assistir televisão. No fundo, o grande objetivo é apenas um: se alimentar. Conseguir obter energia para manter o corpo em funcionamento. Para se alimentar, a melhor coisa é ter apetite. Fome. Um bom ambiente para isso ajuda.

Você talvez conheça alguém que seja especialista em contar piadas nojentas na hora do almoço. Que no momento em que todos comem uma lasanha cremosa, conta aquela piada sobre limpar o vaso do sanatório de tuberculosos em Barbacena. Caso você não conheça essa piada, talvez seja melhor não saber. Você pode nunca mais querer comer na sua vida.

Existem pessoas que são mais sensíveis. Que se alguém fala “merda” a mesa, a pessoa não come mais. Porque? Porque ela pensa em um cagalhão e resolve não comer mais, porque merda e comida não combinam. Cada uma tem a sua hora. Nesses casos, são pessoas mais sensíveis. É péssimo ter pessoas assim no seu círculo social.

Mas, conforme foi dito, temos a televisão. Na hora do almoço está passando o jornal local, ou talvez o Jornal Hoje. No geral é um programa descontraído, leve e etc. Claro, você pode ficar sem apetite vendo a Sandra Annenberg fazendo piadinhas insuportáveis e o Evaristo se engasgando em risadas insuportáveis.

O problema é o conteúdo. Dia desses passou uma matéria sobre uma Madre. Quatro anos depois da morte dela, abriram o caixão e... surpresa! O corpo estava intacto. Seria um milagre nordestino. O corpo dela agora estava exposto em uma igreja. Tudo bem, se não fosse o fato de que eles mostravam o corpo da mulher. Queiram ou não, era um defunto. E mostrar closes de um corpo morto há quatro anos na hora do almoço é... complicado.

O Jornal local também é especialista nisso. Já vimos matérias sobre intestino preso, com direito a entrevistas com pessoas falando de seus hábitos intestinais. Já tivemos matérias sobre gangrena com imagens de pessoas com feridas. Tá, não era sobre gangrena, mas mostrava pessoas com machucados nos pés.

Gangrena, aliás, é uma palavra nojenta. Tal qual catarro e gonorréia. Espero que você não esteja comendo e lendo esse post.

Estamos começando uma campanha agora, que pede por mais sensibilidade dos editores dos telejornais da hora do almoço. Sem defuntos, sem feridas, sem merda, sem Sandra Annenberg. Já foi bom que hoje o pisão do Felipe Melo não foi transmitido no almoço.

Bem, talvez seja melhor desligar a TV.

Comentários

em teste disse…
FATO! Pessoal sem sensibilidade com o nosso momento refeição.E eu ainda sou do tipo dos sensíveis. Ah, gente,essa vida moderna não respeita nem mais os tabus da refeição. Pelo conservadorismo no momento almoço!
Adérito Schneider disse…
Nada como uma reportagem sobre mais um homicídio (em plano sequência) na hora do almoço. Vi uma vez de um cara que foi assassinado justamente enquanto fazia seu prato no restaurante. E os editores devem ter pensando que era um bom "gancho" pra mostrar na hora do almoço, com corpo ensanguentado e prato de comida, lado a lado. Eu hein!