Semana CH3 2010

Bem amigos do Blog CH3. Haja coração. Começa hoje mais uma Semana CH3. O maior evento do planeta, talvez empatado com a Copa do Mundo. Semana em que comemoramos o nosso aniversário e para isso, temos posts especiais. E o melhor, posts especiais diários. Semanas CH3s são capazes de mudar vidas. Pessoas importantes, como a Andreza, adoram. A família de José Saramago se sentiu frustrada pelo fato de ele não ter sobrevivido para acompanhar mais uma Semana CH3, sua semana favorita no ano.

E para começar, nada melhor do que um CH3 News. O grande jornal do CH3, que chega a sua vigésima edição, segunda especial para a internet. É uma edição enxuta, mas que conta com uma matéria especial sobre "Comprar CDs em Cuiabá", que reproduzimos abaixo. Aproveite para folhear, ou melhor, rolar o jornal. A semana está só começando. Vamos até o dia 24. E ah, no dia 21, segunda-feira iremos comemorar o nosso aniversário no rodízio de pizzas do Verde Vale do Shopping 3 Américas, a partir das 19h45. Compareça. Se você quiser.



COMPRAR CDs EM CUIABÁ

Eu já estive no inferno. Mas jamais tive uma missão tão difícil assim. Os editores me mandaram “compre um CD de uma banda boa, aqui em Cuiabá por menos de 30 reais”. Achei que seria possível, mas logo percebi as dificuldades que eu teria.


A começar pelos estabelecimentos. Logo me dei conta de que existem apenas quatro lojas de CDs em Cuiabá, sendo que nenhuma é especializada. Duas pertencem a uma grande loja de departamentos, de porte nacional. As outras duas, a uma rede de livrarias regionais. Duas em cada um dos dois principais shoppings de Cuiabá. Seria difícil, mas resolvi: sou homem, vou tentar. Nada teria de temer: apenas o fracasso.

Me dirigi ao primeiro Shopping, cujo nome faz menção as três partes que formam o continente no qual vivemos. Fui a loja que faz menção ao plural feminino do gentílico dos nascidos nesse continente. Uma música sertaneja tocava, alto. Passei por promoções de DVDs, todos ruins. Passei por muitos chocolates e cheguei a parte de CDs. Passei o olho por todos e o mais interessante que encontrei foi uma coletânea do Taiguara por R$9,90. Foi o primeiro fracasso.

Fui a outra loja. O nome lembra a personagem daquela música que acordava todo o dia as sete e meia e já na hora de ir para cama ela pensava: “que o dia não passou”. Confesso que encontrei bons CDs. Alguns realmente me pareceram muito interessantes. Mas o preço era incrivelmente proibitivo. Custavam quase sempre, na casa dos R$40. Um disco de plástico, dentro de uma caixinha de plástico, acompanhada de um folheto de papel, que não gasta mais do que uma folha A3 para ser fabricado. Jamais poderia custar esse preço.

Me dirigi cabisbaixo até o outro Shopping Center, cujo nome é igual ao de um grande ecossistema de nosso estado. Me dirigi a tal loja de departamentos. O som não era sertanejo, o que poderia ser uma boa notícia. No entanto, os alto-falantes entoavam uma música gospel em volume ensurdecedor. E vi que pessoas nas filas, carregando os seus chocolates e roupas íntimas, cantavam todos os versos e o refrão das músicas. Por um momento me senti confuso. Imaginei se por um acaso, eu não havia me confundido e num azar miserável havia ido parar dentro de um culto religioso. Logo vi um pote de batatas fritas e voltei a realidade.

Mas, passei pela mesma dificuldade encontrada na outra loja. E nem mesmo o CD do Taiguara eu vi. Ainda me seduzi por um Box de DVDs do Rambo, mas não deveria me desviar do meu foco principal.

Fui então a outra loja. Era minha última oportunidade. Senti a adrenalina em minhas veias quando adentrei ao local. Me senti como se fosse o dia do juízo final. As funcionárias me perguntaram se eu queria ajuda e eu disse que não, estava apenas dando uma olhada. Cheguei aos CDs. Fui logo me decepcionando com os preços extremamente proibitivos. Encontrei preços acima de R$50. Senti vontade de chamar a polícia. Minha dignidade estava sendo assaltada pelo simples fato de olhar aquilo.

Até que finalmente encontrei uma possibilidade. Liguei para algumas fontes e perguntei se aquela banda poderia ser considerada boa. Houve discordâncias, mas todos concordaram que pelo menos, ruim não era. Estava decidido. Havia conseguido.

Nem acreditava. Meus olhos se embotaram de cimento e lágrimas. Tijolo por tijolo em um desenho lógico. Me dirigi ao caixa, com o sorriso que apenas os vencedores tem no rosto.

A caixa passou o código de barras e o preço estava correto. Perguntou a forma de pagamento e eu disse “cartão” e completei “débito”. Ela passou e pediu para digitar a senha. Digitei. Transação não aprovada. Tentei uma segunda vez. E uma terceira. Nada feito. O sistema estava fora do ar desde manhã. Não agüentei. Peguei o meu taco de beisebol e comecei assim o meu dia de fúria.




Comentários

em teste disse…
Sim, eu adoro a Seman CH3!!! Quatro anos! My God do céu! E com um hidrogênio a menos do que um dos maiores causadores do aquecimento global. E eu acho que disse isso mesmo no ano passado. Se estivesse aí, ia bater meu recorde no rodízio e ainda com macarrão! Porque a Leidi não pode nada no rodízio comigo.Parabéns pro CH3, agora no poder!
Gressana disse…
Sensacional a matéria sobre achar cds decentes em Cuiabá.
Vida longa ao CH3!
Adérito Schneider disse…
Uhuu! Semana CH3.
Na matéria dos CDs, vc esqueceu daquele sebo no centro de Cba. Lá tem mta coisa massa. Bons CDs usados a preço de novos. Uma desgraça!
Viva o CH3!
Adios!