Personagens clássicos

Durante sua vida você provavelmente conheceu algum desses.

Escola
O cara de boné para trás: Era uma figura mística que sentava no fundo da sala com seu boné virado para trás. Em alguns momentos ele possivelmente babava. Pelo menos cinco vezes durante o dia, algum professor pedia para que ele retirasse o boné. Sempre era um momento de provocação quando alguém pegava o boné dele e começava a jogar de um lado para o outro da sala.

O cara que chamava todo mundo de viado: Viado para ele poderia ser tanto uma palavra ofensiva quanto carinhosa. Ele te chamaria de viado se você pisasse no pé dele, ou se estivesse te pedindo cola. Vinte anos depois de formado ele provavelmente ainda te chamaria de viado se te encontrasse na rua. É possível que ele chame o seu próprio filho assim.

A menina mais bonita da turma: A musa das pequenas enquetes, com a qual todos ficavam vermelhos ao conversar. Emprestar uma caneta para ela era motivo de orgulho. E a possibilidade que ela soubesse dessa admiração era motivo de terror.

O futuro gay: Quando você estava na terceira série esse rapaz era motivo de humilhação e era apelidado de “Bofe”, “Sarita”, “Vera Verão”. Anos depois você encontra ele e percebe que ele realmente é gay. Você fica com peso na consciência, por sua maldade inconseqüente no passado.

O bobão reprovado: Já era reprovado três vezes e por isso era muito mais alto que o resto da turma. Quando todos descobriam a masturbação, ele já ia no puteiro. Quando todos começavam a fazer a barba, ele já tinha filhos. Ria de tudo e era amigo dos professores, de tanto tempo em que eles já se conheciam. Se bobear ele tinha estudado com um deles.

O cara que comia merda: Sempre uma figura detestável e que vivia isolada dos outros.

Bairro
Vizinha evangélica: Aquela que nos sábados de manhã lavava a casa escutando aos berros as músicas de louvação.

O Bêbado do fim da rua: Figura simpática, que morava no fim da rua, lugar praticamente inabitado e inóspito. Sempre era cumprimentado pelos outros vizinhos. Morreu sem dar notícias.

Vizinha escandalosa: Chamava o filho aos gritos. Brigava com o marido de maneira que toda a vizinhança pudesse escutar. Costuma a ter cachorros pincher que latem quando você espirra.

Os vizinhos da casa misteriosa: Nunca saiam de casa. Eram poucas vezes vistos. Se você cumprimentasse o filho da casa ele sairia correndo. Um dia eles se mudariam, sem que ninguém percebesse.

Drogado da rua do lado: O famoso drogado da rua do lado que servia de exemplo para que você não entrasse no mundo das drogas. Engravidou uma menina de 14 anos, destruiu a vida da família e cometeu suicídio aos 21 anos escutando um disco do Nirvana.

Aprendiz de guitarrista: Aquele vizinho que passava horas do domingo tentando acertar o riff de Come as You Are. Ele nunca conseguia.

Louquinho de bairro: Figura já mencionada por aqui. Aquele ser bizarro que se vestia de maneira esquisita, que tinha hábitos estranhos como: contar canudinhos, falar com passarinhos, ou fazer previsões sobre o futuro. Vivia no bar a procura de um ombro embriagado que pudesse escutar suas histórias e sua mãe te alertava para não falar com ele e sequer olhar em seus olhos. Normalmente era irmão de algum político, ou de alguma família rica que tinha vergonha dele e o sustentava à distância.

Faculdade
Participante do movimento estudantil: Fazia discursos solitários no saguão. Apresentava anualmente sua chapa para o DCE, sempre com as mesmas propostas. Criticava a apatia dos outros por... suas notas baixas.

Homossexual com roupas de lantejoula: Figura controversa e enrustida que tinha hábitos estranhos e falsas amizades com todos.

Guardinha Tarado: Guarda que vivia no maior apuro e era capaz de fazer comentários maliciosos sobre um maracujá. Mesmo que esse maracujá tivesse pernas, usasse mini-saia e trabalhasse no bloco do lado.

Tiozinho da Xerox: Figura amistosa, que tinha certa eficiência em seu trabalho. Conquistava os clientes com a conversa e balas de menta.

Lerdinha da Xerox: Pessoa que te fez perder muitas horas na fila. Ela não conseguia achar os papéis, não conseguia mexer na máquina, fazia o trabalho lentamente e ainda tinha dificuldades em fazer as contas sobre os valores.

Ainda existiriam muitos outros, e em vários outros lugares. Mas isso tornaria o post ainda mais extenso.

Comentários

Laís disse…
Adorei o post. Saudade em especial do tiozinho da xerox, haha.
Hahahahahahaha!
Escola é foda! Crianças são a prova de que os seres humanos são grandes filhos da puta e que (alguns) apenas começam a se controlar quando vão ficando velhos.
An, faltou o gordinho que era o último a ser escolhido pro futebol na educação física; o baixinho chato que queria brigar com todo mundo e não aceitava ser o primeiro na fila por ordem de tamnho, etc etc.
Laís disse…
Não precisava ser gordinho pra ser o último a ser escolhido pro futebol na educação física - true story!
Gressana disse…
"Emprestar uma caneta para ela era motivo de orgulho. E a possibilidade que ela soubesse dessa admiração era motivo de terror."
Hahehaheahehaheahehaheaeha!!!
Mariana. disse…
Saudade da escola... Mesmo as crianças sendo os seres mais cruéis da humanidade.

PS: pincher(s) deviam ser eliminados. Ô raça.