Grandes dúvidas que não têm explicação (8)

Alfaces decorativas

Foi esses dias que eu estava em um estabelecimento alimentício e ao receber uma porção de batatas fritas, a mesma veio com uma folha de alface em baixo. Aliás, o sanduíche veio com uma folha de alface embaixo. Não tenho certeza se os refrigerantes vieram apoiados em folhas de alface também.

E esse costume não é exclusividade de tal estabelecimento. Por mais que as alfaces decorativas não sejam tão intrigantes ao ponto de serem comparadas ao morango decorativo de Alto Caparaó, elas me intrigam assim mesmo.

Alguém poderá vir aqui e me dizer “você não pensou no que era óbvio, era um simples enfeite de sua refeição, que era comestível, ou seja, você poderia comê-lo”. Sim, isso é óbvio. Mas ao ver a tal alface decorativa, eu me posto como se fosse um cientista observando um objeto de estudo.

Bem, sobre a parte comestível. Eu duvido que alguém realmente vá comer uma alface dessas. Não imagino que alguém olhe aquela folha verde toda queimada pelo calor da batata e pense “vô mandá essa delicinha pra dentro, hehe”. Aliás, até imagino encontros de amigos e eles apostando “duvido que você é homem de comer essa alface”.

E quanto a parte decorativa, imaginem quantas folhas de alface não são jogadas foras diariamente apenas para servirem de decoração para bandejas de petiscos. Imaginem a decepção da folha quando ela é avisada “você vai ficar escorando batata frita, enquanto todas as outras folhas vão pra salada”. E quantas pessoas essas folhas não poderiam alimentar? Bem, talvez não muitas, já que alface não é a coisa que mais enche barriga nesse mundo.

E outra coisa é o ponto de vista estético. Eu não me sinto mais tentado a comer a porção de batata frita por ter uma folha de alface queimada em uma borda.

Alfaces poderiam ser usadas, talvez, para decorar ambientes. Ramos de alface em cima de mesas. A noiva jogando um buquê de alfaces para trás. Folhas de alfaces grudadas nas paredes. Restaurantes futuristas cuja arquitetura foi baseada em uma alface. Pés de alface como brindes de jantares de gala.

E o mundo então seria um pé de alface.

Comentários

Mariana. disse…
Sério, obrigada por este post.

Alfaces decorativas sempre me intrigaram muito. Mas quanto ao desperício, duvido que seja tão significativo, pois já que ninguém come, é obvio que os restaurantes reaproveitam. As vezes elas estão queimadas por conta do tempo, mesmo...

E quanto a comer a decoração, tem mesmo que ser muito doente ou morar na etiópia pra fazer isso.

Um dia meus amigos bêbados apostaram pra ver quem comia a tal alface. O mais bêbado de todos foi lá e ganhou...