Dossiê CH3: A polêmica do Activia

Antigamente, muito antigamente as pessoas não iam ao banheiro. Porque os banheiros não existiam, e talvez o eufemismo para cagar utilizado pelos homens da caverna fosse algo como “Uga buga cabuga” ou “vou ali no matinho”. Ir passar um fax, quebrar o paradigma e coisas parecidas também não faziam parte do vocabulário das cavernas.

Talvez a evolução do ser humano tenha dificultado a questão de ir ao banheiro. A prisão de ventre parece que se tornou algo genético, uma maldição levada de geração a geração. Conseguir se aliviar com regularidade e sem sofrimento parece ser um objetivo de vida. Defecar virou um dos momentos máximos de uma vida, um prazer tão único que as crianças preferem o fazer na casa do Pedrinho, porque lá tem o spray cheirosinho. Sem spray cheirosinho esse momento sublime (provável marca de papel higiênico) não será tão bom.

E é nesse mundo que surgem as propagandas que estimulam o consumo de papel higiênico. Existe a propaganda do Lacto Purga, menos comentada e menos assistida, mas que mostram pessoas gargalhando ao sair do banheiro por terem usado Lacto Purga. Sim, esse remédio é um laxante. E laxantes tem efeitos devastadores. Mas as pessoas gargalham, como se laxante fosse Prozac.

E é claro, temos as propagandas do Activia. A primeira vez que eu vi uma propaganda desse iogurte, fiquei parado por alguns segundos olhando aquilo. E tentando acreditar que eu realmente havia visto aquilo. No mundo que eu conheço, uma propaganda com esse conteúdo e linguagem só teria espaço nos comerciais da CH3 TV.

Mulheres falando abertamente sobre sua freqüência no banheiro. Utilizando roupas largas e brancas, na beira de um lago, demonstrando a leveza. A insustentável leveza do ser, após cagar.

Veio o desafio Activia, algo como “cague ou tenha seu dinheiro de volta”. E a sensacional propaganda do casal que poderia ter o slogan de “casal feliz defeca unido”. Esse comercial tem a sensacional cena em que o marido faz cara de quem tinha que fazer força no vaso. E tudo isso passava no intervalo do Jornal Hoje, entre uma e outra piada da Sandra e do Evaristo sobre uso de produtos de beleza.

E ah, além de forçar sua ida ao banheiro, o iogurte ainda era capaz de transformar seu acumulo de gordura em uma barriga definida, automaticamente.

O produto fez sucesso. O que me fez perceber que a realidade do mundo realmente é cruel e existem milhares de pessoas com prisão de ventre clamando pela liberdade. Uma vez vi um homem no supermercado comprando 2kg de carne, 10 potes de Activia, pão e 16 rolos de papel higiênico. Provavelmente seria um dia movimentado.

Pois bem. Só que nem tudo são flores. Grupos naturalistas que pregam uma alimentação a base de fibras e culpam o pão branco pelos males do mundo questionam o produto. Dizem que as bactérias reguladoras anunciadas na propaganda são bactérias encontradas apenas nas fezes de grandes animais. O que, assim, para os indianos seria normal, se as fezes forem de vacas. Enfim. Basicamente é um iogurte de merda, sem qualquer juízo de valor.

Algumas pessoas dizem que fizeram o tal desafio e quase morreram. Foram internadas, isoladas debaixo de metros de concreto e de chumbo e receberam a extrema-unção. Afinal, qual é a verdade disso tudo? Não sei.

Para tirar qualquer dúvida, colocamos a equipe CH3 para fazer o desafio. Pai Jorginho de Ogum, Marcão, Hanz e o Cão Leproso foram se entupir de iogurte. Passada uma semana, perguntei-os como eles estavam. Eles disseram que estavam normais, iam ao banheiro todo dia. Quer dizer que funciona, perguntei. Responderam-me que não sabem, porque eles já faziam isso todo dia, normalmente.


Pois é, eu deveria ter escolhido melhores os voluntários. Mas como é que eu poderia escolher? Deveria ter saído as ruas perguntando "oi, com que frequência você caga?". Bem, de fato nossa pesquisa não havia chegado a ponto nenhum. Ou melhor, até tinha.

- Na verdade num to bem não, dotô – me revelou Marcão. Perguntei o porque. Ao que ele me respondeu.

- Esse negóci é ruim pa caraí. – os outros assentiram com a cabeça – próxima vez traiz um di morango ou chocolate.

Comentários

Mariana. disse…
olha, independente dos sei lá o quê dan-regularis, o Activa é muito bom.

E isso de sair perguntando na rua sobre fluxo intestinal não é uma boa mesmo: faz um tempo uma mulher - que até aparece na TV local, mas eu não sei o nome - queria por que queria que eu falasse sobre isso. E de graça! Achei um absurdo... hahaha