O Fetiche por Carros

CH3 está na fase dos fetiches, as especialidades do mestre Gressana. Depois de uma abordagem nunca vista até então sobre o frotteurismo feita pelo nosso colega, resolvi me aventurar a escrever sobre o fetiche por carros, após tomar conhecimento no grande número de ocorrências desse hábito. Sim, é verdade, nesse mundo em que a gente pensa que já viu de tudo, ainda há pessoas com tara sexual com polvos, com carros não seria diferente.

Minha inspiração para este post veio da história do americano Edward Smith, de 57 anos. Smith está em destaque no globo.com após declarar ter feito sexo com mais de 1000 carros, entre eles muitas celebridades, como o fusquinha Herbie, e haveria inclusive um vídeo com o fusca em situações comprometedoras. Smith declarou que sua experiência mais intensa foi com um helicóptero do seriado Águia de Fogo. “Ele era muito quente”, disse Smith por telefone ao CH3.

Ambos têm um pornô no currículo

O fetiche ainda não tem denominação científica, pelo menos não achei nada na internet. Pensei em dar o nome provisório de autolatria, mas o termo já se refere ao fetiche por si mesmo, pessoas que ficam se comendo na frente do espelho. Então resolvi usar “carrolatria”. A carrolatria se estende a diversas variações, como o fetiche por motos, por ônibus, aviões, helicópteros e até mesmo caminhões e tanques de guerra.

A carrolatria é mais comum do que parece, o americano Smith faz parte de uma comunidade de mais de 500 carrólatras. O carrólatra leva uma vida praticamente normal, com exceção da incontrolável vontade de manter relações sexuais com veículos automotivos. O carrólatra aproveita todos orifícios e partes cilíndricas existentes, eu disse todos. Essa tara causou problemas graves a um goiano propietário de um volkswagen que teve a ponta do pênis amputada após tentar rebater o banco.
É um fetiche admirável por não se pautar de preconceitos, pois o bom carrólatra se relaciona com carros de qualquer idade, cor e nacionalidade, não importa também o tamanho, os carrólatras são verdadeiros apaixonados por carros. O slogan “apaixonados por carro” da Ipiranga é fruto da carrolatria de um antigo presidente da empresa. Quem abastece nos postos Ipiranga tem grande chance de ser um carrólatra.







“Não passa de um velho tarado, um pervertido” disse Hanz, o Pansexual ao ser questionado sobre os hábitos de Edward Smith.





Muita gente ainda enxerga a carrolatria como uma doença, e se preocupa em manter uma relação mais distante com seu carro, preferindo nem lavá-lo. Mas para provar como a carrolatria já faz parte da sociedade CH3 listou algum hábitos e casos de pura carrolatria:

Você encera seu carro com que freqüência? Encerar o carro é como a besuntação para os carrólatras. Se você alguma vez já pensou em sexo encerando o carro pode se considerar um carrólatra.

O filme Transformers é o primeiro lugar em vendas nas lojas carrólatras de dvds. Nos cinemas o filme teve muito mais bilheteria nos drive-ins, cinemas destinados aos praticantes da carrolatria.

O cinema é na verdade um reduto de carrólatras. Já assistiu Perfume de Mulher com Al Pacino? Os sons da seqüência do passeio na Ferrari leva os carrólatras deficientes visuais ao êxtase. A série Velozes e Furiosos é cult entre os carrólatras, que já aguardam a estréia de Speed Racer nos cinemas. O bom carrólatra idolatra os carros com acessórios do 007. Alguns têm dvds só com as cenas nos carros dos mais de 20 filmes da série.

O sistema drive thru é criação de um carrólatra, para aqueles que não largam do carro nem para comer.

A carrolatria também invade o mundo dos desenhos. Speed Racer é quase um “hentai” para os carrólatras, a Corrida Maluca não fica atrás. O desenho Transformers é proibido em muitos países europeus acusados de conter mensagens subliminares estimulando a carrolatria. De fato, em uma pesquisa realizada com 2.000 carrólatras em todo o Brasil, 97,3% declararam ter assistido ao desenho quando crianças. Os Flinstones são o primeiro caso da união entre fetiches nos desenhos animados. Os podo-carrólatras ficam extremamente excitados com aqueles carros movidos por pés.

Já foi desenvolvido o carro-fetiche, o nome dele é Venturi Fetish, um carro elétrico esportivo, com apenas 25 unidades produzidas. É o sonho de consumo dos carrólatras com fetiche por choques elétricos.

Os carrólatras adolescentes passam horas com a Quatro Rodas no banheiro de casa, e não perdem um programa Auto Esporte. As corridas em geral também despertam um interesse incomum nos carrólatras. Existe até uma teoria de que o Barrichello é na verdade um carrólatra, que faz questão de andar o mais devagar possível pra aproveitar cada momento no seu Fórmula 1.

As carrólatras e os carrólatras gays, compram hot wheels aos montes, em detrimento dos antigos consolos de látex, os carrólatras gays também estão ganhando espaço na indústria automobilística, criando carros como o New Beetle, o 206 conversível e inventando nomes como Xsara Picasso.

E para quem pensa que os quadrinhos estão livres do fetiche por carros, de acordo com os estudos em carrolatria, o Batmóvel nada mais é que a representação fálica do caráter carrólatra de Bob Kane.

Comentários

J. Tomaz disse…
Ai meu deus...

acho que sou carrólatra.
Gressana disse…
Aveeee!!
Levar isso ao extremo vom tanques de guerra!!!
Nem eu jamais escrevi sobre um fetiche tão bizarro.
Tackle merece mérito por ter inovado tanto.
Hehaehahea
Guilherme disse…
não sei, não sei se carros são mais esquisitos do que balões. Mas isso é sério... a dúvida é se ele utiliza o escapamento ou o frei de mão.

De qualquer jeito, deixem os carros estacionados longe do Tomaz.
Andreza disse…
Eu sempre achei encerar carro um pouco estranho mesmo. Já acho caro até pra lavar. E pra que tanto óleo? De freio, de não sei mais o que... Um pouquinho de óleo e um absurdo de preço. Por isso é que eu tenho seguido um pouco os passos de uma amiga que faz do carro uma extensão de si e do armário.A gente lê McLuhan
Thiago Borges disse…
Hhsuahsuahs, não sei porque, mas achoo que a andreza está falando da ana luiza
Gressana disse…
Se até o Hanz repudia, então a coisa tem que ser muuuuito feia.