O fim do BBB

Ontem foi o final do BBB. Não, não. Não iremos falar das mulheres que sairão na playboy. Nem faremos análises antropológicas dos participantes. Aliás, nem estamos falando desse Big Brother que você está pensando (alias isso é freqüente por aqui). Não é o Brasil. E sim o Big Brother Birmânia. Depois que o filme-denúncia Rambo mostrou o drama vivido pelas minorias étnicas do país os olhos do mundo se voltaram para o país, que recentemente adotou o nome artístico de Mianmar.

Mas, a população também tem direito a diversão. E nem estamos falando nas apostas que eles fazem, para ver qual prisioneiro não irá pisar em uma mina terrestre. Algumas poucas pessoas têm televisão e para elas é que existe o Big Brother.

A estrutura do programa é parecida com a versão brasileira. São 12 pessoas confinadas dentro de uma casa, toda semana um é eliminado, eles passam por provas de resistência, inteligência, elegem seus líderes e no final o ganhador ganha um prêmio.

Mas ai vem às diferenças. A começar pela casa. Enquanto que no Brasil temos uma casa gigante, com piscina, sala de musculação, sauna, ofurô, vários quartos e até mesmo banheiro, a casa birmanesa é mais simples. É apenas um barraco de madeira com dois quartos de dois metros quadrados. Em um quarto dorme o líder sozinho, enquanto que os outros participantes ficam amontoados no outro quarto. A casa é cercada por muros altos, com cercas eletrificadas, para evitar a fuga dos participantes.

Também são feitas festas, mas elas são um pouco diferentes das brasileiras. Lá, as mulheres começam a dançar, enquanto que os homens jogam cerveja nelas e no fim, todas são estupradas.

O líder é eleito normalmente através de provas de resistência. Os participantes ficam pendurados em lugares, com porcos famintos tentando os devorar. Vários instrumentos de tortura são utilizados também. E todos tentam resistir ao máximo. O líder além de ter seu próprio quarto tem o direito de defecar do lado de fora da casa. O que não deixa de ser um risco, visto que ele corre o risco de cagar em cima de uma mina e ter uma morte humilhante. O líder também pode utilizar dos serviços sexuais dos outros integrantes.

Então o líder indica um membro para o paredão, enquanto que os outros participantes indicam o outro. E eles vão para o paredão, literalmente. Aproveitando se dos muros altos que cercam a casa, os dois escolhidos são posicionados lado a lado. Um soldado faz mamãemandou e escolhe o eliminado. Então toda a família do eliminado é posicionada em frente ao participante eliminado, e um soldado começa a atirar em um por um. Ele tem ordens para parar quando o participante eliminado parar de chorar. O chefe militar certa vez viu o filme DogVille e gostou dessa idéia.

A final então foi ontem e duas mulheres chegaram à final. Uma delas era cogitada a posar na playboy birmanesa, visto que nem amputações ela tinha. Os soldados birmaneses até estavam invadindo casas para buscar os novos participantes. O problema é que o Rambo apareceu e matou todos os birmaneses malvados e instalou a paz no país, antes do fim do programa. Fazendo com que o site do Terra birmanês não tivesse o que postar na página principal.

Comentários

Gressana disse…
hHAHahHAHHahHAHahHAHahHAHahHA!!!
O BBBirmânia é cruel!!
Imagina o cara morrer porque cagou em cima de uma mina terrestre, hhahAHhaHAHahHAhahAHah!!!
É, e as eliminações poderão acabar com o país inteiro.
MANGABEIRA disse…
Kkkkk. Gostei da referência ao DogVille. Lembro-me dessa parte.
Thiago Borges disse…
Deviam mandar o Rambo no lugar do Bial logo.