O carnaval em Paranatinga

Esqueça Copacabana e as mulheres siliconadas com seus corpos seminus dançando em cima de carros alegóricos gigantes. Esqueça as fantasias que custam mais do que um carro popular. Esqueça também os patrocínios milionários de governos estaduais e a enorme transmissão da TV Globo com 97 câmeras que mostram desde a maquiagem nos olhos da porta bandeira, até o interior de uma cuíca. Também esqueça os camarotes com famosos usando abadas de cervejarias, os trios elétricos. Esqueça.

Não iremos falar sobre o megalomaníaco carnaval paulistano, o grandioso carnaval carioca, o tradicional carnaval pernambucano ou ainda o carnaval baiano, até porque esse é muito longo. Começa pouco depois do ano novo e vai até um pouco antes da Páscoa. Falaremos do carnaval em Paranatinga. Município que se localiza a uma latitude 14º25'54" sul e a uma longitude 54º03'04" oeste. E no qual nossa equipe esteve presente.

Primeiro, o carnaval se concentra na praça da cidade, onde um telão fica mostrando vídeos do Crazy Frog 24 horas por dia. A cidade inclusive entrou no Guiness Book of Records como a maior exibição consecutiva de vídeos do Crazy Frog, 38 horas. Que, aliás, também é o recorde de tempo sem que a luz acabe na cidade.

Existem três escolas de samba na cidade. A Caralho Pulsante, Boceta Nervosa e Cuzinho Apertado.

A Caralho Pulsante foi a primeira a entrar na avenida, com o enredo “Padaria do Zé, Pãozinho quente toda hora”. A Escola recebeu uma ajuda de 50 reais do Zé da Padaria, que também emprestou sua Kombi para distribuir pão fresco para os foliões. A Kombi também foi adesivada e serviu como único carro alegórico da escola. A platéia foi ao delírio com o pão quente, e nem percebeu que o motor da Kombi estava fazendo mais barulho do que a bateria da escola, que consistia em um pandeiro e um tambor. A letra da escola dizia “Atenção Caralho Pulsante! A hora é essa!” digo, isto todos falavam, mudando apenas o nome da escola, mas vamos lá “Oiago no oiagué, É a padaria do Zé, 8 anos de glória,Tem pão quente a toda hora”.

A Boceta Nervosa desfilou o enredo “Paranatinga – coração do Brasil!”. Patrocinada pela prefeitura da cidade, a escola teve muitos problemas, porque os carros alegóricos eram grandes demais para entrar na rua principal da cidade – tinham mais do que 2 metros de largura – o que fez com que os carros tivessem que ser serrados ao meio. Mesmo assim, foi a escola mais aplaudida, pelos figurantes contratados pela prefeitura para aplaudir a escola. Bem treinados, eles cantaram juntos o refrão “Ó minha querida Paranatinga, lugar que vivo a adorar, povo hospitaleiro, o mais puro ar de respirar”.

Por fim, o Cuzinho Apertado cantou seu enredo “Du dá Du dá”. Composto e idealizado pelo poeta concretista André Érd Na. Todo a letra foi feita em vocábulos fonéticos. Ou algo assim, ninguém entendeu nada. Todos estavam nus, faziam dança contemporânea, e não havia música acompanhando. Apenas um cara dizendo silabas sem sentido. Foi desclassificada na hora.

A apuração aconteceu logo no domingo de manhã. E a Boceta Nervosa foi escolhida vencedora, com 10 em todos os quesitos. Os jurados foram vistos agora a pouco no Aeroporto de Várzea Grande, indo para as Bahamas. O empresário do ramo alimentício, José Carlos Dias, quer ser ressarcido pelos pães produzidos em vão. Mas ele deve desistir antes de conhecer o porquê a cidade é conhecida como Paranabala.

*Todo e qualquer nome seja de pessoa, ou de cidade, citado no texto, é pura ficção.

Comentários

Carlo Gressana disse…
Em 2006 eu fui mestre-sala da Caralho Pulsante. A idéia de pegar patrocínio da padaria do Zé foi minha, mas não conta pra ele não, senão o cara contrata um jagunço pra me arrancar o couro.
Anônimo disse…
cara vc é um otario...naum tem o que faze fica falanu mal da cidade dos outros