CH3 Olímpico

2008, amigos, é ano de Olimpíadas. E CH3 estará por dentro deste mega evento, que quase até mobiliza a nossa nação. Falaremos dos esportes, da história das Olimpíadas e até mesmo de algumas atletas. Sim, as atletas gostosas. Os jogos Olímpicos começarão apenas no dia 08/08/08 as 08:08. Mas, como nós não temos tempo para fazer uma cobertura especial em cima da hora, já vamos publicando antecipadamente. E começaremos nossa série com a história das Olimpíadas.

História

Os jogos Olímpicos começaram na Grécia Antiga. Sim, muito antiga. Eram realizados em Olímpia, no santuário de Zeus. Eram jogos bem democráticos porque apenas os homens gregos e livres participavam da prova. Assim como na democracia ateniense, em que as mulheres, escravos e estrangeiros não faziam nada. E sim, nas Olimpíadas estavam todos nus, para delírio dos filósofos pederastas daquela época. Felizmente esse hábito foi abandonado.

Entre os esportes disputados, estavam as corridas pedestres, que nada tem a ver com a ação de atravessar uma rua movimentada. Assim como as corridas de cavalo e também a luta. Homens nus se matavam, enquanto Pitágoras elaborava teoremas sobre a circunferência dos testículos. De bom nesse esporte apenas a herança deixada com as lutas de mulheres no gel.

Então, os Gregos começaram a se preocupar em guerrear (seminus) contra outros povos, ou a filosofar demais e os jogos Olímpicos foram abandonados. Muitos anos depois o Barão de Coubertin resolver reeditar a competição. Criou os jogos Olímpicos modernos. Ele tinha uma das idéias mais utópicas da história “Corpo São, Mente Sã”. Carla Perez, Deborah Secco e Marilena Chauí comprovam essa utopicidade (momento Guimarães Rosa).

Os esportes pederastas foram deixados de lado no começo (o vôlei entrou no programa Olímpico apenas em 1964). Esportes como o tiro foram colocados, mas esta é uma modalidade que nunca foi disputada pelos melhores atiradores, visto que Clint Eastwood nunca participou das Olimpíadas. Mas foi nessa modalidade que o Brasil ganhou sua primeira medalha, em 1920 na Antuérpia com Guilherme Paraense. Foi a primeira vez que foram registradas balas perdidas na Bélgica.

Nas Olimpíadas de 1900, o público se maravilhou com a prática do Cabo de Guerra. Duas equipes de seis pessoas disputaram a competição, vencida por uma equipe mista entre dinamarqueses e suecos. Não se sabe porque, mas essa modalidade foi logo abandonada. Talvez porque ninguém estivesse disposto a fazer longas viagens para ficar puxando uma corda. Inclusive nas Olimpíadas de St. Louis, os EUA conseguiram as três medalhas. Infelizmente não foram disputadas partidas de Queimada.
Outros esportes estranhos foram praticados como o Lacrosse, uma espécie de rouba-bandeira. Ou a pelota basca, que... ahn, parece esses esportes de ficar rebatendo bola que as crianças jogam na rua.

Para se destacar nas Olimpíadas você precisa ser muito bom ou muito ruim. Emil Zatopek seria capaz de correr horas seguidas, Abebe Bikila correu a maratona descalço, Mark Spitz fazia as piscinas se mover, e Nadia Comaneci conseguia se contorcer como um arame. E uns Jamaicanos participaram das Olimpíadas de Inverno. Aliás, essas são as Olimpíadas chatas e que ninguém vê.

Em compensação a suíça Gabriela Andersen-Scheiss completou a maratona quase desfalecida e se tornou uma das maiores imagens da história dos jogos. Em 2000, o nadador Eric Moussambani da Guiné Equatorial inaugurou a modalidade 100m cachorrinho e também entrou para a história.

Também existem as questões políticas. Jesse Owens ganhou quatro medalhas de ouro contras loiros alemães e deixou Hitler puto. Pouco depois começou a segunda guerra. Americanos e soviéticos disputavam todas as modalidades na época da guerra fria. Os atletas tinham bombas atômicas nos vestiários, e os russos sempre falavam “Se morrer... Morreu.”.

Na próxima edição do CH3 Olímpico, falaremos um pouco sobre o Brasil nas Olimpíadas.

Comentários

Carlo Gressana disse…
Hahahahahahah!
Mais uma matéria impecável!
Além de descobrir que o bets já foi modalidade olímpica, também descobri que a histórica fala do Drago vem de um lema já usado.