Hanz, o Pansexual.

Sejam bem vindos mais uma vez a CH3 meus amigos, inclusive aquelas pessoas que caem aqui por engano, procurando no google frases como "mel gibson apanhou uma vez", "argentinos completamente nús", "fotos de gays enfiando garrafas no ânus", "joão cavalo", "alemão comendo siri", entre outras. Se bem que nesse blog realmente tivemos fotos de alemão comendo siri, segue o link para aqueles quem ainda não viu, e para quem quiser tirar mais umazinha com as fotos: http://chtres.blogspot.com/2007/04/alemo-comendo-siri.html#links.

Esse post de número 99 é especial para CH3, não que o 99 em si seja especial, na verdade especial é o 100. Mas sem 99 não existiria o 100. Assim como o 100 não existiria se não fosse o 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8...e assim por diante. Enfim, natal está chegando, e em sua busca por um intérprete de Papai Noel para nossa festa do cabide natalina, a equipe CH3 encontrou Hanz, o Pansexual. Nosso mais novo colaborador. na verdade quem achou ele foi nossa amiga Tay, procurando no google "Velhos com roupa de couro e látex em poses eróticas", mas isso não emporta, o que nos preocupa é o momento de solidão pelo qual Hanz está passando.

Nascido na pequena Herzogenaurach, Alemanha (para quem não sabe, a cidade onde nasceram a Puma e a Adidas, CH3 é cultura) em 1940, Hanz teve uma infância difícil. Já nos primeiros anos de escola, era aquele garoto da sala que comia cola, giz, lápis, borracha, lambia sola de sapato. Hanz foi logo taxado de porco pelos seus colegas, mas o que os leigos definiam como falta de higiene, para Hanz era amor. Hanz senpre teve um amor muito grande por todas as coisas, e esse amor foi só aumentando com o tempo. Amor pelos animais, pelas plantas, por frutas, legumes, verduras, balões, insetos, pantufas, colchões, pneus, baldes, vassouras, panelas, raladores de queijo, tábua de passar roupas, animais mortos, enfim, Hanz sempre teve muito amor pelas coisas vivas e não vivas, e esse amor era demonstrado em forma de sexo. Hanz tranzava com tudo que podia, em qualquer lugar, a qualquer hora, quantas vezes bem entendesse, a não ser no caso de animais mortos, que geralmente ele largava quando o corpo esfriava.

Esses hábitos de Hanz causaram choque em toda a população de Herzogenaurach, que exigiram que Hanz fosse queimado em praça pública, como acontece com todos os homens à frente de seu tempo. Hanz perdeu o apoio de sua família, que se uniu ao coro furioso da cidade, e só escapou com vida graças a seu vizinho Erik. Erik era cego, e tinha uma pastora alemã que vivia fugindo de casa, e nunca mais fugiu depois de conhecer os dotes de Hanz. Erik era eternamente grato a Hanz por manter sua pastora perto de casa, e sabendo da ameaça que rondava seu amigo, providenciou para que Hanz fugisse para o Brasil. Hanz passou a viver com uma prima de Erik no Rio Grande do Sul, e não demorou para que descobrisse o que o Brasil tinha de bom, transferiu seu amor para a fauna e a flora nativa. Teve inclusive problemas com o IBAMA por tranzar com um mico-leão-dourado, mas escapou do xadrez, pois o mico não prestou queixa contra ele.

Assim Hanz fez sua vida no Brasil, fazendo figuração em filmes pornôs, bicos como stripper e por muitos anos trabalhou no zoológico municipal de São Paulo. Hoje Hanz é modelo de roupas em látex e couro, e representa uma grande marca de produtos sado-masoquistas em feiras e workshops. Faz também papel de Papai Noel todo fim de ano. O peso da idade fez com que Hanz se preocupasse em arrumar uma esposa humana (e viva), que seja jovem, bonita, educada e compartilhe de seus interesses exóticos. As interessadas devem mandar um e-mail para CH3. Agora, a pedido do público feminino, postamos algumas fotos de Hanz, tiradas para o calendário 2008 da empresa que ele representa.

Comentários

Guilherme disse…
poucas vezes vi algo tão ultrajante.
Parabéns.
Carlo Gressana disse…
Naaaassa!!!!
Depois dessa eu nunca mais escrevo sobre balões.
Tá, mentira.
Mas é, isso supera qualquer motivo por já terem me chamado de doente, maníaco e mentecapto.