Três formas de se fazer justiça

O CH3 oferece logo abaixo, ou acima, se você estiver de cabeça para baixo, um guia de como agir em situações nas quais você se sinta lesado. Se você for prejudicado, existem três maneiras de agir: Arcar com o prejuízo, procurar uma saída legal para resolver o problema ou fazer justiça com as próprias mãos. De antemão deixamos claro que o mais correto é procurar uma saída legal, mas fazer justiça com as próprias mãos, sem duvida é muito mais divertido.

Situação 1: Você compra um pão estragado no supermercado.
Coisa chata não? Você compra o pão pensando em se alimentar e o encontra cheio de musgos, quase criando vida, mesmo antes do prazo de validade. O que você pode fazer?

Arcar com o prejuízo: É só pensar “tudo bem, não precisava mesmo” e resolver esquecer o dinheiro gasto na compra do produto.
Saída Legal: Ir até o supermercado e pedir para trocar o pão. Caso o pedido seja rejeitado, vá até a justiça e peça uma indenização.
Justiça com as próprias mãos: Vá até o supermercado portando um canivete, ou uma espingarda, faça o gerente comer o pão estragado, atire em todos os enlatados e leve quantos pães quiser para sua casa.

Situação 2: O ônibus no qual você estava quebra.
Outra situação desagradável. Voltando para casa, o seu ônibus quebra e então você pode:

Arcar com o prejuízo: Pensar “ok, eu preciso me exercitar mesmo” e ir embora a pé até a sua casa. Não importa que sejam mais de 20 km de distancia. Você pode virar um maratonista.
Saída Legal: Pedir por um outro ônibus, gratuito, que te possibilite seguir o caminho antes desejado. Caso isso não ocorra, volte a pé para casa e processe a empresa.
Justiça com as próprias mãos: Tombe o ônibus na avenida com a ajuda de outras pessoas. Utilize um isqueiro para jogar fogo no combustível, queimando o motorista e o cobrador. Seqüestre um pedestre e peça um ônibus novo como resgate.

Situação 3: Seu professor esquece de lhe dar nota e você é reprovado.
Que coisa não? As vezes as pessoas erram mesmo, mas como agir numa situação dessa?

Arcar com o prejuízo: Pense “tudo bem, um semestre a mais, poderá me transformar em um profissional e um ser humano melhor”. E curse a matéria de novo.
Saída Legal: Fale com o professor e caso ele não queira corrigir a situação, contate o departamento. Isso pode não funcionar, portanto, vá até a reitoria, até o colegiado do curso, até o prefeito, o presidente. E então, curse a matéria de novo.
Justiça com as próprias mãos: Quebre o carro do professor (de preferência com ele ou algum familiar dentro), mande ameaças de morte para ele, decapite-o e mande sua cabeça para o chefe de departamento.

Situação 4: Um amigo seu não quer te devolver o CD que você emprestou pra ele.
É assim mesmo, nem sempre nós realmente conhecemos as pessoas. O que fazer?

Arcar com o prejuízo: Pense “tudo bem, a amizade supera isso” e compre outro CD.
Saída Legal: Procure um advogado e gaste mais dinheiro com ele, do que com um CD novo.
Justiça com as próprias mãos: Espalhe para todos os amigos em comum, que ele é o namorado passivo de um travesti. Fale para o chefe da torcida do Corinthians, que este amigo andou espalhando que já comeu sua mãe (no caso, a mãe do chefe de torcida). Aproveite o velório e recupere seu CD.

Situação 5: Tomou um fora em uma boate.
A garota passou a noite lhe encarando e na hora da definição te humilhou. Então, você pode:

Arcar com o prejuízo: Pensar “tudo bem” e ir até o balcão, pedir a bebida mais cara do lugar.
Saída Legal: Nesse caso, a porta mais perto do local.
Justiça com as próprias mãos: Punheta.

Comentários

Carlo Gressana disse…
Olha, eu só tenho a dizer que consumidor macho não leva desaforo estragado pra casa.
E hahahaha, muito interessante a maneira de como as coisas são mais eficazes fazendo justiça com as próprias mãos.
Thiago Borges disse…
Nesse mundo injusto fazemos o que podemos. Como diria Stallone Cobra "seu cocô..."